Tarzan, o Invencível

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tarzan, O Invencível)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tarzan the Invincible
Tarzan, o Invencível
Autor(es) Edgar Rice Burroughs
País  Estados Unidos
Gênero Aventura
Série Tarzan
Ilustrador Studley Burroughs
Arte de capa Studley Burroughs
Editora Edgar Rice Burroughs, Inc.
Lançamento 1931
Edição portuguesa
Tradução Raúl Correia
Editora Portugal Press
Lançamento 1973
Formato 19 cm
Páginas 302
Edição brasileira
Tradução Paulo de Freitas
Editora Companhia Editora Nacional
Lançamento 1937
Cronologia
Tarzan at the Earth's Core
Tarzan Triumphant

Tarzan, o Invencível (Tarzan the Invincible no original em inglês) é um romance de autoria do escritor norte-americano Edgar Rice Burroughs. Publicado em 1931, é o décimo-quarto de uma série de vinte e quatro livros sobre o personagem Tarzan.

A obra assinala a quarta e última aparição de Opar e sua grã-sacerdotisa La nas narrativas escritas por Burroughs. Contudo, ambos continuaram a existir nas histórias em quadrinhos.[1]

Resumo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Enquanto Tarzan permanece em Pellucidar, seus domínios são invadidos por um bando de comunistas cuja intenção é saquear Opar. Entre eles estão Raghunath Jafar, das Índias Orientais, Miguel Romero, um mercenário mexicano, e os soviéticos Peter Zveri e Zora Drinov.

A expedição, guiada por árabes liderados por Abu Batn, recebe o apoio dos nativos do chefe Kitembo, que tem a esperança de expulsar os ingleses da África Oriental. Zveri planeja invadir a Somalilândia italiana com soldados disfarçados de franceses e, com isso, provocar uma guerra na Europa. Já Romero e Jafar tramam levantes diversionistas em seus países de origem, tudo financiado pelo ouro de Opar.

Tarzan chega a Opar antes dos celerados, com o intuito de avisar La, mas descobre que ela foi deposta por um casal de Altos Sacerdotes. O homem-macaco liberta La e os dois se embrenham na selva. Com o auxílio de Tantor, o elefante, Jad-bal-ja, o leão de juba negra, do macaquinho Nkima e dos fiéis guerreiros Waziri, o herói precisa arquitetar um plano para frustrar a ambição expansionista de Zveri e reconduzir La ao trono de Opar.[1]

História editorial[editar | editar código-fonte]

O romance foi escrito de 18 de março a 9 de junho de 1930, com o título de "Tarzan and the Man Things".[1]

A revista pulp Blue Book Magazine publicou a obra, renomeada para "Tarzan, Guard of the Jungle", em sete números consecutivos, de outubro de 1930 a abril de 1931. Laurence Herndon desenhou as capas dos seis primeiros números e Frank Hoban se encarregou das ilustrações internas.[1]

A primeira edição em livro (capa dura) foi publicada pela Edgar Rice Burroughs, Inc., em 20 de novembro de 1931, já com o título definitivo. A sobrecapa e o frontispício foram ilustrados por Studley Burroughs, sobrinho do escritor.[1]

No Brasil, o romance saiu pela Companhia Editora Nacional em 1937, numa edição de doze mil unidades. O título recebeu o número 52 da lendária coleção Terramarear. Cinco outras edições foram impressas entre 1947 e 1959, com dez mil exemplares cada, exceto a última, com cinco mil.[2]

Em 1959, a CODIL - Cia. Distribuidora de Livros lançou uma edição de luxo, ilustrada por Manoel Victor Filho, parte de um pacote com mais onze obras com aventuras do rei das selvas.[2]

O romance foi editado também pela Editora Record, juntamente com outros sete livros de Tarzan, em 1971. Na capa, uma ilustração de Burne Hogarth. Ruy Jungmann foi o tradutor.[2]

Em Portugal, o livro foi publicado pela Portugal Press, editora de Lisboa que lançou no país toda a obra sobre Tarzan.[2]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

A primeira quadrinização foi na forma de tiras diárias por Rex Maxon (desenhos) e R. W. Palmer (roteiro), publicadas entre 4 de setembro de 1933 e 26 de março de 1934.[1]

A Gold Key publicou a primeira versão para revista em quadrinhos em "Tarzan of the Apes", edições 182 e 183. Doug Wildey ilustrou e Gaylord Du Bois escreveu o roteiro.[1]

Referências

  1. a b c d e f g GRIFFIN, Scott Tracy (2012). Tarzan: The Centennial Celebration. [S.l.]: Titan Books. 320 páginas. ISBN 9781781161692 
  2. a b c d da Silva, Diamantino; Losso, Umberto (1986). «Tarzan, O Mito da Liberdade». São Paulo: edição de autor. Mocinhos & Bandidos Especial 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]