Gian Francesco Albani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Gian Francesco Albani
Cardeal da Santa Igreja Romana
Deão do Colégio dos Cardeais

Título

Cardeal-bispo de Óstia-Velletri
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1759
Ordenação episcopal 21 de setembro de 1760
Cardinalato
Criação 10 de abril de 1747, pelo Papa Bento XIV
Brasão
Coat Albani.png
Dados pessoais
Nascimento Estados Pontifícios Roma
26 de fevereiro de 1720
Morte Estados Pontifícios Roma
15 de setembro de 1803 (83 anos)
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Gian Francesco Albani[1] (26 de fevereiro de 172015 de setembro de 1803) foi um cardeal italiano, bispo de Óstia-Velletri e decano do Colégio dos Cardeais. Por seus 56 anos como cardeal, considera-se que teve um dos mais longos cardinalatos da História e o mais longo decanato.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de uma distinta família italiana, de refugiados da Albânia no século XV, originalmente a família tinha dois ramos: Bergamo e Urbino. Era filho de Carlo Albani, príncipe de Soriano, e Teresa Borromeo. Era sobrinho-neto do Papa Clemente XI (1700-1721). Sobrinho de cardeais Annibale Albani (1711), e Alessandro Albani, O.S.Io.Hieros. (1721). Tio do Cardeal Giuseppe Albani (1801). O primeiro cardeal da família foi Gian Girolamo Albani (1570).

Vida religiosa[editar | editar código-fonte]

Protonotário apostólico, em outubro de 1740, foi feito Vigário da Basílica Patriarcal Liberiana, em março de 1742. Presidente da Câmara Papal, em novembro de 1742. Clérigo da Câmara Apostólica, setembro de 1743. Pró-secretário do Sagrada Congregação de Imunidade Eclesiástica, setembro de 1743. Relator da Sagrada Congregação de Indulgências e Relíquias Sagradas, em 1743. Seu tio, o cardeal Annibale Albani, cardeal protetor do reino da Polônia, pediu ao rei Augusto III para solicitar a promoção ao cardinalato do sobrinho Gian Francesco.

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

Criado cardeal-diácono no consistório de 10 de abril de 1747, recebeu o barrete cardinalício em 13 de abril, e a diaconia de São Cesário, em 15 de maio.

Recebeu o subdiaconato em novembro de 1747 e o diaconato em 31 de março de 1748. Foi feito cardeal protetor do reino da Polónia em 1751. Foi ordenado em 1759. Optou pela ordem de cardeais-presbíteros e o título de São Clemente em 12 de fevereiro de 1759.

Episcopado[editar | editar código-fonte]

Optou pela ordem dos cardeais-bispos e pela sé suburbicária de Sabina, em 21 de julho de 1760. Consagrado bispo em 21 de setembro, na Basílica de Ss. XII Apostoli, em Roma, pelo Papa Clemente XIII, assistido pelo Cardeal Giuseppe Spinelli, bispo de Porto e Santa Rufina, vice-decano do Colégio dos Cardeais, pelo Cardeal Flavio Chigi, pelo Cardeal Camillo Paolucci, bispo de Frascati e pelo Cardeal Carlo Cavalchini, bispo de Albano. É nomeado protetor da Ordem de São Jerônimo.

Protetor da Congregação do Santíssimo Pietro de Pisa, em 8 de outubro de 1761. É nomeado cardeal protetor do reino da Escócia, em 13 de maio de 1763. Após a expulsão dos jesuítas do reino de Nápoles em 1768, foi nomeado membro de uma congregação especial instituído pelo papa, no qual se pronunciou a favor da supressão da Companhia de Jesus. Após a eleição do Papa Clemente XIV, a quem ele se opõe fortemente, o cardeal Gian Francesco se recusou a servir no trono papal, e encontrou-se mais uma vez em desacordo com as posições tomadas pelo papa, especialmente sobre a questão dos jesuítas, que ele agora apoiava e defendia. Optou pela sé suburbicária de Porto e Santa Rufina, em 15 de março de 1773, tornando-se vice-decano.

Nos anos seguintes, ele trabalhou para o restabelecimento da Companhia de Jesus. Passou para a sé suburbicária de Óstia e Velletri, em 18 de dezembro de 1775, assumindo também o cargo de Decano do Sacro Colégio dos Cardeais e Prefeito da Sagrada Congregação Cerimonial. Também é nomeado arcipreste da Basílica Patriarcal Liberiana. Em 1789, juntamente com os cardeais Francesco Saverio de Zelada, secretário de Estado, de Leonardo Antonelli, Hyacinthe Sigismond Gerdil, C.R.S.P., e Filippo Campanelli, fez parte de uma congregação especial, instituída pelo Papa Pio VI, que analisou e condenou o "Puntazioni di Ems" de 25 de agosto de 1786, e do Sínodo de Pistoia, realizado de 18 a 28 de setembro de 1786, para avançar sobre o jansenismo.

Após a Revolução que eclodiu na França, foi convidado a participar, juntamente com os cardeais Vitaliano Borromeu, Leonardo Antonelli, Filippo Campanelli, Guglielmo Pallotta e Gregorio Salviati, da Congregação para os Assuntos da França, que foi examinar a situação que se seguiu à promulgação da Constituição Civil do Clero, e orientando as decisões difíceis do papa. Durante a primeira invasão francesa de Roma, ameaçado de ser preso com toda a sua família pelo general Berthier, ele escapou de Roma, em fevereiro de 1798, ficando por alguns meses na abadia de Casamari; de lá, em julho, ele foi para Nápoles, quando os franceses entraram em Roma e devastaram a villa do cardeal e confiscaram seus bens. Ele permaneceu por algum tempo em Nápoles, e aceitou o convite do Cardeal Jean-Maury Siffrein para viajar a Veneza. Foi de sua responsabilidade, após a morte do papa, escolher o lugar onde o conclave seria realizado (em 13 de novembro de 1798, uma bula papal do Papa Pio VI, em antecipação ao momento difícil que a sua morte abriria para a Igreja, havia de fato dado para o mais velho dos cardeais a escolha do local, no território governado por um príncipe católico, em que o Colégio dos Cardeais tinha para eleger seu sucessor).

Embora logo após a morte do Papa Pio VI as tropas napolitanas e austríacas tenham entrado em Roma, libertando-a do julgo francês, o cardeal Albani, como decano do Sacro Colégio, escolheu Veneza para a celebração do conclave e o colocou sob a proteção do Imperador Francisco II. O novo Papa Pio VII nomeou-o legado a latere, juntamente com os cardeais Aurelio Roverella e Giulio della Somaglia, para ir a Roma à frente do Papa e receber do Rei Fernando IV de Nápoles o governo dos Estados Pontifícios. Apesar de sua idade avançada, o cardeal tomou parte nas discussões da Concordata com a França, e, sucessivamente, com a República Italiana, 1800-1802. Durante seu cardinalato, de 56 anos de duração, ele foi o principal representante da linha pró-austríaca (e antifrancesa).

Conclaves[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Por vezes, chamado de Giovanni Francesco Albani, como seu tio-avô, o Papa Clemente XI.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ritzler, Remigium e Pirminum Sefrin. Hierarchia Catholica Medii et Recientoris Aevi (em <código de língua não-reconhecido>). Patavii: Typis et Sumptibus Domus Editorialis "Il Messaggero di S. Antonio" apud Basilicam S. Antonii, 1968. vol. IV.
Precedido por
Giovanni Battista Spinola
Cardeal
Cardeal-diácono de São Cesário

17471759
Sucedido por
Giovanni Costanzio Caracciolo
Precedido por
Cosimo Imperiali
Cardeal
Cardeal-padre de São Clemente

17591760
Sucedido por
Carlo Rezzonico
Precedido por
Joaquín Fernández Portocarrero
Cardeal
Cardeal-bispo de Sabina

17601773
Sucedido por
Carlo Rezzonico
Precedido por
Frederico Marcelo della Rovere
Cardeal
Cardeal-bispo de Porto e Santa Rufina

17731775
Sucedido por
Carlo Rezzonico
Precedido por:
Fabrizio Serbelloni
Brasão arquiepiscopal
Cardeal-bispo de Óstia-Velletri

Sucedido por:
Henrique Benedito Stuart
Decano do Colégio dos Cardeais
17751803