Send in the Clowns

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

"Send in the Clowns" (numa tradução livre, Que Entrem os Palhaços) é uma canção de Stephen Sondheim, composta para o musical A Little Night Music de 1973. É uma balada lenta e tristonha, na qual a personagem Desiree reflete sobre as ironias e desapontamentos de sua vida.

Das mais de 800 canções compostas por Stephen Sondheim, esta tornou-se um verdadeiro megahit. Ganhou popularidade com as gravações de Frank Sinatra, Kenny Rogers, Judy Collins (cuja versão, em meados dos anos 1970 pontuou duas vezes na parada de sucessos de singles dos Estados Unidos, atingindo a posição 19 e sendo chamada de "Canção do Ano" no Grammy Award de 1976), e pelo emocionado Lou Rawls. Sondheim acrescentou um verso para uma gravação que Barbra Streisand fez da canção em 1985 (apresentada no The Broadway Album, entrou para os 25 maiores hits Adultos Contemporâneos em 1986). O cantor brasileiro Renato Russo também gravou a canção, no idioma original, para o seu álbum The Stonewall Celebration Concert, de 1994.

A canção foi escrita para a atriz Glynis Johns, que possuía uma voz sussurrante e uma tessitura limitada — Sondheim escreveu a canção com frases curtas e uma escala vocal pequena (cerca de uma oitava). A canção é considerada um jazz standard, interpretada por Count Basie, Sarah Vaughan e a Stan Kenton Orchestra, entre outros.

O título refere-se a uma suposta frase do jargão circense e do teatro vaudeville, usada quando acontecia algum evento inesperado durante a apresentação (normalmente, desastres como a queda de um acrobata ou um número excepcionalmente mal-apresentado). Para distrair a atenção do público, enquanto o problema era resolvido, os palhaços entravam em cena. A mesma "diversão" (literalmente falando) ainda é usada hoje em dia pelos palhaços de rodeio, quando o vaqueiro leva uma queda e a montaria precisa ser distraída enquanto ele se põe a salvo.[1]

Em 2019 a canção foi incluída no filme Coringa.


Letra[editar | editar código-fonte]

Isn't it rich, aren't we a pair

Me here at last on the ground - and you in mid-air

Send in the clowns


Isn't it bliss, don't you approve

One who keeps tearing around - and one who can't move

But where are the clowns - send in the clowns


Just when I stopped opening doors

Finally finding the one that I wanted - was yours

Making my entrance again with my usual flair

Sure of my lines - nobody there


Don't you love a farce; my fault I fear

I thought that you'd want what I want - sorry my dear

But where are the clowns - send in the clowns

Don't bother they're here


Isn't it rich, isn't it queer

Losing my timing this late in my career

But where are the clowns - send in the clowns

Well maybe next year

Referências

  1. Cunards made it OK to simply clown around Arquivado em 29 de setembro de 2007, no Wayback Machine. por Jim Six em NJ.com. Acessado em 12 de junho de 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]