Hans Goldschmidt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hans Goldschmidt
Química
Nacionalidade Alemanha Alemão
Nascimento 18 de Janeiro de 1861
Local Berlim
Morte 21 de Maio de 1923 (62 anos)
Local Baden-Baden
Atividade
Campo(s) Química
Alma mater Universidade de Berlim
Orientador(es) Robert Bunsen
Prêmio(s) Medalha Elliott Cresson (1904)

Hand Goldschmidt (Berlim, 18 de Janeiro de 1861Baden-Baden, 21 de Maio de 1923), de seu nome completo Johannes (Hans) Wilhelm Goldschmidt, foi um químico e metalurgista, inventor da termite.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hand Goldschmidt nasceu em Berlim, filho de Theodor Goldschmidt, fundador e director da empresa de química industrial Chemische Fabrik Th. Goldschmidt (que daria origem ao actual conglomerado Degussa). Como o seu irmão mais velho Karl Goldschmidt, estudou química na Universidade de Berlim, tendo como mestre Robert Bunsen.

Em 1888 assumiu, com o seu irmão, a direcção da empresa paterna, a Chemische Fabrik Th. Goldschmidt.,[2] e iniciou uma carreira em metalurgia que o levaria, e à sua firma, ao desenvolvimento de diversas ligas e tecnologias de preparação de metais. Entre as suas invenções ganharam notoriedade a co-descoberta da amálgama de sódio e o desenvolvimento da metodologia de produção e uso da termite.

A reacção da termite é uma reacção aluminotérmica produzida quando o alumínio na forma metálica é oxidado pelo óxido de outro metal, em geral um óxido de ferro. A reacção, extremamente exotérmica, é usada para soldadura de metais de elevado ponto de fusão e para a construção e engenhos incendiários e de munições destinadas a penetrar armadura, em particular para destruir super-estruturas navais em alumínio e aviões. A reacção aluminotérmica é por vezes denominada Reacção de Goldschmidt ou Processo de Goldschmidt por ter sido por ele inventado em 1893, patenteado em 1895 e descrito cientificamente num artigo publicado em 1898.[3] A técnica da termite mantém-se ainda como a forma padrão de soldadura de elevada resistência, sendo usada extensamente na construção de ferrovias.

O seu túmulo está preservado no cemitério protestante Friedhof I der Jerusalems- und Neuen Kirchengemeinde (Cemitério n.º I da irmandade da Igreja de Jerusalém e Nova Igreja) em Berlin-Kreuzberg, a sul da Hallesches Tor.

Referências

  1. Walter Däbritz, Barbara Gerstein: Goldschmidt, Hans. In: Neue Deutsche Biographie (NDB). Volume 6. Duncker & Humblot, Berlin 1964, p. 609.
  2. (1923) "Obituary: Hans Goldschmidt". Berichte der deutschen chemischen Gesellschaft 56 (8): A77 - A79. DOI:10.1002/cber.19230560867.
  3. Goldschmidt, Hans. (1898). "". Justus Liebigs Annalen der Chemie 301 (1): 19–28. DOI:10.1002/jlac.18983010103.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Walter Däbritz, Barbara Gerstein: Goldschmidt, Hans. In: Neue Deutsche Biographie (NDB). Vol. 6. Duncker & Humblot, Berlin 1964, p. 609.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]