Província de Brandemburgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa



Provinz Brandenburg
Província de Brandemburgo

Província

[[Imagem:Wappen Mark Brandenburg.png|border|30px]]
1815 – 1946 Flag of Berlin.svg
 
Flag of Brandenburg.svg
 
POL Poznań flag.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Brandemburgo
Brandemburgo (vermelho), Reino da Prússia (amarelo), dentro do Império Alemão
Continente Europa
Região Europa Central
País Alemanha
Polônia
Capital Potsdam
(1815–1827)
Berlim
(1827–1843)
Potsdam
(1843–1918)
Charlottenburg
(1918–1920)
Berlim
(1920–1946)
Governo Não especificado
História
 • 1815 Fundação
 • 1946 Dissolução


A província de Brandemburgo (alemão: Provinz Brandenburg) era uma província do Reino de Prússia e do Estado Livre da Prússia de 1815 a 1946, constituindo o principal centro do estado prussiano. A partir de 1871, passou a integrar o Império Alemão. Após a dissolução da Prússia em 1947, continuou como Brandemburgo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Província compreendia grandes partes da Planície Alemã do Norte, estendendo-se desde o Rio Elba no Oeste até além do Rio Oder no Leste, onde a região de Neumark fazia fronteira com o Grão-Ducado de Pozna (Província de Posen, 1848). Outras províncias vizinhas eram a Pomerânia no nordeste, Silésia no sudeste e Saxônia da Prússia no sudoeste. Brandemburgo também compartilhou uma fronteira comum com os grãos-ducados de Mecklemburgo-Schwerin e Mecklemburgo-Strelitz, bem como Anhalt no oeste.

Ao lado das áreas do rio Elba e Oder, a província cobria grandes partes da bacia do rios Spree e Havel. A maior cidade era Berlim, localizada no centro, juntamente com os subúrbios em crescimento de Spandau, Charlottenburg, Schöneberg (Altenkirchen) e Neukölln. As outras cidades maiores eram Potsdam (local da residência real), a capital regional Frankfurt an der Oder, Landsberg (atual Gorzów Wielkopolski) no leste e a capital histórica Brandemburgo no Havel, assim como Cottbus, Forst e Guben (Gubin) na Baixa Lusácia.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros povos conhecidos a habitar Brandemburgo foram os Suevos. Durante as migrações dos povos bárbaros, eles foram sucedidos pelos eslavos polábios, cuja fortaleza em Brandemburgo no Havel foi conquistada pelo rei alemão Henrique I da Germânia em 928/29. Henrique I subjugou as tribos eslavas até o rio Oder, e seu filho Otão I do Sacro Império Romano-Germânico estabeleceu a marca Geronis em seu território, com o primeiro governo conferido ao conde saxão Gero I.

A Marca do Norte foi dividida em 965 e grandes partes foram novamente perdidas na Grande Revolta Eslava de 963. O título de marquês não se tornou hereditário até a chegada de Alberto I de Brandemburgo, outro conde saxão da nobre Casa de Ascania, que estabeleceu a Marca de Brandemburgo em 1157. Seu filho Otão I de Brandemburgo adquiriu a dignidade de um moço de câmara do Sacro Império Romano-Germânico em 1177. O imperador Carlos IV do Sacro Império Romano-Germânico pela Bula Dourada de 1356 confirmou a dignidade de príncipe-eleitor dos Brandemburgo e atribuiu o eleitorado a seu filho Venceslau IV da Boêmia em 1373.

Em 1415, Brandemburgo foi adquirido pelo Burgrave Frederico I, Eleitor de Brandemburgo do Burgraviato de Nurembergue, o primeiro membro da Casa de Hohenzollern a governar a Marca de Brandemburgo. Ao longo dos séculos, os Hohenzollerns gradualmente ascenderam a uma das dinastias mais importantes da região, rivalizando com a dominante Casa de Habsburgo, um processo que se intensificou com a Reforma Protestante e a herança polonesa do Ducado da Prússia em 1618. A Marca de Brandemburgo formou o núcleo do Estado Brandemburgo-Prússia. Frederico Guilherme, Eleitor de Brandemburgo fez várias adesões ao território, o Tratado de Königsberg de 1656, marcando uma mudança significativa na evolução de Brandemburgo. No Tratado de Wehlau de 1657, Frederico Guilherme alcançou soberania total em seus territórios prussianos, o que permitiu que seu filho Frederico I da Prússia assumisse a coroa de Rei na Prússia em 1701.

Estabelecimento[editar | editar código-fonte]

A Marca de Brandemburgo permaneceu uma parte constituinte da Prússia até pouco após às Guerras Napoleônicas e o Congresso de Viena (1815), quando a administração do reino foi dividida em dez províncias. A maior parte territorial da Marca de Brandemburgo foi incorporada à nova Província de Brandemburgo, especialmente a Mittelmark entre os rios Elba e Oder e a região de Neumark a leste do rio Oder. No entanto, o Altmark na margem ocidental do Elba foi incorporado à província prussiana da Saxônia. A Província de Brandemburgo também incorporou o território da Baixa Lusácia, (onde Cottbus tinha sido um enclave brandemburgo desde o Século XV), bem como a área em torno de Belzig e Jüterbog, todos anexados do Reino da Saxônia em função da aliança saxã com Napoleão.

A Província foi liderada por um Oberpräsident e subdividida em duas regiões administrativas (Regierungsbezirke), nomeadas pelas suas respectivas capitais, Potsdam no noroeste (Mittelmark, Prignitz e Uckermark) e Frankfurt an der Oder no sudeste (Neumark e Baixa Lusácia). O governo provincial foi inicialmente situado na residência real de Potsdam. Em 1827, moveu-se para Berlim, retornou a Potsdam em 1843 e se estabeleceu finalmente em Charlottenburg em 1918. A capital prussiana, Berlim, formou parte da Província, mas no curso da Revolução Industrial, a partir da década de 1830, rapidamente se tornou uma metrópole. A partir de 1871, Berlim se tornou capital do Império Alemão, até virar cidade autônoma em 1 de abril de 1881 (Stadtkreis Berlim).

Em contraste, as regiões rurais, embora a servidão tivesse sido oficialmente abolida pelas reformas prussianas de 1807, ainda eram caracterizadas por grande partes de terra da nobreza Junker, semelhante às províncias prussianas orientais da Silésia e Pomerânia. As condições no campo permaneceram intocadas em grande parte, mesmo durante as revoluções de 1848, que levaram a lutas violentas nas ruas de Berlim. As grandes propriedades tinham que lidar com a baixa qualidade do solo e a falta de recursos naturais, exceto pelo carvão na Baixa Lusácia. A vida provincial foi descrita nos romances de Theodor Fontane, especialmente no seu trabalho descritivo Wanderungen durch die Mark Brandenburg (1862-89).

Estado Livre da Prússia[editar | editar código-fonte]

Após a Primeira Guerra Mundial e as resoluções do Tratado de Versalhes de 1919, a Província de Brandemburgo se deslocou para a extremidade oriental da República de Weimar, fazendo fronteira de 35 km com a Segunda República Polaca. Em 1920, a Lei da Grande Berlim ampliou as fronteiras de Berlim, incorporando numerosos bairros e cidades vizinhas de Brandemburgo (incluindo a cidade de Charlottenburg) para formar a Grande Berlim (Groß-Berlin), com uma população de cerca de 2.000.000. A Grande Depressão ajudou o Partido Nazista a se estabelecer como um importante poder político. Depois do Machtergreifung em 30 de janeiro de 1933, o gauleiter nazista Wilhelm Kube ocupou o escritório do Oberpräsident, sucedido por Emil Stürtz em 1936. Devido à sua localização perto da capital alemã, Brandemburgo foi um centro do terror nazista, com campos de concentração como Sachsenhausen e Ravensbrück e residências nazistas como Carinhall. Nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial, foi local de batalhas sangrentas como Seelow, Halbe e Berlim.

Em 1946, após a guerra, o território Neumark a leste da linha Oder-Neisse foi cedido à República da Polônia para formar a Voivodia de Zielona Gora. O território restante se tornou parte da zona de ocupação soviética e foi transformado no Estado de Brandemburgo (Potsdam como capital do estado). Em 1949, o Estado de Brandemburgo passou a integrar a República Democrática Alemã. Juntamente com os outros estados da Alemanha Oriental, foi dissolvido em 1952 e dividido em distritos administrativos. O território de Brandemburgo correspondia a grosso modo aos distritos de Potsdam, Frankfurt / Oder e Cottbus. Em 1990, após a reunificação alemã, Brandemburgo foi restabelecido como um estado da República Federal da Alemanha.


Ver também[editar | editar código-fonte]


Notas

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Clark, Christopher (2006) Iron Kingdom. The rise and the downfall of Prussia, 1600-1947, Allen Lane Penguin Books, 777 blz. ISBN 0-713-99466-5
  • Consisting of the mere one city of Berlin its lord mayor (German: Oberbürgermeister) fulfilled in personal union the task of the Landeshauptmann and the city council the role of the provincial committee. While the role of the upper president was taken by the Prussian government-appointed chief of police (German: Polizeipräsident in Berlin). Cf. Meyers großes Konversations-Lexikon: 20 vols. – completely new ed. and ext. ed., Leipzig and Vienna: Bibliographisches Institut, 1903-1908, here vol. 2, article 'Berlin', p. 700. No ISBN
  • Friedrich Heidemann, Handbuch der Post-Geographie der Königlich Preußischen Staaten, Weimar: Geographisches Institut Weimar, 1819, pp. 165seqq., retrieved on 1 August 2014.