Wilhelm Conrad Röntgen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wilhelm Conrad Röntgen Medalha Nobel
Física
Nacionalidade Alemanha Alemão
Residência  Alemanha
Nascimento 27 de março de 1845
Local Lennep
Morte 10 de fevereiro de 1923 (77 anos)
Local Munique
Atividade
Campo(s) Física
Instituições Universidade de Estrasburgo, Universidade de Hohenheim, Universidade de Giessen, Universidade de Würzburgo, Universidade de Munique
Alma mater Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, Universidade de Zurique
Orientador(es) August Kundt
Orientado(s) Herman March, Abram Ioffe, Rudolf Ladenburg, Ernst Wagner
Conhecido(a) por Raios X
Prêmio(s) Medalha Matteucci (1896), Medalha Rumford (1896), Medalha Elliott Cresson (1897), Nobel prize medal.svg Nobel de Física (1901)

Wilhelm Conrad Röntgen (Lennep, 27 de março de 1845Munique, 10 de fevereiro de 1923) foi um físico alemão que, em 8 de novembro de 1895, produziu radiação electromagnética nos comprimentos de onda correspondentes aos atualmente chamados raios X.[1]

Educação[editar | editar código-fonte]

Röntgen nasceu em Lennep (atualmente pertencente a Remscheid), na Alemanha, filho de um tecelão. Sua família se mudou para os Países Baixos(Apeldoorn, na Holanda) quando ele tinha três anos. Recebeu sua educação primária no Instituto de Martinus Herman van Doorn. Depois estudou na Escola técnica de Utrecht, de onde foi expulso por supostamente realizar uma caricatura de um de seus professores, ato que negou cometer.

Em 1865 foi reprovado por um dos professores que haviam participado de sua expulsão e não entrou para a Universidade de Utrecht. Depois foi admitido na Politécnica de Zurique para estudar engenharia mecânica sem ter o título de bacharel. Em 1869 graduou-se com um Ph.D. da Universidade de Zurique, com a tese Studien über Gase.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1874 tornou-se conferencista da Universidade de Estrasburgo e em 1875 chegou a ser professor da Academia de Agricultura de Hohenheim, Württemberg.[2] Em 1876 retornou a Estrasburgo como professor de física, e em 1879] chegou a diretor do Departamento de Física da Universidade de Giessen. Em 1888 foi físico chefe da Universidade de Würzburg e em 1900 físico chefe da Universidade de Munique, por petição especial do governo da Baviera.[3]

Descoberta da radiação X[editar | editar código-fonte]

Placa na entrada do Museu Röntgen
Casa onde nasceu Röntgen

Durante 1895, Röntgen testava equipamentos desenvolvidos pelos seus colegas Ivan Pulyui, Heinrich Hertz, Johann Wilhelm Hittorf, William Crookes, Nikola Tesla, e Philipp Lenard.

Curioso sobre se a propagação dos raios catódicos fora do tubo, o que não era possível de se constatado dada a sua intensa luminosidade. Ao cair da tarde de 8 de Novembro de 1895, Röntgen determinou-se a certificar-se disso. Envolveu o tubo que testava com uma cobertura de papelão preto e, por algum tempo, ficou observando as descargas elétricas que lhe aplicava. Quando já estava acostumado à visão no escuro, Röntgen percebeu que um cartão de platinocianeto de bário brilhava debilmente durante as descargas. Convenceu-se, então, de que os raios catódicos não saiam do tubo e, portanto, não poderiam estar provocando tal fenômeno, Röntgen deduziu que um novo tipo de raio podia ser o responsável pelo fenômeno. O dia 8 de Novembro era uma sexta-feira, por isso ele aproveitou o fim de semana para repetir as suas experiências e tomar as primeiras notas. Nas semanas seguintes comeu e dormiu no seu laboratório, à medida que investigava muitas das propriedades dos novos raios que designou temporariamente de raios-X, utilizando a designação matemática para algo desconhecido. Apesar de os novos raios, por ele descobertos, terem passado a ser nomeados de raios de Röntgen, ele sempre preferiu a designação de raios-X.[4]

Teorias sobre a descoberta do raio X[editar | editar código-fonte]

A descoberta dos raios-X por Röntgen não foi acidental mas incidental. Com as investigações que ele e os seus colegas estavam a desenvolver, em diversos países, a descoberta já era iminente. De fato, ele tinha planejado usar um écran na próxima etapa das suas investigações e, certamente, faria a descoberta após esse passo.

Num dado momento, enquanto investigava a capacidade de vários materiais de reterem os raios, Röntgen colocou uma peça de chumbo em posição enquanto ocorria uma descarga e viu aí a primeira imagem radiográfica. Em entrevista a um reporter de nome H. J. W. Dam, da revista canadense McClure's Magazine, Röntgen descreveu: "Eu estava trabalhando com tubos Crooke cobertos com uma proteção de papelão preto. Um pedaço de papel de platinocyanoide de bário estava sobre o banco. Eu vi passar uma corrente através do tubo e notei uma linha escura peculiar sobre o papel.”

O artigo original de Röntgen, "Ueber Eine Neue Art von Strahlen - Sobre uma nova espécie de Raios", foi publicado 50 dias depois, em 28 de Dezembro de 1895.[5] A 5 de Janeiro de 1896, um jornal austríaco relatou a descoberta, por Röntgen, de um novo tipo de radiação. Após a descoberta dos raios-X, Röntgen recebeu o título de Doutor Honorário em Medicina, da Universidade de Würzburg. Entre 1895 e 1897, Röntgen publicou três artigos a respeito dos raios-X, cuja tradução para o português pode ser vista nos links externos. Até os dias atuais, nenhuma das suas conclusões foi considerada falsa. Atualmente, Röntgen é considerado o pai da Radiologia de Diagnóstico - a especialidade médica que utiliza imagem para o diagnóstico de doenças.

Devido à sua descoberta, Röntgen foi laureado com o primeiro Nobel de Física, em 1901. O prêmio foi concedido "em reconhecimento aos extraordinários serviços que a descoberta dos notáveis raios que levam seu nome possibilitaram".[6] Röntgen doou a recompensa monetária à sua universidade, convicto de que a ciência deve estar ao serviço da humanidade e não do lucro. À semelhança da escola científica alemã da época, e, da mesma forma que Pierre Curie faria vários anos mais tarde, rejeitou registrar qualquer patente relacionada à sua descoberta.

Referências

  1. Novelline, Robert. Squire's Fundamentals of Radiology (em inglês). 5° ed. [S.l.]: Harvard University Press, 1997. 638 pp. p. 1. ISBN 0-674-83339-2 Página visitada em 03 de janeiro de 2013.
  2. Wilhelm Conrad Röntgen (em português). Klick Educação. UOL - Biografias. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  3. Wilhelm Conrad Roentgen (em português). medicinaintensiva.com.br. Página visitada em 18 de março de 2012.
  4. XRayCeRT.com. Medical Imaging Past Present and Future (em inglês). [S.l.]: XRayCeRT, 2013. p. 7.
  5. MobileReference. 100 Most Influential People of All Times for Smartphones and Mobile Devices (em inglês). ilustrada ed. [S.l.]: MobileReference, 2007. ISBN 160501124X
  6. In: Lundqvist, Stig. Nobel Lectures in Physics (em inglês). [S.l.]: World Scientific, 1998. p. 47. ISBN 9810234015

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Wilhelm Conrad Röntgen


Precedido por
Henry Augustus Rowland
Medalha Matteucci
1896
com Philipp Lenard
Sucedido por
Guglielmo Marconi
Precedido por
James Dewar
Medalha Rumford
1896
com Philipp Eduard Anton von Lenard
Sucedido por
Oliver Lodge
Precedido por
Nobel de Física
1901
Sucedido por
Hendrik Lorentz e Pieter Zeeman