Mosteiro de Sumda Chun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mosteiro de Sumda Chun
Nomes alternativos • Gompa de Sumda Chun
• Templo de Sumda Chun
• Mosteiro de Sumda Chung
• Mosteiro de Sumda Chon
• Mosteiro de Sumda Chen
Tipo gompa
Construção século XI
Aberto ao público Sim
Religião budismo tibetano
Geografia
País  Índia
Estado Jamu e Caxemira
Região Ladaque
Coordenadas 34° 8' 1" N 77° 9' 3" E
Mosteiro de Sumda Chun está localizado em: Jammu e Caxemira
Mosteiro de Sumda Chun
Localização do Mosteiro de Sumda Chun em Jamu e Caxemira

O Mosteiro de Sumda Chun, Gompa de Sumda Chun, Mosteiro de Sumda Chung, Mosteiro de Sumda Chon, Mosteiro de Sumda Chen ou Templo de Sumda Chun é um antigo mosteiro budista tibetano (gompa) do Ladaque, no estado de Jamu e Caxemira, noroeste da Índia. Os seus templos, datados provavelmente do início do século XI são, juntamente com os complexos religiosos de Alchi e de Mangyu, datados do mesmo período, os templos budistas mais antigos do Ladaque.

O mosteiro situa-se junto à aldeia homónima, a cerca de 3 900 metros de altitude, 12 km em linha reta a sul de Alchi,[1] junto ao caminho entre Alchi e Chilling.[2] A única forma de chegar ao mosteiro é seguir esse caminho sinuoso ao longo de vales de montanha, o que envolve uma caminhada de três a quatro horas desde Alchi.[3]

Em 2006, o mosteiro foi incluído na lista dos 100 sítios mais ameaçados do mundo do World Monuments Fund.[4] Desde então tem vindo a ser restaurado. Em 2011, os trabalhos de restauro receberam o prémio "UNESCO Asia-Pacific Awards for Cultural Heritage Conservation", que qualificaram os trabalhos como "heróicos".[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O mosteiro é considerado um dos monumentos do budismo tibetano primitivo mais importantes do Ladaque que chegaram aos nossos dias e representa as influências culturais do budismo tibetano na região dos Himalaias. Os vestígios artísticos mais antigos de Sumda Chun, nomeadamente as pinturas murais, estão em bastante melhor estado do que as do complexo de Alchi, mais conhecido, provavelmente por estar num local de muito mais fácil acesso. O facto de se situar numa área remota contribuiu para preservar as obras de arte de Sumda Chun, mas também dificulta a sua manutenção e restauro.[3]

A fundação do mosteiro deve-se provavelmente a Rinchen Zangpo (958–1055),[6][7] um lotsawa (tradutor para tibetano das escrituras sagradas budistas) natural de Guge (Tibete Ocidental) e uma das principais figuras da chamada "segunda propagação do budismo no Tibete". No passado integrava uma longa e árdua rota de peregrinação que incluia Alchi e Mangyu. Os peregrinos rezavam nos três templos de Sumda Chun durante um dia, entre o nascer e o pôr do sol.[3]

O mosteiro chegou a ocupar toda a colina, mas atualmente as únicas estruturas em pé são a sala da assembleia, um santuário principal, duas capelas dedicadas a bodisatvas, uma sala de oração, um muro de oração e várias estupas. Atualmente, a principal atração do complexo são as imagens cósmicas. As pinturas murais da sala de assembleia do mosteiro são exemplos importantes e raros do período de formação do budismo tibetano. No nicho do altar há 37 imagens esculpidas em estuque policromado,[3] formando um Vajradhatumahamandala.[7] A divindade central, Vairocana, é considerada o aspeto decorativo mais significativo do templo e é um dos poucos exemplos do estilo de decoração escultórica dos primeiros templos budistas dos Himalaias ocidentais.[3] As pinturas murais têm representações de quatro Budas: Ratnasambhava, Akshobya, Amitaba e Vairocana.[6]

Esculturas em Sumda Chun
 
Vídeo de 2008 do World Monuments Fund sobre os trabalhos de restauro em Sumda Chun

Referências

  1. «34.133679, 77.150824». www.google.com/maps. Consultado em 21 de dezembro de 2016. 
  2. Rizvi, Janet (1996), Ladakh: Crossroads of High Asia, ISBN 9780195645460 (em inglês) 2.ª ed. , Deli: Oxford University Press India 
  3. a b c d e «Sumda Chun Monastery» (em inglês). World Monuments Fund. www.wmf.org. Consultado em 22 de dezembro de 2016. 
  4. «Explore» (em inglês). World Monuments Fund. www.wmf.org. Consultado em 22 de dezembro de 2016. 
  5. «2011 UNESCO Asia-Pacific Heritage Award Winners» (em inglês). UNESCO Bangkok. Consultado em 22 de dezembro de 2016. 
  6. a b «Monasteries of Ladakh» (em inglês). www.reachladakh.com. Consultado em 22 de dezembro de 2016. 
  7. a b «Sumda Chung — General description» (em inglês). Buddhist Architecture in the Western Himalayas. www.archresearch.tugraz.at. Universidade de Tecnologia de Graz. Consultado em 22 de dezembro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Mosteiro de Sumda Chun
  • Sumda Chen. Site do projeto de recuperação do mosteiro. Buddhist Architecture in the Western Himalayas. www.archresearch.tugraz.at. Universidade de Tecnologia de Graz. Página visitada em 22 de dezembro de 2016
  • «Conservation of the Painted Chorten at Sumda Chun, Ladakh, India» (em inglês). World Monuments Fund. www.wmf.org. 22 de outubro de 2013. Consultado em 22 de dezembro de 2016.