Avenida da Boavista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
PORTO
Avenida da Boavista
Av Boavista placa (Porto).JPG
Avenida da Boavista
Freguesia(s): Cedofeita; Massarelos; Lordelo do Ouro; Ramalde; Aldoar e Nevogilde
Lugar, bairro: Boavista
Início: Rua da Boavista
Término: Praça de Gonçalves Zarco
Comprimento: 5 500 m
Abertura: c. 1850-1917
Av Boavista (Porto).JPG
A Avenida da Boavista a meio do seu percurso em direcção ao mar.
Toponímia do Porto

A Avenida da Boavista é um arruamento que atravessa as freguesias de Cedofeita, Massarelos, Lordelo do Ouro, Ramalde, Aldoar e Nevogilde, da cidade do Porto, em Portugal.

Com cerca de cinco mil e quinhentos metros de extensão, é a mais longa avenida portuguesa, prolongando-se em linha recta desde o Hospital Militar do Porto até à Praça de Gonçalves Zarco, conhecida por Castelo do Queijo, designação popular do antigo forte de São Francisco Xavier, junto ao mar.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

A Avenida da Boavista foi buscar o seu nome à Rua da Boavista que tem o seu início na Praça da República.

História[editar | editar código-fonte]

Foi aberta em meados do século XIX, mas o último tramo entre a Fonte da Moura e o mar só foi terminado em 1917.

Até meados do século XX a avenida era uma autêntica alameda com duas filas de frondosos plátanos que acabaram por ser sacrificados para facilitar o trânsito automóvel. Alterações recentes e pontualmente polémicas têm conferido um novo visual à avenida, em que resistem alguns exemplares de boa arquitectura, mas de onde desapareceram muitas árvores do separador central.

Nova centralidade económica e cultural da cidade do Porto, ao longo da avenida há de tudo, edifícios de escritórios, hotéis, zonas comerciais, zonas de habitação — muitas delas luxuosas —, passando também por uma zona comercial, onde há das lojas mais conceituadas da cidade e do país.

Sucessivas construções em altura e estabelecimentos comerciais, de certo modo, descaracterizaram o longo e nobre eixo de comunicação, enriquecido, entretanto, pela instalação do Parque da Cidade, uma vastíssima área lúdica e de lazer desportivo.

Futuro[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2017, foi anunciado que a recuperação da Avenida da Boavista entre o Parque da Cidade e a Avenida Antunes Guimarães (na zona da Fonte da Moura), vai custar 4,2 milhões de euros e deve começar em 2018, demorando dois anos. O presidente da autarquia, Rui Moreira, revelou ter tudo pronto para lançar o concurso da obra, que será candidatada a fundos comunitários e permitirá juntar 760 metros aos 2,5 quilómetros recuperados por tramos desde 2005.

O projeto do arquiteto Rui Mealha prevê uma otimização dos semáforos para melhorar a mobilidade, o reperfilamento e repavimentação, o alargamento dos passeios, mais de 200 árvores, mobiliário urbano e um separador central com percurso da água (fruto do desentubamento da ribeira de Aldoar), partilhado por peões e bicicletas.

Vão manter-se 23 árvores, designadamente as "seis magníficas tílias" e alguns plátanos existentes no início nascente do tramo. No total, aquele troço vai ter mais de 200 árvores, sobretudo carvalhos.[1]

Pontos de interesse[editar | editar código-fonte]

Acessos[editar | editar código-fonte]

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Avenida da Boavista
Ícone de esboço Este artigo sobre toponímia, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Dois anos e 4,2 milhões para recuperar Avenida da Boavista»