Heka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Heka
Nome nativo
HkA
Y1
Z3A40

ou
F22
R12
Portal:Antigo Egito


Heka ( /ˈhɛkə/; em egípcio: wikt:ḥkꜣ(w);[1] Copta: ϩⲓⲕ hik;[2] também transliterado Hekau) era a deificação da magia e da medicina no Antigo Egito.[3]

Crenças[editar | editar código-fonte]

Os Textos das Pirâmides do Antigo Reino descrevem ḥeka como uma energia sobrenatural que os deuses possuem. O "faraó canibal" deve devorar outros deuses para obter esse poder mágico. Eventualmente, Heka foi elevado a uma divindade por direito próprio e um culto dedicado a ele se desenvolveu. Pelos Textos dos Sarcófagos, diz-se que Heka foi criado no começo do tempo pelo criador Atum. Mais tarde Heka é descrito como parte do quadro da barca solar divina como um protetor de Osíris capaz de cegar crocodilos. Então, durante a dinastia ptolomaica, o papel de Heka era proclamar a entronização do faraó como um filho de Ísis, segurando-o nos braços.[4][5]

Referências

  1. «Projet Rosette - Dictionary detail». projetrosette.info. Consultado em 21 de setembro de 2017 
  2. «Coptic Dictionary Online». corpling.uis.georgetown.edu. Consultado em 21 de setembro de 2017 
  3. «Heka, god of Egypt». landofpyramids.org. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  4. Hart, George (2005). The Routledge Dictionary of Egyptian Gods and Goddesses. [S.l.]: Psychology Press. p. 66. ISBN 978-0415344951. Consultado em 22 de junho de 2016 
  5. Dunand, Françoise; Zivie-Coche, Christiane (2004). Gods and Men in Egypt: 3000 BCE to 395 CE. [S.l.]: Cornell University Press. ISBN 978-0801441653