Bianca Santana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bianca Santana
Nascimento 1984 (34 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Alma mater Faculdade Cásper Líbero
Ocupação jornalista, escritora, cientista social, feminista

Bianca Santana (São Paulo, de 1984) é uma escritora, cientista social, jornalista e taróloga brasileira.[1] É de sua autoria Quando me descobri negra,[2] um dos vencedores do Prêmio Jabuti em 2016, na categoria "Ilustração".[3]

Estudou Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, onde lecionou. É mestre em Educação pela Universidade de São Paulo. Em sua trajetória acadêmica, pesquisou os recursos educacionais abertos; sobre isso co-organizou "Recursos Educacionais Abertos:práticas colaborativas e políticas públicas".[4]

Foi considerada "mulher inspiradora" em 2015 e 2016, na área da literatura, pelo projeto feminista Think Olga.[5][6] É militante feminista.[7]

Referências

  1. «Profissão: taróloga. Mulheres contam como é trabalhar com a leitura de cartas. | CLAUDIA». CLAUDIA. 27 de setembro de 2016 
  2. Rodrigues, Cinthia (19 de novembro de 2015). «"Racismo sutil ainda é evidente para quem sofre" - Carta Educação». Carta Educação 
  3. «Ilustração - 58º Prêmio Jabuti 2016». 58º Prêmio Jabuti 2016. 7 de novembro de 2016 
  4. «INSTITUTO EDUCADIGITAL | Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas». www.educadigital.org.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  5. «Mulheres Inspiradoras de 2015 - e uma surpresa». Think Olga. 27 de novembro de 2015. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  6. «Mulheres Inspiradoras de 2016». Think Olga. 30 de novembro de 2016. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  7. «A história de Bianca Santana se repete com várias negras. - Raízes da África - Cada Minuto». www.cadaminuto.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.