Bnei Noah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

B'nei Noach (do hebraico בני נח, "Filhos de Noé") ou noaicos é o nome da tradição monoteísta de não-judeus que seguem os príncipios estabelecidos nas Sete Leis de Noé.[1] Tecnicamente o termo noaico designa todos os descendentes de Noé, portanto toda a população mundial pós-dilúvio, mas utiliza-se hoje especificamente em relação aos não-judeus que obedecem à estes príncipios. De acordo com a tradição judaica, os não-judeus não são obrigados a se converter ao judaísmo, mas requer-se que sigam as Leis de Noé.

Origens e definições[editar | editar código-fonte]

De acordo com a tradição judaica, todos os seres humanos são descendentes diretos de Noé e dos filhos deste, os sobreviventes do Dilúvio Universal (conforme visto em Gênesis). Estes sobreviveram através da instrução do Criador, tendo construído uma arca para refúgio, enquanto o restante da humanidade foi exterminada. Ao sairem da arca, o Criador estabeleceu com Noé e seus filhos uma aliança que envolvia, de acordo com o Talmud, a observância de sete leis básicas conhecidas como Leis de Noé, obrigatórias à toda humanidade. Posteriormente, Deus separou os judeus como povo sacerdotal e guardião da Torá, e por isso mesmo sujeitos a outros mandamentos além das Sete Leis de Noé.

As Sete Leis de Noach[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Leis de Noé

Estas são as Sete Leis de Noé:

  1. Avodah zarah – Não cometer idolatria.
  2. Shefichat damim - Não assassinar.
  3. Gezel - Não roubar.
  4. Gilui arayot - Não cometer imoralidades sexuais.
  5. Birkat Hashem - Não blasfemar.
  6. Ever min ha-chai - Não maltratar aos animais.
  7. Dinim - Estabelecer sistemas e leis de honestidade e justiça.

Lembrando que os filhos de Noé foram mencionados, explicitamente, na tradição judaica rabínica denominada de Talmud ou Lei Oral, e por Maimônides; e na Torá em Génesis 9.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Unterman, Alan (1992). Dicionário Judaico de Lendas e Tradições (Rio de Janeiro: Jorge Zahar). p. 193. ISBN 85-7110-243-0.  278 pp.
Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.