Ammit

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Amemait
Hieróglifos egípcios
D36 m F10 m&t A14
Z2
papiro com a imagem de Ammit mostrando traços leoninos.

Ammit ( /ˈæmɪt/; "devorador" ou "comedora de almas"; também soletrado Ammut, Amut ou Ahemait) , na mitologia egípcia, era um demónio fêmea na religião no Antigo Egito, a personificação da retribuição divina para todos os males realizados em vida. Ammit devora aqueles que eram julgados como pecadores, punindo os que não eram aceites em Amenti. Uma fera com corpo misto de leão, hipopótamo e crocodilo — os três maiores animais "comedores de homens" conhecidos pelos antigos egípcios.

Era conhecida como o "Devorador de Corações", "O Devorador" e "Grande Morte" porque ser um demónio de punição, uma divindade . O cão do salão do julgamento dos mortos que, por suas vezes , após a morte eram julgados sua bondade por meio do seu coração na balança de Osíris e dado o peso equivalente a seus atos em vida. Se o coração do falecido pesasse mais que uma pena de avestruz, símbolo de Ma'at, personificação da verdade e da justiça, a fera devorava o seu corpo, destruindo por completo a sua imagem. Sendo considerada culpada, a alma era destruída por Ammit, devorada e engolida, deixando definitivamente de existir.[1] Existem papiros de autores desconhecidos que contêm orações para deixá-lo longe na hora.

Referências

  1. Campos, Kleber Garcia. Egito Raízes perdidas da sabedoria cristã Editora Baraúna [S.l.] p. 62. ISBN 8579239281. 


Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia egípcia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.