Massacre de Orlando

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Massacre de Orlando
Boate Pulse em 2006
Local Orlando, Flórida
 Estados Unidos
Data 12 de junho de 2016
Tipo de ataque Assassinato em massa
Alvo(s) Civis da comunidade LGBT estadunidense
Arma(s) Rifle semiautomático SIG Sauer MCX
e Pistola semiautomática
Mortes ~ 50[1]
Feridos ~ 53
Responsável(is) Omar Mir Seddique Mateen[2]
Motivo Homofobia
Fundamentalismo islâmico

Massacre de Orlando foi um atentado terrorista doméstico que ocorreu em 12 de junho de 2016, na boate LGBT chamada "Pulse", em Orlando, Flórida, Estados Unidos. Pelo menos 50 pessoas foram mortas e 53 ficaram gravemente feridas.[3]

O atirador, Omar Mir Seddique Mateen, um muçulmano norte-americano de origem afegã, prometeu lealdade ao grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) antes do ataque.[4][5]

O incidente foi caracterizado por muitas fontes como "o mais mortal tiroteio em massa da história dos Estados Unidos"[3][6][7][8] (seria ultrapassado em 1 de outubro de 2017 pelo massacre de Las Vegas Strip). O ataque também foi o mais grave contra as pessoas LGBT na história do país[9] e o mais mortífero ataque contra civis estadunidenses desde 11 de setembro de 2001.[10][11]

Incidente[editar | editar código-fonte]

Viaturas e ambulâncias no local do massacre

Por volta de 2h02 (UTC−4) de 12 de junho tiros foram ouvidos e um oficial do Departamento de Polícia de Orlando (OPD) estacionado na discoteca trocou tiros com o atirador. Em sua página no Facebook, às 2h09 EDT, a boate Pulse disse: "Todos saiam da Pulse e continuem correndo."[12]

O atirador estava armado com um fuzil de assalto, um revólver e um "dispositivo" que os funcionários acreditavam que era mais uma ameaça. Depois de outros oficiais cercarem o suspeito, o atirador entrou na boate e começou a tomar pessoas como reféns.[13][14]

Dezenas de socorristas, incluindo oficiais do OPD e agentes do FBI, bem como paramédicos e bombeiros chegaram à cena.[15] Um negociador esteve presente,[16] visto que o atirador estava enfurnado dentro do prédio e mantendo reféns.[15][17]

SWAT no arredores da boate Pulse

O terrorista afirmou ter um dispositivo explosivo.[18][19] A polícia disse que um esquadrão antibombas tinha desencadeado uma explosão controlada.[16]

Por volta de 5h00 EDT, oficiais da SWAT entraram na discoteca e trocaram tiros com o agressor. Trinta reféns foram libertados, e um oficial recebeu um tiro não-letal na cabeça e foi hospitalizado.[20][21][22][23] Às 5h53 EDT, o OPD confirmou que o atirador foi morto.[24] A Reuters relatou que era desconhecido o momento em que o atirador matou as vítimas.[17]

Muitas pessoas fizeram fila para doar sangue em centros de doação de sangue após as autoridades pedirem às pessoas para contribuir.[25][26] O Centro da Comunidade de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros do Centro da Flórida ofereceu aconselhamento e apoio aos sobreviventes.[27]

O atirador[editar | editar código-fonte]

Omar Saddiqui Mateen

Omar Mir Seddique Mateen (Nova Iorque, 16 de novembro de 1986 - Orlando, 12 de junho de 2016)[28] era um cidadão estadunidense nascido no estado de Nova Iorque de pais afegãos e era muçulmano. Ele vivia a cerca de 160 quilômetros de Orlando.[29][30] Ele frequentou a Martin County High School por pelo menos um ano e, supostamente, também frequentou a Indian River State College, entre 2006 e 2007. De acordo com Departamento de Registros Legais da Flórida, ele não tinha antecedentes criminais no estado. Mateen vivia em Fort Pierce, Flórida, mas recebia sua correspondência na casa de seus pais na cidade vizinha de Port St. Lucie.[31]

Ele trabalhava para a G4S, uma empresa de segurança multinacional com sede em Londres, na cidade de Jupiter, Flórida, desde 2007.[32][33][34] Ele tinha uma licença de porte de armas de fogo ativo e uma licença de guarda de segurança.[34][35]

Mateen casou-se com uma mulher do Uzbequistão em abril de 2009, mas eles se divorciaram em julho de 2011.[31][36] Após o ataque à discoteca, a ex-esposa de Mateen disse a meios de comunicação que durante o casamento, Mateen era mentalmente instável e que a agredia.[37] Ele teria se casado novamente e tinha um filho de três anos de idade.[38]

Mateen tornou-se uma "pessoa de interesse" para o FBI em 2013 e 2014. O inquérito 2013 foi aberto após Mateen fazer comentários "inflamatórios" aos colegas de trabalho e a investigação em 2014 foi aberta após Mateen "estar ligado ao radical estadunidense Moner Mohammad Abu Salha que se tornou um homem-bomba na Síria".[34] Mateen foi entrevistado três vezes por conta das investigações, que foram encerradas após nada justificar uma investigação mais aprofundada.[39]

Motivações[editar | editar código-fonte]

O responsável pelo massacre foi identificado como sendo Omar Saddiqui Mateen, de 29 anos. Segundo a rede CNN, a família do atirador seria do Afeganistão e ele possuía treinamento para o manuseio de armas.[40] Omar era muçulmano mas permaneceu desconhecido se ele tinha, comprovadamente, ligações com grupos extremistas islamitas .[41] Uma agência de notícias chamada Amaq, ligada a movimentos jihadistas, afirmou que o atirador tinha ligações com a organização terrorista conhecida como Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL).[42]

Um ex-colega que trabalhou com Mateen em um condomínio fechado a oeste Port St. Lucie o descreveu como "desequilibrado e instável" e também disse que ele frequentemente fazia comentários homofóbicos e racistas e falava sobre matar pessoas.[43]

Em entrevista à emissora NBC News, o pai de Omar informou que seu filho estava expressando ódio aos gays. Segundo o pai do atirador, Omar viu dois homens se beijando em Miami há alguns meses e ficou muito irritado, expressando indignação que seus filhos vissem aquela cena.[44] À imprensa o pai de Omar disse:

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Doméstica[editar | editar código-fonte]

Discurso do presidente Barack Obama sobre o massacre

A Casa Branca divulgou um comunicado enviando suas condolências às vítimas. O presidente Barack Obama ordenou que o governo federal preste toda a assistência necessária para "prosseguir a investigação e apoiar a comunidade".[45] Obama também chamou o ataque de um "ato de terror" e de "ódio". Em leitura de um breve comunicado na Casa Branca, Obama disse:[46] "Sabemos o suficiente para dizer que isso foi um ato de terrorismo e de ódio"..."não pode mudar o que somos".[46] Obama aproveitou o discurso para reforçar a necessidade de debate sobre o porte de armas nos EUA, instando os estadunidenses a pensarem se este é o país onde querem estar.[46] "O massacre nos lembra como é fácil pôr as mãos numa arma que permite a eles atirar em pessoas em escolas, cinemas e clubes noturnos. E nós temos que decidir se este é o tipo de país em que queremos estar. E não fazer nada é também uma decisão."[46]

O governador da Flórida, Rick Scott, enviou uma declaração de apoio a todos os afetados e reforçou que o centro de operações de emergência do estado está monitorando o incidente.[47] O prefeito de Orlando, Buddy Dyer, declarou estado de emergência.[48]

James Comey, o diretor do FBI, concede uma entrevista coletiva sobre o massacre de Orlando

Enquanto os políticos norte-americanos de ambos os partidos consistentemente compartilharam "luto e oração", os democratas em geral se referem ao ataque como um tiroteio em massa, enquanto os republicanos evitam esta frase; membros de ambas os partidos se referem ao evento como um ataque terrorista, mas muitos democratas acrescentam que também foi um "ato de ódio". Muitos democratas especificamente mencionaram que o ataque teve como alvo a comunidade LGBT, sendo que o presidente Obama afirmou que a Pulse é "mais do que uma casa noturna - é um lugar de solidariedade e de capacitação, onde as pessoas se reúnem para aumentar a conscientização, para abrir suas mentes e para defender de seus direitos civis." Republicanos geralmente evitaram mencionar a comunidade LGBT, embora alguns, incluindo o candidato presidencial republicano Donald Trump e o senador Marco Rubio, da Flórida, tenham mencionado a comunidade LGBT especificamente.[49]

Em discursos após o ataque, a candidata presidencial democrata Hillary Clinton prometeu lutar contra os "jihadistas radicais" e pediu união.[50] Clinton também pediu leis mais rígidas para o porte de armas de fogo.[51] Além disso, Clinton condenou "a retórica inflamatória anti-muçulmana" e enfatizou a importância de relações entre as agências comunitárias muçulmanas e de aplicação da lei dos Estados Unidos.[52] Clinton exortou Arábia Saudita, Qatar, Kuwait e outros países a parar de financiar instituições islâmicas radicais e para que impeçam que seus cidadãos financiem grupos extremistas.[53]

Internacional[editar | editar código-fonte]

Cartaz em apoio às vítimas do atentado durante a parada gay de Colônia, Alemanha.

O Facebook ativou seu recurso de "verificação de segurança" após o ataque, permitindo que os usuários marquem a si mesmos como "seguros" para notificar a família e amigos.[54][55]

Nas mídias sociais e nas ruas muitas pessoas expressaram seu choque com os acontecimentos e estenderam suas condolências aos afetados, como os candidatos presidenciais, membros do Congresso e outras figuras políticas norte-americanas, várias celebridades, além de líderes de países e organizações como África do Sul, Canadá, China, Índia, Israel, União Europeia, Rússia e Vaticano.[56][57]

Em nota, o governo brasileiro informou ter recebido com profunda consternação e indignação a notícia do ataque à casa noturna: "Ao transmitir sua solidariedade às famílias das vítimas, ao povo e ao governo norte-americanos, o governo brasileiro reafirma seu mais firme repúdio a todo e qualquer ato de terrorismo. Nenhuma motivação, nenhum argumento justifica o recurso a semelhante barbárie assassina."[58]

As autoridades brasileiras também disseram que o Consulado-Geral do Brasil em Miami estava em estreito contato com as autoridades locais e com a comunidade brasileira em Orlando, sem ter registrado a presença de brasileiros entre as pessoas vitimadas pelo ataque.[58]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Barbaba Liston. «Fifty people killed in massacre at Florida gay nightclub: police». Reuters. Consultado em 12 de junho de 2016 
  2. «Orlando gunman identified as Omar Mateen». BNO News. Consultado em 12 de junho de 2016. Arquivado do original em 13 de junho de 2016 
  3. a b Lyons, Kate (12 de junho de 2016). «Orlando Pulse club attack: gunman behind shooting that killed 50 'named as Omar Mateen'». the Guardian. Consultado em 12 de junho de 2016 
  4. Hayley Tsukayama, Adam Goldman, Peter Holley, Mark Berman (12 de junho de 2016). «Terror in Orlando: 50 killed in shooting rampage at gay club; gunman pledged allegiance to ISIS». The Washington Post. Consultado em 12 de junho de 2016 
  5. «Suspected Orlando shooter called 911, swore allegiance to Islamic State: NBC». Reuters. called 911 before the shooting and swore allegiance to Islamic State 
  6. Lois Beckett, Orlando nightclub attack is deadliest US mass shooting in modern history, The Guardian (12 de junho de 2016).
  7. Ashley Fantz, Faith Karimi and Eliott C. McLaughlin (12 de junho de 2016). «Police: 50 killed in Florida nightclub terror attack». CNN. Consultado em 12 de junho de 2016 
  8. «Gunman's 'terror attack' on gay nightclub leaves 50 dead». The Independent (em inglês). 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  9. Mark Joseph Stern, The Long, Tragic History of Violence at LGBTQ Bars and Clubs in America, Slate (12 de junho de 2016).
  10. Kelly, Erin. «Trump, Clinton, congressional leaders react to Orlando shooting». ABC 13 News Now. USA Today. Consultado em (12 de junho de 2016. House Homeland Security Chairman Michael McCaul, R-Texas, said "this appears to be the worst terrorist attack on American soil since 9/11."  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. Ashley Fantz; Faith Karimi; Eliott C. McLaughlin (12 de junho de 2016). «Orlando nightclub shooting: 50 killed in terror attack». CNN. A gay nightclub here was the scene early Sunday of the worst terror attack in U.S. history since 9/11. 
  12. Sentinel, Orlando. «Orlando nightclub shooting: Victims' names being released». Consultado em 12 de junho de 2016 
  13. «Islamic terrorism tie eyed in Orlando gay bar shooting». Consultado em 12 de junho de 2016 
  14. David Caplan & Michael Edison Hayden (12 de junho de 2016). «At Least 50 Dead in Orlando Gay Club Shooting, Suspect Identified, Officials Say». ABC News 
  15. a b Lizette Alvarez, Steve Kenny & Richard Pérez-Peña (12 de junho de 2016). «Shooting at Orlando Nightclub Kills 50, Police Say». New York Times. Consultado em 12 de junho de 2016 
  16. a b Steph Solis & John Bacon (12 de junho de 2016). «50 dead in nightclub, worst mass shooting in U.S. history». USA Today. Consultado em 12 de junho de 2016 
  17. a b Barbara Liston. «Fifty people killed in massacre at Florida gay nightclub: police». Reuters. Consultado em 12 de junho de 2016 
  18. Ashley Fantz, Faith Karimi & Eliott C. McLaughlin (12 de junho de 2016). «Police: 50 killed in Florida nightclub terror attack». CNN 
  19. Zappone, Chris (12 de junho de 2016). «Orlando, Florida gay nightclub shooting: multiple victims». Sydney Morning Herald. Consultado em 12 de junho de 2016 
  20. Kate Lyons (12 de junho de 2016). «Orlando Pulse club attack: gunman behind shooting that killed 50 'named as Omar Mateen'». The Guardian. Nova York. Consultado em 12 de junho de 2016 
  21. Caroline McClatchey & Yaroslav Lukov. «Orlando nightclub shooting: Live reporting» (em inglês). BBC News. Consultado em 12 de junho de 2016 
  22. Lyons, Kate (12 de junho de 2016). «Orlando nightclub shooting: police confirm 'mass casualties' and gunman dead». The Guardian. Consultado em 12 de junho de 2016 
  23. «Shooting at gay nightclub in Orlando results in 'mass casualties'». Orlando Sentinel. 12 de junho de 2016 
  24. «At Least 50 Dead in Orlando Gay Club Shooting, Suspect Identified, Officials Say». ABC News. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  25. «Blood donors needed after mass shooting in Orlando». Orlando Sentinel 
  26. «Urgent Need For Blood After Mass Shooting». OneBlood 
  27. Alvarez, Lizzie; Kenny, Steve (12 de junho de 2016). «50 Dead in Shooting at Gay Nightclub in Orlando; Possible Terror Link». The New York Times 
  28. Yuhas, Alan (12 de junho de 2016). «Florida nightclub shooting: 50 killed and 53 injured in 'act of terror' – rolling updates». The Guardian. Consultado em 12 de junho de 2016 
  29. «50 killed in shooting at Orlando nightclub, Mayor says». FOX News Channel. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  30. «CBS News: ISIS Claims Responsibility For Orlando Nightclub Attack That Left 50 Dead». CBS New York. Associated Press / CBS New York. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  31. a b Jones, Elliott (12 de junho de 2016). «Who is Omar Mateen?». Treasure Coast Newspapers. Consultado em 12 de junho de 2016 
  32. Beall, Pat; Morgan, Matt; Mower, Lawrence; Stapleton, Christine (12 de junho de 2016). «Vero Beach bomber tied to Mateen posted anti-gay video on Facebook». Palm Beach Post. Consultado em 12 de junho de 2016 
  33. «A G4S Secure Solutions (USA) Inc. Publication - Fall 2012». G4S. Outono de 2012. p. 10. Consultado em 12 de junho de 2016 
  34. a b c Katersky, Aaron; Meek, James Gordon; Margolin, Josh; Hayden, Michael Edison (12 de junho de 2016). «What We Know About Omar Mateen, Suspected Orlando Nightclub Shooter». ABC News. Consultado em 12 de junho de 2016 
  35. «Mateen, Omar». Florida Department of Agriculture and Consumer Services. Consultado em 12 de junho de 2016 
  36. «Orlando shooting suspect married, divorced within 2 years». Evansville Courier & Press. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  37. Goldman, Adam; Tate, Julie (12 de junho de 2016). «Ex-wife of suspected Orlando shooter: 'He beat me'». The Washington Post. Consultado em 12 de junho de 2016 
  38. «Florida nightclub shooter apparently made threats in the past; ex-wife claims he beat her». Fox News Channel. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  39. «Mass shooting at Pulse nightclub in Orlando, Florida». The Australian. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016. The FBI has described the shooting as "an act of terrorism" and say they suspect the shooter had ties to radical Islam. 
  40. «Polícia identifica atirador e diz que há ao menos 50 mortos após tiroteio em boate gay nos EUA». UOL. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  41. «50 killed in shooting at Florida nightclub in possible act of Islamic terror». Fox News. Consultado em 12 de junho de 2016 
  42. «Orlando gay night club shooter was Isis fighter, according to Amaq News Agency». The Independent. Consultado em 12 de junho de 2016 
  43. Westbury, Anthony; Rodriguez, Nicole; Jones, Elliot (12 de junho de 2016). «Co-worker: Omar Mateen homophobic, 'unhinged'». Florida Today. USA Today. Consultado em 12 de junho de 2016 
  44. a b «Pai de suposto atirador diz que filho tinha ódio contra gays». UOL apud ANSA. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  45. «Statement by the Press Secretary». WhiteHouse.gov. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  46. a b c d UOL. Obama chama atentado a boate gay de ato de terrorismo e ódio. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2016/06/12/declaracao-de-obama-sobre-atentado-a-boate-gay-nos-estados-unidos.htm>. Publicado em: 12 de junho de 2016. Acessado em: 12 de junho de 2016.
  47. «Gov. Scott: We Will Devote Every Resource Available to Assist with Orlando Shooting». Governor of Florida. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016. Arquivado do original em 15 de junho de 2016 
  48. «Orlando nightclub shooting: Mayor declares state of emergency». BBC News. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  49. Andrews, Wilson; Buchanan, Larry (13 de junho de 2016). «The Words Politicians Used to Respond To the Orlando Nightclub Attack». The New York Times. Consultado em 13 de junho de 2016 
  50. Siddiqui, Sabrina; Jacob, Ben (13 de junho de 2016). «Hillary Clinton and Donald Trump offer clashing speeches after Orlando attack». The Guardian. Consultado em 13 de junho de 2016 
  51. Hook, Janet (13 de junho de 2016). «Hillary Clinton Presses for Stricter Gun Laws After Orlando Shooting». The Wall Street Journal. Consultado em 13 de junho de 2016 
  52. Martin, Jonathan; Burns, Alexander (13 de junho de 2016). «Blaming Muslims After Attack, Donald Trump Tosses Pluralism Aside». The New York Times. Consultado em 13 de junho de 2016. 'Mr. Trump carefully read his remarks from a teleprompter and offered more detail than his stump speeches generally contain, but his speech was still rife with the sort of misstatements and exaggerations...' 
  53. «Saudi Arabia, Kuwait, Qatar must stop citizens from funding extremists: Hillary Clinton». Business Standard. Agence France-Presse. 13 de junho de 2016. Consultado em 14 de junho de 2016 
  54. Shapiro, Julie (12 de junho de 2016). «Facebook Activates Safety Check for Orlando Nightclub Shooting». Time. Consultado em 12 de junho de 2016 
  55. Boggs, Justin (12 de junho de 2016). «Facebook activates Safety Check for Orlando residents». WGBA-TV. Consultado em 12 de junho de 2016 
  56. Kelly, Erin (12 de junho de 2016). «Trump, Clinton, congressional leaders react to Orlando shooting». USA Today. Consultado em 12 de junho de 2016 
  57. «Politicians, officials across the world react to mass shooting at Orlando nightclub». Denver Post. Associated Press. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 
  58. a b «Nota 217 - Ataque a casa noturna em Orlando». Site Oficial do Itamaraty. 12 de junho de 2016. Consultado em 12 de junho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Massacre de Orlando