Xangri-lá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Xangri-lá
Bandeira desconhecida
Brasão de Xangri-lá
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Fundação 26 de março de 1992 (22 anos)
Gentílico xangrilense
Prefeito(a) Cilon Rodrigues da Silveira (PDT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Xangri-lá
Localização de Xangri-lá no Rio Grande do Sul
Xangri-lá está localizado em: Brasil
Xangri-lá
Localização de Xangri-lá no Brasil
29° 48' 03" S 50° 02' 38" O29° 48' 03" S 50° 02' 38" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008[1]
Microrregião Osório IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Maquiné, Osório
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 60,950 km² [2]
População 12 405 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 203,53 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,811 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 146 001,614 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 12 804,91 IBGE/2008[5]
Página oficial

Xangri-lá é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. Localizada na Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre e na Microrregião de Osório.

História[editar | editar código-fonte]

O município foi criado em 26 de março de 1992, através da Lei nº 9612, tendo como município de origem Capão da Canoa.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 29º48'03" sul e a uma longitude 50º02'37" oeste. O município possui uma área de 60,362 km².

Sua população estimada em 2004 era de 9 693 habitantes, com densidade demográfica de 161,1 hab/km².

A taxa de analfabetismo em 2000 era de 5,08 %. A expectativa de vida ao nascer em 2000 era de 74,05 anos; o coeficiente de mortalidade infantil em 2004 era de 6,02 por mil nascidos vivos; o PIBpm em 2003 era de R$ 71.335; o PIB per capita em 2003 era de R$ 7.619.

A Alameda Picles é a segunda alameda no sentido do município de Remanso ao de Capão da Canoa. É formalmente denominada Alameda Taquari-Mirim, mas esta denominação caiu em desuso, apesar dos esforços da prefeitura, que fixou nela uma placa com o nome menos conhecido.

Ela é delimitada a leste pelo quartel da Brigada Militar do município, a oeste pela Avenida Paraguasu, ao sul, na Rua Rio da Várzea, pelo Cordeiro.

A alameda é composta de três regiões distintas. A primeira, mais a leste, serve primordialmente de passagem a transeuntes que se dirigem ao mar, mas ocasionalmente é utilizada como estacionamento, como evidenciam as freqüentes marcas de pneus. Há também um banco, onde ocorreram alguns acalques de menor importância na história da cidade. A parte do meio é onde um outrora muito unido, atualmente segregado, grupo de mais de trinta mil moradores e veranistas se reúne nas noites de verão. Há capacidade para, aproximadamente, mais dez mil, embora o crescimento do grupo haja estagnado. A região oeste da alameda é, assim como o outro extremo, mal iluminada à noite, e tem função de passagem a pedestres. Nesta região há uma delegacia de polícia. A porção central (Latitude -29.8076642398, longitude -50.0425336266) é a mais popular. Mais precisamente, é a região que divide a Rua Rio da Várzea. Possui uma cancha de bocha em boas condições onde, durante o veraneio, geralmente é ocupada pelos freqüentadores seniores da alameda, exímios jogadores de bocha, durante os fins de tarde.

Praias[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]