Torrão (Alcácer do Sal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Torrão  
—  Freguesia  —
Vista da vila desde a Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso
Vista da vila desde a Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso
Brasão de armas de Torrão
Brasão de armas
Torrão está localizado em: Portugal Continental
Torrão
Localização de Torrão em Portugal
38° 17' 34.3" N 8° 13' 34.7" O
País  Portugal
Região Alentejo
Sub-região Alentejo Litoral
Antiga província Baixo Alentejo
Distrito Setúbal
Concelho ASL1.png Alcácer do Sal
 - Tipo Junta de freguesia
Área [1]
 - Total 372,39 km²
População (2011)
 - Total 2 295
    • Densidade 6,2/km2 
Gentílico: torranense
Código postal 7595
Orago Nossa Senhora da Assunção
Sítio www.torrao.freguesias.pt

Torrão é uma freguesia portuguesa do concelho de Alcácer do Sal, distrito de Setúbal. Situada praticamente na união dos distritos de Setúbal, Évora e Beja, esta é a sexta maior freguesia de Portugal, em termos de área.[1]

A freguesia, com 372,39 km² de área[1] e 2295 habitantes (dados provisórios do Censos 2011),[2] atinge uma densidade populacional de 6,2/km².

A vila do Torrão, a sede da freguesia, teve Foral Manuelino[3] em 20 de Dezembro de 1512, tornando-se sede de um concelho.[carece de fontes?] Constituído, em 1801, pelas freguesias de Torrão, Odivelas e Santa Margarida do Sado, este concelho tinha 2413 habitantes e pertencia à Comarca de Setúbal.[4]

Durante século XIX, este concelho torranense foi integrado, no concelho de Alvito, pertencente ao Distrito de Beja, com a excepção de Santa Margarida do Sado que transitou para o Concelho de Ferreira (do Alentejo). No entanto, em 1871, a freguesia do Torrão passa a integrar o concelho de Alcácer do Sal, que fez parte do distrito de Lisboa até à criação do distrito de Setúbal. Pouco depois, em 1936, a freguesia de São Romão do Sado seria incorporada na do Torrão.[5] [6] [7] [8] [9]

A vila do Torrão é atravessada pela Estrada Nacional n.º 2 e tocada pelo rio Xarrama, que passa junto à vila, alimentando a jusante, a Barragem Engenheiro Trigo de Morais[10] [11] (antiga Barragem de Vale do Gaio) e desaguando no rio Sado, que atravessa a sudoeste a freguesia.

Brasão - escudo em prata, cruz da Ordem de Santiago de vermelho, entre dois feixes de um espiga de trigo, um ramo de oliveira e um ramo de sobreiro, tudo de verde, atados de vermelho; em ponta, livro aberto da prata, guarnecida e perfilado de vermelho, tendo brocantes duas penas de ouro passadas em aspa. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro, em maiúsculas: "TORRÃO – ALCÁCER DO SAL".
Bandeira - esquaterlada de vermelho e amarelo. Cordão e borlas de ouro e vermelho. Hasta e lança de ouro.
Ordenação heráldica de Brasão e Bandeira[12]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

Torrão é uma das seis freguesias de Alcácer do Sal, localizando-se no sudeste deste concelho, na zona sul do distrito de Setúbal. A vila sede desta freguesia dista, em linha recta, 26,542 km da sede de concelho.[13]

Torrão e freguesias limítrofes.

Em tempos fazendo parte da antiga província do Baixo Alentejo, ao pertencer ao concelho de Alcácer do Sal, Torrão faz parte da região do Alentejo (NUTS II), mais concretamente ao Alentejo Litoral (NUTS III), apesar de não chegar a tocar no Oceano Atlântico[14] [15]

Nos limite da freguesia do Torrão, unem-se os distritos de Setúbal, Évora e Beja e consequentemente das NUTS III Alentejo Litoral, Alentejo Central e Baixo Alentejo.

Torrão é delimitado pelos concelhos de Viana do Alentejo, a nordeste, do distrito de Évora, por Alvito, a leste, e Ferreira do Alentejo, a sul, do distrito de Beja e por Grândola, a sul e a oeste, ainda no distrito de Setúbal.

Mais concretamente, ao nível das freguesias, Torrão faz fronteira, apenas com uma freguesia do seu concelho, Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana (anteriormente com a extinta Santiago), a noroeste. A nordeste, a freguesia torranense está limitada pela freguesia de Alcáçovas, concelho de Viana do Alentejo, distrito de Évora. Já a leste surge o distrito de Beja e a freguesia de Vila Nova da Baronia, concelho de Alvito, seguindo-se a sul Odivelas, concelho de Ferreira do Alentejo. Ainda a sul o limite é a freguesia de Azinheira dos Barros e São Mamede do Sádão e, já a oeste, Grândola e Santa Margarida da Serra (anteriormente com a extinta Grândola), ambas no concelho de Grândola.

Em 2012, a freguesia do Torrão era a terceira maior de Portugal com 37 238,8 hectares (370 km²). Torrão só era superada em termos de área pela também salaciense Santa Maria do Castelo, com 435,31 km² e pela albicastrense Penamacor com 373,50 km², ficando à frente dos 363,90 km² da também sadina Grândola.[16]

Já em 2013, devido à reforma administrativa nacional,[17] Torrão passou a ser, em termos de área, a sexta maior freguesia do país.[1]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População da freguesia do Torrão.
(Valores de São Romão do Sado adicionados)
 
 
 
 
 
2876
 
 
 
 
 
3034
 
 
 
 
 
3092
 
 
 
 
 
2919
 
 
 
 
 
3003
 
 
 
 
 
3131
 
 
 
 
 
4046
 
 
 
 
 
4065
 
 
 
 
 
5450
 
 
 
 
 
6581
 
 
 
 
 
6120
 
 
 
 
 
6088
 
 
 
 
 
3399
 
 
 
 
 
3454
 
 
 
 
 
2982
 
 
 
 
 
2758
 
 
 
 
 
2295

Em 1801, a freguesia do Torrão tinha 1686 habitantes nos seus limites e, juntamente com as freguesias de Odivelas e Santa Margarida do Sado, compunha o Concelho do Torrão, de 2413 habitantes. Este concelho pertencia à Comarca de Setúbal, na Província da Estremadura. Na altura, a então freguesia de São Romão (do Sádão) fazia parte do Concelho de Alcácer do Sal e contabilizava 1190 residentes.[4]

Já em 1849, desagregado o concelho torranense, a freguesia do Torrão (1817 habitantes) já está integrada, juntamente com as freguesias de Odivelas, Alvito e Vila Nova da Baronia, no Concelho de Alvito, no Distrito de Beja, pertencente à Província do Alentejo. No mesmo distrito, o Concelho de Ferreira (do Alentejo) acolhia a freguesia de Santa Margarida do Sado. Nesta altura, a freguesia de São Romão (do Sádão) contabilizava 1217 habitantes e ainda pertencia ao Concelho de Alcácer do Sal, encontrava este agora no Distrito de Lisboa, ainda na Província da Estremadura.[18]

Passando para o ano 1868, a freguesia do Torrão, de 2088 habitantes, mantém-se integrada no Concelho de Alvito, no Distrito Administrativo de Beja. Nesta altura a freguesia de (São Romão do) Sádão, que contabilizava 1004 habitantes, ainda pertencia ao Concelho de Alcácer do Sal, que se encontrava no agora Distrito Administrativo de Lisboa.[19]

Quando chega o ano de 1878, a freguesia do Torrão, então com 2075 residentes, já pertencia ao Concelho de Alcácer do Sal, no Distrito Administrativo de Lisboa, tal como a freguesia São Romão do Sádão, e os seus 844 habitantes. A mudança deveu-se a um Decreto de 3 de Abril de 1871.[5] [9]

Mantendo-se no Concelho de Alcácer do Sal, no agora Distrito de Lisboa, ambas as freguesias continuam a ver a sua população aumentar. Em 1890, a freguesia do Torrão já conta 2203 habitantes e a de São Romão do Sádão, 800 residentes. Já em 1900, Torrão apresenta 2153 habitantes e a sua vizinha salaciana contava então 978 habitantes.[20] [21]

Aldeia de São Romão do Sado vista de norte.

Apesar de nos Censos entre 1911, 1920 e 1930 a freguesia de São Romão do Sádão aparecer anexada à freguesia do Torrão, a sua extinção oficial só é feita pelo Decreto-Lei n.º 27 424, de 31 de Dezembro de 1936, sendo incorporada na do Torrão.[6] [7] [8] [9]

No ano de 1930, o Concelho de Alcácer do Sal, já surge integrado no entretanto criado Distrito de Setúbal.[8]

Curiosamente no Censo de 1940, depois de extinta em 1936 e de vários Censos em que foi agrupada com a do Torrão, a agora freguesia de São Romão do Sado volta a surgir como freguesia autónoma, com 2092 habitantes, espalhados por vários locais como Algalé, Barragem de Vale de Gaio, Benagazil, Casa Branca, Crujeira Nova, Herdade dos Frades, Parchanas, Pontes, Portancho, Portinho, Porto de Rei, Quinta de Cima, Quinta de D. Rodrigo, Rio de Moinhos, Salema, Salema de baixo, Sanchares, São Bento, São Domingos, São Romão do Sado, Vale de Lachique, Vale de Romeiras, Várzea Redonda e Xamarrinha, para além de outros isolados e dispersos.[6] [7] [8] [22] [9]

Já a freguesia do Torrão, tinha 4489 habitantes em 1940, em localidades como Couvelo à Estrada das Barras, Herdade do Montinho Negro, Herdade da Pena, Herdade de Soberanas de Baixo, Monte do Outeiro, Monte da Serra, Nossa Senhora do Bom Sucesso, São Soeiro, Soberanas de Pinheiro, Torrão, Vale Bom, Vale de Médico e Vale de Paraíso de Baixo, entre outros.[22]

Chegado 1970, na freguesia do Torrão são identificados, no Censo, a vila do Torrão, com 2139 habitantes, a Aldeia de Rio de Moinhos, com 290 residentes e a Aldeia de São Romão que conta 57 habitantes. Para além da Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso, as restantes aglomerações estão denominadas de "Monte" com destaque para o Monte da Quinta de Cima, com 100 habitantes e o Monte das Parchanas, que contava 93 residentes.[25]

História[editar | editar código-fonte]

Património[editar | editar código-fonte]

Igreja Matriz do Torrão: Parte da fachada Sul e torre sineira

Dominado pelas construções religiosas, o património do Torrão remonta à pré-histórica Idade do Cobre, com passagem pela Império Romano.

Bens classificados[editar | editar código-fonte]

Em termos de património classificado pelo IGESPAR, a freguesia do Torrão tem cinco bens classificados de Interesse Público:

Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso (1758).
  • Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso (MIP) ou Capela de Nossa Senhora do Bom Sucesso. Esta ermida, incluindo a antiga casa dos romeiros, foi classificada de Monumento de Interesse Público em 2012.[34] Encontra-se numa colina sobranceira à vila. Foi fundada em 1758. É de destacar a pia baptismal, o Altar-Mor e a arte sacra no seu interior.
  • Ermida de São João dos Azinhais (MIP) ou Capela de Arranas. Apesar de se encontrar parcialmente em ruínas foi classificada de Monumento de Interesse Público em 2013. A sua origem remonta, pelo menos, ao século VII e ao domínio dos Visigodos.[35]

Outros bens[editar | editar código-fonte]

No Torrão há outros bens que estiveram com processo de classificação pelo IGESPAR:

  • Igreja de Nossa Senhora de Albergaria ou Igreja da Misericórdia do Torrão.[36]
  • Habitação na Rua das Freiras, n.º 8.[37]

Vestígios romanos[editar | editar código-fonte]

Para além das várias marcas de presença romana por estas paragens, como a Calçadinha Romana,[38] em 2009, no local onde iria ser construído o Centro Escolar do Torrão, numa área de dispersão de cerca de 500 m² foram encontrados um conjunto de tanques, cerâmica, uma cisterna e três esqueletos da época romana.[39]

Personalidades ilustres[editar | editar código-fonte]

  • Bernardim Ribeiro (1482? — 1552?), escritor renascentista com uma estátua em sua homenagem no centro da vila.
  • Maria Rosa Colaço (19352004), escritora ligada à literatura infantil, à ficção e ao teatro, cujo nome foi dado ao Pólo do Torrão da Biblioteca Municipal de Alcácer do Sal.[40]

Economia[editar | editar código-fonte]

Produtos regionais[editar | editar código-fonte]

São vários os produtos que podem ser genuinamente originados na freguesia do Torrão, que recebem protecção legislativa a nível nacional e, a maioria, da União Europeia, seja por DOP de Denominação de Origem Protegida, por IGP de Indicação Geográfica Protegida ou de VR Vinho Regional ou por ETG de Especialidade Tradicional Garantida.[41]

Azeite[editar | editar código-fonte]

Neste capítulo destaca-se naturalmente naturalmente o papel da Cooperativa Agrícola dos Olivicultores de Torrão.

Uma parte significativa da área da freguesia do Torrão, neste caso a única representante do concelho de Alcácer do Sal, está integrada na zonas de produção deste azeite.

Ainda em processo de registo a nível europeu.[46] Pertencendo ao concelho de Alcácer do Sal, a freguesia do Torrão faz parte de duas áreas geográficas de produção deste azeite.

Queijo[editar | editar código-fonte]

No concelho de Alcácer do Sal, apenas a freguesia do Torrão faz parte da área geográfica definida para a produção deste queijo de ovelha, uma área que chegou a ser denominada Região Demarcada.

Vinho[editar | editar código-fonte]

Todo o distrito de Setúbal, e consequentemente o Torrão, é a área geográfica de produção de vinícolas de Indicação Geográfica Protegida denominada de Península de Setúbal (IGP), que pode ser usada para a identificação de vinho branco, tinto, rosé ou rosado, frisante, espumante e licoroso e ainda vinagre de vinho. No entanto, as terras torranenses não fazem parte das zonas de produção dos vinhos de Denominação de Origem da Península de Setúbal (IGP), Palmela (DO)[50] e Setúbal (DO)[51]

De referir que a Península de Setúbal (IGP) veio substituir a área anteriormente denominada de zona do Vinho regional Terras do Sado (desatualizado).[52] sendo "Vinho regional" uma referência que dispensa a utilização de IGP - Indicação Geográfica Protegida.[53]

De notar ainda que a freguesia do Torrão não pertence à área de produção de indicação geográfica de Vinho regional Alentejano apesar de um mapa interactivo,[54] no sítio da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, dar a entender que a maior parte das terras torranenses, particularmente das situadas a sul da Estrada Nacional 5 e da Estrada Municipal 543 e a leste da Estrada Nacional 2, possam fazer parte desta área de produção. No entanto, a produção de "Vinho regional Alentejano" está restringido distritos de Beja, Évora e Portalegre.[55]

Bovinos[editar | editar código-fonte]

Pertencendo ao concelho de Alcácer do Sal, e ao distrito de Setúbal, a freguesia do Torrão faz parte de duas áreas geográficas de produção de carne de Denominação de Origem Protegida:

  • Carnalentejana (DOP), seja como "Carne de Vitela", "Carne de Vitelão", "Carne de Novilha", "Carne de Novilho", "Vaca" ou "Touro";[56]
  • Carne da Charneca (DOP), seja como "Carne de Vitela" ou "Carne de Novilho";[57]
  • Carne Mertolenga (DOP), seja como Carne de Vitela", "Carne de Novilha" ou "Carne de Novilho".[58]

Caprinos[editar | editar código-fonte]

A freguesia do Torrão é uma das freguesias de Álcácer do Sal que fazem parte da área da Indicação Geográfica Protegida deste cabrito.

Ovinos[editar | editar código-fonte]

No que diz respeito a este borrego, a freguesia do Torrão é a única do concelho de Alcácer do Sal a fazer parte da sua zona de Indicação Geográfica Protegida.

De notar ainda que no ano de 2002, a nível nacional, entrou em fase de pedido de registo para que a IGP do Borrego de Montemor-o-Novo passasse a incluir, entre outras, a freguesia do Torrão.[62]

Suínos[editar | editar código-fonte]

A freguesia do Torrão faz parte da área geográfica de produção da Denominação de Origem Protegida para o Porco Alentejano.

De notar ainda os presuntos e as dianteiras paletas, onde três referências[65] se destacam:

Caça[editar | editar código-fonte]

Uma vasta a área da freguesia do Torrão está ou esteve já constituída como zona onde se permite a caça, sendo exemplo:

  • Zona de caça municipal do Torrão, com a área de 2469 ha;[66] [67] [68] [69]
  • Zona de caça municipal de Porto d’El-Rei, com a área de 268 ha;[70]
  • Zona de caça turística:
    • da Herdade de Algalé, com 1486 ha;[71]
    • da Herdade Cortes da Venda, de 579 ha; [72]
    • das Cortes do Meio, com 287 ha;[73]
    • das Herdades de Murzela e Pampilhais, com 722 ha;[68]
    • de Valongo, com 903 ha;[69] [74]
  • Zona de caça associativa:
    • da Herdade de Vale de Ranas, com 391 ha;[68] [69]
    • da Herdade das Sesmarias da Francisca, com 263 ha;[75] [69]
    • das Cortes e Valbom, com 595 ha;[76]
    • Herdade das Parchanas e outras, com 1200 ha;[69] [77]
    • de Fontainhas e outras, com 2027 ha;[69] [78] [79]
    • da Herdade de Porto Carro, com 501 ha;[69] [80]
    • da Herdade de Benagazil, com 193 ha;[69] [81]
    • da Herdade de Portancho,com 474 ha;[69] [81]
    • de Rio de Moinhos com 1420 ha;[69] [82]
    • da Fonte do Paraíso I, com 455 ha;[69] [83]
    • da Fonte do Paraíso II, com 370 ha.[69] [84] [85]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Associativismo[editar | editar código-fonte]

  • Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Torrão.[87]
  • ADT - Associação para o Desenvolvimento de Torrão.[87]
  • Sociedade 1º de Janeiro Torranense.[87]
  • Associação Desportiva Torino Torranense.[87]
  • Rio de Moinhos Futebol Clube.[87]
  • Centro Social e Paroquial do Torrão.[87]
  • Centro Social de Rio de Moinhos.[87]
  • Santa Casa da Misericórdia do Torrão.[87]
  • Associação de Caçadores da Freguesia do Torrão.[75] [66] [67]
  • Clube de Caçadores e Pescadores da Ribeira do Sado.[81] [80] [88]
  • Associação de Caçadores do Bomsucesso.[89] [83] [84]
  • Associação de Caçadores de Vale da Ursa.[68]

Referências

  1. a b c d Instituto Geográfico Português. Carta Administrativa Oficial de Portugal 2013 (Áreas das freguesias, municípios e distritos da CAOP2013). Direção-Geral do Território. Página visitada em 28 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013.
  2. a b INE (2011) – Censo - Resultados provisórios - 2011. Freguesias (Censos 2011). Acesso 2012-08-22
  3. "Feira de Agosto no Torrão abre comemorações dos 500 anos do foral manuelino". Notícia in A Defesa. Acesso 2012-08-21
  4. a b c Luís Nuno Espinho da Silveira, coord. (2001) – "Os Recenseamentos da População Portuguesa de 1801 e 1849: Edição crítica, vol. I" (Censos 1801), pp. 193 e 192 (ficheiro: pp. 204 e 203). Acesso 2012-09-09
  5. a b c Estatística de Portugal (1881) – "População no 1.º de Janeiro 1878 (parte 2)" (Censos 1878), p. 201 (ficheiro: p. 13). Acesso 2012-09-09
  6. a b c d Direcção Geral da Estatística (1913) – "Censo da População de Portugal no 1.º de Dezembro de 1911 (5.º Recenseamento Geral da População). Parte I" (Censos 1911), p. 144 (ficheiro: p. 183). Acesso 2012-09-09
  7. a b c d Direcção Geral de Estatística (1923) – "Censo da População de Portugal no 1.º de Dezembro de 1920 (6.º Recenseamento Geral da População). Volume I" (Censos 1920), p. 112 (ficheiro: p. 163). Acesso 2012-09-09
  8. a b c d e Direcção Geral de Estatística (1933) – "Censo da População de Portugal no 1.º de Dezembro de 1930 (7.º Recenseamento Geral da População). Volume I" (Censos 1930), p. 160 (ficheiro: p. 162). Acesso 2012-09-09
  9. a b c d e f g h i j k l m INE (1964) – "X Recenseamento Geral da População no Continente e Ilhas Adjacentes às 0 horas de 15 de Dezembro de 1960. Tomo I, volume I" (Censos 1960), p. 77 (ficheiro: p. 103). Nota: Se hiperligação para descarregar o ficheiro não funcionar basta trocar o número "72846784" por "64578410" na mesma. Acesso 2012-09-09
  10. "Assim ficou cognominada 5 de Dezembro de 1951 a Barragem de Vale do Gaio" in Boletim Geral do Ultramar. Acesso 2012-08-22
  11. Atlas da Água do Sistema Nacional de Informação dos Recursos Hídricos (SNIRH). Acesso 2011-09-08
  12. DRE (23 de Dezembro de 1995) - "Diário da República III Série de 23/12/1995" com a Ordenação heráldica. (Aprovado em Assembleia de Freguesia a 27 de Setembro de 1995), p. 23 839 (ficheiro: p. 33). Acesso 2012-09-09
  13. Instituto Geográfico Português. Carta Administrativa Oficial de Portugal 2012.1 (Distâncias entre as Sedes de Freguesia e as Sedes de Município). Página visitada em 28 de Março de 2014. Cópia arquivada em 25 de Agosto de de 2012.
  14. Instituto Geográfico Português. Carta Administrativa Oficial de Portugal 2012.1. Página visitada em 28 de Março de 2014. Cópia arquivada em 25 de Agosto de de 2012.
  15. Decreto-Lei nº 68/2008 de 14 de Abril de 2008. Acesso 2012-08-15
  16. Instituto Geográfico Português. Carta Administrativa Oficial de Portugal (Áreas das freguesias, municípios e distritos da CAOP2012.1). Página visitada em 28 de Março de 2014. Cópia arquivada em 25 de Agosto de de 2012.
  17. Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro (Reorganização administrativa do território das freguesias) (pdf). Diário da República, 1.ª Série, n.º 19,. Diário da República Electrónico (2013-01-28). Página visitada em 2014-03-28.
  18. a b Luís Nuno Espinho da Silveira, coord. (2001) – "Os Recenseamentos da População Portuguesa de 1801 e 1849: Edição crítica, vol. III (Censos 1849), pp. 669-670, 737 (ficheiro: pp. 14-15, 82). Acesso 2012-09-09
  19. a b Estatística de Portugal (1868) – "População: Censo no 1.º de Janeiro 1864" (Censos 1864), pp. 17 e 143 (ficheiro: pp. 41 e 169). Nota: Censo de 1960 indicam um valor diferente para 1868: 3099 habitantes. Acesso 2012-09-09
  20. a b Direcção da Estatística Geral e Comércio (1896) – "Censo da População do Reino de Portugal no 1.º de Dezembro de 1890. Volume I" (Censos 1890), p. 160 (ficheiro: p. 279). Acesso 2012-09-09
  21. a b Direcção Geral da Estatística e dos Próprios Nacionais (1905) - "Censo da População do Reino de Portugal no 1.º de Dezembro de 1900 (Quarto recenseamento geral da população). Volume I" (Censos 1900), pp. 166 (ficheiro: pp. 176). Acesso 2012-08-21
  22. a b c INE (1945) – "VIII Recenseamento Geral da População no Continente e Ilhas Adjacentes em 12 de Dezembro de 1940. Volume XVII: Distrito de Setúbal" (Censos 1940), pp. 20 e 24 (ficheiro: pp. 25 e 29). Acesso 2012-09-09
  23. INE (1952) – "IX Recenseamento Geral da População no Continente e Ilhas Adjacentes em 15 de Dezembro de 1950. Tomo I" (Censos 1950), p. 206 (ficheiro: p. 208). Acesso 2012-09-09
  24. INE (1964) – "X Recenseamento Geral da População no Continente e Ilhas Adjacentes às 0 horas de 15 de Dezembro de 1960. Tomo II" (Censos 1960), p. 160 (ficheiro: p. 248). Acesso 2012-09-09
  25. a b INE (1975) – "11.º Recenseamento da População, 1.º Recenseamento da Habitação: População e Alojamento por lugares: distrito de Setúbal" (Censos 1970), pp. 7, 8 (ficheiro: pp. 884, 885). Acesso 2012-09-09
  26. INE (1983) – Censo - Resultados definitivos. Setúbal - (Censos 1981), p. 3 (ficheiro: p. 13). Acesso 2012-08-21
  27. INE Dados ao nível de subsecção estatística. Acesso 2012-08-22
  28. INE (1993) – "Censos 91: Resultados Definitivos – Região Alentejo" (Censos 1991), p. 16 (ficheiro: p. 14). Acesso 2012-09-09
  29. INE (2003) – "Censos 2001: Resultados definitivos: XIV Recenseamento Geral da População, IV Recenseamento Geral da Habitação: Alentejo" (Censos 2001), p. 104. Acesso 2012-09-09
  30. INE Dados ao nível de subsecção estatística. Acesso 2012-08-22
  31. Igreja de Nossa Senhora da Assunção, matriz de Torrão na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  32. Monte da Tumba na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  33. Igreja e Convento de São Francisco (Torrão) na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  34. Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  35. Ermida de São João dos Azinhais na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  36. Igreja de Nossa Senhora de Albergaria na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  37. Habitação na Rua das Freiras, n.º 8 na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural. Acesso 2014-03-14.
  38. Calçadinha Romana na base de dados SIPA do IHRU Acesso 2012-09-09.
  39. Notícia da Agência Lusa in Público de 2009-11-05. Acesso 2012-08-15
  40. "Biblioteca “Maria Rosa Colaço” abre as suas portas na vila do Torrão". Notícia in Rádio Mirasado de 2005-09-22. Acesso 2012-08-21
  41. Lista de Protutos Portugueses na Comissão Europeia. Acesso 2012-08-21
  42. Despacho n.o 15 983/2001, definindo o Azeite do Alentejo Interior DOP. Acesso 2012-08-21
  43. Mapa do CEPAAL - Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo. Acesso 2012-08-21
  44. Despacho n.º 14840/2012 de 9 de novembro, definindo o Azeite do Alentejo (IG). Acesso 2014-03-15.
  45. Caderno de Especificações do Azeite do Alentejo na Direção-geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Portugal. Acesso 2014-03-15.
  46. Azeite do Alentejo na Base de Dados DOOR da União Europeia. Acesso 2014-03-15.
  47. Decreto Regulamentar n.º 39/87 de 29 de Junho, definindo a Região Demarcada do Queijo Serpa. Acesso 2012-09-07
  48. Despacho 52/94 de 20 de Janeiro, definindo o Queijo Serpa DOP. Acesso 2012-09-07
  49. Portaria n.º 695/2009 de 29 de Junho, definindo a Península de Setúbal IGP. Acesso 2012-08-22
  50. Portaria n.º 783/2009 de 24 de Julho, definindo o Palmela (DO). Acesso 2012-09-07
  51. Portaria n.º 793/2009 de 28 de Julho, definindo o Setúbal (DO). Acesso 2012-09-07
  52. Portaria n.º 400/92 de 13 de Maio, (Revogada) definindo o Vinho regional Terras do Sado. Acesso 2012-09-07
  53. Designações Oficiais ligadas ao vinho no Instituto da Vinha e do Vinho. Acesso 2012-09-07
  54. Mapa Interactivo da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana. Acesso 2012-08-22
  55. Portaria n.º 276/2010 de 19 de Maio, definindo o Vinho regional Alentejano. Acesso 2012-09-07
  56. Despacho 5/94, de 04 de Janeiro, definindo a Carnalentejana. Acesso 2012-08-21
  57. Despacho nº 6641/98, de 23 de Março, definindo a Carne da Charneca. Acesso 2012-08-21
  58. Despacho nº 7/94 de 04 de Janeiro, definindo a Carne Mertolenga. Acesso 2012-08-21
  59. Cabrito do Alentejo na Base de Dados DOOR da União Europeia. Acesso 2014-03-15
  60. Despacho n.º 26308/2009, definindo o Cabrito do Alentejo IGP. Acesso 2012-09-07
  61. Despacho nº 94/96, de de 31 de Julho, definindo o Borrego do Baixo Alentejo IGP. Acesso 2012-08-21
  62. Aviso n.º 6801/2002 (2.ª série). — Pedido de registo de indicação geográfica para Borrego de Montemor-o-Novo IGP. Acesso 2012-09-07
  63. Despacho nº 94/96, de de 31 de Julho, definindo o Borrego do Baixo Alentejo IGP. Acesso 2012-09-07
  64. Despacho nº 5084/99, de 22 de Janeiro, definindo o Carne de Porco Alentejano DOP. Acesso 2012-08-21
  65. Despacho n.o 4597/2005 (2.a série), define vários produtos suínos. Acesso 2012-08-21
  66. a b Condições de Candidatura e de Exercício da Caça em Zona de Caça Municipal. Época venatória 2010/2011. Acesso 2012-08-21
  67. a b Portaria n.º 269/2005, de 17 de Março, que cria a zona de caça municipal do Torrão. Acesso 2012-08-21
  68. a b c d Despacho n.º 373/2011/ZC, de 2011-08-12, relativo a 3 zonas de caça. Acesso 2012-08-21
  69. a b c d e f g h i j k l Pesquisa de Zonas de Caça no Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P.. Acesso 2012-08-21
  70. Despacho n.º 356/2012/ZC, de 2012-08-16. Criação da zona de caça municipal de Porto d’El-Rei. Acesso 2012-08-21
  71. Despacho n.º 248/2012/ZC, de 2012-06-27. Anexação de prédio rústico à zona de caça turística da Herdade de Algalé. Acesso 2012-08-21
  72. Despacho n.º 126/2011/ZC, de 2011-03-21, relativo a duas zonas de caça. Acesso 2012-08-21
  73. Despacho n.º 254/2011/ZC, de 2011-05-31. Concessão da zona de caça turística das Cortes do Meio. Acesso 2012-08-21
  74. Portaria n.º 7/2011 de 6 de Janeiro. Concessão. Acesso 2012-08-21
  75. a b Portaria n.º 984/2010 de 27 de Setembro. Acesso 2012-08-21
  76. Portaria n.o 942/2000 de 3 de Outubro. Acesso 2012-08-21
  77. Portaria n.º 540/92, de 23 de Junho. Acesso 2012-08-21
  78. Portaria n.º 666/95 de 27 de Junho. Acesso 2012-08-21
  79. Portaria n.º 567/2004 de 26 de Maio. Renovação. Acesso 2012-08-21
  80. a b Portaria n.º 832/2010 de 1 de Setembro. Renovação. Acesso 2012-08-21
  81. a b c Portaria n.º 846/2010 de 6 de Setembro. Acesso 2012-08-21
  82. Portaria n.º 560/2000 de 4 de Agosto. Acesso 2012-08-21
  83. a b Portaria n.º 709/2004 de 24 de Junho. Acesso 2012-08-21
  84. a b Portaria n.º 702/2004 de 24 de Junho. Acesso 2012-08-21
  85. Portaria n.º 289/2006 de 22 de Março. Anexação. Acesso 2012-08-21
  86. Informação sobre o Museu Etnográfico do Torrão na Turismo Alentejo. Acesso 2012-08-15
  87. a b c d e f g h Pré-diagnóstico da Rede Social de Alcácer do Sal do Conselho Local de Acção Social de Alcácer do Sal. Acesso 2012-08-21
  88. Diário da República, 2.a série — N.o 226 — 23 de Novembro de 2007. Página 34 123. Alteração estatutária. Acesso 2012-08-21
  89. Constituição da Associação em 2003.Página 5. Acesso 2012-08-21

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas


Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.