Unidade de estado sólido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Unidade de Estado Sólido)
Disco de Estado Sólido
Super Talent 2.5in SATA SSD SAM64GM25S.jpg
Uma unidade de estado sólido Serial ATA de 2,5 polegadas
Uso de memória flash
Introduzido por:
SanDisk
Data de introdução:
1991; há 31 anos
Capacidade:
20 MB (fator de forma de 2.5 pol.)
Conceito original
De:
Storage Technology Corporation
Concebida:
1978; há 44 anos
Capacidade:
45 MB
A partir de 2019
Capacidade:
Até 100 TB
SSD mSATA de 250 GB com um gabinete externo
SSD NVMe M.2 de 512 GB
Uma unidade SSD da marca (Kingston) de 2,5 polegadas (64 mm).

Uma Unidade de estado sólido (em inglês: solid-state drive, ou SSD) é um dispositivo de armazenamento de estado sólido que usa conjuntos de circuitos integrados para armazenar dados de forma persistente, normalmente usando memória flash e funcionando como armazenamento secundário na hierarquia de armazenamento do computador. Às vezes, também é chamado de dispositivo de armazenamento semicondutor, dispositivo de estado sólido ou disco de estado sólido,[1] embora os SSDs não tenham discos giratórios físicos e as cabeças de leitura e gravação móveis usadas em unidades de disco rígido (HDDs) e disquetes.[2]

Em comparação com as unidades eletromecânicas, os SSDs geralmente são mais resistentes a choques físicos, funcionam silenciosamente e têm IOPS mais alta e latência mais baixa.[3] SSDs armazenam dados em células semicondutoras. A partir de 2019, as células podem conter entre 1 e 4 bits de dados. Os dispositivos de armazenamento SSD variam em suas propriedades de acordo com o número de bits armazenados em cada célula, sendo as células de bit único ("Single Level Cells" ou "SLC") geralmente o tipo mais confiável, durável, rápido e caro, em comparação com células de 2 e 3 bits ("Multi-Level Cells/MLC" e "Triple-Level Cells/TLC") e, finalmente, células de quatro bits ("QLC") sendo usado para dispositivos de consumo que não exigem propriedades tão extremas e são os mais baratos por gigabyte dos quatro. Além disso, a memória 3D XPoint (vendida pela Intel sob a marca Optane), armazena dados alterando a resistência elétrica das células em vez de armazenar cargas elétricas nas células, e os SSDs feitos de RAM podem ser usados para alta velocidade, quando os dados persistem após a alimentação perda não é necessária, ou pode usar a energia da bateria para reter dados quando sua fonte de alimentação usual não estiver disponível.[4] Unidades híbridas ou unidades híbridas de estado sólido (SSHDs), como o Fusion Drive da Apple, combinam recursos de SSDs e HDDs na mesma unidade usando memória flash e um HDD para melhorar o desempenho dos dados acessados com frequência.[5][6][7] Bcache permite obter um efeito similar puramente em software, usando combinações de SSDs e HDDs regulares dedicados.

SSDs baseados em NAND Flash irão vazar carga lentamente ao longo do tempo se forem deixados por longos períodos sem energia. Isso faz com que unidades desgastadas (que tenham excedido sua classificação de resistênci) comecem a perder dados normalmente após um ano (se armazenado a 30 °C) a dois anos (a 25 °C) em armazenamento; para novas unidades leva mais tempo.[8] Portanto, os SSDs não são adequados para armazenamento de arquivos. O 3D XPoint é uma possível exceção a essa regra; é uma tecnologia relativamente nova com características desconhecidas de retenção de dados de longo prazo.

Os SSDs podem usar interfaces e fatores de forma tradicionais de HDD, ou interfaces e fatores de forma mais recentes que exploram vantagens específicas de memória flash em SSDs. Interfaces tradicionais (por exemplo, SATA e SAS) e fatores de forma de HDD padrão permitem que esses SSDs sejam usados como substitutos imediatos para HDDs em computadores e outros dispositivos. Fatores de forma mais recentes, como mSATA, M.2, U.2, NF1,[9][10] XFMEXPRESS[11] e EDSFF (anteriormente conhecido como Ruller SSD)[12][13] e interfaces de velocidade mais alta, como NVM Express (NVMe) sobre PCI Express (PCIe) pode aumentar ainda mais o desempenho em relação ao desempenho do HDD.[4]

Os SSDs têm um número de gravações de vida útil limitado e também ficam mais lentos à medida que aintgem sua capacidade total de armazenamento.

Desenvolvimento e história[editar | editar código-fonte]

Primeiros SSDs usando RAM e tecnologia similar[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros - se não o primeiro - dispositivo de armazenamento de semicondutor compatível com uma interface de disco rígido (por exemplo, um SSD conforme definido( foi o StorageTek STC 4305 de 1978. O STC 4305, um substituto compatível com plugue para a unidade de disco de cabeça fixa IBM 2305, inicialmente usava dispositivos de carga acoplada (CCDs) para armazenamento e, consequentemente, foi relatado como sendo sete vezes mais rápido que o produto da IBM por cerca de metade do preço (US$ 400.000 por capacidade de 45 MB)[14] Mais tarde, mudou para DRAM. Antes do SSD StorageTek havia muitos produtos DRAM e núcleo (por exemplo, DATARAM BULK Core, 1976)[15] vendidos como alternativas aos HDDs, mas esses produtos normalmente tinham interfaces de memória e não eram SSDs conforme definido.

No final dos anos 80, a Zitel ofereceu uma família de produtos SSD baseados em DRAM, sob o nome comercial "RAMDisk", para uso em sistemas da UNIVAC e Perkin-Elmer, entre outros.

SSDs baseados em flash[editar | editar código-fonte]

evolução SSD
Parâmetro Começou com Desenvolvido para Melhoria
Capacidade 20 MB (Sandisk, 1991) 100 TB;(Enterprise Nimbus Data DC100, 2018)
(A partir de 2020 Até 8 TB disponíveis para consumidores)[16]
5 milhões para um[17]
(400.000 para um[17])
Velocidade de leitura sequencial 49.3 MB/s (Samsung MCAQE32G5APP-0XA, 2007)[18] 15 GB/s (demonstração de Gigabyte, 2019)
(A partir de 2020, até 6.795 GB/s disponíveis para consumidores)[19]
304.25-para-um[20] (138-para-um)[21]
Velocidade de gravação sequencial 80 MB/s (SSD empresarial Samsung, 2008)[22][23] 15.200 GB/s (demonstração de Gigabyte, 2019)
(A partir de 2020, até 4.397 GB/s disponíveis para consumidores)[19]
190 para um[24] (55 para um)[25]
IOPS 79 (Samsung MCAQE32G5APP-0XA, 2007)[18] 2,500,000;(Enterprise Micron X100, 2019)
(A partir de 2020, até 736.270 IOPS de leitura e 702.210 IOPS de gravação disponíveis para consumidores)[19]
31.645,56-para-um[26] (Consumidor: ler IOPS: 9.319,87-para-um,[27] escrever IOPS: 8.888,73-para-um)[28]
Tempo de acesso (em milissegundos, ms) 0.5 (Samsung MCAQE32G5APP-0XA, 2007)[18] 0,045 leitura, 0,013 gravação (valores mais baixos, WD Black SN850 1TB, 2020)[29][19] Ler: 11 para um,[30] Escrever: 38 para um[31]
Preço US$50,000 por gigabyte (Sandisk, 1991)[32] US$ 0,10 por gigabyte (Crucial MX500, julho de 2020)[33] 555.555 para um[34]

A base para SSDs baseados em flash, memória flash, foi inventada por Fujio Masuoka na Toshiba em 1980[35] e comercializada pela Toshiba em 1987.[36][37] Os fundadores da SanDisk Corporation (então SanDisk) Eli Harari e Sanjay Mehrotra, juntamente com Robert D. Norman, viu o potencial da memória flash como uma alternativa aos discos rígidos existentes e registrou uma patente para um SSD baseado em flash em 1989.[38] O primeiro SSD comercial baseado em flash foi lançado pela SanDisk em 1991.[35] Era um SSD de 20 MB em uma configuração PCMCIA, vendido como OEM por cerca de US$ 1.000 e foi usado pela IBM em um laptop ThinkPad.[39] Em 1998, a SanDisk introduziu SSDs em formato de 2,5 polegadas e 3,5 polegadas com interfaces PATA.[40]

Em 1995, a STEC, Inc. entrou no negócio de memória flash para dispositivos eletrônicos de consumo.[41]

Em 1995, a M-Systems introduziu unidades de estado sólido baseadas em flash[42] como substitutods de HDD para as indústrias militar e aeroespacial, bem como para outras aplicações de missão crítica. Esses aplicativos exigem a capacidade do SSD de resistir a choques extremos, vibrações e faixas de temperatura.[43]

Em 1999, a BiTMICRO fez várias apresentações e anúncios sobre SSDs baseados em flash, incluindo um SSD de 18 GB[44] de 3,5 polegadas.[45] Em 2007, a Fusion-io anunciou uma unidade de estado sólido baseada em PCIe com 100.000 operações de entrada/saída por segundo (IOPS) de desempenho em um único cartão, com capacidades de até 320 GB.[46]

Na Cebit 2009, a OCZ Technology demonstrou um SSD flash de 1 TB[47] usando uma interface PCI Express x8. Atingiu uma velocidade máxima de gravação de 0,654 gigabytes por segundo (GB/s) e velocidade máxima de leitura de 0,712 GB/s.[48] Em dezembro de 2009, a Micron Technology anunciou um SSD usando uma interface SATA de 6 gigabits por segundo (Gbit/s).[49]

Em 2016, a Seagate demonstrou velocidades de leitura e gravação sequenciais de 10 GB/s de um SSD PCIe 3.0 de 16 pistas e também demonstrou um SSD de 60 TB em um formato de 3,5 polegadas. A Samsung também lançou no mercado um SSD de 15,36 TB com um preço de US$ 10.000 usando uma interface SAS, usando um formato de 2,5 polegadas, mas com a espessura de unidades de 3,5 polegadas. Esta foi a primeira vez que um SSD disponível comercialmente tinha mais capacidade do que o maior HDD atualmente disponível.[50][51][52][53][54]

Em 2017, a Samsung e a Toshiba lançaram no merecado SSDs de 30,72 TB usando o mesmo formato de 2,5 polegadas, mas com espessura de unidade de 3,5 polegadas usando uma interface SAS. A Nimbus Data anunciou e enviou drives de 100 TB usando uma interface SATA, uma capaciddes que os HDDs nõa devem atingir até 2025. A Samsung lançou um SSD M.2 NVMe com velocidades de leitura de 3,45 GB/s e velocidades de gravação de 3,3 GB/s.[55][56][57][58][59][60][61] Uma nova versão do SSD de 100 TB foi lançada em 2020 ao preço de US$ 40.000, com a versão de 50 TB custando US$ 12.500.[62][63]

Em 2019, a Gigabyte Technology demonstrou um SSD PCIe 4.0 de 8 TB e 16 pistas com leitura sequencial de 15,0 GB/s e velocidades de gravação sequencial de 15,2 GB/s na Computex 2019. Ele incluiu um ventilador, pois os novos SSDs de alta velocidade funcionam em altas temperaturas.[64] Também em 2019, foram lançados SSDs NVMe M.2 usando a interface PCIe 4.0. Esses SSDs têm velocidades de leitura de até 5,0 GB/s e velocidades de gravação de até 4,4 GB/s. Devido à sua operação de alta velocidade, esses SSDs usam grandes dissipadores de calor e, se não receberem fluxo de ar de resfriamento suficiente, normalmente diminuirão termicamente após aproximadamente 15 minutos de operação contínua em velocidade máxima.[65] A Samsung também introduziu SSDs capazes de velocidades de leitura e gravação sequenciais de 8 GB/s e 1,5 milgão de IOPS, capazes de mover dados de chips danificados para chips não danificados, para permitir que o SSD continue funcionando normalmente, embora com uma capacidade menor.[66][67][68]

Unidades flash corporavitvas[editar | editar código-fonte]

Vistas superior e inferior de um modelo SATA 3.0 (6 Gbit/s) de 100 GB e 2,5 polegadas da série Intel DC S3700

As unidades flash corporativas (EFDs) são projetadas para aplicativos que exigem alto desempenho de E/S (IOPS), confiabilidade, eficiência energética e mais recemente, desempenho consistente. Na maioria dos casos, um EFD é um SSD com um conjunto mais alto de especificações, em comparação com SSDs que normalmente seriam usados em notebooks. O termo foi usado pela primeira vez pela EMC em janeiro de 2008, para ajudá-los a identificar fabricantes de SSD que forneceriam produtos que atendessem a esses padrões mais elevados.[69] Não há órgãos de padronização que controlam a definição de EFDs, portanto, qualquer fabricante de SSD pode alegar produzir EFDs quando, na verdade, o produto pode não atender a nenhum requisito específico.[70]

Um exemplo é a série de drives Intel DC S3700, lançada no quarto trimestre de 2012, que se concentra em alcançar um desempenho consistente, uma área que antes não recebia muita atenção, mas que a Intel afirmou ser importante para o mercado corporativo. Em particular, a Intel afirma que, em um estado estável, as unidades S3700 não variariam seu IOPS em mais de 10-15% e que 99,9% de todas as E/Ss aleatórias de 4 KB são atendidas em menos de 500 µs.[71]

Outro exemplo é a série SSD empresarial Toshiba PX02SS, anunciada em 2016, que é otimizada para uso em plataformas de servidor e armazenamento que exigem alta resistência de aplicativos de gravação intensiva, como cache de gravação, aceleração de E/S e processamento de transação online (OLTP). A série PX02SS usa interface SAS de 12 Gbit/s, com memória flash MLC NAND e alcança velocidades de gravação aleatória de até 42.000 IOPS, velocidades de leitura aleatória de até 130.000 IOPS e classificação de resistência de 30 gravações de unidade por dia (DWPD).[72]

Os SSDs baseados em 3D Xpoint têm maior aleatoriedade (maior IOPS), mas velocidades de leitura/gravação sequenciais mais baixas do que suas contrapartes NAND-flash. Eles podem ter até 2,5 milhões de IOPS.[73][74]

Unidades que usam outras tecnologias de memória persistente[editar | editar código-fonte]

Em 2017, os primeiros produtos com memória 3D XPoint foram lançados sob a marca Optane da Intel. O 3D Xpoint é totalmente diferente do flash NAND e armazena dados usando princípios diferentes.

Arquitetura e função[editar | editar código-fonte]

Os principais componentes de um SSD são o controlador e a memória para armazenar os dados. O componente de memória principal em um SSD era tradicionalmente a memória volátil DRAM, mas desde 2009, é mais comumente a memória não volátil NAND flash.[75][4]

Controlador[editar | editar código-fonte]

Cada SSD inclui um controlador que incorpora os componentes eletrônicos que conectam os componentes de memória NAND ao computador host. O controlador é um processador embutido que executa código em nível de firmware e é um dos fatores mais importantes do desempenho do SSD.[76] Algumas das funções executadas pelo controlador incluem:[77]

O desempenho de um SSD pode ser dimensionado com o número de chips flash NAND paralelos usados no dispositivo. Um único chip NAND é relativamente lento, devido à estreita interface de E/S assíncrona (8/16 bits) e alta latência adicional de operações básicas de E/S (típica para SLC NAND, ~25 μs para buscar uma página de 4 KiB de a matriz para o buffer de E/S em uma leitura, ~250 μs para confirmar uma página de 4 KiB do buffer de E/S para a matriz em uma gravação, ~2 ms para apagar um bloco de 256 KiB). Quando vários dispositivos NAND operam em paralelo dentro de um SSD, a largunra de banda é dimensionada e altas latências podem ser ocultadas, desde que haja operações pendentes suficientes e a carga seja distribuída uniformemente entre os dispositivos.[78]

A Micron e a Intel inicialmente fizeram SSDs mais rápidos implementando distribuição de dados (semelhante ao RAID 0) e intercalando em sua arquitetura. Isso permitiu a criação de SSDs com velocidades efetivas de leitura/gravação de 250 MB/s com a interface SATA 3 Gbit/s em 2009. Dois anos depois, a SandForce continuou a aproveitar essa conectividade flash paralela, lançando controladores SSD SATA 6 Gbit/s de nível de consumidor que suportavam velocidades de leitura/gravação de 500 MB/s.[79] Os controladores SandForce compactam os dados antes de enviá-los para a memória flash. Esse processo pode resultar em menos gravação e maior taxa de transferência lógica, dependendo da compressibilidade dos dados.[80]

Nivelamento de desgaste[editar | editar código-fonte]

Se um bloco específico for programado e apagado repetidamente sem gravar em nenhum outro bloco, esse bloco se desgastará antes de todos os outros blocos - encerramendo prematuramente a vida útil do SSD. Por esse motivo, os controladores SSD usam uma técnica chamada nivelament de destasta para distribuir as gravações de maneira mais uniforme em todos os blocos flash no SSD.

Em um cenário perfeito, isso permitiria que cada bloco fosse gravado em sua vida máxima para que todos falhem ao mesmo tempo. O processo para distribuir as gravações uniformemente requer que os dados gravados anteriormente e que não sejam alterados (dados frios) sejam movidos, de modo que os dados que estão mudando com mais frequência (dados quentes) possam ser gravados nesses blocos. A realocação de dados aumenta a amplificação de gravação e aumenta o desgasta da memoria flash. Os designers procuram minimizar ambos.[81][82]

Memória[editar | editar código-fonte]

Memória flash[editar | editar código-fonte]

Comparação de arquiteturas[83]
Características de comparação MLC : SLC NAND : NOR
Taxa de persistência 1 : 10 1 : 10
Proporção de gravação sequencial 1 : 3 1 : 4
Proporção de leitura sequencial 1 : 1 1 : 5
Relação de preço 1 : 1.3 1 : 0.7

A maioria dos fabricantes de SSDs usa memória flash NAND não volátil na construção de seus SSDs devido ao menor custo em comparação com DRAM e à capacidade de reter os dados sem uma fonte de alimentação constante, garantindo a persistência dos dados por meio de quedas repentinas de energia.[84] Os SSDs de memória flash eram incialmente mais lentos do que as soluções DRAM, e alguns projetos iniciais eram ainda mais lendos do que os HDDs após o uso contínuo. Esse problema foi resolvido por controladores lançados em 2009 e posteriores.[85]

Os SSDs baseados em flash armazenam dados em chips de circuito integrado de metal-óxido-semicondutor (MOS) que contêm células de memória de ponta flutuante não voláteis.[86] As soluções baseadas em memória flash são normalmente empacotadas em formatos de unidade de disco padrão (1,8, 2,5 e 3,5 polegadas), mas também em formatos menores e mais compactos, como o formato M.2, possibilitado pelo pequeno tamanho da memoria flash.

Unidades de preço mais baixo geralmente usam memória flash de célula de nível quádruplo (QLC), célula de nível triplo (TLC) ou célula de vários níveis (MLC), que é mais lenta e menos confiável do que a memória flash célula de nível único (SLC).[87][88] Isso pode ser mitigado ou até mesmo revertido pela estrutura de design interno do SSD, como intercalação, alterações nos algoritmos de gravação,[88] e maior superprovisionamento (mais excesso de capacidade) com o qual o nivelamento de desgasta algoritmos podem funcionar.[89][90][91]

DRAM[editar | editar código-fonte]

Os SSDs baseados em memória voláticl, como DRAM, são caracterizados por acesso a dados muito rápido, geralmente menos de 10 microssegundos, e são usados principalmente para acelerar aplicativos que, de outra forma, seriam retidos pela latência de SSDs flash ou HDDs tradicionais.

Os SSDs baseados em DRAM geralmente incorporam uma bateria interna ou adaptador AC/DC externo e sistemas de armazenamento de backup para garantir a persistência dos dados enquanto nenhuma energia está sendo fornecida à unidade por fontes externas. Se faltar energia, a bateria fornece energia enquanto todas as informações são copiadas da memória de acesso aleatório (RAM) para o armazenamento de backup. Quando a energia é restaurada, as informações são copiadas de volta para a RAM do armazenamento de backup e o SSD retoma a operação normal (semelhante à função de hibernação usada em sistemas operacionais modernos).[92][93]

SSDs desse tipo geralmente são equipados com módulo DRAM do mesmo tipo usado em PCs e servidores comuns, que podem ser trocados e substituídos por módulos maiores.[94] Como i-RAM, HyperOs HyperDrive, DDRdrive X1, etc. Alguns fabricantes de SSDs DRAM soldam os chips DRAM diretamente na unidade e não pretendem que os chips sejam trocados - como ZeusRAM, Aeon Drive, etc.[95]

Um disco de acesso remoto indireto à memória (RIndMA Disk) usa um computador secundário com uma rede rápida ou conexão InfiniBand (direta) para atuar como um SSD baseado em RAM, mas os novos SSDs baseados em memória flash, mais rápidos, já disponíveis em 2009 estão tornando esta opção menos rentável.

Enquanto o preço da DRAM continua caindo, o preço da memória Flash cai ainda mais rápido. O ponto de cruzamento "Flash torna-se mais barato que DRAM" ocorreu aproximandamente em 2004.[96][97]

3D XPoint[editar | editar código-fonte]

Em 2015, a Intel e a Micron anunciaram o 3D XPoint como uma nova tecnologia de memória não volátil.[98] A Intel lançou a primeira unidade baseada em 3D XPoint (marcada como Intel® Optane™ SSD) em março de 2017, começando com um produto de data center, Intel® Optane™ SSD DC P4800X Series, e seguindo com a versão do cliente, Intel® Optane ™ SSD 900P Series, em outubro de 2017. Ambos os produtos operam mais rápido e com maior resistência do que os SSDs baseados em NAND, enquanto a densidade de área é comparável a 128 gigabits por chip.[99][100][101][102] Pelo preço por bit, 3D XPoint é mais caro que NAND, mas mais barato que DRAM.[103]

Outros[editar | editar código-fonte]

Alguns SSDs, chamados de dispositivo NVDIMM ou Hyper DIMM, usam DRAM e memória flash. Quando a energia cai, o SSD copia todos os dados de sua DRAM para flash; quando a energia volta, o SSD copia todos os dados de seu flash para sua DRAM.[104] De maneira um pouco semelhante, alguns SSDs usam fatores de forma e barramentos realmente projetados para módulos DIMM, enquanto usam apenas memória flash e fazem parecer como se fosse DRAM. Esses SSDs são geralmente conhecidos como dispositivos ULLtraDIMM.[105]

As unidades conhecidas como unidades híbridas ou unidades híbridas de estado sólido (SSHDs) usam um híbrido de discos giratórios e memória flash.[106][107] Alguns SSDs usam memória de acesso aleatório magnetoresistiva (MRAM) para armazenar dados.[108][109]

Cache ou buffer[editar | editar código-fonte]

Um SSD baseado em flash normalmente usa uma pequena quantidade de DRAM como cache volátil, semelhante aos buffers em unidades de disco rígido. Um diretório de dados de posicionamento de bloco e nivelamento de desgasta também é mantido no cache enquanto a unidade está em operação.[78] Um fabricante de controlador SSD, SandForce, não usa um cache DRAM externo em seus projetos, mas ainda alcança alto desempenho. Essa eliminação da DRAM externa reduz o consumo de energia e permite uma maior redução do tamanho dos SSDs.[110]

Bateria ou supercapacitor[editar | editar código-fonte]

Outro componente em SSDs de alto desempenho é um capacitor ou algum tipo de bateria, que são necessários para manter a integridade dos dados para que os dados no cache possam ser liberados para a unidade quando houver falta de energia; alguns podem até manter a energia por tempo suficiente para manter os dados no cache até que a energia seja retomada.[110][111] No caso da memória flash MLC, um problema chamado corrupção de página inferior pode ocorrer quando a memória flash MLC perde energia durante a programação de uma página superior. O resultado é que os dados gravados anteriormente e presumivelmente seguros podem ser corrompidos se a memória não for suportada por um supercapacitor no caso de uma queda repentina de energia. Este problema não existe com a memória flash SLC.[77]

A maioria dos SSDs para consumidores não possui baterias ou capacitores embutidos;[112] entre as exceções estão as séries Crucial M500 e MX1000,[113] as séries Intel 320,[114] e as séries Intel DC S3700,[115] geralmente têm baterias ou capacitores embutidos.

Interface do host[editar | editar código-fonte]

Um SSD com 1,2 TB de MLC NAND, usando PCI Express como interface de host[116]

A interface do host é fisicamente um conector com a sinalização gerenciada pelo controlador do SSD. É mais frequentemente uma das interfaces encontradas em HDDs. Eles incluem:

  • Serial Attached SCSI (SAS-3, 12,0 Gbit/s) - geralmente encontrado em servidores[117]
  • Serial ATA e variante mSATA (SATA 3.0, 6.0 Gbit/s)[118]
  • PCI Express (PCIe 3.0 x4, 31.5 Gbit/s)[119]
  • M.2 (6,0 Gbit/s para interface de dispositivo lógico SATA 3.0, 31,5 Gbit/s para PCIe 3.0 x4)
  • U.2 (PCIe 3.0 x4)
  • Fibre Channel (128 Gbit/s) - encontrado quase exclusivamente em servidores
  • USB (10 Gbit/s)
  • Parallel ATA (UDMA, 1064 Mbit/s) - substituído principlamente por SATA[120][121]
  • (Paralelo) SCSI (40 Mbit/s - 2560 Mbit/s) - geralmente encontrado em servidores, substituído principalmente por SCSI; último SSD baseado em SCSI foi introduzido em 2004[122]

Os SSDs suportam várias interfaces de dispositivos lógicos, como Advanced Host Controller Interface (AHCI) e NVMe. As interaces de dispositivos lógicos definem os conjuntos de comandos usados pelos sistemas operacionais para se comunicar com SSDs e adaptadores de barramento de host (HBAs).

Configurações[editar | editar código-fonte]

O tamanho e a forma de qualquer dispositivo são amplamente determinados pelo tamanho e pela forma dos componentes usados para fabricar esse dispositivo. Os HDDs tradicionais e unidades ópticas são projetados em torno do(s) prato(s) giratório(s) ou disco óptico junto com o motor do eixo interno. Se um SSD for composto por vários circuitos integrados (ICs) interconectadose um conector de interface, seu formato não estará mais limitado ao formato de unidades de mídia rotativas. Algumas soluções de armazenamento de estado sólido vêm em um chassi maior que por até ser um formato de montagem em rack com vários SSDs internos. Todos eles se conectariam a um barramento comum dentro do chassi e se conectariam fora da caixa com um único conector.[4]

Para uso geral do computador, o formato de 2,5 polegadas (normalmente encontrado em laptops) é o mais popular. Para computadores de mesa com slots de unidade de disco rígido de 3,5 polegadas, uma placa adaptadora simples pode ser usada para ajustar essa unidade. Outros tipos de fatores de forma são mais comuns em aplicativos corporativos. Um SSD também pode ser completamente integrado em outros circuitos do dispositivo. como no MacBook Air, da Apple, (começando com o modelo de outono de 2010).[123] A partir de 2014, os fatores de forma mSATA e M.2 também ganharam popularidade, principalmente em laptops.

Fatores de forma de HDD padrão[editar | editar código-fonte]

Um SSD com um fator de forma HDD de 2,5 polegadas, aberto para mostrar a eletrônica de estado sólido. Os espaços vazios próximos aos chips NAND são para chips NAND adicionais, permitindo que o mesmo design de placa de circuito seja usado em vários modelos de inversores com capacidades diferentes; outras unidades podem usar uma placa de circuito cujo tamanho aumenta junto com a capacidade da unidade, deixando o restante da unidade vazia

O benefício de usar um fator de forma de HDD atual seria aproveitar a extensa infraestrutura já instalada para montar e conectar as unidades ao sistema host.[4][124] Esses formatos tradicionais são conhecidos pelo tamanho da mídia rotativa (ou seja, 5,25 polegadas, 3,5 polegadas, 2,5 polegadas ou 1,8 polegadas) e não pelas dimensões da caixa da unidade.

Fatores de forma de cartão padrão[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: M.2

Para aplicativos em que o espaço é escasso, como ultrabooks ou tablets, alguns formatos compactos foram padronizados para SSDs baseados em flash.

Existe o fator de forma mSATA que usa o layout físico PCI Express Mini Card. Ele permanece eletricamente compatível com a especificação PCI Express Mini Card, exigindo uma conexão adicional ao controlador host SATA através do mesmo conector.

O fator de forma M.2, anteriormente conhecido como Next Generation Form Factor (NGFF), é uma transição natural do mSATA e do layout físico usado para um fator e forma mais utilizável e avançado. Enquanto o mSATA se beneficia de um formato e conector existentes, o M.2 foi projetado para maximizar o uso do espaço do cartão, minimizando o espaço ocupado. O padrão M.2 permite que SSDs Sata e PCI Express sejam instalados em módulos M.2.[125]

Algumas unidades de alto desempenho e alta capacidade usam o formato de placa de expansão PCI Express padrão para abrigar chips de memória adicionais, permitir o uso de níveis de energia mais altos e permitir o uso de um grande dissipador de calor. Existem também placas adaptadores que convertem outros fatores de forma, especialmente unidades M.2 com interface PCIe, em placas adicionais comuns.

Fatores de forma de disco em um módulo[editar | editar código-fonte]

Um disco em um módulo de 2 GB com interface PATA

Um disk-on-a-module (DOM) é uma unidade flash com interface Parallel ATA (PATA) ou SATA de 40/44 pinos, destinada a ser conectada diretamente à placa-mãe e usada como uma unidade de disco rígido de computador (HDD). Os dispositivos DOM emulam uma unidade de disco rígido tradicional, resultando na não necessidade de drivers especiais ou outro suporte específico ao sistema operacional. Os DOMs geralmente são usados em sistemas embarcados, que geralmente são implantados em ambientes hostis onde os HDDs mecânicos simplesmente falhariam, ou em thin clients devido ao tamanho pequeno, baixo consumo de energia e operação silenciosa.

A partir de 2016, as capacidades de armazenamento variam de 4 MB a 128 GB com diferentes variações nos layouts físicos, incluindo orientação vertical ou horizontal.[carece de fontes?]

Fatores de forma de caixa[editar | editar código-fonte]

Muitas das soluções baseadas em DRAM usam uma caixa que geralmente é projetada para caber em um sistema de montagem em rack. O número de componentes DRAM necessários para obter capacidade suficiente para armazenar os dados junto com as fontes de alimentação de backup requer um espaço maior do que os formatos tradicionais de HDD.[126]

Fatores de forma simples[editar | editar código-fonte]

Os fatores de forma que eram mais comuns aos módulos de memória agora estão sendo usados pelos SSDs para aproveitar sua flexibilidade no layout dos componentes. Alguns deles incluem PCIe, Mini-PCIe, mini-DIMM, MO-297 e muito mais.[127] O SATADIMM da Viking Techonology usa um slot DDR3 DIMM vazio na placa-mãe para fornecer energia ao SSD com um conector SATA separado para fornecer a conexão de dados de volta ao computador. O resultado é um SSD fácil de instalar com capacidade igual às unidades que normalmente ocupam um compartimento de unidade completo de 2,5 polegadas.[128] Pelo menos um fabricante, Innodisk, produziu uma unidade que fica diretamente no conector SATA (SATADOM) na placa mãe sem a necessidade de um cabo de alimentação.[129] Alguns SSDs são baseados no fator de forma PCIe e conectam a interface de dados e a alimentação através do conector PCIe ao host. Essas unidades podem usar controladores flash PCIe diretos[130] ou um dispositivo de pont PCI-e-para-SATA que se conecta a controladores flash SATA.[131]

Fatores de forma de matriz de grade de bola[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 2000, algumas empresas introduziram SSDs em formatos Ball Grid Array (BGA), como o DiskOnChip (agora SanDisk) da M-Systems[132] e o NANDrive da Silicon Storage Technology[133] (agora produzido pela Greenliant Systems), e M1000 da Memoright[134] para uso em sistemas embarcados. Os principais benefícios dos SSDs BGA são seu baixo consumo de energia, tamanho de pacote de chip pequeno para caber em subsistemas compacos e que podem ser soldados diretamente na placa-mãe do sistema para reduzir os efeitos adversos de vibração e choque.[135]

Essas unidades incorporadas geralmente aderem aos padrões eMMC e eUFS.

Comparação com outras tecnologias[editar | editar código-fonte]

Unidades de disco rígido[editar | editar código-fonte]

benchmark SSD, mostrando cerca de 230 MB/s de velocidade de leitura (azul), 210 MB/s de velocidade de gravação (vermelho) e cerca de 0,1 ms de tempo de busca (verde), todos independentes da localização do disco acessado.

Fazer uma comparação entre SSDs e HDDs comuns (giratórios) é difícil. Os benchmarks de HDD tradicionais tendem a se concentrar nas características de desempenho que são ruins com HDDs, como latência rotacional e tempo de busca. COmo os SSDs não precisa girar ou procurar localizar dados, eles podem se mostrar muito superiores aos HDDs em tais testes. No entando, os SSDs têm desafios com leituras e gravações mistas e seu desempenho pode diminuir com o tempo. O teste de SSD deve começar a partir da unidade completa (em uso), pois a unidade nova e vazia (fresca, pronta para uso) pode ter desempenho de gravação muito melhor do que mostraria após apenas algumas semanas de uso.[136]

A maioria das vantagens das unidades de estado sólido sobre os discos rígidos tradicionais se deve à sua capacidade de acessar dados completamente eletronicamente em vez de eletromecanicamente, resultando em velocidades de transferência superiores e robustez mecânica.[137] Por outro lado, as unidades de disco rígido oferecem capacidade significativamente maior por seu preço.[3][138]

Algumas taxas de falha de campo indicam que os SSDs são significativamente mais confiáveis que os HDDS[139][140] mas outros não. No entanto, os SSDs são especialmente sensíveis a interrupções repentinas de energia, resultando em gravações abortadas ou até mesmo em casos de perda completa da unidade.[141] A confiabilidade de HDDs e SSDs varia muito entre os modelos.[142]

Assim como nos HDDs, há uma compensação entre custos e desempenho de diferentes SSDs. Os SSDs de célula de nível único (SLC), embora significativamente mais caros que os SSDs de vários níveis (MLC), oferecem uma vantagem significativa de velocidade. Ao mesmo tempo, o armazenamento de estado sólido baseado em DRAM é atualmente considerado o mais rápido e mais caro, com tempos médios de resposta de 10 microssegundos em vez da média de 100 microssegundos de outros SSDs. Os dispositivos flash corporativos (EFDs) são projetados para lidar com as demandas de aplicativos de nível 1 com desempenho e tempos de resposta semelhantes aos SSDs mais baratos.[143]

Em HDDs tradicionais, um arquivo reescrito geralmente ocupará o mesmo local na superfície do disco que o arquivo original, enquanto em SSDs a nova cópia geralmente será gravada em diferentes células NAND para fins de nivelamento de desgaste. Os algoritmos de nivelamento de desgaste são complexos e difíceis de testas exaustivamente; como resultado, uma das principais causas de perda de dados em SSDs são os bugs de firmware.[144]

A tabela a seguir mostra uma visão detalhada das vantagens e desvantagens de ambas as tecnologias. As comparações refletem características tíicas e podem não ser válidas para um dispositivo específico.

Comparação de SSD e HDD baseados em NAND
Atributo ou característica Disco de Estado Sólido Drive de disco rígido
Preço por capacidade Os SSDs geralmente são mais caros que os HDDs e devem permanecer assim até a década de 2020.[145]

Preço do SSD no primeiro trimestre de 2018 em torno de 30 centavos (EUA) por gigabyte com base em modelos de 4 TB.[146]

Os preços geralmente caíram anualmente e, a partir de 2018, espera-se que continuem a cair.


Preço do HDD no primeiro trimestre de 2018 em torno de 2 a 3 centavos (EUA) por gigabyte com base em modelos de 1 TB.[146]

Os preços geralmente caíram anualmente e, a partir de 2018, espera-se que continuem a cair.

Capacidade de armazenamento Em 2018, os SSDs estavam disponíveis em tamanhos de até 100 TB,[147] mas menos dispendiosos, os modelos de 120 a 512 GB eram mais comuns. Em 2018, estavam disponíveis HDDs de até 16 TB.[148]
Confiabilidade – retenção de dados Se deixados sem energia, os SSDs desgastados normalmente começam a perder dados após cerca de um a dois anos de armazenamento, dependendo da temperatura. Novas unidades devem reter dados por cerca de dez anos.[8] Dispositivos baseados em MLC e TLC tendem a perder dados mais cedo do que dispositivos baseados em SLC. Os SSDs não são adequados para uso de arquivamento. Se mantidos em um ambiente seco e com baixas temperaturas, os HDDs podem reter seus dados por um longo período de tempo, mesmo sem energia. No entanto, as peças mecânicas tendem a coagular com o tempo e a unidade não gira após alguns anos de armazenamento.
Confiabilidade – longevidade Os SSDs não têm partes móveis para falhar mecanicamente, portanto, em teoria, devem ser mais confiáveis ​​​​que os HDDs. No entanto, na prática, isso não é claro.[149]

Cada bloco de um SSD baseado em flash só pode ser apagado (e, portanto, gravado) um número limitado de vezes antes de falhar. Os controladores gerenciam essa limitação para que as unidades possam durar muitos anos em uso normal.[150][151][152][153][154] SSDs baseados em DRAM não têm um número limitado de gravações. No entanto, a falha de um controlador pode tornar um SSD inutilizável. A confiabilidade varia significativamente entre diferentes fabricantes e modelos de SSD, com taxas de retorno chegando a 40% para unidades específicas.[140] Muitos SSDs falham criticamente em quedas de energia; uma pesquisa de dezembro de 2013 de muitos SSDs descobriu que apenas alguns deles são capazes de sobreviver a múltiplas quedas de energia.[155] Um estudo do Facebook descobriu que o layout de dados esparsos no espaço de endereço físico de um SSD (por exemplo, dados alocados de forma não contígua), layout de dados denso (por exemplo, dados contíguos) e temperatura operacional mais alta (que se correlaciona com a energia usada para transmitir dados) cada leva ao aumento das taxas de falha entre os SSDs.[156]

No entanto, os SSDs passaram por muitas revisões que os tornaram mais confiáveis ​​e duradouros. Os novos SSDs no mercado hoje usam circuitos de proteção contra perda de energia, técnicas de nivelamento de desgaste e estrangulamento térmico para garantir a longevidade.[157][158]

Os HDDs têm partes móveis e estão sujeitos a possíveis falhas mecânicas devido ao desgaste resultante, portanto, em teoria, devem ser menos confiáveis ​​que os SSDs. No entanto, na prática, isso não é claro.[149]

O próprio meio de armazenamento (prato magnético) não se degrada essencialmente nas operações de leitura e gravação.

De acordo com um estudo realizado pela Carnegie Mellon University para HDDs de nível empresarial e de consumo, sua taxa média de falhas é de 6 anos e a expectativa de vida é de 9 a 11 anos.[159] No entanto, o risco de perda de dados repentina e catastrófica pode ser menor para HDDs.[160]

Quando armazenado offline (sem alimentação na prateleira) a longo prazo, o meio magnético do HDD retém dados significativamente mais tempo do que a memória flash usada em SSDs.

Tempo de inicialização Quase instantâneo; sem componentes mecânicos para preparar. Pode precisar de alguns milissegundos para sair do modo automático de economia de energia. A rotação da unidade pode levar vários segundos. Um sistema com muitas unidades pode precisar escalonar a rotação para limitar a potência de pico consumida, que é brevemente alta quando um HDD é iniciado pela primeira vez.[161]
Desempenho de acesso sequencial Em produtos de consumo, a taxa de transferência máxima normalmente varia de cerca de 200 MB/s a 3500 MB/s,[162][163][164] dependendo da unidade. Os SSDs corporativos podem ter taxa de transferência de vários gigabytes por segundo. Uma vez que a cabeça esteja posicionada, ao ler ou escrever uma faixa contínua, um HDD moderno pode transferir dados a cerca de 200 MB/s. A taxa de transferência de dados depende também da velocidade de rotação, que pode variar de 3.600 a 15.000 rpm[165] e também da pista (a leitura das pistas externas é mais rápida). A velocidade de transferência de dados pode ser de até 480 MB/s (experimental).[166]
Desempenho de acesso aleatório[167] Tempo de acesso aleatório normalmente abaixo de 0,1 ms.[168][169] Como os dados podem ser recuperados diretamente de vários locais da memória flash, o tempo de acesso geralmente não é um grande gargalo de desempenho. O desempenho de leitura não muda com base em onde os dados são armazenados. Em aplicativos, onde as buscas por disco rígido são o fator limitante, isso resulta em tempos de inicialização e inicialização de aplicativos mais rápidos (consulte a Lei de Amdahl).[170][161]

A tecnologia SSD pode fornecer velocidade de leitura/gravação bastante consistente, mas quando muitos blocos menores individuais são acessados, o desempenho é reduzido. A memória flash deve ser apagada antes de poder ser regravada. Isso requer um número excessivo de operações de gravação além do pretendido (um fenômeno conhecido como amplificação de gravação ), o que afeta negativamente o desempenho.[171] Os SSDs normalmente apresentam uma redução pequena e constante no desempenho de gravação ao longo de sua vida útil, embora a velocidade média de gravação de algumas unidades possa melhorar com o tempo.[172]

O tempo de latência de leitura é muito maior que os SSDs.[173] O tempo de acesso aleatório varia de 2,9 (unidade de servidor de ponta) a 12 ms (HDD de laptop) devido à necessidade de mover as cabeças e esperar que os dados girem sob a cabeça magnética.[174] O tempo de leitura é diferente para cada busca diferente, uma vez que a localização dos dados e a localização da cabeça são provavelmente diferentes. Se dados de diferentes áreas do prato devem ser acessados, como em arquivos fragmentados, os tempos de resposta serão aumentados pela necessidade de buscar cada fragmento.[175]
Impacto da fragmentação do sistema de arquivos Há um benefício limitado na leitura de dados sequencialmente (além dos tamanhos de bloco FS típicos, digamos 4 KiB), tornando a fragmentação insignificante para SSDs. A desfragmentação causaria desgaste ao fazer gravações adicionais das células flash NAND, que têm um ciclo de vida limitado.[176][177] No entanto, mesmo com SSDs, há um limite prático de quanta fragmentação certos sistemas de arquivos podem sustentar; quando esse limite é atingido, as alocações de arquivos subsequentes falham.[178] Consequentemente, a desfragmentação ainda pode ser necessária, embora em menor grau.[178] Alguns sistemas de arquivos, como o NTFS, tornam-se fragmentados com o tempo se forem escritos com frequência; a desfragmentação periódica é necessária para manter o desempenho ideal.[179]
Ruído acústico Os SSDs não têm partes móveis e, portanto, são silenciosos, embora, em alguns SSDs, possa ocorrer ruído de alta frequência do gerador de alta tensão (para apagar blocos). Os HDDs possuem partes móveis (cabeças, atuator, e motor do fuso) e emitem sons característicos de zumbido e clique; os níveis de ruído variam dependendo do RPM, mas podem ser significativos (embora muitas vezes sejam muito mais baixos do que o som dos ventiladores). Os discos rígidos de laptop são relativamente silenciosos.
Controle de temperatura[180] Um estudo do Facebook descobriu que em temperaturas operacionais acima de 40°C (104°F), a taxa de falhas entre os SSDs aumenta com a temperatura. No entanto, este não foi o caso de unidades mais recentes que empregam thermal throttling, embora com um custo potencial para o desempenho.[156] Na prática, os SSDs geralmente não requerem nenhum resfriamento especial e podem tolerar temperaturas mais altas do que os HDDs. Alguns SSDs, incluindo modelos empresariais de última geração instalados como placas complementares ou dispositivos de compartimento de 2,5 polegadas, podem ser fornecidos com dissipadores de calor para dissipar o calor gerado,[181] exigindo certos volumes de fluxo de ar para operar.[182] Temperaturas ambientes acima de 35 °C (95 °F) podem reduzir a vida útil de um disco rígido e a confiabilidade será comprometida em temperaturas da unidade acima de 55 °C (131 °F). O resfriamento do ventilador pode ser necessário se as temperaturas excederem esses valores.[183] Na prática, HDDs modernos podem ser usados ​​sem arranjos especiais para resfriamento.
Temperatura operacional mais baixa[184] Os SSDs podem operar a −55 °C (−67 °F). A maioria dos HDDs modernos pode operar a 0 °C (32 °F).
Altitude mais alta durante a operação[185] SSDs não têm problemas com isso.[186] Os HDDs podem operar com segurança a uma altitude de no máximo 3.000 metros (10.000 pés). Os HDDs não funcionarão em altitudes acima de 12.000 metros (40.000 pés).[187] Com a introdução de HDDs cheios de hélio[188][189] (selados), espera-se que isso seja um problema menor.
Mudar de um ambiente frio para um ambiente mais quente SSDs não têm problemas com isso. Devido ao mecanismo de estrangulamento térmico, os SSDs são mantidos seguros e impedidos de desequilíbrio de temperatura. Pode ser necessário um certo tempo de aclimatação ao mover alguns HDDs de um ambiente frio para um ambiente mais quente antes de operá-los; dependendo da umidade, pode ocorrer condensação nos cabeçotes e/ou discos e a operação imediata resultará em danos a esses componentes.[190] Os HDDs de hélio modernos são selados e não apresentam esse problema.
Orifício de respiro Os SSDs não requerem um orifício de respiro. A maioria dos HDDs modernos requer um orifício de respiro para funcionar corretamente.[187] Os dispositivos cheios de hélio são selados e não possuem furos.
Suscetibilidade a fatores ambientais[170][191][192] Sem partes móveis, muito resistente a choques, vibrações, movimentos e contaminação. As cabeças que voam acima de pratos que giram rapidamente são suscetíveis a choques, vibrações, movimentos e contaminação que podem danificar o meio.
Instalação e montagem Não sensível à orientação, vibração ou choque. Normalmente não há circuitos expostos. Os circuitos podem ser expostos em um dispositivo em forma de cartão e não devem ser curto-circuitados por materiais condutores. Os circuitos podem ser expostos e não devem ser curto-circuitados por materiais condutores (como o chassi de metal de um computador). Deve ser montado para proteger contra vibração e choque. Alguns HDDs não devem ser instalados em uma posição inclinada.[193]
Suscetibilidade a campos magnéticos Baixo impacto na memória flash, mas um pulso eletromagnético danificará qualquer sistema elétrico, especialmente circuitos integrados. Em geral, ímãs ou surtos magnéticos podem resultar em corrupção de dados ou danos mecânicos aos componentes internos da unidade. A caixa de metal do drive fornece um baixo nível de blindagem aos pratos magnéticos.[194][195][196]
Peso e tamanho[191] Os SSDs, essencialmente dispositivos de memória semicondutores montados em uma placa de circuito, são pequenos e leves. Eles geralmente seguem os mesmos fatores de forma dos HDDs (2,5 polegadas ou 1,8 polegadas) ou são PCBs simples (M.2 e mSATA). Os gabinetes na maioria dos modelos convencionais, se houver, são feitos principalmente de plástico ou metal leve. Modelos de alta performance costumam ter dissipadores de calor acoplados ao aparelho, ou possuem gabinetes volumosos que servem como dissipador de calor, aumentando seu peso. Os HDDs são geralmente mais pesados ​​que os SSDs, pois os gabinetes são feitos principalmente de metal e contêm objetos pesados, como motores e grandes ímãs. As unidades de 3,5 polegadas normalmente pesam cerca de 700 gramas (1,5 lb).
Limitações de escrita segura A memória flash NAND não pode ser substituída, mas deve ser regravada em blocos apagados anteriormente. Se um programa de criptografia de software criptografar dados que já estão no SSD, os dados substituídos ainda estarão desprotegidos, não criptografados e acessíveis (a criptografia de hardware baseada em unidade não apresenta esse problema). Além disso, os dados não podem ser apagados com segurança substituindo o arquivo original sem procedimentos especiais de "Apagamento seguro" integrados à unidade.[197] Os HDDs podem sobrescrever dados diretamente na unidade em qualquer setor específico. No entanto, o firmware da unidade pode trocar blocos danificados por áreas sobressalentes, portanto, bits e peças ainda podem estar presentes. Os HDDs de alguns fabricantes preenchem toda a unidade com zeros, incluindo setores realocados, no comando ATA Secure Erase Enhanced Erase.[198]
Simetria de desempenho de leitura/gravação SSDs mais baratos normalmente têm velocidades de gravação significativamente menores do que suas velocidades de leitura. SSDs de alto desempenho têm velocidades de leitura e gravação semelhantes. Os HDDs geralmente têm tempos de busca um pouco mais longos (piores) para gravação do que para leitura.[199]
Disponibilidade gratuita de blocos e TRIM O desempenho de gravação do SSD é significativamente afetado pela disponibilidade de blocos programáveis ​​gratuitos. Blocos de dados escritos anteriormente que não estão mais em uso podem ser recuperados pelo TRIM; entretanto, mesmo com TRIM, menos blocos livres causam desempenho mais lento.[78][200][201] Os HDDs não são afetados por blocos livres e não se beneficiam do TRIM.
Consumo de energia SSDs baseados em flash de alto desempenho geralmente exigem metade a um terço da potência dos HDDs. Os SSDs DRAM de alto desempenho geralmente exigem tanta energia quanto os HDDs e devem ser conectados à energia mesmo quando o resto do sistema está desligado.[202][203] Tecnologias emergentes como DevSlp podem minimizar os requisitos de energia de unidades ociosas. Os HDDs de menor potência (tamanho de 1,8 polegadas) podem usar apenas 0,35 watts quando ociosos.[204] As unidades de 2,5 polegadas normalmente usam de 2 a 5 watts. As unidades de 3,5 polegadas de maior desempenho podem usar até cerca de 20 watts.
Densidade máxima de armazenamento em área (Terabits por polegada quadrada) 2.8[205] 1.2[205]

Cartões de memória[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cartão de memória
Cartão CompactFlash usado como um SSD

Embora os cartões de memória e a maioria dos SSDs usem memória flash, eles atendem a mercados e propósitos muito diferentes. Cada um tem vários atributos diferentes que são otimizados e ajustados para melhor atender às necessidades de usuários específicos. ALgumas dessas características incluem consumo de energia, desempenho, tamanho e confiabilidade.[206]

Os SSDs foram originalmente projetados para uso em um sistema de computador. As primeiras unidades destinavam-se a substituir ou aumentar os discos rígidos, de modo que o sistema operacional os reconhecia como disco rígido. Originalmente, as unidades de estado sólido eram moldadas e montadas no computador como discos rígidos. Mais tarde os SSDs tornaram-se menores e mais compactos, eventualmente desenvolvendo seus próprios fatores de forma exclusivos, como o formato M.2. O SSD foi projetado para ser instalado permanentemente dentro de um computador.[206]

Em contraste, os cartões de memória (como Secure Digital (SD), CompactFlash (CF) e muitos outros) foram originalmente projetados para câmeras digitais e mais tarde chegaram a telefones celulares, dispositivos de jogos, unidades de GPS, etc. fisicamente menores que SSDs e projetados para serem inseridos e removidos repetidamente.[206]

Falhas no SSD[editar | editar código-fonte]

Os SSDs têm modos de falha muito diferentes dos discos rígidos magnéticos tradicionais. Como as unidades de estado sólido não contêm partes móveis, elas geralmente não estão sujeitas a falhas mecânicas. Em vez disso, outros tipos de falha são possíveis (por exemplos, gravações incompletas ou com falha devido a uma falha repentina de energia podem ser um problema maior do que com HDDs, e se um chip falhar, todos os dados nele serão perdidos, um cenário não aplicável a acionamentos magnéticos). No geral, no entanto, estudos mostraram que os SSDs geralmente são altamente confiáveis e geralmente continuam funcionando muito além da vida útil esperada, conforme declarado pelo fabricante.[207]

A durabilidade de um SSD deve ser fornecida em sua folha de dados em uma das duas formas:

  • ou n DW/D (n gravações de unidade por dia)
  • ou m TBW (máximo de terabytes gravados), TBW curto.[208]

Assim, por exemplo, um SSD Samsung 970 EVO NVMe M.2 (2018) com 1 TB tem uma autonomia de 600 TBW.[209]

Confiabilidade SSD e modos de falha[editar | editar código-fonte]

Uma investigação inicial da Techreport.com que decorreu de 2013 a 2015 envolveu vários SSDs baseados em flash sendo testados até a destruição para identificar como e em que ponto eles falharam. O site descobriu que todas as unidades "ultrapassaram suas especificações oficiais de resistência ao gravar centenas de terabytes sem problemas" - volumes dessa ordem excedendo as necessidades típicas do consumidor.[210] O primeiro SSD a falhar foi baseado em TLC, com a unidade conseguindo gravar mais de 800 TB. Três SSDs no teste escreveram três vezes essa quantidade (quase 2,5 PB) antes de também falharem.[210] O teste demonstrou a notável confiabilidade até mesmo dos SSDs do mercado consumidor.

Um estudo de campo de 2016 com base em dados coletados ao longo de seis anos nos data centers do Google e abrangendo "milhões" de dias de unidade descobriu que a proporção de SSDs baseados em flash que exigem substituição nos primeiros quatro anos de uso variou 4% a 10% dependendo do modelo. Os autores concluíram que os SSDs falham a uma taxa significativamente menor do que as unidades de disco rígido.[207] (Em contraste, uma avaliação de 2016 de 71.940 HDDs encontrou taxas de falha comparáveis às dos SSDs do Google: os HDDs tiveram, em média uma taxa de falha anual de 1,95%.)[211] O estudo também mostrou, no lado negativo, que os SSDs apresentam taxas significativamente mais altas de erros incorrigíveis (que causam perda de dados) do que os HDDS. Também levou a alguns resultados e implicações inesperados:

  • No mundo real, os projetos baseados em MLC - considerados menos confiáveis do que os projetos SLC - geralmente são tão confiáveis quanto o SLC. (As descobertas afirmam que "o SLC geralmente não é mais confiável que o MLC".) Mas geralmente é dito que a duração da gravação é a seguinte:
    • SLC NAND: 100,000 apagamentos por bloco
    • MLC NAND: 5,000 a 10,000 apagamentos por bloco para aplicativos de média capacidade e 1.000 a 3.000 para aplicativos de alta capacidade
    • TLC NAND: 1,000 apagamentos por bloco
  • A idade do dispositivo, medida por dias de uso, é o principoal fator na confiabilidade do SSD e não a quantidade de dados lidos ou gravados, que são medidos por terabytes gravados ou gravações de unidade por dia. Isso sugere que outros mecanismos de envelhecimento, como o "envelhecimento do silício", estão em jogo. A correlação é significativa (em torno de 0,2-,04).
  • As taxas de erro de bit bruto (RBER) crescem lentamente com o desgaste - e não exponencialmente, como geralmente se supõe. O RBER não é um bom preditor de outros erros ou falha do SSD.
  • A taxa de erro de bit incorrigível (UBER) é amplamente utilizada, mas também não é um bom preditor de falha. No entanto, as taxas de UBER de SSD são mais altas do que as de HDDs, portanto, embora não prevejam falhas, podem levar à perda de dados devido a blocos ilegíveis serem mais comuns em SSDs do que em HDDs. A conclusão afima que, embora mais confiável no geral, a taxa de erros incorrigíveis capazes de impactar um usuário é maior.
  • "Bad blocks em novos SSDs são comuns, e unidades com um grande número de bad blocks são muito mais propensas a perder centenas de outros blocos, provavelmente devido a um flash die ou falha de chip. 30-80% dos SSDs desenvolvem pelo menos um bad block e 2-7% desenvolvem pelo menos um chip defeituoso nos primeiros quatro anos de implantação."
  • Não há aumento acentuado nos eros após o tempo de vida esperado ser atingido.
  • A maioria dos SSDs não desenvolve mais do que alguns blocos defeituosos, talves 2-4. Os SSDs que desenvolvem muitos blocos defeituosos geralmente desenvolvem muito mais (talvez centenas) e podem estar propensos a falhas. No entando, a maioria das unidades (99%+) são enviadas com blocos defeituosos de fabricação. A descoberta geral foi que os blocos defeituosos são comuns e 30 a 80% das unidades desenvolverão pelo menos um em uso, mas mesmo alguns blocos defeituosos (2 a 4) são um preditor de até centenas de blocos defeituosos pesteriormente. A contagem de blocos defeituosos na fabricação se correlaciona com o desenvolvimento posterior de outros blocos defeituosos. A conclusão do relatório acrescentou que os SSD tendem a ter "menos que um punhado" de blocos defeituosos ou "um grande número", e sugeriu que isso pode ser uma base para prever uma eventual falha.
  • Cerca de 2 a 7% dos SSDs desenvolverão chips ruins nos primeiros quatro anos de uso. Mais de dois terços desses chips terão violado as tolerâncias e especificações de seus fabricantes, que normalnente garantem que não mais de 2% dos blocos em um chip falharão dentro de sua vida útil de gravação esperada.
  • 96% dos SSDs que precisam de reparo (manutenção de garantia) precisam de reparo apenas uma vez na vida. Os dias entre os reparos variam de "alguns milhares de dias" a "quase 15.000 dias", dependendo do modelo.

Recuperação de dados e exclusão segura[editar | editar código-fonte]

As unidades de estado sólido estabelecem novos desafios para as empresas de recuperação de dados, pois o métodos de armazenamento de dados não é linear e muito mais complexo do que o das unidades de disco rígido. A estratégia pela qual a uniadde opera internamente pode variar muito entre os fabricantes, e o comando TRIM zera todo o intervalo de um arquivo excluído. O nivelamento de desgaste também significa que o endereço físico dos dados e o endereço exposto ao sistema operacional são diferentes.

Quanto à exclusão segura de dados, o comando ATA Secure Erase pode ser usado. Um programa como o hdparm pode ser usado para esta finalidade.

Métricas de confiabilidade[editar | editar código-fonte]

A JEDEC Solid State Technology Association (JEDEC) publicou padrões para métricas de confiabilidade:[212]

  • Taxa de erro de bit irrecuperável (UBER)
  • Terabytes escritos (TBW) – o número de terabytes que podem ser gravados em uma unidade dentro de sua garantia
  • Gravações de unidade por dia (DWPD) - o número de vezes que a capacidade total da unidade pode ser gravada por dia dentro de sua garantia

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Devido ao seu custo geralmente probitivo em relação aos HDDs da época, até 2009, os SSDs eram usados principalmente nos aspectos de aplicações de missão crítica em que a velocidade do sistema de armazenamento precisava ser a mais alta possível. Como a memória flash se tornou um componente comum dos SSDs, a queda nos preços e o aumento das densidades a tornaram mais econômica para muitas outras aplicações. Por exemplo, no ambiente de computação distribuída, os SSDs podem ser usados como bloco de construção para uma camada de cache distribuída que absorve temporariamente o grande volume de solicitações do usuário para o sistema de armazenamento de back-end baseado em HDD mais lento. Essa camada oferece largura de banda muito maior e menor latência do que o sistema de armazenamento e pode ser gerenciada de várias formas, como banco de dados de valor-chave distribuído e sistema de arquivos distribuído. Nos supercomputadores, essa camada é normalmente chamada de buffer de intermitência. Com essa camada rápida, os usuários geralmente experimentam um tempo de resposta do sistema mais curto. As organizações que podem se beneficiar do acesso mais rápido aos dados do sistema incluem empresas de negociação de ações, empresas de telecomunicações e streaming de mídia e empresas de edição de vídeo. A lista de aplicações que podem se beneficiar de um armazenamento mais rápido é vasta.[4]

As unidades de estado sólido baseadas em flash podem ser usadas para criar dispositivos de rede a partir de hardware de computador pessoal de uso geral. Uma unidade flash protegida contra gravação contendo o sistema operacional e o software aplicativo pode substituir unidades de disco ou CD-ROMs maiores e menos confiáveis. Aplicações construídas desta forma podem fornecer uma alternativa barata para roteadores e hardwares de firewall caros.

Os SSDs baseados em um cartão SD com um sistema operacional SD ativo são facilmente bloqueados contra gravação. Combinado com um ambiente de computação em nuvem ou outro meio gravável, para manter a persistência um sistema operativo inicializado a partir de um cartão SD bloqueado por gravação é robusto, confiável e impermeável à corrupção permanente. Se o sistema operacional em execução se degradar, basta desligar e ligar a máquina para retornar ao seu estado inicial não corrompido e, portanto, é particularmente sólido. O sistema operacional instalado no cartão SD não requer a remoção de componentes corrompidos, pois foi bloqueado para gravação, embora qualquer mídia gravada possa precisar ser restaurada.

Cache do disco rígido[editar | editar código-fonte]

Em 2011, a Intel introduziu um mecanismo de cache para seu chipset Z68 (e derivados móveis) chamado Smart Response Technology, que permite que um SSD SATA seja usado como cache (configurável como write-through ou write-back) para uma unidade de disco rígido magnética convencional.[213] Uma tecnologia semelhante está disponível na placa PCIe RocketHybrid da HighPoint.[214]

As imodades híbridas de estado sólido (SSHDs) são baseadas no memso princípio, mas integram uma certa quantidade de memória flash a bordo de uma unidade convencional em vez de usar um SSD separado. A camada flash nessas unidades pode ser acessada independentemente do armazenamento magnético pelo host usando comandos ATA-8, permitindo que o sistema operacional a gerencie. Por exemplo, a tecnologia ReadyDrive da Microsoft armazena explicitamente partes do arquivo de hibernação no cache dessas unidades quando o sistema hiberna, tornando a retomada subsequente mais rápida.[215]

Os sistemas híbridos de unidade dupla combinam o uso de dispositivos SSD e HDD separados instalados no mesmo computador, com otimização geral do desempenho gerenciada pelo usuário do computador ou pelo software do sistema operacional do computador. Exemplos deste tipo de sistema são bcache e dm-cache no Linux,[216] e Fusion Drive da Apple.

Suporte ao sistema de arquivos para SSDs[editar | editar código-fonte]

Normalmente, os mesmos sistemas de arquivos usados em unidades de disco rígido também podem ser usados em unidades de estado sólido. Geralmente, espera-se que o sistema de arquivos suporte o comando TRIM, que ajuda o SSD a reciclar dados descartados (o suprote para TRIM chegou alguns anos depois dos próprios SSDs, mas agora é quase universal). Isso significa que o sistema de arquivos não precisa gerenciar o nivelamento de desgaste ou outras características da memória flash, pois elas são tratadas internamente pelo SSD. Alguns sistemas de arquivos estruturados em log (por exemplo, F2FS, JFFS2) ajudam a reduzir a amplificação de gravação em SSDs, especialmente em situações em que apenas quantidades muito pequenas de dados são alteradas, como ao atualizar metadados do sistema de arquivos.

Embora não seja um recurso nativo dos sitemas de arquivos, os sistemas operacionais também devem ter como objetivo alinhar as partições corretamente, o que evita ciclos excessivos de leitura-modificação-gravação. Uma prática típica para computadores pessoais é ter cada partição alinhada para iniciar em uma marca de 1 MiB (= 1,048,576 bytes), que abrange todos os cenários comuns de tamanho de bloco e página SSD, pois é divisível por todos os tmanhos comumente usados - 1 MiB, 512 KiB, 128 KiB, 4 KiB e 512 B. O software de instalação do sistema operacional moderno e as ferramentas de disco lidam com isso automaticamente.

Linux[editar | editar código-fonte]

O suporte inicial para o comando TRIM foi adicionado à versão 2.6.28 da linha principal do kernel Linux.

Os sistemas de arquivos ext4, Btrfs, XFS, JFS e F2FS incluem suporte para a função de descarte (TRIM ou UNMAP).

O suporte do kernel para a operação TRIM fopi introduzido na versão 2.6.33 da linha principal do kernel Linux, lançada em 24 de fevereiro de 2010.[217] Para utilizá-lo, um sistema de arquivos deve ser montado usando o parâmetro discard. As partições de troca Linux executam, por padrão, operações de descarte quando a unidade subjacente suporta TRIM, com a possibilidade de desativá-las ou de selecionar entre operações de descarte únicas ou contínuas.[218][219][220] O suporte para TRIM enfileirado, que é um recurso SATA 3.1 que resulta em comandos TRIM que não interrompem as filas de comando, foi introduzido no kernel Linux 3.12, lançado em 2 de novembro de 2013.[221]

Uma alternativa para a operação TRIM no nível do kernel é usar um utilitário de espaço do usuário chamado fstrim que passa por todos os blocos não utilizados em um sistema de arquivos e despacha comandos TRIM para essas áreas. fstrim utilitário geralmente é executado pelo cron como uma tarefa agendada. A partir de novembro de 2013, ele é usado pela distribuição Ubuntu, do Linux, na qual é habilitado apenas para unidades de estado sólido Intel e Samsung por motivos de confiabilidade; a verificação do fornecedor pode ser desabilitado editando o arquivo /etc/cron.weekly/fstrim usando as instruções contidas no próprio arquivo.[222]

Desde 2010, os utilitários de unidade Linux padrão cuidam do alinhamento de partição apropriado por padrão.[223]

Considerações de desempenho do Linux[editar | editar código-fonte]

Um SSD que usa NVM Express como interface de dispositivo lógico, na forma de uma placa de expansão PCI Express 3.0 ×4

Durante a instalação, as distribuições Linux geralmente não configuram o sistema instalado para usar o TRIM e, portanto, o /etc/fstab arquivo requer modificações manuais.[224] Isso ocorre devido à noção de que a implementação atual do comando TRIM do Linux pode não ser a ideal.[225] Foi comprovado que causa uma degradação de desempenho em vez de um aumento de desempenho em determindadas circunstâncias.[226][227] A partir de janeiro de 2014, o Linux envia um comando TRIM individual para cada setor, em vez de uma lista vetorizada definindo um intervalo TRIM conforme recomendado pela especificação TRIM.[228]

Por motivos de desempenho, é recomendável alternar o agendador de E/S do padrão CFQ (Completely Fair Queuing) para NOOP ou Deadline. O CFQ foi projetado para mídia magnética tradicional e busca otimização, portanto, muitos desses esforços de agendamento de E/S são desperdiçados quando usados com SSDs. Como parte de seus projetos, os SSDs oferecem níveis muito maiores de paralelismo para operações de E/S, por isso é preferível deixar as decisões de agendamento para sua lógica interna - especialmente para SSDs de última geração.[229][230]

Uma camada de bloco escalável para armazenamento SSD de alto desempenho, conhecida como blk-multiqueue ou blk-mq e desenvolvida principalmente pelos engenheiros da Fusion-io, foi incorporada à linha principal do kernel Linux na versão 3.13 do kernel, lançada em 19 de janeiro de 2014. Isso aproveita o desempenho oferecido por SSDs e NVMe, permitindo taxas de envio de E/S muito mais altas. Com esse novo design da camada de bloco do kernel Linux, as filas internas são divididas em dois níveis (filas por CPU e de envio de hardware), removendo assim gargalos e permitindo níveis muito mais altos de paralelização de E/S. A partir da versão 4.0 do kernel Linux, lançado em 12 de abril de 2015, o driver de bloco VirtlO, o SCSI (camada que é usada por drivers Serial ATA), estrutura de mapeador de dispositivo, driver de dispositivo de loop, driver de imagens de bloco não classificadas (UBI) (que implementa a camada de gerenciamento de bloco de apagamento para dispositivos de memória flash) e driver RBD (que exporta objetos Ceph RADOS como dispositivos de bloco) foram modificados para realmente usar essa nova interface; outros drivers serão portados nas versões a seguir.[231][232][233][234][235]

macOS[editar | editar código-fonte]

Versões desde Mac OS X 10.6.8 (Snow Leopard) suportam TRIM, mas apenas quando usads com um SSD adquirido pela Apple.[236] O TRIM não é ativado aumentaticamente para unidades de terceiros, embora possa ser ativado usando utilitários de terceiros, como o Trim Enabler. O status do TRIM pode ser verificado no aplicativo de Informações do sistema ou na system_profiler ferramenta de linha de comando.

As versões desde o OS X 10.10.4 (Yosemite) incluem sudo trimforce enable um comendo Terminal que habilita o TRIM em SSDs que não são da Apple.[237] Há também uma técnica para habilitar o TRIM em versões anteriores ao Mac OS X 10.6.8, embora permaneça incerto se o TRIM é realmente utilizado corretamente nesses casos.[238]

Microsoft Windows[editar | editar código-fonte]

Antes da versão 7, o Microsoft Windows não tomava nenhuma medida específica para oferecer suporte a unidades de estado sólido. A partir do Windows 7, o sistema de arquivos NTFS padrão oferece suporta para o comando TRIM. (Outros sistemas de arquivos no Windows 7 não suportam TRIM.)[239]

Por padrão, o Windows 7 e as versões mais recentes executam comandos TRIM automaticamente se o dispositivo for detectado como uma unidade de estado sólido. No entando, como o TRIM redefine irreversivelmente todo o espaço liberado, por ser desejável desabilitar o suporte onde a ativação da recuperação de dados é preferível ao nivelamento de desgaste.[240] Para alterar o comportamento, na chave do Registro HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlSet\Control\FileSystem valor DisableDeleteNotification pode ser definido como 1. Isso impede que o driver de armazenamento em massa emita o comando TRIM.

O Windows implementa o comando TRIM para mais do que apenas operações de exclusão de arquivo. A operação TRIM é totalmente integrada com comandos de nível de partição e volumento como format e delete, com comandos de sistema de arquivos relacionados a truncar e compactação e com o recurtso Restauração do sistema (também conhecido como Instantâneo de volume).[241]

Windows Vista[editar | editar código-fonte]

O Windows Vista geralmente espera unidades de disco rígido em ves de SSDs.[242][243] O Windows Vista inclui o ReadyBoost para explrar as características de dispositivos flash conectados por USB< mas para SSDs ele apenas melhorar o alinhamento de partição padrão para evitar operações de leitura-modificação-gravação que reduzem a velocidade de SSDs. A maioria dos SSDs é normalmente dividida em setores de 4 KiB, enquanto a maioria dos sistemas é baseada em setores de 512 Bytes com suas configurações de partição padrão desalinhadas aos limites de 4 KiB.[244]

Desfragmentação[editar | editar código-fonte]

A desfragmentação deve ser desabilitada em unidades de estado sólido porque a localização dos componentes de arquivo em um SSD não afeta significativamente seu desempenho, mas mover os arquivos para torná-los contíguos usando a rotina de desfragmentação do Windows causará desgaste de gravação desnecessário no número limitado de Ciclos P/E no SSD. O recurso SuperFetch não melhorará substancialmente o desempenho e causará sobrecarga adicional no sistema e no SSD, embora não cause desgaste.[245] O Windows Vista não envia o comando TRIM para unidades de estado sólido, mas alugns utilitários de terceiros, como SSD Doctor, verificam periodicamenta a unidade e as entradas TRIM apropriadas.[246]

Windows 7[editar | editar código-fonte]

O Windows 7 e versões posteriores têm suporte nativo para SSDs.[241][247] O sistema operacional detecta a presença de um SSD e otimiza a operação de acordo. Para dispositivos SSD, o Windows desativa as operações SuperFetch e ReadyBoost, tempo de inicializaçlão e pré-busca de aplicativos. Apesar da declaração inicial de Steven Sinofsky antes do lançamento do Windows 7,[241] no entanto, a desfragmentação não está desabilitada, embora seu comportamento em SSDs seja diferente.[178] Um dos motivos é o baixo desempenho do Serviço de Cópias de Sombra de Volume em SSDs fragmetados.[178] A segunda razão é evitar atingir o número máximo prático de fragmentos de arquivo que um volume pode manipular. Se esse máximo for atingido as tentativas subsequentes de gravação na unidade falharão com uma mensagem de erro.[178]

O Windows 7 também inclui suporte para o comando TRIM para reduzir a coleta de lixo para dodos que o sistema operacional já determinou que não são mais válidos. Sem suporte para TRIM, o SSD não saberia que esses dados são inválidos e continuaria a reescrevê-los desnecessariamente durante a coleta de lixo, causando mais desgaste no SSD. É benéfico fazer algumas alterações que impeçam que os SSDs sejam tratados mais como HDDs, por exemplo, cancelar a desgragmentação, não preenchê-los com mais de 75% da capacidade, não armazenar arquivos gravados com frequeência, como arquivos de log e temporários, se um disco rígido está disponível e habilita o processo TRIM.[248][249]

Windows 8.1 e posterior[editar | editar código-fonte]

Os sistemas Windows 8.1 e posteriores também suportam TRIM automático para SSDs PCI Express baseados em NVMe. Para o Windows 7, a atualização KB2990941 é necessária para essa funcionalidade e precisa ser integrada à Instalação do Windows usando o DISM se o Windows 7 precisar ser instalado no SSD NVMe. O Windows 8/8.1 também oferece suporte ao comando SCSI unmap para SSDs conectados por USB ou gabinetes SATA para USB. SCSI Unmap é um análogo completo do comando SATA TRIM. Também é compatível com o USB Attached SCSI Protocol (UASP).

O Desgragmentador de disco gráfico do Windows no Windows 8.1 também reconhece os SSDs distintamente das unidades de disco rígido em uma coluna de tipo de mídia separada. Enquanto o Windows 7 suporta o TRIM automático para SSDs SATA internos, o Windows 8.1 e o Windows 10 suportam o TRIM manual (por meio de uma função "Otimizar" no Desfragmentador de disco), bem como o TRIM automático para SATA, NVMe e SSDs conectados por USB.

ZFS[editar | editar código-fonte]

Solaris a partir da versão 10 Atualização 6 (lançada em outubro de 2008 e recente do OpenSolaris, Solaris Express Community Edition, Illumos, Linux com ZFS no Linux e FreeBSD podem usar SSDs como um impulsionador de desempenho para ZFS. Um SSD de baixa latência pode ser usado para o ZFS Intent Log (ZIL), Onde é denominado SLOG. Isso é usado sempre que ocorre uma gravação síncrona na unidade. Um SSD (não necessariamente com baixa latência) também pode ser usado para o cache de substituição adaptável de nível 2 (L2ARC), que é usado para armazenar dados em cache para leitura. Quando usado sozinho ou em combinação, geralmente são observados grandes aumentos no desempenho.[250]

FreeBSD[editar | editar código-fonte]

O ZFS para FreeBSD introduziu suporte para TRIM em 23 de setembor de 2012.[251] O código cria um mapa de regiões de dados que foram liberados; em cada escrita o código consulta o mapa e eventualmente remove os intervalos que foram liberados antes, mas agora são sobrescritos. Há um segmento de baixa prioridade que TRIMs varia quando chega a hora.

Além disso, o Unix File System (UFS) suporta o comando TRIM.[252]

Trocar partições[editar | editar código-fonte]

  • De acordo com o ex-presidente da divisão Windows da Microsoft, Steven Sinofsky, "há poucos arquivos melhores qdo que o arquivo de paginação para colocar em um SSD".[253] De acordo com os dados de telemetria coletados, a Microsoft descobriu que o pagefile.sys era uma combinação ideal para armazenamento SSD.[253]
  • As partições de swap do Linux executam, por padrão, operações TRIM quando o dispositivo de bloco subjacente suporta TRIM, com a possibilidade de desativá-las ou selecionar entre operações TRIM únicas ou contínuas.[218][219][220]
  • Se um sistema operacional não suportar o uso de TRIM em partições de troca discretas, talvez seja possível usar arquivos de troca dentro de um sistema de arquivos comum. Por exemplo, o OS X não suporta partições de troca; ele apenas troca para arquivos dentro de um sistema de arquivos, para que possa usar TRIM quando, por exemplo, arquivos de troca forem excluídos.[carece de fontes?]
  • O DragonFly BSD permite que a troca configurada por SSD também seja usada como cache do sistema de arquivos.[254] Isso pode ser usado para aumentar o desempenho em cargas de trabalho de desktop e servidor. Os projetos bcache, dm-cache e Flashcache fornecem um conceito semelhante para o kernal do Linux.[255]

Organizações e padronizações[editar | editar código-fonte]

A seguir estão as organizações e órgãos de padronização que trabalham para criar padrões para unidades de estado sólido (e outros dispositivos de armazenamento de computador). A tabela abaixo também inclui organizações que promovem o uso de unidades de estado sólido. Esta não é necessariamente uma lista exaustiva.

Organização ou comitê Subcomissão de: Objetivo
INCITS Coordena a atividade de normas técnicas entre ANSI nos EUA e comitês conjuntos ISO/IEC em todo o mundo
T10 INCITS SCSI
T11 INCITS FC
T13 INCITS ATA
JEDEC Desenvolve padrões abertos e publicações para a indústria de microeletrônica
JC-64.8 JEDEC Concentra-se em padrões e publicações de unidades de estado sólido
NVMHCI Fornece interfaces de programação de software e hardware padrão para subsistemas de memória não volátil
SATA-IO Fornece ao setor orientação e suporte para a implementação da especificação SATA
SFF Committee Trabalha em padrões do setor de armazenamento que precisam de atenção quando não são abordados por outros comitês de padrões
SNIA Desenvolve e promove padrões, tecnologias e serviços educacionais na gestão da informação
SSSI SNIA Promove o crescimento e o sucesso do armazenamento de estado sólido

Comercialização[editar | editar código-fonte]

Disponibilidade[editar | editar código-fonte]

A tecnologia de unidade de estado sólido foi comercializada para os mercados militares e industriais de nicho desde meados da década de 1990.[256]

Juntamente com o mercado empresarial emergente, os SSDs têm aparecido em PCs ultramóveis e em alguns sistemas de laptops leves, aumentando significativamente o preço do laptop, dependendo da capacidade, formato e velocidades de trasnferência. Para aplicativos de baixo custo, uma unidade flash USB pode ser obtida por algo entre US$ 10 e US$ 100, dependendo da capacidade e da velocidade; como alternativa um cartão CompactFlash pode ser emparelhado com um conversor CF-para-IDE ou CF-para-SATA a um custo semelhante. Qualquer um deles requer que os problemas de resistência do ciclo de gravação sejam gerenciados, evitando armazenar arquivos gravados com frequência na unidade ou usando um sistema de arquivos flash. Os cartões CompactFlash padrão geralmente têm velocidades de gravação de 7 a 15 MB/s, enquanto os cartões de luxo mais caros reivindicam velocidades de até 60 MB/s.

O primeiro PC baseado em SSD de memória flash a se tornar disponível foi o Sony Vaio UX90, anunciado para pré-venda em 27 de junho de 2006 e começou a ser vendido no Japão em 3 de julho de 2006 com um disco rígido de memória flash de 16 GB.[257] No final de setembro de 2006, a Sony atualizou o SSD no Vaio UX90 para 32 GB.[258]

Um dos primeiros lançamentos mainstream do SSD foi o XO Laptop, construído como parte do projeto One Laptop per Child. A produção em massa desses computadores, construídos para crianças em países em desenvolvimento, começou em dezembro de 2007. Essas máquinas usam flash NAND SLC de 1.024 MiB como armazenamento primário, considerado mais adequado para as condições mais severas do que o normal em que devem ser usadas. A Dell começou a enviar laptops ultraportáteis com SSDs SanDisk em 26 de abril de 2007.[259] A Asus lançou o netbook Eee PC em 16 de outubro de 2007, com 2, 4 ou 8 gigabytes de memória flash.[260] Em 2008, dois fabricantes lançaram os laptops ultrafinos com opções de SSD em vez do incomum HDD de 1,8": este era um MacBook Air, lançado pela Apple em 31 de janeiro, com um SSD opcional de 64 GB (a Apple Store custou $ 999 a mais para esta opção, em comparação com um HDD de 80 GB 4200 RPM),[261] e o Lenovo ThinkPad X300 com um SSD semelhante de 64 gigabytes, anunciado em fevereiro de 2008[262] e atualizado para a opção SSD de 128 GB em 26 de agosto de 2008, com lançamento do modelo ThinkPad X301 (uma atualização que adicionou aproximadamente US$ 200).[263]

Em 2008, netbooks de baixo custo apareceram com SSDs. Em 2009, os SSDs começaram a aparecer em laptops.[259][261]

Em 14 de janeiro de 2008, a EMC Corporation (EMC) tornou-se o primeiro fornecedor de armazenamento corporativo a lançar SSDs baseados em flash em seu portfólio dep rodutos quando anunciou que havia selecionado os SSDs Zeus-IOPS da STEC, Inc. para seus sistemas Symmetrix DMX.[264] Em 2008, a Sun lançou os sistemas de armazenamento unificado Sun Storage 7000 (codinome Amber Road), que usam unidades de estado sólido e discos rígidos convencionais para aproveitar a velocidade oferecida pelos SSDs e a economiza e capacidade oferecidas pelos HDDs convencionais.[265]

A Dell começou a oferecer unidades de estado sólido de 256 GB opcionais em modelos de notebook selecionados em janeiro de 2009.[266][267] Em maio de 2009, a Toshiba lançou um laptop com um SSD de 512 GB.[268]

Desde outubro de 2010, a linha MacBook Air da Apple usa uma unidade de estado sólido como padrão.[269] Em dezembro de 2010, o SSD OCZ RevoDrive X2 PCIe estava disponível em capacidades de 100 GB a 980 GB, oferecendo velocidades acima de 740 MB/s sequenciais e gravações aleatórias de arquivos pequenos de até 120.000 IOPS.[270] Em novembro de 2010, a Fusion-io lançou seu drive SSD de melhor desempenho chamado ioDrive Octal utilizando interface PCI-Express x16 Gen 2.0 com espaço de armazenamento de 5,12 TB, velocidade de leitura de 6,0 GB/s, velcodiade de gravação de 4,4 GB/s e uma baixa latência de 30 microssegundos. Tem IOPS de 512 bytes de leitura de 1,19 M e IOPS de 512 bytes de gravação de 1,18 M.[271]

Em 2011, os computadores baseados nas especificações do Ultrabook da Intel ficaram disponíveis. Essas especificações determinam que os Ultrabooks usem um SSD. Estes são dispositivos de nível de consumidor (ao contrário de muitas ofertas flash anteriores destinadas a usuários corporativos) e representam os primeiros computadores de consumo amplamente disponíveis usando SSDs além do MacBook Air.[272] Na CES 2012, a OCZ Technology demonstrou os SSDs R4 CloudServ PCIe capazes de atingir velocidades de transferência de 6,5 GB/s e 1,4 milhão de IOPS.[273] Também foi anunciado o Z-Drive R5 que está disponível em capacidades de até 12 TB, capaz de atingir velocidades de transferência de 7,2 GB/s e 2,52 milhões de IOPS usando o PCI Express x16 Gen 3.0.[274]

Em dezembro de 2013, a Samsung apresentou e lançou o primeiro SSD mSATA de 1 TB do setor.[275] Em agosto de 2015, a Samsung anunciou um SSD de 16 TB, na época o dispositivo de armaenamento único de maior capacidade do mundo de qualquer tipo.[276]

Embora várias empresas ofereçam dispositivos SSD a partir de 2018, apenas cinco das empresas que os oferecem realmente fabricam os dispositivos Nand Flash[277] que são o elemento de armazenamento em SSDs.

Qualidade e desempenho[editar | editar código-fonte]

Em geral, o desempenho de qualquer dispositivo em particular pode variar significativamente em diferentes condições de operação. Por exemplo, o número de threads paralelos acessando o dispositivo de armazenamento, o tamanho do bloco do E/S e a quantidade de espaço livre restante podem alterar drasticamente o desempenho (ou seja, as taxas de trasnferência) do dispositivo.[278]

A tecnologia SSD vem se desenvolvendo rapidamente. A maior das medições de desempenho usadas em unidades de disco com mídia rotativa também são usadas em SSDs. O desempenho de SSDs baseados em flash é difícil de avaliar devido à ampla gama de condições possíveis. Em um teste realizado em 2010 pela Xssist, usando IOmeter, 4 kB aleatório 70% de leitura/30% de gravação, profundidade de fila 4, o IOPS entregue pelo Intel X25-E 64 GB G1 começou em torno de 10.000 IOPS e caiu drasticamente após 8 minutos para 4.000 IOPS e continuou a diminuir gradualmente pelos próximos 42 minutos. As IOPS variam entre 3.000 e 4.000 de cerca de 50 minutos em diantes para o restante do teste de mais de 8 horas.[279]

Os designers de flash drivers de nível empresarial tentam prolongar a longevidade aumentando o provicionamento excessivo e empregando o nivelamento de desgaste.[280]

Vendas[editar | editar código-fonte]

As remessas de SSDs foram de 11 milhões de unidades em 2009,[281] 17,3 milhões de unidades em 2011[282] para um total de US$ 5 bilhões,[283] 39 milhões de unidades em 2012, e devem aumentar para 83 milhões de unidades em 2013[284] para 201,4 milhões de unidades em 2016[282] e para 227 milhões de unidades em 2017.[285]

As receitas do mercado SSD (incluindo soluções de PC de baixo custo) em todo o mundo totalizaram US$ 585 milhões em 2008, aumentando mais de 100% em relação aos US$ 259 milhões em 2007.[286]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Whittaker, Zack. «Solid-State Disk Prices Falling, Still More Costly than Hard Disks». Between the Lines. ZDNet. Consultado em 13 de março de 2022. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2012 
  2. «SSD Power Savings Render Significant Reduction to TCO» (PDF). STEC. Consultado em 13 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 4 de julho de 2010 
  3. a b Kasavajhala, Vamsee (Maio 2011). «SSD vs HDD Price and Performance Study, a Dell technical white paper» (PDF). Dell PowerVault Technical Marketing. Consultado em 14 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 12 de maio de 2012 
  4. a b c d e f «Solid State Storage 101: An introduction to Solid State Storage» (PDF). SNIA. Janeiro 2009. Consultado em 29 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 10 de junho de 2019 
  5. «WD shows off its first hybrid drive, the WD Black SSHD». Cnet. Consultado em 14 de março de 2022. Cópia arquivada em 29 de março de 2013 
  6. Patrick Schmid and Achim Roos (8 de fevereiro de 2012). «Momentus XT 750 GB Review: A Second-Gen Hybrid Hard Drive». Consultado em 14 de março de 2022 
  7. Anand Lal Shimpi (13 de dezembro de 2011). «Seagate 2nd Generation Momentus XT (750GB) Hybrid HDD Review». Consultado em 14 de março de 2022. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2013 
  8. a b «The Truth About SSD Data Retention». Consultado em 29 de março de 2022. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  9. «NF1 SSD | Samsung Semiconductor». Samsung.com. Cópia arquivada em 31 de março de 2020 
  10. «All-Flash NVMe Servers | Supermicro». SuperMicro.com 
  11. Liu 2019-08-06T17:04:02Z, Zhiye (6 de agosto de 2019). «Toshiba Unveils XFMEXPRESS Form Factor for NVMe SSDs». Tom's Hardware 
  12. PDF, Intel Data Center SSDs based on EDSFF*; the perfect fit Download. «EDSFF Based Intel Data Center SSDs (Formerly "Ruler" Form Factor)». Intel 
  13. «Intel's first 'ruler' SSD holds 32TB». Engadget 
  14. «StorageTek - circa 2004». storagesearch.com. Consultado em 29 de março de 2022 
  15. «Dataram Corp: 1977 Annual Report» (PDF). Consultado em 29 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 27 de setembro de 2011 
  16. «Samsung's first 8TB SSD for mainstream PCS is the 870 QVO» 
  17. a b 100,000,000,000,000 dividido por 20,000,000.
  18. a b c «Samsung 32GB Solid State Drive | bit-tech.net». bit-tech.net 
  19. a b c d Tokar, Les (23 de setembro de 2020). «Samsung 980 Pro Gen 4 NVMe SSD Review (1TB/250GB) – 7GB/s Speed with Cooler Temps» 
  20. 15,000÷49.3)
  21. 6,795÷49.3, arredondado
  22. «Seagate's first Pulsar SSDs ready to blast the enterprise». Engadget 
  23. «Samsung's 25GB / 50GB Enterprise SSDs can't stop, won't stop under heavy loads». Engadget 
  24. 15,200÷80
  25. 4,397÷80, arredondado
  26. 2,500,000÷79
  27. 736,270÷79
  28. 702,210÷79
  29. «WD Black SN850 1TB NVMe M.2 SSD Review». 9 de novembro de 2020 
  30. 0.5÷0.045
  31. 0.5÷0.013
  32. era de 20 MB por US$ 1.000, portanto, 20÷1.000=50, portanto, US$ 50 por MB, um GB é 1.000 MB, portanto, 50 × 1.000 = 50.000
  33. https://web.archive.org/web/20200716072857/https://www.techradar.com/amp/news/cheap-ssd-deals Crucial MX500 costs $49.99 for 500 GB, so 49.99÷500=0.09998, rounded to two significant figures gives 0.10
  34. 50,000 dividido por 0.25 .
  35. a b «1991: Solid State Drive module demonstrated». Computer History Museum. Consultado em 29 de março de 2022 
  36. «1987: Toshiba Launches NAND Flash». eWeek. 11 de abril de 2012. Consultado em 29 de março de 2022 
  37. «1971: Reusable semiconductor ROM introduced». Computer History Museum. Consultado em 29 de março de 2022 
  38. Patente E.U.A. 5 297 148
  39. «HISTORY OF THE SANDISK BRAND. 1991 News». sandisk.com. SanDisk Corp. 1991. Consultado em 29 de março de 2022. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2017 
  40. SanDisk Product Brochure dated October 1998
  41. Mellor, Chris. «There's a lot of sizzle with this STEC». theregister.co.uk. Consultado em 29 de março de 2022. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013 
  42. Odagiri, Hiroyuki; Goto, Akira; Sunami, Atsushi; Nelson, Richard R. (2010). Intellectual Property Rights, Development, and Catch Up: An International Comparative Study. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 224–227. ISBN 978-0-19-957475-9 
  43. Drossel, Gary (Fevereiro 2007). «Solid-state drives meet military storage security requirements» (PDF). Military Embedded Systems. Consultado em 29 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 14 de julho de 2011 
  44. Um gigabyte (1 GB) é igual a um bilhão de bytes (10003 B).
  45. «BiTMICRO 1999 News Releases». BiTMICRO. 1999. Consultado em 29 de março de 2022. Arquivado do original em 1 de maio de 2010 
  46. «Fusion-io announces ioDrive, placing the power of a SAN in the palm of your hand» (PDF). Fusion-io. 25 de setembro de 2007. Consultado em 29 de março de 2022. Arquivado do original (PDF) em 9 de maio de 2010 
  47. Um terabyte (1 TB) é igual a um trilhão de bytes (10004 B).
  48. «OCZ's New Blazing Fast 1TB Z SSD Drive». Tom's Hardware. 4 de março de 2009. Consultado em 29 de março de 2022 
  49. Jansen, Ng (2 de dezembro de 2009). «Micron Announces World's First Native 6Gbps SATA Solid State Drive». DailyTech. Consultado em 29 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2009 
  50. Anthony, Sebastian (11 de agosto de 2016). «Seagate's new 60TB SSD is world's largest». Ars Technica 
  51. «Seagate boasts of the fastest SSD flash drive at 10 GB/s». SlashGear. 9 de março de 2016 
  52. Tallis, Billy. «Seagate Introduces 10 GB/s PCIe SSD And 60TB SAS SSD». AnandTech.com 
  53. «Samsung's massive 15TB SSD can be yours -- for about $10K - Computerworld». ComputerWorld.com 
  54. «Samsung 15.36TB MZ-ILS15T0 PM1633a 15TB Enterprise Class SAS 2.5" SSD». Scan.co.uk. Cópia arquivada em 19 de março de 2021 
  55. «Anyone fancy testing the 'unlimited' drive writes claim on Nimbus Data's 100TB whopper SSD? • The Register». TheRegister.co.uk 
  56. Shilov, Anton. «Samsung 30.72 TB SSDs: Mass Production of PM1643 Begins». AnandTech.com 
  57. «Samsung SSD 970 EVO Plus | Samsung V-NAND Consumer SSD». Samsung Semiconductor 
  58. Geisel, Gina (13 de agosto de 2016). «Seagate 60TB SSD Named "Best of Show" at Flash Memory Summit» 
  59. Fingas, Jon (19 de março de 2018). «World's largest SSD capacity now stands at 100TB». Engadget. Consultado em 30 de março de 2022 
  60. «Nimbus Data 100TB SSD - World's Largest SSD». 29 de março de 2018 
  61. Allan, Darren (19 de março de 2018). «This 100TB SSD is the world's largest and it's available now». TechRadar 
  62. «Nimbus Data's 100TB SSD can be yours for just $40,000». www.techspot.com 
  63. «At 100TB, the world's biggest SSD gets an (eye-watering) price tag | TechRadar». www.techradar.com. 7 de julho de 2020 
  64. «Gigabyte's 15.0 GB/s PCIe 4.0 SSD is the "world's fastest and largest"». PCGamesN 
  65. «PCIe 4.0 vs. PCIe 3.0 SSDs Benchmarked». TechSpot.com 
  66. Robinson, Cliff (10 de agosto de 2019). «Samsung PM1733 PCIe Gen4 NVMe SSDs for the PRE» 
  67. Shilov, Anton. «Samsung Preps PM1733 PCIe 4.0 Enterprise SSDs For AMD's "Rome" EPYC Processors». AnandTech.com 
  68. Liu, Zhiye (9 de agosto de 2019). «Samsung Launches PM1733 PCIe 4.0 SSD: Up To 8 GB/s and 30TB». Tom's Hardware 
  69. Mellor, Chris. «EMC has changed enterprise disk storage for ever:First into the enterprise flash breech». Techworld. Consultado em 30 de março de 2022. Arquivado do original em 15 de julho de 2010 
  70. Burke, Barry A. (18 de fevereiro de 2009). «1.040: efd - what's in a name?». The Storage Anarchist. Consultado em 30 de março de 2022. Arquivado do original em 12 de junho de 2010 
  71. Anand Lal Shimpi (9 de novembro de 2012). «The Intel SSD DC S3700 (200GB) Review?». AnandTech. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2014 
  72. «PX02SSB080 / PX02SSF040 / PX02SSF020 / PX02SSF010». Toshiba Corporation. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2016 
  73. «Micron's X100 SSD is its first 3D XPoint product | TechRadar». TechRadar.com. 24 de outubro de 2019 
  74. «PCIe 4.0 vs. PCIe 3.0 SSDs Benchmarked». TechSpot 
  75. «What is a Solid State Disk?». Ramsan.com. Texas Memory Systems. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2008 
  76. Rent, Thomas M. (9 de abril de 2010). «SSD Controller Detail». StorageReview.com. Consultado em 30 de março de 2022. Arquivado do original em 15 de outubro de 2010 
  77. a b Werner, Jeremy (17 de agosto de 2010). «toshiba hard drive data recovery». SandForce.com. Consultado em 30 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 6 de dezembro de 2011 
  78. a b c «The SSD Anthology: Understanding SSDs and New Drives from OCZ». AnandTech.com. 18 de março de 2009. Cópia arquivada em 28 de março de 2009 
  79. Shimpi, Anand Lal (24 de fevereiro de 2011). «OCZ Vertex 3 Preview: Faster and Cheaper than the Vertex 3 Pro». Anandtech.com. Consultado em 30 de março de 2022. Cópia arquivada em 29 de maio de 2011 
  80. Shimpi, Anand Lal (31 de dezembro de 2009). «OCZ's Vertex 2 Pro Preview: The Fastest MLC SSD We've Ever Tested». AnandTech. Consultado em 30 de março de 2022. Cópia arquivada em 12 de maio de 2013 
  81. Arnd Bergmann (18 de fevereiro de 2011). «Optimizing Linux with cheap flash drives». LWN.net. Consultado em 30 de março de 2022. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2013 
  82. Jonathan Corbet (15 de maio de 2007). «LogFS». LWN.net. Consultado em 30 de março de 2022. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  83. SLC and MLC Arquivado 2013-04-05 no Wayback Machine SSD Festplatten. Retrieved 2013-04-10.
  84. «The Top 20 Things to Know About SSD» (PDF). seagate.com. 2011. Consultado em 31 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 27 de maio de 2016 
  85. Lai, Eric (7 de novembro de 2008). «SSD laptop drives 'slower than hard disks'». Computerworld. Consultado em 31 de março de 2022. Cópia arquivada em 29 de junho de 2011 
  86. Hutchinson, Lee (4 de junho de 2012). «Solid-state revolution: in-depth on how SSDs really work». Ars Technica. Consultado em 31 de março de 2022 
  87. Mearian, Lucas (27 de agosto de 2008). «Solid-state disk lackluster for laptops, PCs». Computerworld.com. Consultado em 31 de março de 2022. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2016 
  88. a b «Are MLC SSDs Ever Safe in Enterprise Apps?». Storagesearch.com. ACSL. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2008 
  89. Lucchesi, Ray (Setembro 2008). «SSD flash drives enter the enterprise» (PDF). Silverton Consulting. Consultado em 31 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 10 de dezembro de 2015 
  90. Bagley, Jim (1 de julho de 2009). «Over-provisioning: a winning strategy or a retreat?» (PDF). StorageStrategies Now. p. 2. Consultado em 31 de março de 2022. Arquivado do original (PDF) em 4 de janeiro de 2010 
  91. Drossel, Gary (14 de setembro de 2009). «Methodologies for Calculating SSD Useable Life» (PDF). Storage Developer Conference, 2009. Consultado em 31 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 8 de dezembro de 2015 
  92. Cash, Kelly. «Flash SSDs - Inferior Technology or Closet Superstar?». BiTMICRO. Consultado em 1 de abril de 2022. Arquivado do original em 19 de julho de 2011 
  93. Kerekes, Zsolt. «RAM SSDs». storagesearch.com. ACSL. Consultado em 1 de abril de 2022. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2010 
  94. Lloyd, Chris (28 de janeiro de 2010). «Next-gen storage that makes SSD look slow Using RAM drives for ultimate performance». techradar.com. Consultado em 1 de abril de 2022. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2014 
  95. Allyn Malventano. "CES 2012: OCZ shows DDR based SATA 6Gbit/s aeonDrive" Arquivado 2013-07-19 no Wayback Machine. 2012.
  96. Kerekes, Zsolt (2007). «Flash SSD vs RAM SSD Prices». StorageSearch.com. ACSL. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2013 
  97. «Why Are SSDs Still So Expensive?». aGigaTech.com. 12 de dezembro de 2009. Consultado em 1 de abril de 2022. Arquivado do original em 3 de novembro de 2012 
  98. «Intel, Micron reveal Xpoint, a new memory architecture that could outclass DDR4 and NAND - ExtremeTech». ExtremeTech. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2015 
  99. Smith, Ryan (18 de agosto de 2015). «Intel Announces Optane Storage Brand For 3D XPoint Products». Cópia arquivada em 19 de agosto de 2015. products will be available in 2016, in both standard SSD (PCIe) form factors for everything from Ultrabooks to servers, and in a DIMM form factor for Xeon systems for even greater bandwidth and lower latencies. As expected, Intel will be providing storage controllers optimized for the 3D XPoint memory 
  100. «Intel, Micron debut 3D XPoint storage technology that's 1,000 times faster than current SSDs». CNET. CBS Interactive. Cópia arquivada em 29 de julho de 2015 
  101. Kelion, Leo (28 de julho de 2015). «3D Xpoint memory: Faster-than-flash storage unveiled». BBC News. Cópia arquivada em 30 de julho de 2015 
  102. Stephen Lawson (28 de julho de 2015). «Intel and Micron unveil 3D XPoint -- a new class of memory». Computerworld. Cópia arquivada em 30 de julho de 2015 
  103. «Intel and Micron Unveil 3D XPoint Memory, 1000x Speed and Endurance Over Flash». 28 de julho de 2015 – via Slashdot. Intel's Rob Crooke explained, 'You could put the cost somewhere between NAND and DRAM.' 
  104. Jim Handy. "Viking: Why Wait for Nonvolatile DRAM?" Arquivado 2013-06-24 no Wayback Machine. 2013.
  105. «Hybrid DIMMs And The Quest For Speed». Network Computing. 12 de março de 2014. Consultado em 1 de abril de 2022. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2014 
  106. The SSD Guy (30 de março de 2013). «Seagate Upgrades Hybrids, Phases Out 7,200RPM HDDs». The SSD Guy. Consultado em 1 de abril de 2022. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2013 
  107. «Hybrid Storage Drives». Cópia arquivada em 6 de junho de 2013 
  108. Douglas Perry. "Buffalo Shows SSDs with MRAM Cache" Arquivado 2013-12-16 no Wayback Machine. 2012.
  109. Rick Burgess. "Everspin first to ship ST-MRAM, claims 500x faster than SSDs" Arquivado 2013-04-03 no Wayback Machine. 2012.
  110. a b Demerjian, Charlie (3 de maio de 2010). «SandForce SSDs break TPC-C records». SemiAccurate.com. Consultado em 2 de abril de 2022. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2010 
  111. Kerekes, Zsolt. «Surviving SSD sudden power loss». storagesearch.com. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2014 
  112. «Intel SSD, now off the sh..err, shamed list». 9 de abril de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  113. «Crucial's M500 SSD reviewed». 18 de abril de 2013. Cópia arquivada em 20 de abril de 2013 
  114. «More Power-Loss Data Protection with Intel SSD 320 Series» (PDF). Intel. 2011. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 7 de fevereiro de 2014 
  115. «Intel Solid-State Drive 710: Endurance. Performance. Protection.». Cópia arquivada em 6 de abril de 2012 
  116. Paul Alcorn. «Huawei Tecal ES3000 PCIe Enterprise SSD Internals». Tom's IT Pro. Cópia arquivada em 19 de junho de 2015 
  117. «Serial Attached SCSI Master Roadmap». SCSI Trade Association. 14 de outubro de 2015. Consultado em 4 de abril de 2022. Arquivado do original em 7 de março de 2016 
  118. «SATA-IO Releases SATA Revision 3.0 Specification» (PDF) (Nota de imprensa). Serial ATA International Organization. 27 de maio de 2009. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 11 de junho de 2009 
  119. «PCI Express 3.0 Frequently Asked Questions». pcisig.com. PCI-SIG. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2014 
  120. «PATA SSD». Transcend. Arquivado do original em 17 de julho de 2011 
  121. «Netbook SSDs». Super Talent. Arquivado do original em 23 de novembro de 2010 
  122. Kerekes, Zsolt (Julho 2010). «The (parallel) SCSI SSD market». StorageSearch.com. ACSL. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada em 27 de maio de 2011 
  123. Kristian, Vättö. «Apple Is Now Using SanDisk SSDs in the Retina MacBook Pro As Well». anandtech.com. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2014 
  124. Ruth, Gene (27 de janeiro de 2010). «SSD: Dump the hard disk form factor». Burton Group. Consultado em 4 de abril de 2022. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2010 
  125. «SATA M.2 Card». The Serial ATA International Organization. Consultado em 4 de abril de 2022. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2013 
  126. Hachman, Mark (17 de janeiro de 2014). «SSD prices face uncertain future in 2014». pcworld.com. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2014 
  127. Beard, Brian (2009). «SSD Moving into the Mainstream as PCs Go 100% Solid State» (PDF). Samsung Semiconductor, Inc. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 16 de julho de 2011 
  128. «Enterprise SATADIMM». Viking Technology. Consultado em 5 de abril de 2022. Arquivado do original em 4 de novembro de 2011 
  129. «SATADOM». Innodisk. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 7 de julho de 2011 
  130. Pop, Sebastian (17 de novembro de 2009). «PCI Express SSD from Fusion-io ioXtreme Is Aimed at the Consumer Market». Softpedia. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 16 de julho de 2011 
  131. Pariseau, Beth (16 de março de 2010). «LSI delivers Flash-based PCIe card with 6 Gbit/s SAS interface». Consultado em 5 de abril de 2022. Arquivado do original em 6 de novembro de 2010 
  132. Kerekes, Zsolt. «SSDs». StorageSearch.com. ACSL. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 27 de maio de 2011 
  133. «SST announces small ATA solid-state storage devices». Computer Technology Review. 26 de outubro de 2006. Consultado em 5 de abril de 2022. Arquivado do original em 1 de outubro de 2011 
  134. «M1000 Specifications». Memoright. Consultado em 5 de abril de 2022. Arquivado do original em 25 de novembro de 2011 
  135. Chung, Yuping (19 de novembro de 2008). «Compact, shock- and error-tolerant SSDs offer auto infotainment storage options». EE Times. Consultado em 5 de abril de 2022. Arquivado do original em 17 de maio de 2012 
  136. «Benchmarking Enterprise SSDs» (PDF). Consultado em 5 de abril de 2022. Arquivado do original (PDF) em 7 de maio de 2012 
  137. «SSD vs HDD - Why Solid State Drive». SSD Guide. OCZ Technology. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 10 de maio de 2013 
  138. «Price Comparison SSDs» (PDF). Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 12 de maio de 2012 
  139. Um estudo de 2011 da Intel sobre o uso de 45.000 SSDs relatou uma taxa de falha anual de 0,61% para SSDs, em comparação com 4,85% para HDDs. «Validating the Reliability of Intel® Solid-State Drives». Intel. Julho 2011. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2012 
  140. a b Prieur, Marc (16 de novembro de 2012). «Components returns rates (7)». BeHardware. Consultado em 7 de abril de 2022. Arquivado do original em 9 de agosto de 2013 
  141. Harris, Robin (1 de março de 2013). «How SSD power faults scramble your data». ZDNet. CBS Interactive. Cópia arquivada em 4 de março de 2013 
  142. Paul, Ian (14 de janeiro de 2014). «Three-year, 27,000 drive study reveals the most reliable hard drive makers». PC World. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 15 de maio de 2014 
  143. Schoeb, Leah (Janeiro de 2013). «Should you believe vendors' jaw-dropping solid-state performance specs?». Storage Magazine. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2013 
  144. Mearian, Lucas (3 de agosto de 2009). «Intel confirms data corruption bug in new SSDs, halts shipments». ComputerWorld. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2013 
  145. «Digital Storage Projections For 2018, Part 1». Forbes Magazine. 20 de dezembro de 2017. Flash memory should continue price decreases again starting in 2018, but HDDs should be able to continue to maintain something like a 10X difference in raw capacity prices out into the next decade ... 
  146. a b «HDD vs SSD: What Does the Future for Storage Hold? – Part 2». Backblaze. 13 de março de 2018 
  147. «Nimbus Data Launches the World's Largest Solid State Drive - 100 Terabytes - to Power Data-driven Innovation» 
  148. Computing, Anthony Spadafora 2018-12-03T23:21:28Z (3 de dezembro de 2018). «Seagate reveals world's largest HDD». TechRadar. Consultado em 6 de abril de 2022 
  149. a b «SSD reliability in the real world: Google's experience». ZD Net. 25 de fevereiro de 2016. Consultado em 6 de abril de 2022. Surprise! SSDs fail differently than disks – and in a dangerous way. 
  150. Lucas Mearian (27 de agosto de 2008). «Solid-state disk lackluster for laptops, PCs». Consultado em 6 de abril de 2022. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2008. Corporate-grade SSD uses single-level cell (SLC) NAND memory and multiple channels to increase data throughput and wear-leveling software to ensure data is distributed evenly in the drive rather than wearing out one group of cells over another. And, while some consumer-grade SSD is just now beginning to incorporate the latter features (p. 1). It matters whether the SSD drive uses SLC or MLC memory. SLC generally endures up to 100,000 write cycles or writes per cell, while MLC can endure anywhere from 1,000 to 10,000 writes before it begins to fail, [according to Fujitsu's vice president of business development Joel Hagberg] (p. 4). 
  151. Kerekes, Zsolt. «SSD Myths and Legends – 'write endurance'». StorageSearch.com. ACSL. Cópia arquivada em 25 de junho de 2008 
  152. «No SWAP Partition, Journaling Filesystems, ... on an SSD?». Robert.penz.name. 7 de dezembro de 2008. Consultado em 6 de abril de 2022. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2009 
  153. «SSDs, Journaling, and noatime/relatime». 1 de março de 2009. Consultado em 27 de setembro de 2011. Arquivado do original em 8 de agosto de 2011 
  154. Testes da Tom's Hardware no SSD Intel 520 de 60 GB calcularam uma vida útil de pouco mais de cinco anos para dados incompressíveis e uma vida útil de 75 anos para dados compactáveis. Ku, Andrew (6 de fevereiro de 2012). «Intel SSD 520 Review: SandForce's Technology: Very Low Write Amplification». Tom's Hardware. Consultado em 7 de abril de 2022 
  155. Analysis of SSD Reliability during power-outages Arquivado 2014-01-01 no Wayback Machine, Dezembro 2013
  156. a b Meza, Justin; Wu, Qiang; Kumar, Sanjeev; Mutlu, Onur (2015). «A Large-Scale Study of Flash Memory Failures in the Field» (PDF). Sigmetrics: 177–190. ISBN 9781450334860. doi:10.1145/2745844.2745848Acessível livremente. Cópia arquivada (PDF) em 8 de agosto de 2017 
  157. Nuncic, Michael (7 de fevereiro de 2018). «SSD Lifespan: How Long do SSDs Really Last?». Consultado em 7 de abril de 2022 
  158. CRIDER, MICHAEL (6 de setembro de 2017). «How Long Do Solid State Drives Really Last?». Consultado em 7 de abril de 2022 
  159. A study performed by Carnegie Mellon University on manufacturers' published MTBF «Archived copy». Consultado em 7 de abril de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2013 
  160. Ku, Andrew (29 de julho de 2011). «Tom's Hardware, Data center feedback». Tom's Hardware. Consultado em 7 de abril de 2022 
  161. a b «HDD vs. SSD». diffen.com. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2014 
  162. «Samsung SSD 960 Pro Has 3,500 MB/s Read and 2,100 MB/s Write Speeds». Legit Reviews. 21 de setembro de 2016 
  163. FM, Yúbal (25 de abril de 2018). «Samsung 970 PRO y EVO: 3500 MB/s de lectura y 2700 MB/s de escritura para las nuevas SSD de Samsung». Xataka 
  164. Lee, Kevin (24 de outubro de 2018). «Adata's newest NVMe SSD promises 3,500MB/s read speeds for less». TechRadar 
  165. «The PC Guide: Spindle Speed». Cópia arquivada em 17 de agosto de 2000 
  166. Hagedoorn, Hilbert. «Seagate MACH.2 Multi Actuator Tech Reaches 480MB/s HDDs». Guru3D.com 
  167. «Super Talent SSD: 16GB of Solid State Goodness». AnandTech. 7 de maio de 2007. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 26 de junho de 2009 
  168. Markoff, John (11 de dezembro de 2008). «Computing Without a Whirring Drive». The New York Times. p. B9. Cópia arquivada em 12 de março de 2017. Using a standard Macintosh performance measurement utility called Xbench, the Intel solid-state drive increased the computer's overall performance by almost half. Drive performance increased fivefold. 
  169. «HP Solid State Drives (SSDs) for Workstations». Arquivado do original em 26 de janeiro de 2013 
  170. a b Holmes, David (23 de abril de 2008). «SSD, i-RAM and Traditional Hard Disk drives». PL. Consultado em 7 de abril de 2022 
  171. «write amplification». searchsolidstatestorage. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2014 
  172. Gasior, Geoff (12 de março de 2015). «The SSD Endurance Experiment: They're All Dead». The Tech Report. Consultado em 7 de abril de 2022 
  173. Radding, Alan. «Solid-state storage finds its niche». StorageSearch.com. ACSL. Consultado em 7 de abril de 2022. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2008  Registration required.
  174. «Hard Drive Data Recovery Glossary». New York Data Recovery. Consultado em 7 de abril de 2022. Arquivado do original em 15 de julho de 2011 
  175. «The Effects of Disk Fragmentation on System Reliability» (PDF). files.diskeeper.com. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 5 de dezembro de 2014 
  176. «Intel High Performance Solid State Drive – Solid State Drive Frequently Asked Questions». Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de março de 2010 
  177. «Defrag». TechNet. Microsoft Docs. Consultado em 7 de abril de 2022 
  178. a b c d e Hanselman, Scott (3 de dezembro de 2014). «The real and complete story - Does Windows defragment your SSD?». Scott Hanselman's blog. Microsoft. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2014 
  179. «How NTFS reserves space for its Master File Table (MFT)». Microsoft. 16 de outubro de 2008. Consultado em 7 de abril de 2022 
  180. «Do SSDs heat up?». Tom's Hardware. Consultado em 7 de abril de 2022 
  181. Rana, Anshul (24 de janeiro de 2021). «Do SSDs Overheat? 4 Fixes If They Do». SSD Sphere (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2022 
  182. «Intel Solid-State Drive DC P3500 Series» (PDF). Intel. 13 de maio de 2015. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 1 de julho de 2015 
  183. «Poorly ventilated system cases can shorten the life of the hard drive». Seagate. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2013 
  184. «Professional Data Recovery - The Data Rescue Center». The Data Rescue Center. Consultado em 7 de abril de 2022. Arquivado do original em 27 de novembro de 2015 
  185. Lonely Planet. «Hard drives at high altitude». Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  186. «Dot Hill – Solid State Disks (SSDs)». Consultado em 7 de abril de 2022. Arquivado do original em 8 de setembro de 2015 
  187. a b Kaushik Patowary (17 de fevereiro de 2010). «Interesting hard drive facts you probably didn't know». Instant Fundas. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2015 
  188. Mearian, Lucas (2 de dezembro de 2015). «WD ships world's first 10TB helium-filled hard drive». Computerworld 
  189. Gabe Carey (14 de janeiro de 2016). «Seagate is finally joining HGST in its helium-filled hard drive efforts». Digital Trends 
  190. «External USB hard drive and risk of internal condensation?». Cópia arquivada em 12 de setembro de 2015 
  191. a b «SSD vs HDD». SAMSUNG Semiconductor. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2008 
  192. «Memoright SSDs: The End of Hard drives?». Tom's Hardware. 9 de maio de 2008. Consultado em 7 de abril de 2022 
  193. «Simple Installation Guide for Hitachi Deskstar 3.5-inch Hard Disk Drives» (PDF). HGST. 21 de maio de 2004. p. 2. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 21 de dezembro de 2014. Hitachi Deskstar drive can be mounted with any side or end vertical or horizontal. Do not mount the drive in a tilted position. 
  194. Peter Gutmann (2 de março de 2016). «Secure Deletion of Data from Magnetic and Solid-State Memory». cs.auckland.ac.nz. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de junho de 2016 
  195. «Hard Drive Destruction: Can I erase sensitive data on an old hard drive with Neodymium Magnets?». kjmagnetics.com. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 30 de junho de 2016 
  196. «Myth #42: You can quickly degauss or erase a hard disk drive by sweeping a magnet over it.». techarp.com. 17 de dezembro de 2015. Consultado em 7 de abril de 2022. Cópia arquivada em 3 de julho de 2016 
  197. «SSDs are hot, but not without security risks». IDG Communications. 1 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2010 
  198. «Seagate Media Sanitization Proctices» (PDF). Seagate.com. Seagate. 2011. Consultado em 8 de abril de 2022 
  199. «Archived copy» (PDF). Consultado em 8 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 23 de janeiro de 2014 
  200. «The SSD Improv: Intel & Indilinx get TRIM, Kingston Brings Intel Down to $115». Anandtech. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2009 
  201. «Long-term performance analysis of Intel Mainstream SSDs». PC Perspective. 13 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 2 de maio de 2011 
  202. Schmid, Patrick (7 de novembro de 2007). «HyperDrive 4 Redefines Solid State Storage: HyperDrive 4 - The Fastest Hard Disk In The World?». Tom's Hardware |-
  203. Prigge, Matt (7 de junho de 2010). «An SSD crash course: What you need to know». InfoWorld. Consultado em 8 de abril de 2022. Cópia arquivada em 10 de junho de 2010 
  204. «Toshiba Announces 1.8-inch HDD for Tablets, Media Devices». eWEEK. 25 de janeiro de 2011 
  205. a b Fontana, R.; Decad, G. «A Ten Year (2008-2017) Storage Landscape: LTO Tape Media, HDD, NAND» (PDF). IBM. Consultado em 8 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 17 de maio de 2018 
  206. a b c «The Differences Between an SSD and a Memory Card». SanDisk.com. Consultado em 8 de abril de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2015 
  207. a b Flash Reliability in Production: The Expected and the Unexpected - Schroeder, Lagisetty & Merchant, 2016.
  208. «Tech Brief - Matching SSD Endurance to Common Enterprise Applications» (PDF). Documents.WesternDigital.com. Consultado em 8 de abril de 2022 
  209. «Product: Samsung 970 EVO NVMe M.2 SSD 1TB». Samsung.com. Consultado em 8 de abril de 2022. Cópia arquivada em 13 de junho de 2020 
  210. a b Gasior, Geoff (12 de março de 2015). «The SSD Endurance Experiment: They're All Dead». The Tech Report 
  211. Klein, Andy (19 de janeiro de 2019). «Backblaze Hard Drive Stats for 2018». Backblaze. Consultado em 8 de abril de 2022 
  212. Null, Linda; Lobur, Julia (14 de fevereiro de 2014). The Essentials of Computer Organization and Architecture. [S.l.]: Jones & Bartlett Learning. pp. 499–500. ISBN 978-1-284-15077-3 
  213. «Intel Z68 Chipset & Smart Response Technology (SSD Caching) Review». AnandTech. Consultado em 10 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de maio de 2012 
  214. «SSD Caching (Without Z68): HighPoint's RocketHybrid 1220». Tom's Hardware. 10 de maio de 2011. Consultado em 10 de abril de 2022 
  215. Russinovich, Mark E.; Solomon, David A.; Ionescu, Alex (2009). Windows internals 5th ed. [S.l.]: Microsoft Press. pp. 772–774. ISBN 978-0-7356-2530-3 
  216. Petros Koutoupis (25 de novembro de 2013). «Advanced Hard Drive Caching Techniques». linuxjournal.com. Consultado em 10 de abril de 2022. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2013 
  217. «Linux kernel 2.6.33». kernelnewbies.org. 24 de fevereiro de 2010. Consultado em 11 de abril de 2022. Cópia arquivada em 16 de junho de 2012 
  218. a b «swapon(8) – Linux manual page». man7.org. 17 de setembro de 2013. Consultado em 11 de abril de 2022. Cópia arquivada em 14 de julho de 2013 
  219. a b «SSD Optimization». debian.org. 22 de novembro de 2013. Consultado em 11 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de julho de 2013 
  220. a b «kernel/git/stable/linux-stable.git: mm/swapfile.c, line 2507 (Linux kernel stable tree, version 3.12.5)». kernel.org. Consultado em 11 de abril de 2022 
  221. Tejun Heo. «LKML: Tejun Heo: [GIT PULL] libata changes for v3.12-rc1». lkml.org. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  222. Michael Larabel (19 de novembro de 2013). «Ubuntu Aims To TRIM SSDs By Default». Phoronix.com. Consultado em 11 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2014 
  223. Karel Zak (4 de fevereiro de 2010). «Changes between v2.17 and v2.17.1-rc1, commit 1a2416c6ed10fcbfb48283cae7e68ee7c7f1c43d». kernel.org. Consultado em 11 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de maio de 2013 
  224. «Enabling and Testing SSD TRIM Support Under Linux». Techgage. 6 de maio de 2011. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 7 de maio de 2012 
  225. «openSUSE mailing list: SSD detection when creating first time fstab ?». Lists.OpenSuse.org. 2 de junho de 2011. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 17 de junho de 2011 
  226. «SSD discard (trim) support». openSUSE. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2012 
  227. «Patrick Nagel: Impact of ext4's discard option on my SSD». Cópia arquivada em 29 de abril de 2013 
  228. «block/blk-lib.c, line 29». kernel.org. Consultado em 16 de abril de 2022 
  229. «Linux I/O Scheduler Comparison On The Linux 3.4 Desktop». Phoronix. 11 de maio de 2012. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  230. «SSD benchmark of I/O schedulers». ubuntuforums.org. 2010. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  231. «Linux kernel 3.13, Section 1.1 A scalable block layer for high-performance SSD storage». kernelnewbies.org. 19 de janeiro de 2014. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2014 
  232. «Linux kernel 3.18, Section 1.8. Optional multiqueue SCSI support». kernelnewbies.org. 7 de dezembro de 2014. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2014 
  233. Jonathan Corbet (5 de junho de 2013). «The multiqueue block layer». LWN.net. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2014 
  234. Matias Bjørling; Jens Axboe; David Nellans; Philippe Bonnet (2013). «Linux Block IO: Introducing Multi-queue SSD Access on Multi-core Systems» (PDF). kernel.dk. ACM. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de fevereiro de 2014 
  235. «Linux kernel 4.0, Section 3. Block». kernelnewbies.org. 1 de maio de 2015. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 4 de maio de 2015 
  236. «Mac OS X Lion has TRIM support for SSDs, HiDPI resolutions for improved pixel density?». Engadget. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 29 de junho de 2011 
  237. «Yosemite 10.10.4 and El Capitan Third-Party SSD Support». MacRumors. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2015 
  238. «MacRumors Forum». MacRumors. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2011 
  239. «ATA Trim/Delete Notification Support in Windows 7» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 28 de julho de 2013 
  240. Yuri Gubanov; Oleg Afonin (2014). «Recovering Evidence from SSD Drives: Understanding TRIM, Garbage Collection and Exclusions». belkasoft.com. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2015 
  241. a b c Sinofsky, Steven (5 de maio de 2009). «Support and Q&A for Solid-State Drives». Engineering Windows 7. Microsoft. Cópia arquivada em 20 de maio de 2012 
  242. Smith, Tony. «If your SSD sucks, blame Vista, says SSD vendor». Consultado em 16 de abril de 2022. Arquivado do original em 14 de outubro de 2008 
  243. «Samsung, Microsoft in talks to speed up SSDs on Vista». Consultado em 22 de setembro de 2008. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2009 
  244. Sexton, Koka (29 de junho de 2010). «SSD Storage Demands Proper Partition Alignment». WWPI.com. Consultado em 16 de abril de 2022. Arquivado do original em 23 de julho de 2010 
  245. Butler, Harry (27 de agosto de 2009). «SSD performance tweaks for Vista». Bit-Tech.net. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 27 de julho de 2010 
  246. «Solid State Doctor - Solid State Drive Utility for SSD's». Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 3 de março de 2016  Link to information
  247. Flynn, David (10 de novembro de 2008). «Windows 7 gets SSD-friendly». APC. Future Publishing. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2009 
  248. Yam, Marcus (5 de maio de 2009). «Windows 7 and Optimization for Solid State Drives». Tom's Hardware. Consultado em 16 de abril de 2022 
  249. «6 Things You Shouldn't Do with Solid-State Drives». Howtogeek.com. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 13 de março de 2016 
  250. «ZFS L2ARC and SSD drives by Brendan Gregg». brendan_entry_test. Sun Microsystem blog. 12 de julho de 2008. Consultado em 16 de abril de 2022. Arquivado do original em 30 de agosto de 2009 
  251. «[base] Revision 240868». Svnweb.freebsd.org. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2013 
  252. Nemeth, Evi (2011). UNIX and Linux System Administration Handbook, 4/e. [S.l.: s.n.] ISBN 978-8131761779. Consultado em 16 de abril de 2022 
  253. a b «Support and Q&A for Solid-State Drives». Engineering Windows 7. Microsoft 
  254. «features». DragonFlyBSD. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de maio de 2012 
  255. «[Phoronix] EnhanceIO, Bcache & DM-Cache Benchmarked». Phoronix.com. 11 de junho de 2013. Consultado em 16 de abril de 2022. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2013 
  256. Peters, Lavon. «Solid State Storage For SQL Server». sqlmag.com. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 28 de março de 2015 
  257. «文庫本サイズのVAIO「type U」 フラッシュメモリー搭載モデル発売». ソニー製品情報・ソニーストア - ソニー (em japonês). Consultado em 18 de abril de 2022 
  258. «Sony Vaio UX UMPC – now with 32 GB Flash memory - NBnews.info. Laptop and notebook news, reviews, test, specs, price - Каталог ноутбуков, ультрабуков и планшетов, новости, обзоры». nbnews.info 
  259. a b Aughton, Simon (25 de abril de 2007). «Dell Gets Flash With SSD Option for Laptops». IT PRO. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2008 
  260. Chen, Shu-Ching Jean (7 de junho de 2007). «$199 Laptop Is No Child's Play». Forbes. Consultado em 18 de abril de 2022. Arquivado do original em 15 de junho de 2007 
  261. a b «Macbook Air Specifications». Apple Inc. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2009 
  262. «Road Warriors Get Ready – Lenovo Delivers "No Compromises" Ultraportable ThinkPad X300 Notebook PC» (Nota de imprensa). Lenovo. 26 de fevereiro de 2008. Consultado em 18 de abril de 2022. Arquivado do original em 16 de abril de 2008 
  263. Joshua Topolsky (15 de agosto de 2008). «Lenovo slips out the new ThinkPad X301: new CPUs, 128GB SSD, still thin as hell». engadget.com. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2013 
  264. «EMC With STEC for Enterprise Flash Drives». StorageNewsletter.com. 14 de janeiro de 2008. Consultado em 18 de abril de 2022. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2012 
  265. «Solaris ZFS Enables Hybrid Storage Pools: Shatters Economic and Performance Barriers» (PDF). Sun Microsystems. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 19 de fevereiro de 2009 
  266. Miller, Paul. «Dell adds 256GB SSD option to XPS M1330 and M1730 laptops». engadget.com. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  267. Crothers, Brooke. «Dell first: 256GB solid-state drive on laptops». CNet.com. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2015 
  268. «Toshiba announces world's first 512GB SSD laptop». CNET News. 14 de abril de 2009. Cópia arquivada em 29 de março de 2011 
  269. «MacBook Air». Apple, Inc. 20 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2011 [necessário verificar]
  270. «OCZ's RevoDrive X2: When A Fast PCIe SSD Isn't Fast Enough». Tom's Hardware. 12 de janeiro de 2011 
  271. «ioDrive Octal». Fusion-io. Consultado em 6 de maio de 2012. Arquivado do original em 1 de novembro de 2012 
  272. Simms, Craig. «MacBook Air vs. the ultrabook alternatives». CNet.com. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  273. «OCZ R4 PCIe SSD Packs 16 SandForce SF-2200 Series Subunits». techPowerUp. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 18 de maio de 2012 
  274. Carl, Jack. «OCZ Launches New Z-Drive R4 and R5 PCIe SSD – CES 2012». Lenzfire. Consultado em 18 de abril de 2022. Arquivado do original em 10 de maio de 2012 
  275. «Samsung Introduces Industry's First 1 Terabyte mSATA SSD». global.samsungtomorrow.com, Samsung. 9 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2014 
  276. «Samsung announces 16TB SSD». ZDnet. ZDnet. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2015 
  277. «NAND Flash manufacturers' market share 2018». Statista 
  278. Master, Neal; Andrews, Mathew; Hick, Jason; Canon, Shane; Wright, Nicholas (2010). «Performance analysis of commodity and enterprise class flash devices». IEEE Petascale Data Storage Workshop 
  279. «Intel X25-E 64GB G1, 4KB Random IOPS, iometer benchmark». 27 de março de 2010. Consultado em 18 de abril de 2022. Cópia arquivada em 3 de maio de 2010 
  280. «SSDs vs. hard drives». Network World. 19 de abril de 2010. Cópia arquivada em 23 de abril de 2010 
  281. SSD Sales up 14% in 2009 Arquivado 2013-06-15 no Wayback Machine, January 20th, 2010, Brian Beeler, storagereview.com
  282. a b Solid State Drives to Score Big This Year with Huge Shipment Growth Arquivado 2013-04-16 no Wayback Machine, April 2, 2012, Fang Zhang, iSupply
  283. SSDs sales rise, prices drop below $1 per GB in 2012 Arquivado 2013-12-16 no Wayback Machine, January 10, 2012, Pedro Hernandez, ecoinsite.com
  284. 39 Million SSDs Shipped WW in 2012, Up 129% From 2011 - IHS iSuppli Arquivado 2013-05-28 no Wayback Machine, January 24th, 2013, storagenewsletter.com
  285. SSDs weather the PC storm Arquivado 2013-12-16 no Wayback Machine, May 8, 2013, Nermin Hajdarbegovic, TG Daily, accesat la 9 mai 2013
  286. Samsung leads in 2008 SSD market with over 30% share, says Gartner Arquivado 2013-06-03 no Wayback Machine, 10 June 2009, Josephine Lien, Taipei; Jessie Shen, DIGITIMES

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e geral[editar | editar código-fonte]

Outro[editar | editar código-fonte]