Anemia aplástica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Anemia aplástica
Classificação e recursos externos
CID-10 D60-D61
CID-9 284
DiseasesDB 866
eMedicine med/162
Star of life caution.svg Aviso médico

Anemia Aplástica ou Aplásica ocorre quando a medula óssea produz em quantidade insuficiente os três diferentes tipos de elementos figurados do sangue existentes: glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. O termo Anemia pode ser reservado apenas para a deficiência de glóbulos vermelhos, enquanto que a diminuição de leucócitos seria chamada de leucopenia e a diminuição de plaquetas de trombocitopenia. A diminuição das três linhagens celulares pode ser chamada de aplasia de medula.

Causas[editar | editar código-fonte]

Uma das causas pode ser de ordem auto-imune; em determinadas situações não se determina a causa. Já em outras ao se questionar o paciente averigua-se o uso anterior de algumas drogas tais como cloranfenicol ( 1 em 40.000 pacientes que usam esta medicação desenvolve anemia aplástica), carbamazepina, fenitoína, quinino, benzeno; A radiação também pode estar envolvida: acredita-se que Marie Curie tenha vindo a falecer em função disso; Pode-se ter ainda como gênese desta anemia, infecção por vírus, exemplo de 2% de pacientes com hepatite aguda viral podem cursar com aplasia de medula.o

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Portadores desta patologia podem ter sangramentos pela trombocitopenia,sejam micro sangramentos na forma de hematomas na pele ou sangramentos profusos; anemia também pode acontecer e graves infecções, podendo chegar a quadro de septicemia.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

o exame laboratorial deve-se iniciar por hemograma, incluindo contagem de reticulócitos; mielograma e biópsia de medula óssea devem vir logo em seguida sendo a hipoplasia(diminuição de células) da mesma e substituição por tecido gorduroso um achado importante para o diagnóstico.

Dosagem de vitamina B12 e ácido fólico para diferenciar de anemia megaloblástica ( nesta estas duas substâncias estão diminuidas), sorologias para infecções virais. Tipagem de HLA ( tipagem de antígeno de histocompatibilidade) para avaliar possíveis doadores.

Diagnóstico Diferencial[editar | editar código-fonte]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Apenas 25% dos pacientes possuem doadores compatíveis (HLA) e para estes o tratamento baseia-se no transplante de medula óssea; Então, hoje em dia, o tratamento mais utilizado é a imunossupressão do sistema imununológico, pois acredita-se que ele é o responsável por suprimir a hematopoiese (produção sanguínea), geralmente se usa um esquema combinado de três drogas: imunoglobulina anti timocítica, ciclosporina e corticóide.

tratamento de suporte[editar | editar código-fonte]

Deve-se utilizar toda vez que necessário a transfusão seja de plaquetas ou de hemácias juntamente com profilaxias antibioticas, pois as infecçoes resultam a maior causa de mortalidade nesta doença. na maioria dos casos se torna impossivel a cura, devido a queda imunologica do sistema nervoso. alguns pacientes sofrem de insuficiencia de todos os orgãos levando a morte.

Seguimento[editar | editar código-fonte]

exames laboratorias como hemograma, função renal e hepática devem ser feitos semanalmente; e sorologias a cada seis meses.

Critérios de cura[editar | editar código-fonte]

Dependendo da intensidade da Aplasia Medular (Moderada ou Grave), devem-se seguir diversos caminhos em base à resposta do paciente : Grave: Se o paciente é refratario ao tratamento imunosupressor, a unica soluçao e a mais eficaz é o transplante de medula ossea, feito preferencialmente de um doador cosanguineo, ou no caso da ausencia deste, de doador externo. Ao recorrer ao transplante, o paciente passa por tratamentos quimioterapicos e radioterapicos, no objetivo de eliminar o risco de rejeiçao e de GVHD. Moderada: No caso do paciente responder bem ao tratamento imunosupressor (Corticosteroides, Ciclosporina e ATG) e nao necessitar mais de transfusoes, o paciente deve continuar a imunosupressao devido ao fato que o mecanismo auto-imune ainda existe e pode voltar a atacar as células tronco hematopoiéticas e por isso deve estar sob controle clinico.

Referências[editar | editar código-fonte]