Casa de Sam Thiago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.

A Casa de Sam Thiago, ou Casa de Santiago é um solar edificado em meados do século XVII, em Custóias, no concelho de Matosinhos, outrora parte do morgadio e do vínculo de Sam Thiago, uma grande propriedade rural pertencente à família Gonçalves Lopes. Próxima da igreja paroquial, junto ao largo da feira, a casa de Sam Thiago é um dos imóveis mais belos e emblemáticos da freguesia de Custóias. É um magnífico exemplo da arquitectura civil desde período e do poder económico que algumas famílias conseguiram alcançar nessa época. O conjunto arquitectónico é rodeado por belos jardins e possui uma casa senhorial com capela privada anexa às dependências.

Actualmente, a Casa de Sam-Thiago é um espaço para a realização de eventos e festas.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A casa nasceu a partir de um terreno que pertencia ao Bailiado de Leça e que em 1604 era conhecido pelo nome de Meio Casal de Justa Gonçalves. Nesta época, era constituída por uma exploração agrícola de boas dimensões, com casa de sobrado, cozinha, aidos e celeiro. Aparece em 1717 na posse de João Dias da Silva. Com o casamento de sua filha Ana Maria Dias com Domingos Gonçalves Lopes, é instituído o regime de morgadio. José Gonçalves Lopes, o filho do casal, tornou-se capitão-mor da Baliagem de Malta e administrador da Casa, Morgadio e Vínculo de S. Thiago. Casou-se com Ana Maria de Jesus da Silva, filha do Capitão das Ordenanças Manuel da Silva Guimarães e de Antónia Maria Martins, senhores das Quintas do Rio e da Devesa, em Ramalde.

Em 1804, ainda pertencia à família Gonçalves Lopes, quando Domingos Gonçalves Lopes (II), filho do anterior, também capitão-mor e administrador da casa, apresenta às instâncias régias um Processo de Justificação de Nobreza com o fundamento de que era descendente das antigas casas da nobreza do Reino, sendo autorizado o uso de respectivo brasão. Hoje podemos apreciar, no portão principal, o brasão de armas de que consta um escudo de forma elíptica, no qual estão representadas, no campo esquerdo, as armas dos Lopes (palmeira e um corvo de asas estendidas pousado nela) e, no campo direito, as armas dos Silvas (um leão).

Durante o cerco do Porto, entre 1832 e 1833, o rei D. Miguel pernoitou na casa de Santiago, cujas tropas absolutistas se encontravam estacionadas nas redondezas.

No entanto, a casa de Santiago entra em decadência, o que levou à venda da propriedade, em 1850, à abastada família portuense Pestana da Silva, que ainda hoje a conserva.[2][3][4]

Referências[editar | editar código-fonte]
  1. «Casa Sam Thiago». www.casasamthiago.com. Consultado em 3 de outubro de 2015 
  2. «Casa Sam Thiago». www.casasamthiago.com. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  3. «luaDmarfim: Custóias - Casa de Sam Thiago». luaDmarfim. 2 de novembro de 2013. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  4. Geocaching. «Vila de Custóias». Consultado em 2 de setembro de 2015