Tso Kar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tso Kar
Lago Tso • Kar Tso • Tsho Kar
Vista do Tso Kar
Localização
Coordenadas 33° 18' 38" N 77° 59' 25" E
Países  Índia
Estado Jamu e Caxemira
Região Ladaque
Características
Tipo lago endorreico salgado
Altitude 4 530 m
Área * 22 km²
Comprimento máximo 7,5 km
Largura máxima 2,3 km
Tso Kar está localizado em: Jammu e Caxemira
Tso Kar
Localização do lago em Jamu e Caxemira
* Os valores do perímetro, área e volume podem ser imprecisos devido às estimativas envolvidas, podendo não estar normalizadas.

Tso Kar (lago Kar), Kar Tso ou Tsho Kar é um lago endorreico salgado nos Himalaias situado a 4 530 metros de altitude, no sudeste da região do Ladaque, no estado de Jamu e Caxemira, norte da Índia. Tem cerca de 7,5 km de comprimento, 2,3 km de largura[1] e 22 km² de área. Não tem quaisquer efluentes e drena as planícies de More, parte do planalto de Rupshu.[2]

A pouca distância da extremidade sudoeste do Tso Kar situa-se o Startsapuk Tso, um pequeno lago de água salobra praticamente doce com 3 km² de área e profundidade máxima de dois a três metros. Nas imediações há géiseres de água quente sulfurosa.[3]

A região do lago é praticamente deserta, à exceção da presença sazonal de nómadas Changpa que sazonalmente ali se instalam para pastorear os seus iaques e cavalos. Há uma pequena gompa (mosteiro budista) à beira do lago, onde ocasionalmente acorrem peregrinos.[3]

A estrada Manali–Leh passa 3 km a oeste da extremidade ocidental do lago, o qual dista pouco mais de 100 km de Leh, que fica a norte-noroeste (distâncias em linha reta).

Geografia[editar | editar código-fonte]

O lago está ligado por pequeno ribeiro ao Startsapuk Tso. Pela geologia das planícies de More, um vale plano a cerca 4 800 m de altitude, deduz-se que outrora o lago era de água doce e ocupava todo esse extenso vale dominado pelos cumes do Thugje (6 050 m) e do Gursan (6 370 m),[2][3] embora as montanhas em volta tenham mais de 7 000 m.[3]

O Startsapuk Tso é alimentado por nascentes perenes e pela fusão de neve e torna-se quase de água doce a meio do verão, quando atinge o seu volume máximo. Em julho, a profundidade máxima é de cerca de dois a três metros e transborda para o Tso Kar. Entre outubro e março, o Startsapuk Tso permanece gelado.[3]

Devido à grande altitude, o clima é de extremos, com enormes flutuações ao longo do dia. No inverno a temperatura não ultrapassa os -°C e não são raras as temperaturas abaixo de -40°C. No verão a temperatura oscila entre os 0°C e os 32°C. A precipitação é muito rara, quer na forma de chuva quer na forma de neve. Até há alguns anos, o lago era uma importante fonte de sal, que os nómadas Changpa exportavam para o Tibete. O assentamento nómada de Thugje situa-se 3 km a norte do lago e na margem ocidental há um campo de tendas para acomodar turistas.[3]

Flora e fauna[editar | editar código-fonte]

Os ribeiros que alimentam o lado são uma fonte de água não salgada, onde crescem algas da ordem Charales e urtigas, que formam uma espécie de ilhas de vegetação na primavera e verão, que desaparecem no inverno. Nas do Startsapuk Tso e das ribeiras margens crescem junça e ranúnculos. Nas partes mais altas das planícies de More, a vegetação é de estepe, com algumas manchas de Astragalus e Polygala dalmaisiana. A margem do lago está parcialmente coberta com depósitos salinos de natrão, bórax e outros sais, que impedem a vegetação de crescer.[4][5]

Devido à salinidade do Tso Kar, a maior parte da fauna terrestre residente, encontra-se nos afluentes e no Startsapuk Tso. Há grandes colónias de nidificação de mergulhões (Podicipedidae) e gaivotas centroasiáticas (Chroicocephalus brunnicephalus) e alguns gansos de cabeça listada (Anser indicus) e de outras espécies, além de andorinhas-do-mar. Nas vizinhanças são relativamente comuns os grous de pescoço negro (Grus nigricollis) e os cortiçóis tibetanos (Syrrhaptes tibetanus).[4][5]

A bacia do Tso Kar e as planícies de More são um dos habitats mais importantes do kiang (burro selvagem tibetano), gazela-tibetana (Procapra picticaudata), lobos-tibetanos (Canis lupus laniger) e raposas. Nas encostas mais altas há marmotas-da-estepe (Marmota bobak).[4][5] Atualmente a bacia do lago não tem qualquer proteção legal especial, à parte da caça ser estruitamente proibida, mas há planos para a incluir num parque nacional que pode vir a ser criado nas terras altas do sudeste do Ladaque.[3][5][6]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Kar Tso» (em inglês). www.geonames.org. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  2. a b Agrawal, Dharma Pal; Pande, Brij Mohan (1977), Ecology and Archaeology of Western India: Proceedings of a Workshop Held at the Physical Research Laboratory, Ahmedabad, Feb. 23-26, 1976 (em inglês), Concept Publishing Company, p. 239, consultado em 31 de janeiro de 2017 
  3. a b c d e f g «Tso Kar Lake basin» (em inglês). www.spectrumtour.com. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  4. a b c Moehlman, Patricia Des Roses (2002), Equids: Zebras, Asses, and Horses IUCN/SSC action plans for the conservation o biological diversity Status Survey and Conservation Action Plan SSC species action plans, ISBN 9782831706474 (em inglês), IUCN, p. 76, consultado em 31 de janeiro de 2017 
  5. a b c d Pangare, Ganesh; Pangare, Vasudha; Das, Binayak (2006), Springs of Life: India's Water Resources, ISBN 9788171884896 (em inglês), Academic Foundation, p. 54 
  6. Das, Brijraj Krishna (2008), Lakes: water and sediment geochemistry, ISBN 9788189304546 (em inglês), Satish Serial Pub. House, p. 121, consultado em 31 de janeiro de 2017 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tso Kar