Religião na Austrália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Circle frame.svg

Religião na Austrália (Dados do governo,censo de 2016)[1]

  Protestantismo (27.6%)
  Catolicismo (22.6%)
  Sem filiação (30.1%)
  Não definido (9.1%)
  Islamismo (2.6%)
  Outros (1.7%)
  Outros cristãos (2.0%)
  Budismo (2.4%)
  Hinduísmo (1.9%)

A religião na Austrália é muito opressiva. Não há uma religião oficial do Estado, o estabelecimento da mesma é proibido pela Constituição australiana. O maior grupo religioso é o cristianismo, sendo o protestantismo o maior segmento cristão da Austrália, sendo um país tradicionalmente de cultura protestante.

Catedral Anglicana de St Paul's em Melbourne.

O povo aborígene da Austrália desenvolveu a espiritualidade animista do Sonho e algumas das primeiras evidências na Terra para práticas religiosas entre humanos foram encontradas no registro arqueológico de seus ancestrais. A religião das Ilhas do Estreito de Torres tinha semelhanças com a espiritualidade melanésia mais ampla . O isolamento geral da religião indígena australiana terminou com a chegada dos primeiros colonos britânicos em 1788, após o que os imigrantes subsequentes e seus descendentes foram predominantemente cristãos.

Enquanto a Igreja da Inglaterra originalmente ocupava uma posição de privilégio no início da colonização australiana, um arcabouço legal que garantia a igualdade religiosa evoluiu dentro de poucas décadas. [2] Um grande número de católicos irlandeses foram transportados para a Austrália através do sistema britânico de justiça criminal. Os metodistas, presbiterianos, congregacionalistas e batistas britânicos não-conformistas criaram suas próprias igrejas no século XIX, assim como os luteranos da Alemanha . [3]

Enquanto a Austrália tem uma forte tradição de governo secular, as organizações religiosas têm desempenhado um papel significativo na vida pública. As igrejas protestantes e católicas desempenharam um papel fundamental no desenvolvimento dos serviços de educação, saúde e bem-estar. [4][5]

Hoje, cerca de um quarto dos cristãos frequenta a igreja semanalmente; cerca de um quarto de todos os estudantes da escola frequenta escolas afiliadas à igreja. [6] As festas cristãs da Páscoa e do Natal são feriados públicos. [7]

História[editar | editar código-fonte]

Desde a década de 1800, os colonizadores europeus levaram suas igrejas tradicionais à Austrália, inclusive a Igreja da Inglaterra (hoje Igreja Anglicana), e a Metodista, Católica, Presbiteriana, Congregacional e Batista.

Anterior à colonização europeia, em 1788, pessoas de várias fés tiveram contato com os povos aborígenes australianos. Este contato se dava através de exploradores, pescadores e sobreviventes dos inúmeros naufrágios. Tiveram inúmeros artefatos recobrados por estes contatos, embora não haja nenhum registro de influência à religião aborígene.



Circle frame.svg

Religião na Austrália (1970)

  Protestantismo (59.2%)
  Catolicismo (25.0%)
  Sem filiação (8.7%)
  Não definido (6.3%)
  Outros (0.8%)

Religião Australiana Indígena[editar | editar código-fonte]

WR Thomas, um sul australiano Corroboree , 1864, Galeria de arte da Austrália do Sul

Na época da colonização britânica, os Australianos Indígenas tinham suas próprias tradições religiosas do sonhar (como Mircea Eliade disse) "Existe uma crença geral entre os Indígenas australianos que o mundo, o homem e os vários animais e plantas foram criados por certos seres sobrenaturais que depois desapareceram, quer subindo para o céu ou entrando na terra.

Antes da colonização européia em 1788, havia contato com indígenas australianos de pessoas de várias religiões. Esses contatos foram com exploradores, pescadores e sobreviventes dos numerosos naufrágios. Houve incontáveis ​​artefatos recuperados desses contatos.[8]Os aborígines do norte da Austrália ( Arnhem Land ) mantêm histórias, canções e pinturas de comércio e interação cultural com pessoas de barco do norte. Essas pessoas são geralmente consideradas como sendo do arquipélago indonésio oriental . (Veja: Macassan contato com a Austrália .) Há alguma evidência de termos e conceitos islâmicos entrando na cultura aborígene do norte através desta interação. [9]

Richard Johnson, sacerdote anglicano e capelão da Primeira Frota

Séculos antes de os marinheiros europeus chegarem à Austrália, os teólogos cristãos já especularam se a região, localizada do lado oposto do mundo da Europa, tinha habitantes humanos e, em caso afirmativo, se os antípodas descendiam de Adão e foram redimidos por Jesus . O ponto de vista predominante, expresso por Santo Agostinho de Hipona , era o de que "é muito absurdo dizer que alguns homens poderiam ter zarpado deste lado e, atravessando a imensa extensão do oceano, propagaram ali uma raça de seres humanos desceu daquele primeiro homem ". [10]Uma visão dissidente, realizada pelo irlandês-austríaco St. Vergilius de Salzburgfoi "que debaixo da terra havia outro mundo e outros homens"; enquanto não se sabe muito sobre a visão Vergilius', a Enciclopédia Católica especula que ele foi capaz de livrar-se de acusações de heresia, explicando que o povo da hipotética Austrália foram descendentes de Adão e redimido por Cristo. [11]

No início do século XVIII, os líderes cristãos achavam que os nativos da pouco conhecida Terra Australis Incognita e Hollandia Nova (ainda muitas vezes consideradas como duas massas de terra distintas) precisavam de conversão ao cristianismo. Em 1724, um jovem Jonathan Edwards escreveu:

E o que é peculiarmente glorioso nisso, é a evangelização do novo e antes desconhecido mundo, o que é tão remoto, tão desconhecido, onde o diabo reinou silenciosamente desde o começo do mundo, que é maior - tendo na América, Terra Australis Incognita, Hollandia Nova ... é muito maior que o velho mundo. Eu digo que este novo mundo deve adorar o Deus de Israel, cuja adoração foi então confinada a uma terra tão estreita, é maravilhosa e gloriosa! [12]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Uma pergunta sobre religião foi feita em todos os censos realizados na Austrália, com a natureza voluntária desta questão tendo sido especificamente declarada desde 1933. Em 1971, a instrução "se não há religião, escreva nenhuma" foi introduzida. Isso representou um aumento de sete vezes em relação ao ano anterior do recenseamento na percentagem de australianos afirmando que não tinham religião. Desde 1971, esse percentual aumentou progressivamente para 30,1% em 2016.[13]

A declaração do Australian Census Dictionary of Statistics (ABS) de 2006 do Census Dictionary sobre afiliação religiosa declara o propósito de coletar tais informações:

Os dados sobre afiliação religiosa são usados ​​para tais fins como planejamento de instalações educacionais, atendimento de pessoas idosas e outros serviços sociais prestados por organizações religiosas; a localização dos edifícios da igreja; a atribuição de capelães a hospitais, prisões, serviços armados e universidades; a alocação de tempo na rádio pública e outras mídias; e pesquisa sociológica.

A questão do censo sobre a religião é opcional, e pergunta "Qual é a religião da pessoa?", Dando aos respondentes uma escolha de nove religiões, "Outro" e "Nenhuma religião". [14] No censo de 2016, 9,6% das pessoas se recusaram a responder, ou não deram uma resposta adequada para a interpretação.[2]As visões religiosas dessas pessoas não são conhecidas, por isso não é apropriado agrupá-las com pessoas que declaram não ter religião - ao invés disso, todos os números do censo sobre religião devem ser tratados com os correspondentes níveis de confiança.

Mapa das maiores religiões na Austrália.
  Protestantismo ( Azul)
  Catolicismo (Vermelho)

O censo de 2016 identificou que 52,1% dos australianos se classificam como cristãos: 22,6% se identificam como católicos e 13,3% como anglicanos . Outros 8,2% dos australianos se identificam como seguidores de religiões não-cristãs. A segunda maior classificação foi a dos 30,1% que se classificaram como "sem religião"; [2] isso é mais evidente entre os jovens, com 39% das pessoas com idade entre 18 e 34 anos escolhendo essa opção (12% em 1976).[2]

Como em muitos países ocidentais, o nível de participação ativa no culto da igreja é muito menor do que isso; a freqüência semanal nos serviços da igreja é de cerca de 1,5 milhão, cerca de 7,5% da população.[15]

O hinduísmo é a religião que mais cresce em números absolutos em todos os estados e territórios da Austrália, em maior parte devido a imigração de indianos.

De acordo com os dados das séries temporais divulgados no censo de 2016 , as classificações religiosas que mais cresceram ao longo dos dez anos entre 2006 e 2016 foram:

Nenhuma religião - de 18,7% para 30,1%

Hinduísmo - de 0,7% para 1,9%

Islã - de 1,7% para 2,6%

Sikhismo - de 0,1% a 0,5%

Enquanto isso, as maiores diminuições estavam nas principais denominações cristãs; todas as denominações cristãs combinadas diminuíram de 63,9% para 52,1%. [2]

Afiliações religiosas na Austrália de 2001 a 2006
2006 2001 % mudança
(absoluta)
Números % Números %
Cristãos 63.9 68
- Católicos romanos 5,126,880 25.8 5,001,624 26.6 +2.5
- Anglicanos 3,718,252 18.7 3,881,162 20.7 -4.2
- União das Igrejas na Austrália 1,135,427 5.7 1,248,674 6.7 -9.0
- Presbiterianos e Reformados 596,671 3.0 637,530 3.4 -6.4
- Batistas 316,738 1.6 309,205 1.6 +2.4
- Luteranos 251,107 1.3 250,365 1.3 +0.3
- Pentecostais 219,689 1.1 194,592 1.0 +12.9
- Outros Protestantes 736,012 3.7 675,422 3.6 +9.0
- Ortodoxos 544,160 2.7 529,444 2.8 +2.8
- Ortodoxos Orientais 40,900 0.2 36,324 0.2 +12.6
Total de Cristãos 12,685,836 63.9 12,764,342 68.0 +0.6
- Budistas 418,756 2.1 357,813 1.9 +17.0
- Muçulmanos 340,392 1.7 281,578 1.5 +20.9
- Hindus 148,119 0.7 95,473 0.5 +55.1
- Judeus 88,831 0.4 83,993 0.4 +5.7
- Outras Religiões 109,022 0.5 92,369 0.5 +32.4
- Sem Religião 3,706,555 18.7 2,905,993 15.5 +27.5
- Não optaram/
inadequados nas descritas
2,357,777 11.9 2,187,688 11.7 +7.6
População Total 19,855,288 100.0 18,769,249 100.0 +5.8



Cristianismo[editar | editar código-fonte]

Igreja Luterana de St thomas, Austrália.

A maioria da população cristã da Austrália é protestante .As igrejas com o maior número de membros são a Igreja Anglicana da Austrália , a Igreja Unida da Austrália, e a Igreja Católica Romana. As igrejas pentecostais e movimento carismático também estão presentes sendo encontrados na maioria dos estados. O Conselho Nacional de Igrejas na Austrália é o principal órgão cristão ecumênico.

O cristianismo chegou à Austrália com os primeiros colonos britânicos na Primeira Frota . [16] Dos condenados e colonos a maioria eram anglicanos e católicos (em grande parte irlandeses) e alguns deles metodistas . A Primeira Frota trouxe tensões à Austrália alimentadas por queixas históricas entre católicos e outros cristãos, tensões que continuariam até o século XX.[17]

O primeiro capelão, Richard Johnson , um clérigo da Igreja da Inglaterra, foi acusado pelo governador Arthur Phillip de melhorar a "moralidade pública" na colônia, mas também estava fortemente envolvido com a saúde e a educação.[18] Líderes cristãos permaneceram proeminentes em melhorar a saúde e educação na Austrália desde então, com mais de um quinto dos estudantes frequentando escolas religiosas no início do século 21 e vários hospitais, instalações de cuidados e instituições de caridade foram fundadas por cristãos protestantes. [19]

Embora os colonos livres começaram a chegar no final do século 18, foi a corrida do ouro da década de 1850 que levou ao aumento radical da imigração. Os novos colonos trouxeram com eles suas tradições religiosas, como o catolicismo irlandês , o presbiterianismo escocês e o anglicanismo inglês, entre outros. Os aborígenes australianos sofreram um declínio durante este período, pois foram desapossados ​​de suas terras e as doenças se espalharam entre sua população. As igrejas cristãs organizaram missões durante este período, formalmente destinadas a "civilizar" as comunidades aborígenes e espalhar o cristianismo. As consequências gerais dessa atividade ainda são contestadas, mas contribuíram para o declínio das línguas e crenças indígenas.

Na Austrália Ocidental, o clero anglicano via-se como pioneiro de uma nova sociedade. Além dos habituais papéis religiosos de liderar a igreja e o culto público, eles tiveram um papel importante na caridade, educação e debate público. Eles tentaram reformulá-lo em sua própria imagem eclesiástica baseada em modelos ingleses. [20]

A Igreja da Inglaterra foi desestabelecida na colônia de Nova Gales do Sul pelo Ato da Igreja de 1836 . Redigido pelo procurador-geral reformista John Plunkett , o ato estabeleceu a igualdade legal para os anglicanos, católicos e presbiterianos e foi posteriormente estendido aos metodistas. [21]

A Liberdade de Religião foi consagrada na Seção 116 da Constituição da Austrália de 1901. Em 1901, além da população indígena e dos descendentes de migrantes da corrida do ouro , a sociedade australiana era predominantemente anglo-celta, com 40% da população anglicana, 23% Católicos, 34% de outras religiões cristãs (maioria protestantes) e cerca de 1% de religiões não cristãs. Havia uma população luterana de descendência alemã no sul da Austrália.Estão presentes na Austrália:

Outras religiões[editar | editar código-fonte]

Templo budista vietnamita de Phap Hoa , Adelaide, Austrália do Sul.

Havia pelo menos 15 judeus na Primeira Frota, 14 condenados e uma criança "livre".[22] Os mártires de Tolpuddle foram condenados ao transporte penal para a Austrália porque as sociedades amigas tinham fortes elementos do que hoje é considerado o papel predominante dos sindicatos. [23] Antes de 1901, alguns marinheiros e prisioneiros muçulmanos chegaram à Austrália em navios condenados. " Cameleiros afegãos " estabeleceram-se na Austrália a partir dos anos 1860; alguns deles são sikhs . A partir da década de 1870, mergulhadores malaios foram recrutados (com mais subseqüente mente repatriados).

Em 1901, o governo aprovou um ato que limitava a imigração aos descendentes de europeus no que veio a ser conhecido como a Política da Austrália Branca . Ao limitar efetivamente a imigração de praticantes de diferentes crenças, essa política assegurou que o cristianismo protestante continuasse sendo a religião da esmagadora maioria dos australianos no futuro previsível e, de fato, até os dias de hoje. O primeiro censo de 1911 mostrou que 96% se identificaram como cristãos. [24] As tensões que vieram com a Primeira Frota continuaram até os anos 60: anúncios de vagas de emprego às vezes incluíam a estipulação de "Protestantes preferidos" ou "Católicos não precisam se aplicar".[25] No entanto, a Austrália elegeu seu primeiro primeiro-ministro católico, James Scullin.em 1929 e Sir Isaac Isaacs , um judeu, foi nomeado governador geral em 1930. [26][27]

Santos dos Últimos Dias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (em inglês) Censo 2016. Governo da Austrália. Acesso em 08 jan 2018.
  2. a b c d e Meredith Lake, "Provincializando Deus: anglicanismo, lugar e colonização da terra australiana". Jornal de História Religiosa 35.1 (2011): 72-90.
  3. Robert Humphreys, e Rowland S. Ward, " Substâncias Religiosas na Austrália: Um Guia Detalhado" (New Melbourne Press, 1995).
  4. Shurlee Swain , "você quer uma religião com isso?" História Austrália 2.3 (2005): 79-1.
  5. Rodney Sullivan, "um conjunto irlandês de Queensland: Origens e consolidação, 1898-1908". Diário de História de Queensland 22.5 (2014): 401.
  6. Debbie Schipp. "Fé no centro das atenções como os australianos inclinaram-se a perder sua religião" 6 de junho de 2016; news.com.au
  7. «Public holidays | australia.gov.au» Verifique valor |url= (ajuda). public-holidays (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  8. «Pintura aborígene» 
  9. «Religion in Australia». Wikipedia (em inglês). 2 de dezembro de 2018 
  10. «Religion in Australia». Wikipedia (em inglês). 2 de dezembro de 2018 
  11. Enciclopédia Católica: Antipodes . Há também um artigo sobre JOSÉ : John Carey, "Uma Irlanda e os Antípodas: Uma Heterodoxia de Virgílio de Salzburgo". Espéculo , vol. 64, n ° 1 (janeiro de 1989), pp. 1-10
  12. (PDF) https://web.archive.org/web/20110224170723/http://rspas.anu.edu.au/pah/TransTasman/papers/Piggin_Stuart.pdf. Arquivado do original (PDF) em 24 de fevereiro de 2011  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  13. «2071.0 - Census of Population and Housing: Reflecting Australia - Stories from the Census, 2016». web.archive.org. 19 de setembro de 2017. Consultado em 1 de março de 2019 
  14. http://www.abs.gov.au/ausstats/abs@.nsf/lookup/2903.0main%20features162011/$file/SAMPLE_PRINT_VERSION_F1.pdf
  15. «NCLS releases latest estimates of church attendance». www.ncls.org.au. Consultado em 1 de março de 2019 
  16. «Marrying Out -- Part One: Not in Front of the Altar». Radio National (em inglês). 3 de setembro de 2009. Consultado em 1 de março de 2019 
  17. Sobre a história anglicana, ver B. Kaye, ed., Anglicanismo na Austrália: uma história (Melbourne: Melbourne University Press, 2002); D. Hilliard, Godliness and Good Order: Uma História da Igreja Anglicana na Austrália do Sul (Adelaide: Wakefield Press, 1986); S. Judd e KJ Cable, Sydney Anglicanos: Uma História da Diocese (Sydney: Anglican Information Office, 1987); B. Porter, ed., Melbourne Anglicanos: A Diocese de Melbourne, 1847–1978 (Melbourne: Mitre Books, 1997); T. Frame, Uma Igreja para a Nação: uma História da Diocese Anglicana de Canberra e Goulburn (Sydney: Hale & Iremonger, 2000).
  18. Cable, K. J. «Johnson, Richard (1753–1827)». Canberra: National Centre of Biography, Australian National University 
  19. Statistics, c=AU; o=Commonwealth of Australia; ou=Australian Bureau of (20 de julho de 2006). «Chapter - Government and Non-Government Schooling». www.abs.gov.au (em inglês). Consultado em 1 de março de 2019 
  20. Strong, Rowan (2014-03). «The Colonial Religion of the Anglican Clergy: Western Australia 1830 to c. 1870». Journal of Religious History. 38 (1): 91–114. ISSN 0022-4227. doi:10.1111/1467-9809.12137  Verifique data em: |data= (ajuda)
  21. Suttor, T. L. «Plunkett, John Hubert (1802–1869)». Canberra: National Centre of Biography, Australian National University 
  22. «Jewish History Australia Homepage». jewishhistoryaustralia.net. Consultado em 1 de março de 2019 
  23. Davis, Graham (8 de novembro de 2011). In Search of a Better Life (em inglês). [S.l.]: History Press. ISBN 9780752474601 
  24. Statistics, c=AU; o=Commonwealth of Australia; ou=Australian Bureau of (27 de maio de 1994). «Chapter - Special Feature: Trends in religious affiliation». www.abs.gov.au (em inglês). Consultado em 1 de março de 2019 
  25. «Marrying Out -- Part One: Not in Front of the Altar». Radio National (em inglês). 3 de setembro de 2009. Consultado em 1 de março de 2019 
  26. «James Scullin». primeministers.naa.gov.au (em inglês). Consultado em 1 de março de 2019 
  27. Cowen, Zelman. «Isaacs, Sir Isaac Alfred (1855–1948)». Canberra: National Centre of Biography, Australian National University 

Ver também[editar | editar código-fonte]