Dazed and Confused (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dazed and Confused
Juventude Inconsciente (PT)
Jovens, Loucos e Rebeldes (BR)
 Estados Unidos
1993 • cor • 103 min 
Direção Richard Linklater
Produção Richard Linklater
Sean Daniel
James Jacks
Roteiro Richard Linklater
Elenco Jason London
Rory Cochrane
Wiley Wiggins
Sasha Jenson
Michelle Burke
Adam Goldberg
Matthew McConaughey
Marissa Ribisi
Kim Krizan
Parker Posey
Género comédia, drama
Idioma Inglês
Música Diversos artistas
Cinematografia Lee Daniel
Edição Sandra Adair
Distribuição Universal Pictures
Gramercy Pictures
Lançamento Canadá 24 de setembro de 1993
Receita US$ 7.993.039
Página no IMDb (em inglês)

Dazed and Confused (br: Jovens, Loucos e Rebeldes / pt: Juventude Inconsciente) é um filme americano de 1993, escrito e dirigido por Richard Linklater. O grande elenco de atores do filme apresentou diversas futuras estrelas, como Matthew McConaughey, Jason London, Ben Affleck, Milla Jovovich, Cole Hauser, Parker Posey, Anthony Rapp, Adam Goldberg, Joey Lauren Adams, Nicky Katt e Rory Cochrane. A trama mostra as atividades de um grupo de adolescentes durante o último de dia de aula, no ano de 1976;

O filme arrecadou menos de oito milhões de dólares nas bilheterias dos Estados Unidos, porém adquiriu a partir dos últimos anos um status de filme cult. O diretor Quentin Tarantino o incluiu em sua lista de dez melhores filmes de todos os tempos, na edição de 2002 da revista britânica Sight & Sound. Também ficou em terceiro lugar na lista da revista Entertainment Weekly dos 50 melhores filmes sobre a escola secundária (high school). A revista também a classificou em décimo lugar na sua lista de filmes mais engraçados dos últimos 25 anos.

O título do filme vem da canção homônima gravada na década de 1970 pelo Led Zeppelin.[1] Linklater procurou os membros remanescentes do grupo para permissão para usar suas canções no filme, porém enquanto Jimmy Page teria concordado, Robert Plant teria se recusado a ceder os direitos.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme se passa em 28 de maio de 1976, último dia de aula na Lee High School, no estado americano do Texas. Os veteranos do ano seguinte estão se preparando para o trote anual nos futuros calouros. Randall "Pink" Floyd (Jason London), principal jogador de futebol americano do colégio, tem de assinar uma promessa comprometendo-se a não usar drogas durante o as férias de verão nem fazer qualquer coisa que possa "pôr em risco a meta do título no campeonato da próxima temporada". Quando as últimas aulas do dia terminam, os calouros são caçados pelos veteranos na escola média local para serem espancados. As calouras também são hostilizadas e mantidas pelas veteranas no estacionamento do colégio, cobertas por mostarda e ketchup, e forçadas a se insinuar para os veteranos.

O calouro Mitch Kramer (Wiley Wiggins) foge do trote com seu melhor amigo, Carl Burnett (Esteban Powell), quando a mãe de Carl saca uma espingarda contra o veterano que os persegue, Fred O'Bannion (Ben Affleck) - porém eventualmente acaba por ser pego mais tarde, durante um jogo de baseball, e é espancado com violência. O'Bannion, um veterano repetente que participa do trote pelo segundo ano, parece ter um prazer especial ao atacá-lo. Pink oferece uma carona a Mitch, ainda machucado, e o convida para sair com seus amigos naquela noite. Os planos para a noite são arruinados, no entanto, quando os pais de Kevin Pickford (Shawn Andrews), prestes a sair de viagem, descobrem que ele estava organizando uma festa em sua casa. Enquanto isso, o trio de intelectuais Cynthia Dunn (Marissa Ribisi), Tony Olson (Anthony Rapp) e Mike Newhouse (Adam Goldberg), conhecidos como os nerds da classe, decidem sair e participar "visceralmente" das atividades daquela noite. Floyd seu amigo David Wooderson (Matthew McConaughey), um sujeito mais velho que ainda socializa com os estudantes da high school, pegam Kramer em sua casa e saem rumo ao Emporium, uma casa de sinuca popular com adolescentes.

À medida que a noite avança, os estudantes se concentram em torno do Emporium, ouvindo rock, passeam de carro pela vizinhança e parar na lanchonete drive through local. Kramer é apresentado à veterana Julie Simms (Catherine Morris), e surge uma atração mútua. Mitch, passeando novamente de carro com Pink, Kevin, e Don Dawson (Sasha Jenson), bebe cerveja e fuma maconha pela primeira vez. Após destruírem a caixa de correio de uma residência com um taco de baseball, são surpreendidos por um dos moradores com uma pistola, que ameaça chamar a polícia e dispara contra eles. Após retornarem ao Emporium, Kramer encontra seus amigos calouros, e juntos bolam um plano para se vingar de O'Bannion - que continua a atormentar os outros calouros. O plano culmina com um balde de tinta derrubado sobre O'Bannion.

Quando o Emporium fecha uma festa de improviso é planejada, num terreno baldio fora da cidade, e atrai a maior parte dos veteranos. Cynthia, Tony e Mike chegam à sua primeira keg party; Mike tem uma altercação com um sujeito briguento, Clint Bruno (Nicky Katt), enquanto Tony encontra a caloura Sabrina Davis (Christin Hinojosa), que ele havia conhecido anteriormente, durante um dos trotes. Dunn é atraída por Wooderson, e troca números de telefone com ele. Mike, sentindo-se humilhado pelo seu confronto com Clint, decide tomar uma atitude e o desafia para uma briga, que rapidamente é interrompida por Pink e David. Benny O'Donnell (Cole Hauser), outro jogador do time local, questiona Pink a respeito de sua recusa em assinar o compromisso; Pink, que é o único jogador do time a não ter assinado o papel, acredita que ele viola sua individualidade e suas crenças. Mitch deixa a festa com Simms, e juntos vão a um morro vizinho, com vista para a cidade, onde ficam. Tony dá uma carona a Sabrina e despedem-se com um beijo.

À medida que a noite avança, Pink, David, Don e diversos amigos, incluindo Ron Slater (Rory Cochrane) e Simone Kerr (Joey Lauren Adams), decidem fumar maconha na linha de 50 jardas do campo de futebol da escola. Policiais chegam ao local pouco tempo depois e, reconhecendo Pink, decidem chamar o técnico do time, Conrad (Terry Mross), que repreende por andar com "perdedores" e insiste para ele assinar o compromisso. Revoltado, Pink joga o papel no rosto do técnico e diz que até pode jogar futebol, mas apenas sob os seus próprios termos - e sai com seus amigos, para comprar ingressos para um show do Aerosmith. Mitch chega em casa já depois do amanhecer, e encontra sua mãe o esperando; esta decide não puni-lo, tendo em vista os incidentes do trote na noite anterior. Mitch vai então para o seu quarto, deita na cama e coloca seus fones de ouvido, onde se ouve "Slow Ride", de Foghat; ao som da mesma trilha sonora, Pink, David, Ron e Simone estão dentro do carro, viajando por uma estrada.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Dazed and Confused foi lançado em 24 de setembro de 1993 em 183 cinemas dos Estados Unidos, totalizando 918.127 dólares no fim de semana de estreia. Acabou por obter um total de 7,9 milhões de dólares na América do Norte.[3]

Críticas[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu, em sua maior parte, críticas positivas e obteve uma qualificação de 97% "Certified Fresh" no site Rotten Tomatoes. O crítico de cinema Roger Ebert deu ao filme três estrelas de um total de quatro, louvando-o como "arte cruzada com antropologia" com um "doloroso lado obscuro".[4] Em sua crítica para o The New York Times, Janet Maslin escreveu: "Dazed and Confused tem um divertido espírito brincalhão, um que compensa bastante a sua falta de estrutura."[5] Desson Howe, em sua crítica para o Washington Post, escreveu: "Dazed é bem-sucedido em seus próprios termos, e reflete tão bem a cultura americana que se tornou parte dela.".[6] Em sua crítica para o Austin Chronicle, Marjorie Baumgarten elogiou a performance de Matthew McConaughey: "Ele é um personagem que todos nós conhecemos bem dos filmes, porém McConaughey acerta na mosca este cara sem qualquer traço de condescendência ou frescura, apanhando para si este personagem, para todo o sempre."[7]

Peter Travers, da Rolling Stone, descreveu Linklater como um "talento astuto e formidável, que traz o olhar de um antropólogo a esta celebração espetacularmente divertida dos ritos da estupidez. Sua versão chapada de American Graffiti é o filme de festa definitivo -- alto, cru, socialmente irresponsável e totalmente irresistível."[8] Em sua crítica para a Time, Richard Corliss elogiou a trilha sonora do filme, composta por clássicos do rock e da música da década de 1970 em geral.[9] A revista Entertainment Weekly deu ao filme uma nota "A", e Owen Gleiberman escrveu: "(...) se Linklater captura a tolice cômica de seu tempo, ele também evoca o seu espírito liberador. O filme encontra seu significado na sutil tensão entre o ethos sádico e machista dos esportistas mais velhos e o hedonismo "siga-o-seu-impulso", legado da década de 1960."[10]

Legado[editar | editar código-fonte]

A Entertainment Weekly classificou o filme na 17ª posição em sua lista dos "Top 50 filmes cult",[11] terceira posição na lista de "50 melhores filmes colegiais",[12] décimo na lista de "filmes mais Engraçados dos últimos 25 anos",[13] e sexto lugar na lista "The Cult 25: The Essential Left-Field Movie Hits Since '83".[14] Quentin Tarantino o incluiu em sua lista dos doze maiores filmes de todos os tempos em sondagem feita em 2002 pela Sight and Sound.[15]

A Criterion Collection lançou uma edição de dois DVDs do filme nos EUA e Canadá em 6 de junho de 2006. Em seu conteúdo está comentário em áudio do diretor, Richard Linklater, cenas deletadas, o trailer original, o documentário "Making Dazed", de 50 minutos, que foi ao ar no canal de televisão AMC em 18 de setembro de 2005, entrevistas no set de filmagem, cenas dos bastidores, audições do elenco e imagens da comemoração do aniversário de dez anos do filme. A caixa também contém um livro com 72 páginas com ensaios de Kent Jones, Jim DeRogatis e Chuck Klosterman, assim como o diário do elenco e da equipe de filmagem, os perfis dos personagens e uma mini-reprodução do pôster original do filme, de autoria de Frank Kozik. A Entertainment Weekly deu uma nota "A" à caixa especial, chamando-a de uma "excelente edição que permite que este duradouro clássico cult receba o tratamento em DVD que ele merece.".[16]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Dazed and Confused (1993)[editar | editar código-fonte]

  1. "Rock and Roll, Hoochie Koo" - Rick Derringer
  2. "Slow Ride" - Foghat
  3. "School's Out" - Alice Cooper
  4. "Jim Dandy" - Black Oak Arkansas
  5. "Tush" - ZZ Top
  6. "Love Hurts" - Nazareth
  7. "Stranglehold" - Ted Nugent
  8. "Cherry Bomb" - The Runaways
  9. "Fox on the Run" - Sweet
  10. "Low Rider" - War
  11. "Tuesday's Gone" - Lynyrd Skynyrd
  12. "Highway Star" - Deep Purple
  13. "Rock and Roll All Nite" - KISS
  14. "Paranoid" - Black Sabbath

Even More Dazed and Confused (1994)[editar | editar código-fonte]

  1. "Free Ride" - Edgar Winter Group
  2. "No More Mr. Nice Guy" - Alice Cooper
  3. "Livin' in the USA" - The Steve Miller Band
  4. "Never Been Any Reason" - Head East
  5. "Why Can't We Be Friends?" - War
  6. "Summer Breeze" - Seals and Crofts
  7. "Right Place, Wrong Time" - Dr. John
  8. "Balinese" - ZZ Top
  9. "Lord Have Mercy On My Soul" - Black Oak Arkansas
  10. "I Just Want to Make Love to You" - Foghat
  11. "Show Me the Way" - Peter Frampton
  12. "Do You Feel Like We Do" - Peter Frampton
  13. "Hurricane"- Bob Dylan

Referências

  1. Entrevista com Richard Linklater - Mindjack.com
  2. Led-Zeppelin.org. Led Zeppelin Assorted Info.
  3. "Dazed and Confused", Box Office Mojo. Página visitada em 10-2-2009.
  4. Ebert, Roger. "Dazed and Confused", Chicago Sun-Times, 24 de setembro de 1993. Página visitada em 10-2-2009.
  5. Maslin, Janet. "Nervously Contemplating Life After High School", The New York Times, 24 de setembro de 1993. Página visitada em 10-2-2009.
  6. Howe, Desson. "Dazed and Confused", The Washington Post, 22 de outubro de 1993. Página visitada em 10-2-2009.
  7. Baumgarten, Marjorie. "Dazed and Confused", The Austin Chronicle, 24 de setembro de 1993. Página visitada em 10-2-2009.
  8. Travers, Peter. "Dazed and Confused", Rolling Stone, 8 de dezembro de 2000. Página visitada em 10-2-2009.
  9. Corliss, Richard. "A Toke of Our Esteem", Time, 11 de outubro de 1993. Página visitada em 10-2-2009.
  10. Gleiberman, Owen. "Dazed and Confused", Entertainment Weekly, 24 de setembro de 1994. Página visitada em 10-2-2009.
  11. "The Top 50 Cult Films", Entertainment Weekly, 23 de maio de 2003.
  12. "50 Best High School Movies", Entertainment Weekly. Página visitada em 21-4-2009.
  13. "The Comedy 25: The Funniest Movies of the Past 25 Years", 'Entertainment Weekly', 27 de agosto de 2008. Página visitada em 27-8-2008.
  14. "The Cult 25: The Essential Left-Field Movie Hits Since '83" list", Entertainment Weekly, 3 de setembro de 2008. Página visitada em 4-9-2008.
  15. Tarantino, Quentin. "Sight and Sound Top Ten Poll 2002", Sight and Sound. Página visitada em 21-4-2009.
  16. Labrecque, Jeff. "Dazed and Confused", Entertainment Weekly, 2 de junho de 2006. Página visitada em 21-4-2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dazed and Confused (filme)