Pierre-Jean-Georges Cabanis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pierre-Jean-Georges Cabanis
Nascimento 5 de junho de 1757
Cosnac
Morte 5 de maio de 1808 (50 anos)
Meulan
Sepultamento Panteão
Nacionalidade francês
Cidadania França
Ocupação fisiologia
Título conde
Religião ateísmo

Pierre-Jean-Georges Cabanis (Cosnac, 5 de junho de 1757Meulan, 5 de maio de 1808) foi um fisiologista e filósofo francês.

Foi sepultado no Panteão de Paris.

Vida[editar | editar código-fonte]

Cabanis nasceu em Cosnac (Corrèze), filho de Jean Baptiste Cabanis (1723–1786), advogado e agrônomo. Aos dez anos, frequentou o colégio de Brives, onde demonstrou grande aptidão para o estudo, mas sua independência de espírito era tão grande que quase constantemente se rebelou contra seus professores e foi finalmente expulso. Ele foi levado a Paris por seu pai e deixado para continuar seus estudos por conta própria por dois anos. De 1773 a 1775 ele viajou pela Polônia e Alemanha, e em seu retorno a Paris dedicou-se principalmente à poesia. Nessa época, ele enviou para a Académie Française uma tradução da passagem de Homero proposta para o prêmio e, embora não tenha ganhado, recebeu tanto incentivo de seus amigos que pensou em traduzir toda a Ilíada.

Por vontade do pai, ele desistiu de escrever e decidiu se dedicar a uma profissão mais estável, escolhendo a medicina. Em 1789, suas Observations sur les hôpitaux (Observações sobre hospitais, 1790) garantiram-lhe uma nomeação como administrador de hospitais em Paris, e em 1795 ele se tornou professor de higiene na faculdade de medicina de Paris, cargo que trocou pela cadeira de jurídico medicina e a história da medicina em 1799.[1]

Em parte por causa de sua saúde debilitada, ele tendia a não exercer a profissão de médico, pois seus interesses estavam nos problemas mais profundos da ciência médica e fisiológica. Durante os últimos dois anos da vida de Honoré Mirabeau, Cabanis esteve intimamente ligado a ele e escreveu os quatro artigos sobre educação pública que foram encontrados entre os documentos de Mirabeau quando de sua morte, e foram editados pelo verdadeiro autor logo depois em 1791. Durante a doença que encerrou sua vida, Mirabeau confiou inteiramente nas habilidades profissionais de Cabanis. Da morte de Mirabeau, Cabanis elaborou uma narrativa detalhada, destinada a justificar o tratamento que deu ao caso. Ele estava entusiasmado com a Revolução Francesa e tornou-se membro do Conselho dos Quinhentos e então do senado conservador, e a dissolução do Diretório foi o resultado de uma moção que ele fez nesse sentido. Sua carreira política foi breve. Foi membro do Conselho dos Quinhentos e depois foi membro do Senado. Hostil à política de Napoleão Bonaparte, ele rejeitou todas as ofertas de um lugar sob seu governo. Ele morreu em Meulan.[1]

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Uma edição completa das obras de Cabanis foi iniciada em 1825 e cinco volumes foram publicados. Sua obra principal, Rapports du physique et du moral de l'homme (Sobre as relações entre os aspectos físicos e morais do homem, 1802), é um esboço de psicologia fisiológica. A psicologia está para Cabanis diretamente ligada à biologia, pois a sensibilidade, o fato fundamental, é o grau mais alto de vida e o mais baixo de inteligência. Todos os processos intelectuais evoluem da sensibilidade, e a própria sensibilidade é uma propriedade do sistema nervoso. A alma não é uma entidade, mas uma faculdade;[2] o pensamento é a função do cérebro. Assim como o estômago e os intestinos recebem o alimento e o digerem, o cérebro recebe as impressões, as digere e tem como secreção orgânica o pensamento.[1]

Paralelamente a esse materialismo, Cabanis sustentava outro princípio. Pertenceu em biologia à escola vitalística de Georg Ernst Stahl, e na obra póstuma, Lettre sur les cause premières (1824), as consequências desta opinião tornaram-se claras. A vida é algo acrescentado ao organismo: além da sensibilidade universalmente difundida, existe uma força viva e produtiva à qual damos o nome de Natureza. É impossível evitar atribuir inteligência e vontade a esse poder. Esse poder vivo constitui o ego, que é verdadeiramente imaterial e imortal. Cabanis não achava que esses resultados estivessem em desacordo com sua teoria anterior.[1]

Seu trabalho foi muito apreciado pelo filósofo Arthur Schopenhauer, que o considerou "excelente".[3]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Cabanis foi um dos primeiros defensores da evolução.[4][5] Na Enciclopédia de Filosofia afirma-se que ele "acreditava na geração espontânea. As espécies evoluíram por meio de mutações casuais (" mudanças fortuitas ") e mutações planejadas (" tentativas experimentais do homem ") que mudam as estruturas da hereditariedade".[6]

Ele influenciou a obra de Jean-Baptiste Lamarck, que se referiu a Cabanis em sua Philosophie Zoologique.[5][7] Cabanis era um defensor da herança de características adquiridas, ele também desenvolveu sua própria teoria do instinto.[5]

Cabanis fez uma declaração que reconheceu um entendimento básico da seleção natural. O historiador Martin S. Staum escreveu que:

Em uma simples declaração de adaptação e teoria de seleção, Cabanis argumentou que as espécies que escaparam da extinção "tiveram que se dobrar e se conformar sucessivamente a sequências de circunstâncias, das quais aparentemente nasceram, em cada circunstância particular, outras espécies inteiramente novas, mais bem ajustadas a a nova ordem das coisas."[4]

Referências

  1. a b c d Chisholm, Hugh, ed. (1911), " Pierre Jean George Cabanis ", Encyclopædia Britannica , 4 (11ª ed.), Cambridge University Press, pp. 913–914
  2. «Faculdade». Michaelis On-Line. Consultado em 11 de junho de 2021 
  3. Schopenhauer, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstellung. 2. Capítulo 22.
  4. a b Staum, Martin S. (1980). Cabanis: Enlightenment and Medical Philosophy in the French Revolution. Princeton University Press. pp. 188-189. ISBN 0-691-05301-4
  5. a b c Richards. Robert J. (1987). Darwin and the Emergence of Evolutionary Theories of Mind and Behavior. University of Chicago Press. pp. 37-47. ISBN 0-226-71200-1
  6. Borchert, Donald M. (2006). Encyclopedia of Philosophy: Volume 2. Macmillan. p. 3. ISBN 0-02-865782-9
  7. Ruse, Michael. (1996). Monad to Man: The Concept of Progress in Evolutionary Biology. Harvard University Press. pp. 53-54. ISBN 978-0-674-03248-4

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
Claude-Carloman de Rulhière
Academia Francesa - cadeira 40
1803 — 1808
Sucedido por
Destutt de Tracy