Tarzan, O Terrível

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tarzan the Terrible
Tarzan, O Terrível
Mapa de Pal-ul-Don, um vale criado por Burroughs, onde vive uma civilização perdida. Desenhado pelo próprio autor, o mapa acompanhou a primeira edição do livro nos EUA, em 1921.
Autor(es) Edgar Rice Burroughs
País  Estados Unidos
Género Aventura
Série Tarzan
Ilustrador J. Allen St. John
Arte de capa J. Allen St. John
Editora A.C. McClurg
Lançamento 1921
Edição portuguesa
Tradução Raúl Correia
Editora Portugal Press
Lançamento 1972
Formato 19 cm
Páginas 326
Edição brasileira
Tradução Monteiro Lobato
Editora Companhia Editora Nacional
Lançamento 1935
Páginas 192
Cronologia
Tarzan the Untamed
Tarzan and the Golden Lion

Tarzan, O Terrível (Tarzan the Terrible, no original em Inglês) é um romance de autoria do escritor norte-americano Edgar Rice Burroughs. Publicado em 1921, é o oitavo de uma série de vinte e quatro obras sobre o personagem Tarzan.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Nesta sequência de Tarzan, O Destemido, o rei das selva|selvas invade as profundezas da África, à procura de Jane, que fora raptada por oficiais alemães. O único desses sequestradores que continua vivo foge com Lady Greystoke para Pal-ul-Don, uma região circundada por pântanos impenetráveis, habitada por ferozes criaturas pré-históricas, e ainda intocada pelo mundo exterior.

Tarzan faz amizade com Om-at, um Waz-don negro, e Ta-den, um Ho-don branco, que são pitecantropoides, isto é, humanos primitivos com cauda. Apesar darivalidade entre os dois, o homem-macaco consegue uma trégua providencial e o trio enfrenta vários inimigos, como tigres de dente de sabre, os primitivos homens feras de Tor-o-don, e o grifo, o gigante carnívoro tricerátopo de Pal-ul-Don.

Tarzan chega a A-lur, a Cidade da Luz de Ho-don, onde um culto ao grifo pratica sacrifícios humanos. O senhor da jângal é reconhecido como o messias sem cauda de uma antiga profecia e seus músculos garantem a ele o título de Tarzan-jad-guru (Tarzan, O Terrível). O herói é adulado por um povo que reverencia a força física, porém há aqueles que não acreditam em sua origem divina e tramam sua queda.[1]

História editorial[editar | editar código-fonte]

O romance foi escrito de 14 de agosto a 16 de dezembro de 1920.[1]

A revista pulp Argosy All-Story Weekly lança a história em sete partes, de 12 de fevereiro a 27 de março de 1921. P. J. Monahan fez a ilustração que aparece no primeiro número.[1]

A obra estreia em livro pela editora A.C. McClurg, em 20 de junho de 1921, com capa de J. Allen St. John, autor também de sete ilustrações em sépia. A edição trazia também um mapa de Pal-ul-Don e um glossário, ambos de autoria do próprio Burroughs.[1]

No Brasil, a narrativa foi publicada pela Companhia Editora Nacional em 1935, com tradução de Monteiro Lobato e tiragem de dezessete mil exemplares. Seis reedições se seguiram, entre 1947 e 1968, com tiragens de dez mil (as quatro primeiras) e cinco mil exemplares (as duas últimas). O livro recebeu o número 36 da prestigiada coleção Terramarear.[2]

Em 1959, também no Brasil, a CODIL - Cia Distribuidora de Livros enviou para as livrarias uma edição de luxo com o mesmo título, parte de uma coleção que teve doze volumes no total. A obra era ilustrado por Manoel Victor Filho.[2]

Em Portugal, o romance foi publicado pela Portugal Press, de Lisboa.[2]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

A primeira quadrinização foi na forma de tiras diárias de 21 de setembro de 1931 a 23 de janeiro de 1932. As ilustrações foram assinadas por Rex Maxon e o roteiro, por R. W. Palmer.[1]

A primeira versão para revistas em quadrinhos saiu pela Gold Key, nas edições de março e abril de 1967 de "Tarzan of the Apes", com ilustrações de Russ Manning e roteiro de Gaylord Du Bois.[2]

Esta adaptação de Russ Manning foi lançada no Brasil pela EBAL em fins da década de 1960, na coleção Lança de Prata, e reeditada em dois números da revista "Tarzan", em 1986.[3][4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e GRIFFIN, Scott Tracy, Tarzan: The Centennial Celebration, Londres: Titan Books, 2012, ISBN 9781781161692 (em inglês)
  2. a b c d SILVA, Diamantino da e LOSSO, Umberto, Tarzan, O Mito da Liberdade, edição especial de Mocinhos & Bandidos, São Paulo, 1986
  3. MANNING, Russ (ilustrador), Tarzan, O Terrível, in Tarzan no. 18 (12a. série), Rio de Janeiro: EBAL, julho de 1986
  4. MANNING, Russ (ilustrador), A Incrível Pal-ul-Don, in Tarzan no. 19 (12a. série), Rio de Janeiro: EBAL, agosto de 1986

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]