Panteão dos Braganças

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portões de entrada do Panteão
Vista geral do interior do Panteão

O Panteão Real da Dinastia de Bragança, situado no mosteiro da Igreja de São Vicente de Fora em Lisboa, é o lugar onde se encontram os restos mortais de muitos dos monarcas, príncipes reais e infantes da quarta e última dinastia real portuguesa, ainda que a Dinastia de Bragança tenha ascendência na Casa de Avis, a segunda dinastia real portuguesa que governou Portugal de 1385 a 1580.

A soberania da Casa de Bragança no reino de Portugal (existente até 1910) e no império ultramarino português, foi iniciada pelo rei D. João IV de Bragança e tendo como seu último rei D. Manuel II, por via da proclamação da República Portuguesa, em 5 de outubro de 1910.

O Panteão situa-se hoje no antigo refeitório do mosteiro. Seus túmulos são em maioria gavetões de mármore situados nas laterais da grande sala que ocupa, os dos monarcas portugueses são ornados com coroas na parte superior e os nomes e títulos dos seus ocupantes gravados em letras douradas na parte frontal.

Destacam-se os túmulos de D. João IV, de D. Manuel II, da rainha D. Amelia de Orleães, de D. Carlos I, do príncipe herdeiro D. Luís Filipe.

O Panteão está aberto a visitas, incluídas no roteiro do Mosteiro. Alguns Braganças que não estão lá sepultados são: D. Maria I, que se encontra na Basílica da Estrela, D. Pedro IV, rei de Portugal e Imperador do Brasil como D. Pedro I, que foi trasladado do Panteão para o Monumento do Ipiranga em São Paulo, Brasil, e cujo coração se encontra na capela-mor da Igreja da Lapa, na cidade do Porto, e a rainha D. Maria Pia de Saboia, que ainda jaz no Panteão dos Saboias, na Basílica de Superga em Turim, na região do Piemonte, Itália. O arranjo actual do panteão data de 1933, quando também se ergueu junto aos túmulos de D. Carlos I e de seu filho D. Luís Filipe uma estátua de uma mulher simbolizando a pátria a chorar pelos seus mártires, sendo que ambos foram assassinados no atentado republicano, em 1 de Fevereiro de 1908.

Enterros no Panteão Real da Casa de Bragança[editar | editar código-fonte]

Outros Enterros[editar | editar código-fonte]

Referências

  • Paulo Dias: "Real Panteão dos Bragança: arte e memória". Porto: Antília Editora, Dezembro de 2006. ISBN 972-99612-9-8.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Lista de sepultados no Panteão dos Braganças [1]

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Panteão dos Braganças