Carlos II da Romênia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos II
Rei da Romênia
Reinado 8 de junho, 19306 de setembro, 1940
Predecessor Miguel I
Sucessor Miguel I
Cônjuge Joana "Zizi" Lambrino
Helena da Grécia
Magda Lupescu
Descendência
Carlos Lambrino
Miguel I
Pai Fernando I
Mãe Maria de Edimburgo
Nascimento 15 de outubro de 1893
Sinaia, Romênia
Morte 4 de abril de 1953 (59 anos)
Estoril, Portugal
Enterro Monastério Ortodoxo Curtea de Argeş, Roménia

Carlos de Hohenzollern-Sigmaringen (em romeno: Carol Caraiman de Hohenzollern-Sigmaringen) GCBTO (Sinaia, 15 de outubro de 1893Estoril, 4 de abril de 1953), foi o quarto rei da Romênia. Filho mais velho do rei Fernando I e de sua esposa, a rainha Maria de Edimburgo, ele foi o primeiro membro da família real romena a ser batizado em um rito ortodoxo [1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família e vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Carlos (em primeiro plano, manejando uma metralhadora), então Príncipe Herdeiro, em treinamento durante a I Guerra Mundial.

Carlos nasceu no Castelo de Peleş, durante o reinado de Carlos I. Em novembro de 1914, pouco depois de completar 21 anos, passou a ocupar uma vaga no senado romeno - privilégio constitucional dos herdeiros presuntivos da coroa quando atingiam a maioridade [2] [3] . Conhecido mais pelas desventuras românticas do que por sua capacidade de liderança, Carlos casou-se em 31 de agosto de 1918 na Catedral de Odessa, na Ucrânia, com Joana Maria Valentino Lombrino, conhecida pelo apelido de Zizi, filha de um general romeno [4] . Esta união contrariava as leis romenas para casamentos reais, que proibiam o casamento de reis e príncipes herdeiros com mulheres de origem romena [4] . O casal teve apenas um filho, Mircea Gregor Carol Lambrino, e o casamento foi anulado por decisão do tribunal de Ilfov em 1919.

Casou-se novamente em 10 de março de 1921, em Atenas, com Helena de Grécia e Dinamarca, filha de Constantino I da Grécia e de Sofia da Prússia [5] . O casamento logo entrou em colapso devido ao envolvimento extraconjugal de Carlos com a católica Elena "Magda" Lupescu, filha de pai judeu e mãe católica romana [6] , que já havia sido casada com um oficial do exército [7] [8] .

Como consequência do escândalo, Carlos renunciou aos seus direitos ao trono em 28 de dezembro de 1925, em favor do príncipe Miguel (Mihai) [9] , seu filho com Helena, que tornou-se rei em julho de 1927. O Partido Nacional Camponês (PNŢ), de oposição ao governo, não aprovou a renúncia, alegando que o primeiro-ministro liberal Ion I. C. Brătianu - adversário político de Carlos - havia forçado o rei a excluir o filho da sucessão [10] . O casamento com a princesa Helena chegou ao fim em 1928, quando ela pediu o divórcio. Carlos teria ainda um casal de filhos com outra amante, Maria Martini, uma estudante de ensino médio [8] .

Carlos viveu comodamente no exílio entre Londres, Paris e as cidades turísticas da moda [11] . Durante esses anos, consolidou-se sua fama de dissoluto e mulherengo, personagem habitual da Imprensa Marrom [11] Houve quem se aproximasse dele visualizando a possibilidade de tê-lo como fundador de um novo sistema político na Romênia, alheio à democracia, mas os liberais que governavam o país se opuseram a tal ideia [11] .

Caráter[editar | editar código-fonte]

Apesar da fama de conquistador e playboy, Carlos mostrou, com o passar dos anos, ser um político astuto, alijando os partidos tradicionais do poder, mesmo sem demonstrar valor algum como estadista [12] . Com notável inclinação para o exercício do poder e parcas ideias políticas, Carlos não possuía conhecimento nem opinião própria sobre economia, o que fez com que buscasse apoio entre os industriais - que ganharam posições de destaque ao longo de seu reinado [12] .

Regresso e ascensão ao trono[editar | editar código-fonte]

Iuliu Maniu, principal político nacional-camponês, adversário de Carlos.

Em 6 de junho de 1930, Carlos desembarcou de surpresa em Bucareste [11] . Para sua coroação, contou com o apoio de amplos setores da sociedade, que desejava um monarca maduro, capaz de acalmar o cenário político interno [11] .

Prontamente, Carlos II demonstrou que sua ambição ia na contra-mão dos anseios populares, rodeando-se de industriais, banqueiros e políticos de direita, que ficaram conhecidos como Camarilă (A Camarilha) [13] . O rei converteu-se rapidamente no centro da vida política do país e iniciou sua estratégia de minar os partidos tradicionais, estimulando as dissidências internas e arregimentando os descontentes [13] .

Governos de transição e regresso dos liberais[editar | editar código-fonte]

Entre a renúncia de Iuliu Maniu, em outubro de 1930, e o regresso dos liberais ao poder, em novembro de 1933, a situação do país tornou-se mais confusa que o habitual [12] . A crise econômica assolava o país e o sistema político "semi democrático" começava a se desintegrar, fortalecendo os mov imentos extremistas [12] A tentativa de Carlos de reorganizar a vida política da nação, foi infrutífera [12] . Ele pensava que os partidos tradicionais haviam perdido sua razão e desejava substituí-los por elementos mais "modernos", introduzindo, a princípio, um governo de personalidades apartidárias [14] . Em 18 de abril de 1931, ele colocou suas ideias em prática, encarregando o famoso historiador Nicolae Iorga de formar um novo governo [14] . Imediatamente, Carlos anunciou sua intenção de presidir o Conselho de Ministros semanalmente [14] .

Logo surgiram os primeiros desentendimentos entre o rei e seu governo, devido à crise que obrigou a redução dos salários, medida a que Carlos se opôs, forçando a renúncia de Iorga em junho de 1932 [15] . Até o final de 1933, sucederam-se diversos gabinetes compostos pelos nacional-camponeses, que não conseguiram melhorar a situação política e econômica, gerando uma crise no partido [16] . Após cinco anos longe do governo, os liberais do Partido Nacional Liberal (PNL) regressaram, inicialmente com o efêmero Ion G. Duca - assassinado pela Guarda de Ferro em dezembro de 1933 - e, mais tarde, com Gheorghe Tătărescu, que conseguiu manter-se à frente do governo por quatro anos [17] .

Nos três anos que se passaram entre seu retorno à Romênia e sua ascensão ao trono, Carlos II não conseguiu estabelecer o governo de personalidades apartidárias que tanto desejava, mas aumentou consideravelmente sua influência na política nacional e iniciou a desintegração dos "partidos tradicionais", especialmente do PNŢ, mergulhado em profunda crise após anos no governo [18] .

Controvérsia na Copa do Mundo de 1930[editar | editar código-fonte]

Obcecado por futebol, escalou pessoalmente a Seleção Romena para a Copa do Mundo de 1930, entregando ao técnico do time uma lista com o nomes de todos os jogadores, titulares e reservas, que deveriam viajar ao Uruguai, país-sede da competição.[19]

O longo governo de Tătărescu[editar | editar código-fonte]

O rei monopolizava cada vez o poder político e permanecia desconfiando dos partidos [20] . Para fazer frente à crescente popularidade da formação fascista da Guarda de Ferro, criou sua própria organização juvenil, a Straja Ţării ("Guarda da Pátria"), em 1934, enquanto o governo adotou algumas das posturas típicas da extrema direita, aproveitando-se da popularidade desta corrente em todo o país, ainda mergulhado em graves problemas sociais (miséria componesa) e econômicos (Grande Depressão) [20] .

Inicia-se nessa época um esforço para a industrialização do país, para reverter o atraso do Estado e reduzir a população do campo, que vivia na pobreza [21] . Favoreceu-se, especialmente, indústria pesada, à custa do desenvolvimento rural - independentemente de sua relação com a agricultura -, ocupação da grande maioria da população [21] . Esta tendência fez com que a política nacional caminhasse para um regime corporativista [21] .

A industrialização também gerou uma corrupção generalizada e o controle pela Camarilha Real de grande parte da nova indústria do país - sem condições de competir com indústrias estrangeiras, mas protegidas pelo Estado [22] . A família real, com Carlos à frente, estava profundamente envolvida nas sociedades industriais [22] .

A política externa sofreu uma mudança em 1936: a despeito da tradicional proximidade com a França, principal apoiadora da Romênia durante a Primeira Guerra Mundial, o fracasso desta em frear o crescimento do poderio alemão, aliada à crescente incapacidade da Sociedade das Nações, fizeram com que Carlos substituísse seu ministro de relações exteriores, o pró-ocidente Nicolae Titulescu, e se encarregou pessoalmente de dirigir a política externa da nação, aumentando ainda mais seu poder político e consolidando suas tendências autoritárias [23] .

Fascismo real[editar | editar código-fonte]

O rei com sua amante e posterior esposa, Magda Lupescu.

Nas eleições de dezembro de 1937, a "Legião" alia-se a outros partidos para impedir que os liberais alcancem maioria absoluta no parlamento e atingem seu objetivo [24] . O rei, atraído pelo ideário de Codreanu, decide, no entanto, encarregar seus rivais do Partido Nacional Cristão, de Alexandru C. Cuza e Octavian Goga (9,7% dos votos), de compor um novo governo [24] . Sua amante judia e as duras críticas a seus colaboradores o afastam de Goga [24] .

O novo parlamento foi dissolvido e tomaram-se medidas repressivas para garantir a maioria do novo governo real e minar a força da "Legião" [24] . Foram aprovadas várias medidas contra os judeus (limitação da educação, cidadania, direito à propriedade, etc.) [24] .

Goga, no entanto, negocia com Codreanu, que decide não candidatar-se às novas eleições. O rei não aprova esta nova aliança entre os extremistas de direita e demite Goga.

Ditadura real[editar | editar código-fonte]

Eliminação da Guarda de Ferro e crise internacional[editar | editar código-fonte]

Em 11 de fevereiro de 1938, o rei suspendeu a constituição e proibiu a existência de partidos políticos, iniciando um regime de ditadura real que duraria até 5 de setembro de 1940. Carlos nomeou um governo fantoche chefiado pelo patriarca ortodoxo, que logo foi substituído por Armand Călinescu, homem forte do regime até seu assassinato, em setembro de 1939. O governo não respondia ao parlamento, mas ao rei, que podia promulgar decretos-lei [25] . Este regime foi descrito pelo embaixador alemão como nacionalista, cristão e antisemita [25] . O governo real adotou as características típicas dos regimes fascistas contemporâneos: partido único, uniformes militares, organizações juvenis nacionalistas controladas pelo governo, retórica conservadora e de renovação nacional, etc [24] . A Camarilha Real aumentou seu poder [26] .

Carlos II manteve na política externa sua postura de neutralidade entre as democracias ocidentais e governos fascistas, procurando reforçar as relações econômicas com a Alemanha, que adquiriram uma importância ainda maior após a anexação da Áustria [25] .

Poucas semanas após a implantação da ditadura, os dirigentes da Legião foram presos. Codreanu foi condenado em um julgamento arranjado onde, entretanto, a maioria das acusações eram verdadeiras [24] Centenas de seus correligionários foram enviados para campos de concentração [24] .

Corneliu Zelea Codreanu, dirigente da fascista Guarda de Ferro, que passou de favorecida a perseguida pelo rei. O próprio Codreanu foi assassinado a mando de Carlos II em 1938.

Em setembro, ante o Acordo de Munique, Carlos decidiu que, mesmo em caso de um ataque húngaro à Checoslováquia, a Romênia não sairia em auxílio desta, apesar de suas obrigações como aliados na Pequena Entente[27] , pois ele não pretendia um enfrentamento com a Alemanha [28] . Após a Alemanha apresentar a Checoslováquia como aliada no Acordo de Munique e de fazer concessões territoriais à vizinha Hungria - que estava em litígio com a Romênia pela Transilvânia desde a Primeira Arbitragem de Viena -, Carlos realizou uma viagem a Londres, Paris e Berlim, em novembro de 1938 [6] . Enquanto isso, a nova direção da Legião, apesar das advertências de Codreanu, deu início a uma campanha de atentados e violência, especialmente contra os judeus [24] . A tentativa de assassinato do reitor da Universidade de Cluj, familiar de Călinescu, juntamente com os temores pela ameaça revisionista insinuada por Adolf Hitler em novembro,[6] selaram o destino de Codreanu, que foi assassinado junto a outros membros da Legião na noite de 29 de novembro de 1938, nos arredores de Bucareste [24] . Foram enterrados numa prisão militar e divulgou-se a notícia de que haviam sido mortos quando "tentavam fugir" [24] . A ordem havia partido de Carlos a Călinescu na Checoslováquia, quando regressava de seu encontro com Hitler [6] .

Em março de 1939, ante a tensão internacional causada pela invasão da Bohemia e Morávia e pela ocupação húngara da Rutênia, Carlos decidiu acelerar as conversações econômicas com a Alemanha, cada vez mais influente no sudeste europeu, ao mesmo tempo em que incentivava os interesses anglo-franceses na região, tratando de manter sua política de equilíbrio entre as potências [29] .

Em 21 de setembro de 1939, três semanas após o início da Segunda Guerra Mundial, o primeiro-ministro Călinescu foi morto a tiros por seis membros da Guarda de Ferro, em uma emboscada [24] . As represálias foram terríveis: em cada província, três membros da Guarda deviam ser executados e várias dezenas foram assassinados nos campos de concentração [24] .

Mais perto do Eixo[editar | editar código-fonte]

Ion Gigurtu (à esquerda), último primeiro-ministro da ditadura de Carlos II e conhecido partidário da Alemanha, junto ao ministro das relações exteriores alemão, Ribbentrop, em julho de 1940.

O rei havia perdido seu homem de confiança e a situação internacional parecia dar razão aos extremistas que defendiam uma aproximação com as potências fascistas que, nesse momento estavam acabando com a resistência polaca, um dos mais próximos aliados da Romênia [24] . No final de setembro, lamentou a recusa britânica à proposta de paz de Hitler, convencido que estava da necessidade de união entre os dois países para frear o que considerava a principal ameaça para a Europa e a Romênia: a União Soviética [30] . Em seguida, procurou criar um bloco de países neutros e ofereceu sua mediação a Hitler para conseguir a paz entre este e o bloco anglo-francês, oferta que foi recusada [30] . A agrupação de nações neutras, que deveria ser dirigida pela Itália, fracassou devido à renúncia búlgara à união com seus vizinhos da Entente dos Balcãs [31] , prevendo possíveis anexações territoriais pela guerra [32] .

No início de janeiro, o novo governo começou a libertar os legionários detidos, um gesto de aproximação com o Eixo. Na primavera de 1940, lhes foi concedido uma anistia e eles foram incentivados a participar do governo [33] . Horia Sima, que sucedeu Codreanu como líder da Guarda de Ferro, convocou seus seguidores a unirem-se ao novo partido, criado pelo rei três dias antes do ultimatum soviético de 26 de junho de 1940, que obrigou a Romênia a ceder a Bessarábia [24] A previsível derrota da França em meados de maio fez com que Carlos declarasse ao embaixador alemão [34] : "O futuro da Romênia depende unicamente da Alemanha." Em 27 de maio de 1940, foi firmado um acordo entre alemães e romenos que estabelecia um intercâmbio de armamento alemão (principalmente material polonês apreendido) em troca do petróleo romeno a preços de 1938, o que aumentava o abastecimento alemão e frustrava as intenções dos ocidentais de evitar sua compra aumentando os preços - pelos quais a Alemanha, sem divisas, não poderia pagar [33] . Em 21 de junho, um dia antes da rendição francesa, Carlos criou um novo partido único, o Partido da Nação, que agregou os membros da Guarda de Ferro [35] .

Ante a exigência soviética de entrega da Bessarábia e do norte da Bucovina, Carlos decidiu, inicialmente, partir para o enfrentamento com os soviéticos [35] mas, após a negativa alemã de apoio no conflito, desistiu e aceitou o ultimatum [36] . No mesmo dia em que as tropas soviéticas entraram nessas regiões (28 de junho), a Guarda de Ferro ingressou no governo [24] .

A Romênia tratou, então, de promulgar medidas antijudias e contrárias aos britânicos para agradar a Alemanha, mas já era tarde. Na Segunda Arbitragem de Viena, a Romênia foi obrigada a ceder o norte da Transilvânia à Hungria e, logo após, o sul da Dobruja à Bulgária. A política do rei havia fracassado [24] .

Abdicação[editar | editar código-fonte]

Em 3 de setembro de 1940, o legionários se sublevaram em Bucareste, Braşov y Constança. Vitorioso nas províncias, o levante fracassou na capital, mas desencadeou grandes manifestações [24] . O rei se viu obrigado a pedir auxílio ao general Antonescu que, mesmo sendo um crítico do monarca, era o único que poderia assegurar-lhe o controle do exército, necessário para manter-se no poder. Antonescu deu-lhe seu apoio, mas exigiu sua abdicação [24] . Em 6 de setembro de 1940, Carlos II cedeu e partiu para o exílio com sua amante e um trem carregado de objetos de valor [24] . Seu filho, Miguel I, foi nomeado seu sucessor.

No momento de sua abdicação, Carlos era um dos principais industriais do país, com ações em 40 empresas e bancos romenos e alguns alemães, como AEG e Deutsche Bank [37] .

Exílio e morte[editar | editar código-fonte]

Carlos e Magda Lupescu se casaram no Rio de Janeiro, em 13 de junho de 1947. Nunca mais voltou a rever seu filho nem seu país. Morreu no exílio em Portugal, em 1953, aos 59 anos de idade.

Em fevereiro de 2003, próximo de se completar o cinquentenário de sua morte, os restos mortais de Carlos II, pai de Miguel I, foram repatriados de Portugal e sepultados no monastério ortodoxo Curtea de Argeş.

Referências

  1. King Carol II.
  2. Constitutiunea din 1866.
  3. "Ce citeau românii acum 68 de ani?" Ziua (29 novembro 2007).
  4. a b Easterman (1942), p. 34
  5. Easterman (1942), p. 37
  6. a b c d Veiga (1989), p. 190
  7. Easterman (1942), p. 36
  8. a b Quinlan, Paul D. (1995) The Playboy King: Carol II of Romania, Contributions to the Study of World History, No. 52. Westport, Connecticut: Greenwood Press. ISBN 0-313-29519-0
  9. Roberts (1951), p. 101
  10. Roberts (1951), p. 102
  11. a b c d e Veiga (1989), p. 106
  12. a b c d e Roberts (1951), p. 171
  13. a b Veiga (1989), p. 107
  14. a b c Roberts (1951), p. 172
  15. Roberts (1951), p. 173
  16. Roberts (1951), p. 174
  17. Roberts (1951), p. 175
  18. Roberts (1951), pp. 175, 176
  19. Celso Unzete. Livro de Ouro do Futebol. [S.l.]: Ediouro/Sinergia, 2009. ISBN 9788562540394.
  20. a b Roberts (1951), p. 189
  21. a b c Roberts (1951), p. 343
  22. a b Veiga (1989), p. 162
  23. Haynes (2000), p. 6
  24. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t Hans Rogger (Editor) Eugen Weber (Editor) (1974). The European Right. pp. 550-559. ISBN 978-0-520-01080-2
  25. a b c Haynes (2000), p. 47
  26. Haynes (2000), p. 84
  27. A Pequena Entente foi uma aliança criada em 1920-1921 entre três dos estados favorecidos pelo resultado da Primeira Guerra Mundial: Checoslováquia, Romênia e Jugoslávia.
  28. Haynes (2000), p. 53
  29. Haynes (2000), p. 76
  30. a b Haynes (2000), p. 120
  31. A Entente dos Balcãs foi um pacto firmado em 1934 entre Jugoslávia, Romênia, Turquia e Grécia para defender a integridade territorial desses países frente às pretenções expansionistas de Bulgária e Hungria. A Segunda Guerra Mundial a tornou sem efeito.
  32. Haynes (2000), p. 121
  33. a b Haynes (2000), p. 131
  34. Haynes (2000), p. 130
  35. a b Haynes (2000), p. 135
  36. Haynes (2000), p. 136
  37. Haynes (2000), p. 85

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Easterman, Alexander L. (1942). King Carol, Hitler, and Lupescu. Victor Gollancz Ltd. pp. 272. OCLC 4769487.
  • Haynes, Rebecca (2000). Romanian policy towards Germany, 1936-40. Palgrave Macmillan. ISBN 9780312232603.
  • Roberts, Henry L. (1951). Rumania: Political Problems of an Agrarian State. Yale University Press. pp. 414. ISBN 9780208006516.
  • Veiga, Francisco (1989). La mística del ultranacionalismo. Historia de la Guardia de hierro, Rumania, 1919-1941. Publicacions de la Universitat autònoma de Barcelona (Bellaterra). ISBN 9788474884975.

Nota[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carlos II da Romênia