Careiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Careiro
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Careiro
Bandeira
Hino
Apelido(s) "Castanho"
Gentílico careirense
Localização
Localização de Careiro no Amazonas
Localização de Careiro no Amazonas
Mapa de Careiro
Coordenadas 3° 46' 04" S 60° 22' 08" O
País Brasil
Unidade federativa Amazonas
Região metropolitana Manaus
Municípios limítrofes Norte: Careiro da Várzea, Iranduba e Manaus;
Oeste: Manaquiri;
Leste: Autazes;
Nordeste: Itacoatiara;
Sul: Borba
Distância até a capital 124 km
História
Fundação 19 de dezembro de 1955 (64 anos)
Administração
Prefeito(a) Nathan Macena de Souza (PROS, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 6 091,547 km²
 • Área urbana  est. Embrapa[2] 2,00 km²
População total (estimativa populacional - IBGE/2019[3]) 37 869 hab.
 • Posição AM: 18º
Densidade 6,2 hab./km²
Clima equatorial (Am)
Altitude 45 m
Fuso horário Hora do Amazonas (UTC-4)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [4]) 0,557 baixo
PIB (IBGE/2013[5]) R$ 196 594 mil
 • Posição AM: 20º
PIB per capita (IBGE/2013[5]) R$ 5 548,64

Careiro é um município brasileiro localizado na Região Metropolitana de Manaus, no estado do Amazonas. O nome do município originou-se da palavra Careiro, que significa caminho do índio, está vinculado ao traçado do rio que o corta. É também conhecido como "Careiro Castanho" para diferenciá-lo de outro município no mesmo estado, chamado Careiro da Várzea.

Sua população, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), era de 37 869 habitantes em 2019.[3]

História[editar | editar código-fonte]

A história do município de Careiro está vinculada a de Manaus. O primeiro morador da região, de acordo com os registros primórdios, foi Francisco Ferreira, um caboclo.[6]

Careiro tornou-se um Distrito da capital do Amazonas em 1938, através do Decreto-Lei nº 176, a qual criou em conjunto, outros diversos distritos e municípios no estado. A emancipação política e territorial do Careiro, com status de município, ocorreu apenas em 1955, quando este foi desmembrado do município de Manaus e passou a ser município autônomo. Pelo mesmo ato, a Vila do Careiro, então sede do lugar, é elevada à categoria de cidade.[6]

Por estar localizada numa região de várzea, a sede é transferida em 1977 para uma área de terra firme, situada no km 102 da BR-319, que passa a abrigar o principal núcleo urbano do município.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Comunidade ribeirinha em Careiro.

O município de Careiro está localizado no estado do Amazonas, na Mesorregião do Centro Amazonense, que engloba 31 municípios do estado distribuídos em seis microrregiões, sendo que a microrregião à qual o município pertence é a Microrregião de Manaus, que reúne sete municípios: Autazes, Careiro, Careiro da Várzea, Iranduba, Manacapuru, Manaquiri e Manaus.[7] Careiro está distante 124 km a sul da capital amazonense.

Seus municípios limítrofes são Careiro da Várzea, Iranduba e Manaus ao norte; Manaquiri ao oeste; Autazes ao leste; Itacoatiara ao nordeste; e Borba ao sul. Sua população estimada em 2016 era de 36 922 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).[8]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

Bairros urbanos

Vista Alegre, Nova Esperança, Novo Horizonte, Sebastião Borges, Centro, Bairro Novo e Distrito.

Bairros rurais

P.A. Panelao e Taquarinha.

Distritos

Araçá, Anveres, Janauacá, Mamori e Purupuru.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Em 2009 o município possuía um total de 16 estabelecimentos de saúde, sendo todos estes públicos municipais ou estaduais, entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos. Neles havia 20 leitos para internação.[9] Em 2014, 96,03% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia. O índice de mortalidade infantil entre crianças menores de 5 anos, em 2016, foi de 16,63 indicando uma redução em comparação a 1995, quando o índice foi de 23,44 óbitos a cada mil nascidos vivos. Entre crianças menores de 1 ano de idade, a taxa de mortalidade reduziu de 15,63 (1995) para 12,47 a cada mil nascidos vivos, totalizando, em números absolutos, 105 óbitos nesta faixa etária entre 1995 e 2016. No mesmo ano, 24,32% das crianças que nasceram no município eram de mães adolescentes, a quinta menor incidência entre os municípios amazonenses, sendo que apenas Manaquiri, Manaus, São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga atingiram uma posição melhor no estado, em se tratando de planejamento familiar. Conforme dados do Sistema Único de Saúde (SUS), órgão do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade devido a acidentes de transportes terrestres registrou 13,54 óbitos em 2016, revelando um aumento comparando-se com o resultado de anos anteriores, quando se registrou 5,30 óbito neste indicador. Ainda conforme o SUS, baseado em pesquisa promovida pelo Sistema de Informações Hospitalares do DATASUS, houve 2 internações hospitalares relacionadas ao uso abusivo de bebidas alcoólicas e outras drogas, entre 2008 e 2017, classificadas como doença alcoólica do fígado.[10]

A taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 2,36 para 1.000 nascidos vivos, sendo a terceira menor no Amazonas. Em 2016, 33,33% das mortes de crianças com menos de um ano de idade foram em bebês com menos de sete dias de vida. Óbitos ocorridos em crianças entre 7 e 27 dias de foram 16,67% dos registros. Outros 50% dos óbitos foram em crianças entre 28 dias e um ano de vida. No referido período, houve 7 registros de mortalidade materna, que é quando a gestante entra em óbito por complicações decorrentes da gravidez. O Ministério da Saúde estima que 66,66% das mortes que ocorreram em 2016, entre menores de um ano de idade, poderiam ter sido evitadas, especialmente pela adequada atenção à saúde da gestante, bem como pela adequada atenção à saúde do recém-nascido. Cerca de 81% das crianças menores de 2 anos de idade foram pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2014, sendo que 1% delas estavam desnutridas.[10][11][12]

Careiro possuía, até 2009, estabelecimentos de saúde especializados apenas em clínica médica, e nenhum estabelecimento de saúde com especialização em cirurgia bucomaxilofacial, neurocirurgia, obstetrícia, traumato-ortopedia, psiquiatria, pediatria e outras especialidades médicas. Dos estabelecimentos de saúde, apenas 1 deles era com internação.[9] Até 2016, havia 36 registros de casos de HIV/AIDS, tendo uma taxa de incidência, em 2016, de 13,54 casos a cada 100 mil habitantes, e a mortalidade, em 2016, de 2,71 óbitos a cada 100 mil habitantes. Entre o número total dos casos de AIDS, 20% eram em pessoas entre 15 e 24 anos.[10] Entre 2001 e 2012 houve 444 casos de doenças transmitidas por mosquitos e insetos, sendo as principais delas a dengue, a leishmaniose e a malária.[13]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Careiro está situado às margens do rio Castanho. O acesso por via fluvial, saindo de Manaus, leva cerca de 08 horas. Por via terreste, a rodovia BR-319 é responsável por ligar o município à capital do estado, e aos municípios de Autazes, Careiro da Várzea e Borba.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  2. «Urbanização das cidades brasileiras». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 30 de Julho de 2008 
  3. a b «Estimativa populacional 2018» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 29 de agosto de 2018 
  4. Municipios-2010.aspx «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» Verifique valor |url= (ajuda). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  6. a b c CityBrazil UOL. «História da cidade do Careiro». Consultado em 5 de janeiro de 2013 
  7. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_DTB_2008
  8. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Pop_2016
  9. a b Cidades@ - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Serviços de saúde - 2009». Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  10. a b c Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) (2014). «ODS 03: Saúde e bem-estar». Relatórios Dinâmicos. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  11. Portal ODM (2015). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  12. @Cidades. «Saúde». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  13. Portal ODM (2012). «6 - combater a Aids, a malária e outras doenças». Consultado em 21 de dezembro de 2018