Oliveira (Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Oliveira
""Princesa do Oeste""
Oliveira

Oliveira
Bandeira de Oliveira
Brasão de Oliveira
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 19 de setembro
Fundação 19 de setembro de 1861
Gentílico oliveirense
Lema "Quasi Oliva Speciosa in Campis" - "Como a oliveira formosa dos campos"
Padroeiro(a) Nossa Senhora de Oliveira
Prefeito(a) João Batista de Sousa
(2013–2016)
Localização
Localização de Oliveira
Localização de Oliveira em Minas Gerais
Oliveira está localizado em: Brasil
Oliveira
Localização de Oliveira no Brasil
20° 41' 45" S 44° 49' 37" O20° 41' 45" S 44° 49' 37" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Oeste de Minas IBGE/2008 [1]
Microrregião Oliveira IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Carmo da Mata, Carmópolis de Minas, Passa Tempo, São Tiago, Bom Sucesso, Santo Antônio do Amparo, São Francisco de Paula e Resende Costa
Distância até a capital 147 km
Características geográficas
Área 896,494 km² [2]
População 41 181 hab. Estimativa IBGE/2013[3]
Densidade 45,94 hab./km²
Altitude 982 m
Clima Tropical de Altitude [[Classificação climática de Köppen-Geiger|Cwb (19,54ºC)]]
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,770 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 401 175 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 10 164,31 IBGE/2010[5]
Página oficial
Outras informações
Ficha técnica
CEP 35540-000
Padroeiro Nossa Senhora de Oliveira
Vínculo diocesano Diocese de Oliveira
Comarca Oliveira
Vereadores 9 [6]
País BRAlogo1.png Brasil
Macrorregião Sudeste
População Economicamente Ativa 17.642 (2000) [7]
Índice Gini 0,43
Eleitores 31.281 (2012) [8]

Oliveira é um município brasileiro do estado de Minas Gerais, localizado a 150 quilômetros a sudoeste de Belo Horizonte, que possui 41.181 habitantes, segundo as últimas estimativas do IBGE.

História[editar | editar código-fonte]

Sua história começa por volta da metade do século XVIII, quando viajantes portugueses pousavam em suas terras nas longas caminhadas rumo a Goiás, através da Picada de Goiás, ou Caminho de Goiás. Do pequeno povoado surgiu a cidade, que na época do Império do Brasil tinha muita importância política e hegemonia regional.

Há relatos que um surto de doenças na região de Mariana também tenha provocado um grande deslocamento de pessoas para a cidade. O arraial de Oliveira pertencia à Vila de São José do Rio das Mortes, a atual Tiradentes (Minas Gerais), e já possuía uma capela em 1758. O arraial foi elevado à condição de freguesia em 14 de julho de 1832, elevada à condição de Vila, em 16 de março de 1839 pela lei provincial nº 134. Foi elevada à categoria de cidade em 19 de setembro de 1861. Diferentemente de suas circunvizinhas, como Ouro Preto e São João Del Rei, seu aparecimento não se deu pela procura de ouro e diamante, e sim pelo desenvolvimento da pecuária e agricultura, iniciada pelos primeiros bandeirantes que começaram a se deslocar de São Paulo para o interior de Minas Gerais. Do início do povoado até a sua elevação a categoria de cidade, o município sempre se destacou como um ponto estratégico de troca de mercadorias e movimentação de capital por parte dos viajantes que por ali passavam, o que fez com que em pouco tempo o lugar tivesse rápido crescimento. Com o fim da escravidão no Brasil e o incentivo do governo para a imigração, vieram para a cidade muitos colonos sírio-libaneses, que mais tarde dominaram o comércio. Além desses a cidade tem uma forte influência portuguesa, principalmente na arquitetura, e italiana.

Existem duas versões quanto à origem do nome de Oliveira. Há relatos que os primitivos habitantes da região encontraram naquelas paragens, na época do desbravamento do oeste, algumas árvores frutíferas produtoras da azeitona, levando-os a denominar o local de "Oliveiras", nome que, posteriormente, acabou simplificado para Oliveira. Porém, existiu também na distante segunda metade do século XVIII, uma senhora de origem portuguesa, chamada de Dona Maria de Oliveira, que morava, na época da passagem das primeiras levas de desbravadores, rumo a Goiás, numa casa situada no local onde hoje se impõe a montesa cidade de Oliveira. Assim esta teria dado nome ao lugar. A cidade ficou mundialmente conhecida a partir do início do século XX por ser a terra natal do grande cientista Carlos Chagas, que foi o descobridor do agente causador da Doença de Chagas, além de pioneiro nas pesquisas relacionadas à moléstias ligadas à protozoários, e indicado ao [[Prêmio Nobel]] no início do século passado na [[Alemanha]].

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 20º41'45" sul e a uma longitude 44º49'37" oeste, a uma altitude média de 982 metros, no circuito regional conhecido como Campos das Vertentes. Faz parte politicamente da região Oeste de Minas, apesar da sua localização geográfica, que é ao sudoeste. Sua população estimada, em 2006, era de 40.966 habitantes segundo o PNUD, e 41.181 habitantes em 2013 segundo o IBGE. Além da sede, conta ainda com o distrito de Morro do Ferro, que tem uma população de aproximadamente 1.500 habitantes, a 35 quilômetros da cidade. Figura entre as principais cidades do Oeste de Minas, sendo a sexta cidade mais populosa desta messorregião, a 80º entre as maiores cidades do estado, e a 289º entre as cidades do Sudeste do Brasil. Luta atualmente para se tornar um pólo industrial. O município possui uma área de 896,494 km².

A cidade fica próxima dos principais aglomerados urbanos do país, e de outras importantes cidades de Minas Gerais. Distância em quilômetros de algumas localidades:

A cidade dá nome à Microrregião de Oliveira, que abrange ainda outros oito municípios situados no extremo sul da região Oeste de Minas, limitando-se com as microrregiões de São João Del Rei, Lavras, Divinópolis, Conselheiro Lafaiete, Formiga, Itaguara e Campo Belo, sendo assim o ponto de confluência do Oeste de Minas, a Região Metropolitana de Belo Horizonte, o Sul de Minas e o Campo das Vertentes.

Microrregião de Oliveira (por população/IBGE 2013):

  • Oliveira: 41.181
  • Carmópolis de Minas: 18.205
  • Santo Antônio do Amparo: 18.162
  • Bom Sucesso: 17.805
  • Carmo da Mata: 11.382
  • Passa Tempo: 8.377
  • São Francisco de Paula: 6.666
  • Piracema: 6.575
  • Ibituruna: 2.979

Clima[editar | editar código-fonte]

Estando situada em um território muito acidentado, numa zona de campo e serra, possui o clima tropical de altitude (cwb), e pode ser considerada em termos nacionais como uma cidade fria. Oliveira tem médias anuais de temperatura em torno de 19 °C, a menor temperatura já registrada foi de -1 °C em 18 de julho de 1926, e a maior foi de 34 °C em 8 de janeiro de 1930 (temperaturas à sombra). Desse período para os dias de hoje, a tendência foi de diminuição das máximas e um ligeiro aumento das mínimas. Seu clima é bem temperado como quase todas as cidades do sudoeste e do sul de Minas Gerais. O índice pluviométrico anual gira em torno de 1550 mm. Com base nas quatro estações do ano, segue abaixo a média de temperatura (em graus Celsius) durante as 24 horas dos dias correspondentes à cada estação:

  • Média anual: 19,54 °C
Temperatura Média nas Quatro Estações
Estação Temperatura
(em Graus Celsius)
Primavera 20,10 °C
Verão 21,57 °C
Outono 16,82 °C
Inverno 19,67 °C
Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Oliveira, Minas Gerais - Brasil Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,3 27,9 27,9 26,5 25,4 24,6 24,5 26,5 26,5 27,9 27,8 27,7 28,3
Temperatura mínima média (°C) 17,9 17,8 17,1 15,1 12,7 10,8 9,8 11,4 13,8 15,8 16,7 17,5 9,8
Precipitação (mm) 265,8 212,2 187,5 70,0 25,0 18,2 11,6 14,6 58,4 133,6 204,8 320,0 1 521,7
Fonte: [9] maio 2013

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Seu território localiza-se entre as vertentes iniciais de duas grandes bacias: a platina e a sanfranciscana, pertencendo à primeira. Os principais rios que abastecem a cidade é o rio Lambari e o rio Jacaré, que é um afluente do rio Grande.

Relevo e vegetação[editar | editar código-fonte]

O território do município está em uma região que pode ser considerada como um prolongamento da serra da mantiqueira. A cidade está situada sobre um conjunto de morros situados a uma altitude média de 1000 metros acima do nível do mar. O relevo assim se divide:

Topografia (%)
  • Plano: 5
  • Ondulado: 70
  • Montanhoso: 25
  • Altitude máxima: 1209 metros
  • Altitude mínima: 910 metros

A vegetação é constituída predominantemente por cerrado e campos, sendo que o último é observado nas regiões mais altas.

Infra-estrutura[editar | editar código-fonte]

Boulevard Jacéa Abi-Ackel.
O centro da cidade.

A cidade é conhecida por apresentar uma ótima infraestrutura urbana, possui o maior pronto socorro do Centro-Oeste de Minas, recém inaugurado. Tem uma arquitetura marcada pela influência ibérica, sendo visivelmente a mais européia das cidades da região, influência expressa pelos grandes casarões do século XIX, estátuas e monumentos espalhados pela cidade. Suas praças e avenidas são bem ornamentadas, e suas construções são marcantes, como a Catedral de Nossa Senhora de Oliveira, construída em estilo gótico com traços romanos, e a antiga igreja Matriz do século XVIII em estilo barroco, além da arquitetura moderna dos novos edifícios.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Localizada em um ponto privilegiado, é cortada por três das principais rodovias de Minas e do Brasil:

Ferrovias[editar | editar código-fonte]

Ferrovia Centro-Atlântica cortando a cidade.

A cidade é cortada pela Ferrovia Centro-Atlântica, que liga o interior do Brasil ao litoral.

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Oliveira conta com um aeroporto que tem uma pista de 1.180 metros de comprimento por 20 metros de largura, podendo receber pousos de aviões de pequeno e médio porte, além de ter um terminal de embarque e desembarque. Ver artigo principal em Aeródromo Público de Oliveira.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bairro Dona Sinhaninha, região de classe média alta
Bairro Acácio Ribeiro, tradicional bairro de classe média

A zona urbana da cidade pode ser dividida em 51 bairros ou regiões,nos quais estão distribuídas mais de 550 ruas, são eles:

  • São Sebastião;
  • Acácio Ribeiro;
  • Acácio Ribeiro II;
  • Acácio Ribeiro III;
  • Centro;
  • Sinhaninha;
  • Rosário;
  • Santo Antônio;
  • Aparecida;
  • Caetano Mascarenhas;
  • Dona Zica;
  • Dom Bosco
  • Doutor From;
  • COHAB João Paulo II;
  • São Geraldo;
  • Jardim Panorâmico I;
  • Jardim Panorâmico II;
  • Eldorado;
  • Novo Eldorado;
  • Santo Antônio;
  • Barro Preto;
  • Triângulo;
  • Cristo Redentor;
  • Santa Maria;
  • Segredo;
  • Graças;
  • Domingos Ribeiro;
  • Areões;
  • Distrito Industrial;
  • Cíntia;
  • Vila Progresso;
  • Cabrais;
  • Pedra Negra;
  • Santa Luzia;
  • Condomínio Rocha Costa;
  • COHAB Elias Raimundo;
  • Maria Amélia;
  • Aldeia São Vicente;
  • Arthur Henrique de Melo;
  • São Bernardo;
  • Jardim dos Bandeirantes;
  • Retiro das Pedras;
  • Oscar Faria Lobato;
  • Novo Horizonte;
  • Condomínio Vila Rica;
  • Distrito Industrial;
  • Vale do Sol;
  • São Dimas;
  • Bela Vista.
Aspecto do perímetro urbano de Oliveira, onde habitam cerca de 40.000 pessoas.

Sociedade[editar | editar código-fonte]

Indicadores sociais e demográficos[editar | editar código-fonte]

Indicadores sociais do município no ano de 2000 (Caminhos - UFMS)

  • Taxa de crescimento: 1,50%
  • Esperança de vida ao nascer (em anos): 72,00
  • Índice de educação (IDHM-E): 0,841
  • Índice de longevidade (IDHM-L): 0,783
  • Índice de renda (IDHM-R): 0,686
  • Índice de Desenvolvimento Humano: 0,770
  • Colocação no ranking estadual: 164° (em 853 municípios)
  • Colocação no ranking regional (Sudeste): 611° (em 1666 municípios)
  • Colocação no ranking nacional: 1315° (em 5.507 municípios)
  • Taxa de alfabetização de adultos: 90,39% (2000)
  • População: 41.181 (80º em 853 municípios/2013)

Evolução da população[editar | editar código-fonte]

  • 1970: 26.502
  • 1980: 29.586
  • 1991: 32.222
  • 2000: 37.250
  • 2010: 39.469
  • 2013: 41.181

Um fato relevante é o notável envelhecimento da população na cidade, mais antecipado do que o já previsto pela população do Brasil em geral. Isso pode ser atribuído a diversos fatores, mas sobretudo às baixas taxas de natalidade e mortalidade no município. De acordo com a tabela abaixo publicada pelo IBGE no censo de 2010[10] , a população de Oliveira apresenta um processo de envelhecimento mais rápido do que a do estado de Minas Gerais e do resto do país.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia da cidade é baseada principalmente no setor de serviços (Terciário). No setor industrial (Secundário), se destacam a Baptista de Almeida (Fábrica de balas e caramelos Santa Rita) e a Kromberg & Schubert (multinacional alemã).

A principal atividade econômica do município é baseada no setor terciário. Nas últimas décadas, observa-se um esforço para se tornar polo industrial.
Divisão por setores (% do PIB)
  • Agropecuário: 17%
  • Indústria: 33%
  • Serviços: 50%
Média Per Capita Mensal[11]
Cidade Média Mensal
(em reais)
Oliveira R$ 653,61
Campo Belo R$ 647,36
Cláudio R$ 639,46
Itapecerica R$ 608,81
Carmo da Mata R$ 591,77
Carmópolis de minas R$ 581,83
Bom Sucesso R$ 567,02
Santo Antônio do Amparo R$ 459,30
São Francisco de Paula R$ 460,94

Entre os anos 2005 e 2012, Oliveira apresentou um meteórico crescimento, seja no âmbito econômico, social, e no que diz respeito à modernização em altos patamares da cidade em relação à sua estrutura urbana. Em um levantamento publicado recentemente, que mapeou a concentração de miséria no Brasil, constatou-se que na cidade a proporção dos considerados miseráveis não chega a casa de 1,5% de toda a sua população, muito abaixo da média nacional de 8,5%. E ainda, dentro de uma região dinâmica, considerada uma das mais ricas do estado de Minas Gerais, Oliveira também lidera comparada as cidades circunvizinhas a renda per capita média mensal (Também de acordo com o mesmo levantamento). Veja os números:

Religião[editar | editar código-fonte]

Catedral da Diocese, desenhada pelo arquiteto Pedro Bax, com construção posteriormente assumida pelo português Joaquim Laranjo, nos estilos romântico e gótico.

Como a história da cidade é embasada na cultura ibérica trazida pelos seus fundadores portugueses, o Catolicismo é predominante na cidade. Tradicionalmente, o oliveirense é religioso, fato pelo qual em 1941, culminou na implantação da Diocese no município.

Diocese de Oliveira[editar | editar código-fonte]

Criada em 20 de dezembro de 1941 pela Bula Quo uberiores fructus, do Papa Pio XII, resultado de um desmembramento da Arquidiocese de Belo Horizonte. Localiza-se na região centro-sul do Estado de Minas Gerais, limitando com as Arquidioceses de Belo Horizonte e Mariana e com as Dioceses de Campanha, Divinópolis, Luz e São João del Rei. Com quase 8.000 km², tem uma população de 300 mil habitantes aproximadamente. No total são 28 paróquias distribuídas nos municípios de: Aguanil, Bom Sucesso, Campo Belo, Cana Verde, Candeias, Carmo da Mata, Carmópolis de Minas, Cristais, Desterro de Entre Rios, Itaguara, Oliveira, Passa Tempo, Perdões, Piracema, Ribeirão Vermelho, Santana do Jacaré, Santo Antônio do Amparo, São Francisco de Paula e São Tiago.

Administração[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: João da Batista de Sousa (2013/2016)
  • Vice-prefeito: Salatiel Alvim Lobato
  • Presidente da Câmara de Vereadores: Leonardo Ananias Leão
  • Vice-presidente da Câmara: Francisco José Ribeiro Filho

Cultura[editar | editar código-fonte]

Cainágua, tradição centenária do carnaval de Oliveira.

A cidade tem um carnaval reconhecido como um dos melhores de Minas Gerais. A sua figura principal é o Cainágua, que nada mais é do que uma réplica adaptada dos mascarados do Carnaval de Veneza, onde os nobres se misturavam à multidão nas festas. Sendo assim do mesmo modo, o Cainágua foi criado a partir de brincadeiras antigas onde as pessoas se vestiam e usavam máscaras ficando irreconhecíveis, permitindo o contato de diferentes tipos de foliões. Outra característica marcante do carnaval oliveirense é o bloco "Pelo amor de Deus", criado por José Alberto Machado da Silva, que depois deu prosseguimento Mauricio Almeida, que alegra as noites da sexta-feira com seus foliões irreverentes. O município possui uma forte identidade cultural, construída através de mais de dois séculos, que foi largamente influenciada pela formação portuguesa da cidade juntamente com a herança dos outros povos vindos para o Brasil. Esses juntos, construíram uma série de manifestações típicas da cidade. Assim como o carnaval, é bem marcante a sua Semana Santa e o Congado.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Velha Matriz no estilo barroco do século XVIII, erguida pelos portugueses em honra de Nossa Senhora de Oliveira. Uma das únicas nesse estilo no mundo a possuir dois campanários circulares.

Os pontos turísticos mais comentados e procurados são: " A Grande Estátua do Cristo Redentor, a Casa de Cultura Carlos Chagas, e a Igreja Matriz antiga no estilo barroco. O seu aspecto urbano impressiona, a exemplo do Boulevard, que circunda a cidade, e de seus jardins e praças. Recentemente, houve o polêmico tombamento da área central da cidade, que desencadeou uma série de manifestos por boa parte da população que não concorda com o mesmo, mesmo pelo fato de que este foi um ato imposto sem a opinião das pessoas em geral. A parte central da cidade ainda detém várias construções do século XIX, algumas em bom estado de conservação, mas outras em progressivo estado de deterioramento, afetando a segurança das pessoas e o aspecto visual da cidade. Em contraponto o tombamento individual de construções se mostra efetivo, como o caso do Casarão do Capitão Henrique cujo tombamento foi anunciado pelo IEPHA em 23 de março de 2010.[12]

Oliveirenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fonseca, Luiz Gonzaga da: História de Oliveira, Edição Centenário, 1961

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa de População para 1º de julho de 2013 Estimativa de População 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de agosto de 2013). Página visitada em 2 de setembro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 20 out. 2013.
  6. Câmara de Vereadores de Oliveira.
  7. População Economicamente Ativa IpeaData.
  8. Estatísticas de eleitorado TRE: Eleições 2012.
  9. Tempo Agora - Climatologia em Oliveira, MG.
  10. Infográficos: Evolução populacional e pirâmide etária - IBGE, 2010. Página visitada em 20-10-2013.
  11. Mapa da miséria e da desigualdade econômica no Brasil - O Estado de São Paulo. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  12. Ruínas de casarão em Oliveira tem tombamento definitivo do Iepha/MG - IEPHA, 24 de março de 2010. Página visitada em 25-3-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.