Wilma de Faria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wilma Maria de Faria
Wilma de Faria em campanha para o Senado Federal em 2010.
Vice-prefeita de  Natal
Mandato 1 de janeiro de 2013
em exercício
Antecessor(a) Paulinho Freire
54.º Governadora do  Rio Grande do Norte
Mandato 1 de janeiro de 2003
31 de março de 2010
Antecessor(a) Fernando Freire
Sucessor(a) Iberê Ferreira
Prefeita de  Natal
Mandato - 1 de janeiro de 1989
até 1 de janeiro de 1993
- 1 de janeiro de 1997
até 5 de abril de 2002
Antecessor(a) 1º mandato: Garibaldi Alves Filho
2º mandato: Aldo Tinoco
Sucessor(a) 1º mandato: Aldo Tinoco
2º mandato: Carlos Eduardo Nunes Alves
Vida
Nascimento 17 de fevereiro de 1945 (69 anos)
Mossoró, RN
Dados pessoais
Partido PDS (1983-1988)
PDT (1988-1994)
PSB (1994-presente)
Profissão Professora

Wilma Maria de Faria (Mossoró, 17 de fevereiro de 1945) é uma professora e política brasileira. Foi a primeira mulher a governar o estado do Rio Grande do Norte, filiada ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), e é a atual vice-prefeita de Natal.

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, onde é professora (licenciou-se para exercer o cargo de Governadora) do Departamento de Educação do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Wilma de Faria iniciou sua vida pública em 1979 ao ser nomeada para a presidência do MEIOS – Movimento de Integração e Orientação Social - pelo Governador do Rio Grande do Norte e, à época, seu marido, Lavoisier Maia. À época atendia pelo nome de Wilma Maia.

Em 1983, Wilma de Faria assume a Secretaria de Trabalho e Bem-Estar Social durante o primeiro governo de José Agripino Maia, cargo do qual se desvencilhou em 1985 quando, filiada ao PDS, disputa a sua primeira eleição e perde a prefeitura de Natal para o então deputado estadual Garibaldi Alves Filho. Em 1986 é eleita deputada federal a atua na Assembléia Constituinte. Seus votos em temas relacionados a direitos sociais e dos trabalhadores fizeram-na figurar entre os deputados nota 10, distinção concedida pelo Departamento Intersindical de Assuntos Parlamentares (DIAP).

Em 1988, Wilma já estava filiada ao PDT e vence a eleição para a prefeitura de Natal cumprindo um mandato de quatro anos ao final do qual, com a sua popularidade em alta, consegue eleger Aldo Tinoco como seu sucessor em 1992 quando já estava separada de Lavoisier Maia, fato esse que culminou no seu ingresso ao PSB. Em 1994, disputa a eleição para governador e fica em quarto lugar. Em 1996, já rompida politicamente com Tinoco, volta a disputar a Prefeitura de Natal com o apoio de José Agripino Maia e vence novamente.

Wilma de Faria em 2006.

Em 1998, rompe politicamente com José Agripino Maia e em 2000 recebe o apoio do então governador Garibaldi Alves Filho na sua reeleição para a Prefeitura de Natal. Em abril de 2002, renuncia à prefeitura para disputar o governo do estado, sendo eleita com 820.541 votos, correspondentes a 61,05% dos votos válidos.

Em 2006, candidata- se à reeleição para governadora, junto com o parceiro de chapa, Iberê Ferreira de Sousa. Numa disputa histórica com Garibaldi Alves, venceu no segundo turno com 824.101 votos, correspondentes 52,38% dos votos válidos.

Em 2008 através da Operação Hígia da Polícia Federal viu seu filho ser preso junto com outros integrantes do governo suspeitos de desviar R$ 36 milhões.[1] [2]

Ao fim de março de 2010, Wilma de Faria decidiu renunciar ao governo do Rio Grande do Norte e deixá-lo a cargo de seu vice, Iberê Ferreira, para que pudesse se candidatar a senadora nas eleições gerais de 3 de outubro do mesmo ano. Em 31 de março de 2010, Wilma renunciou oficialmente ao governo do Estado.[3]

Foi a 3ª colocada nas eleições em 2010 para senadora com 651.358 votos (21,89% dos válidos), tendo sido derrotada pelo peemedebista Garibaldi Alves Filho – o 1° colocado, reeleito com 1.042.272 votos (35,03% dos válidos) – e pelo democrata José Agripino – o 2° colocado, reeleito com 958.891 votos (32,23% dos válidos).

Na eleição municipal de Natal em 2012, Wilma de Faria era apontada como uma das principais candidatas a prefeita de Natal, pelo PSB. Em maio daquele ano, no entanto, desistiu de se candidatar à prefeitura para que seu partido apoiasse a candidatura de Carlos Eduardo Alves, do PDT.[4] Em junho, o apoio foi concretizado com a confirmação de que Wilma sairia como candidata a vice-prefeita na chapa de Carlos Eduardo.[5] Na eleição de 7 de outubro, Carlos Eduardo foi para o segundo turno contra Hermano Moraes, do PMDB, vindo a se eleger prefeito de Natal no segundo turno, em 28 de outubro. Dessa forma, Wilma foi eleita vice-prefeita da cidade.[6]

Referências

  1. PF prende filho da governadora do RN suspeito de fraude.
  2. Governadora se diz "surpresa" com prisão de seu filho.
  3. Wilma comunica renúncia e Iberê assumirá governo
  4. Tribuna do Norte. Wilma oficializa hoje que não é candidata à Prefeitura 23 de maio de 2012. Página visitada em 20 de outubro de 2012.
  5. Tribuna do Norte. Wilma confirma que será vice de Carlos Eduardo 23 de junho de 2012. Página visitada em 20 de outubro de 2012.
  6. G1 RN (28 de outubro de 2012). Carlos Eduardo é eleito prefeito de Natal G1.globo.com. Página visitada em 3 de janeiro de 2013.


Precedido por
Garibaldi Alves Filho
Prefeita de Natal
1989 - 1992
Sucedido por
Aldo Tinoco
Precedido por
Aldo Tinoco
Prefeita de Natal
1997 - 2002
Sucedido por
Carlos Eduardo Nunes Alves
Precedido por
Fernando Freire
Governadora do Rio Grande do Norte
2003 - 2010
Sucedido por
Iberê Ferreira
Precedido por
Paulinho Freire
Vice-prefeita de Natal
2013 - atualidade
Sucedido por