Sheol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sheol, Xeol ou Seol, (pronunciado "Sheh-ol"), em Hebraico שאול (She'ol), é o "túmulo", ou "cova" ou "abismo"[1] [2] .

No Judaísmo She'ol[3] é o local de purificação espiritual ou punição para os mortos, um local o mais distante possível do céu. De acordo com a maior parte das fontes judaicas, o período da purificação ou punição é limitado a apenas doze meses e cada sábado é excluído da punição.[4] Após esse período, a alma irá acender ao Olam Habá, o mundo a vir, ou será destruída se for muito má[5] O local de purificação espiritual ou punição para os mortos maus não é chamado no Judaísmo de "Inferno", e sim por Gehinnom ou Sheol.[5] É um nome figurativo para um local onde se acreditava que eram reunidos os mortos.

A palavra "hades" (=submundo) substituiu "sheol" quando - por decreto - a escrituras hebraicas foram vertidas para o grego ( ver Septuaginta) na antiga Alexandria por volta do ano 200 A.C.

No Cristianismo Sheol é a destinação comum tanto dos homens corretos quanto dos incorretos, como apresentado no livro de Eclesiastes e no Livro de Jó. O Novo Testamento (escrito em grego) também usa "hades" para se referir ao mundo dos mortos. A crença de que aqueles no “sheol” esperavam a ressurreição tanto em conforto quanto em tormentos é refletida na história do Novo Testamento de Lázaro. Traduções inglesas das escrituras hebraicas traduziram de formas variadas o termo “sheol” por inferno"[6] ou por "o túmulo".[7]

Na Bíblia, o Seol (assim como o Hades, exceto em parábolas) tem o significado de "morte temporária (a morte atual da maioria dos humanos, que vai terminar com a ressurreição no dia do juízo).

Sheol na Bíblia Hebraica[editar | editar código-fonte]

Na Bíblia Hebraica, a palavra "sheol" ocorre mais de 60 vezes. Ela é usada mais freqüentemente nos Salmos e em outros livros sapienciais, além dos livros proféticos.

Jacó, não conformado com a relatada morte de José, exclama: "Eu descerei até meu filho enlutado no Sheol" (Livro do Gênesis 37:35).[8]

Outros exemplos desse uso:

  • Livro de Jó 7:9 "Assim como uma nuvem esvanece e some, aqueles que descem ao Sheol não voltarão."
  • Salmo 18:5-7 "5 Tristezas do Sheol me cingiram, laços de morte me surpreenderam. 6 Na angústia invoquei ao SENHOR, e clamei ao meu Deus; desde o seu templo ouviu a minha voz, aos seus ouvidos chegou o meu clamor perante a sua face..
  • Salmo 86:13: "Pois grande é a tua misericórdia para comigo; e livraste a minha alma das profundezas do Sheol”
  • Salmo 139:8: "8 Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no Sheol a minha cama, eis que tu ali estás também."
  • Livro de Jonas 2:2: “E disse: Na minha angústia clamei ao SENHOR, e ele me respondeu; do ventre do Sheol gritei, e tu ouviste a minha voz."
  • Livro dos Provérbios 30:16:"o Sheol, a madre estéril, a terra que não se farta d`água, e o fogo que nunca diz: Basta.”
  • Livro de Eclesiastes 9:4-6:"Pois, quanto àquele que está unido a todos os viventes, há confiança, porque melhor está o cão vivo do que o leão morto. 5 Pois os viventes estão cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada, nem têm mais salário, porque a recordação deles foi esquecida.6 Também seu amor, e seu ódio, e seu ciúme já pereceram, e por tempo indefinido eles não têm mais parte em nada do que se tem de fazer debaixo do sol."
  • Livro de Eclesiastes 9:10:"Tudo o que a tua mão achar para fazer, faze-o com o próprio poder que tens, pois não há trabalho, nem planejamento, nem conhecimento, nem sabedoria no Seol, o lugar para onde vais."

O conceito hebraico é paralelo àquele que existia sobre o submundo sumério, para o qual desce Inanna.

Perspectiva Histórica[editar | editar código-fonte]

De acordo com os professores Stephen L. Harris e James Tabor, Sheol é um lugar de “vazio” que tem suas origens na Bíblia Hebraica (ou Talmude).

"Os antigos Hebreus não tinha idéia de uma alma imortal tendo uma vida completa além da vida, nem de nenhuma ressurreição ou retorno da morte. Seres humanos, como os animais do campo, são feitos de “pó da terra” e na morte eles retornam ao pó (Gênesis 2:7; 3:19). A palavra hebraica Alma (Nephesh, Psyche), tradicionalmente traduzida por “alma viva”, mas mais adequadamente compreendida como “criatura vivente” é a mesma para todas as criaturas viventes e não se refere a nada imortal... Todos os mortos descem ao Sheol, e lá eles jazem no sono juntos. Seja bom ou mau, rico ou pobre, escravo ou liberto (Jó 3:11-19). Ele é descrito como uma região “escura e profunda", "a cova," e"a terra do esquecimento", interrupção da vida (Salmos 6:5; 88:3-12). Embora em alguns textos o poder de Javé possa alcançar o Sheol (Salmos 139:8), a idéia dominante é a de que os mortos são abandonados para sempre. Essa idéia do Sheol é negativa em contraste com o mundo da vida e da luz acima, mas não há noção de julgamento ou recompensa e punição. Se se encara situações extremas de sofrimento no mundo dos vivos acima, como aconteceu com Jó, o Sheol pode ser visto como um alívio bem-vindo à dor - basta ver o terceiro capítulo de Jó. Mas, basicamente, ele é um tipo de “nada”, uma existência que é praticamente uma inexistência, na qual a sombra do antigo ser próprio sobrevive. (Salmos 88:10)."[9]

Harris partilha observações similares em seu “Compreendendo a Bíblia”: “o conceito de punição eterna não ocorre na Bíblia Hebraica, que usa o termo Sheol para se dignar uma estreita região subterrânea onde os mortos, bons e maus, subsistem apenas como sombras impotentes. Quando os escribas judeus helenistas traduziram a Bíblia para o grego, eles usaram o termo “hades” para traduzir Sheol, trazendo uma associação mitológica completamente nova à idéia de existência póstuma. Nos mitos da Grécia Antiga, o Hades, nomeado a partir da deidade sombria que o reinava, era originalmente similar ao Sheol hebraico, um submundo escuro no qual todos os mortos, a despeito do mérito individual, eram indiscriminadamente colocados."[10] Enquanto alguns crentes da Bíblia acreditam que ela contenha uma doutrina do Inferno (a despeito do que eles possam pensar sobre a natureza do Inferno), as visões típicas de Harris e estudiosos histórico-críticos da Bíblia é que a doutrina muda pelo Livro, de acordo com a época que refletem.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A origem do termo sheol é obscura.

Uma teoria é que o Sheol é conectado ao ša'al, a raiz da palavra q significa "enterrar" e é portanto relacionada ao termo šu'al, isso é, "raposa" ou "enterrador".[11]

O estudioso da Bíblia William Foxwell Albright sugere que a raiz hebraica para SHE'OL é SHA'AL, que significa "perguntar, interrogar, questionar." John Tvedtnes, também um estudioso da Bíblia, conecta isso com o tema “experiência da proximidade da morte“, da interrogação da alma após cruzar o túnel.

No que diz origem não ao termo, mas ao conceito, a Jewish Encyclopedia (Enciclopédia Judaica) considera mais provável uma visão originada em conceitos animistas : "Com o corpo no túmulo permanece conectada a alma (como nos sonhos): or mortos enterrados em covas familiares continuam a ter comunhão (comp. Jer. xxxi. 15). O Sheol é praticamente uma sepultura familiar em larga escala. Sepultaras eram protegidas por portões e setas; logo, o Sheol era guardado de forma similar. Os compartimentos separados eram desenvolvidos para clãs separados, sectos, e famílias, distinções nacionais e de sangue continuando com efeito até a morte. Que o Sheol seja descrito como subterrâneo não é senão a aplicação de um costume de tirar fora pedras de pessagens levando ao subterrâneo para o enterro."[12]

Sheol na Literatura Intertestamental[editar | editar código-fonte]

Livros deuterocanônicos[editar | editar código-fonte]

Em Eclesiásticos a visão do Sheol/Hades é similar àquela de Eclesiastes: "Quem irá louvar o mais Alto nos Céus, como fazem aqueles que estão vivos e agradecem? Dos mortos, como daqueles que não existem, o agradecimento cessou; Aquele que está vivo canta a glória do Senhor. (Eclesiásticos 7:27-28)

Manuscritos do Mar Morto[editar | editar código-fonte]

Ainda há debates a respeito das visões da comunidade de Qumran em relação ao Hades, e se seus textos refletem uma visão consistente.[13]

Pseudoepígrafos[editar | editar código-fonte]

Visitas ao Hades são um tema comum de vários pseudoepígrafos. Por exemplo:

  • O Livro de Enoque (160 a.C.) presumivelmente registra a visão de Enoque do cosmos. O autor descreve o Sheol como dividido em quatro seções: uma onde os santos fiéis aguardam o Dia do Julgamento, uma onde os bons moderados aguardam sua recompensam, outra onde os maus são punidos e aguardam seu julgamento na ressurreição, e a última onde os maus que não tem perspectiva de ressurreição sofrem tormentos.
  • OApocalípse de Sofonías (1000 a.C. - 70 d.C.) também representa o Sheol.

[14]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Strong's Hebrew and Greek Dictionaries and Strong's Concordance
  2. "Palavra hebraica de etimologia incerta (ver Sheol, Visão crítica), sinônimo de “cova“, "abandono" e destruição e talvez "tehom" (abismo)." SHEOL websourced 02-10-2010.
  3. Search Results. Visitado em 2 de Abril de 2010.
  4. "No judaísmo o local de punição é referido por Sheol." HELL - Judaism 101 websourced 02-10-2010.
  5. a b Search Results. Visitado em 2 de Abril de 2010.
  6. e.g. King James Version
  7. e.g. New International Version.
  8. "Graves were protected by gates and bolts; therefore Sheol was likewise similarly guarded. The separate compartments are devised for the separate clans, septs, and families, national and blood distinctions continuing in effect after death. That Sheol is described as subterranean is but an application of the custom of hewing out of the rocks passages, leading downward, for burial purposes." SHEOL - JewishEncyclopedia websource 02-10-2010.
  9. What the Bible says about Death, Afterlife, and the Future, James Tabor
  10. Understanding the Bible: the 6th Edition, Stephen L Harris. (McGraw Hill 2002) p 436.
  11. Brief Communications. "The Original Meaning of Sheol." Journal of Biblical Literature, Vol. 36, No. 3/4, (1917): 258.
  12. Sheol
  13. Maxwell J. Davidson Angels at Qumran: a comparative study of 1 Enoch 1-36, 72-108 and sectarian Writings from Qumran. JSP Supplement. Series 11. Sheffield: JSOT Press, 1992. p.92
  14. James H. Charlesworth, The Old Testament Pseudepigrapha Doubleday, 1983

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Coogan, Michael D.. The Old Testament- a Historical and Literary Introduction to the Hebrew Scriptures. [S.l.]: Oxford University Press, 2005. ISBN 0-19-513911-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Sheol entry in Jewish Encyclopedia

Ver também[editar | editar código-fonte]