Hu (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde setembro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Hu "ḥw" em hieroglifos é
H w R8

Na Mitologia egípcia, Hu (ḥw) é a divinização da primeira palavra, a palavra da criação, que Atum disse ter exclamado enquanto ejaculava ou, alternativamente, sua auto-castração, em seu ato masturbatório de criação da Enéada.

Hu e Renenutet

Hu também é mencionado no Textos das Pirâmides do Antigo Império (PT 251, PT 697) como companhia do defunto do faraó. Junto com Sia, era descrito na comitiva de Thot, com o qual é ocasionalmente identificado.

No Império Médio, todos os deuses participaram em Hu e Sia, e foram associados com Ptah que criou o universo proferindo a palavra da criação. Hu era retratado em forma humana, como um falcão ou como um homem com cabeça de carneiro.

No Império Novo, Hu e Sia juntos com Heke, Irer e Sedjem faziam parte das quatorze forças criativas de Amun-Ra. No tempo do Egito Ptolemaico, Hu se fundiu com Shu (ar).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Wilkinson, R. H., Die Welt der Götter im Alten Ägypten. Glaube - Macht - Mythologie, Stuttgart 2003.