Clélia Bernardes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Clélia Bernardes
13.ª Primeira-dama do Brasil
Período 15 de novembro de 1922
até 15 de novembro de 1926
Presidente Artur Bernardes
Antecessor Mary Pessoa
Sucessor Sofia Pais de Barros
12.ª Primeira-dama de Minas Gerais
Período 7 de setembro de 1918
até 7 de setembro de 1922
Governador Artur Bernardes
Antecessor Francisca Ribeiro
Sucessor Araci Soares de Moura
Dados pessoais
Nome completo Clélia Vaz de Melo Bernardes
Nascimento 4 de fevereiro de 1876
Viçosa, Minas Gerais
Morte 10 de junho de 1972 (96 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasileira
Cônjuge Artur Bernardes (1903–1955)

Clélia Vaz de Melo Bernardes (Viçosa, 4 de fevereiro de 1876Rio de Janeiro, 10 de junho de 1972[1]) foi a esposa do 12.º Presidente brasileiro Artur Bernardes e a primeira-dama do país entre 1922 e 1926. Foi a primeira-dama brasileira mais longeva, tendo falecido aos noventa e seis anos. Anteriormente, foi primeira-dama do Estado de Minas Gerais entre 1918 e 1922.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Filha do Carlos Vaz de Melo, senador por Minas Gerais durante o Império Brasileiro, e de Maria Augusta de Andrade, Clélia Vaz de Melo nasceu em uma das famílias mais tradicionais de Vila Viçosa. Entre seus irmãos estava Washington Vaz de Melo, ministro do Superior Tribunal Militar. Hoje um dos bairros da cidade de Viçosa leva seu nome como homenagem.

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Casou com Artur Bernardes no dia 15 de julho de 1903. Eles tiveram oito filhos:[2]

  1. Clélia, casou com Carlos Alves de Souza Filho;
  2. Artur Bernardes Filho, casou com Sofia de Azeredo;
  3. Maria da Conceição, casou com José Domingos Machado;
  4. Dália, faleceu cedo;
  5. Rita, casou com Joaquim Nogueira Junior;
  6. Sílvia, faleceu cedo;
  7. Geraldo, faleceu solteiro;
  8. Maria de Pompéia, casou com Roberto Flouf.

Morte[editar | editar código-fonte]

Clélia Bernardes ficou viúva em março de 1955. Faleceu em sua residência na Guanabara, vítima de um colapso. Foi sepultada no Cemitério São João Batista[3], no mausoléu da família Bernardes.

Referências

  1. Missa de 7.º Dia, Avisos Religiosos. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 16 de junho de 1972, 1.º Caderno, p. 24
  2. «Viçosa - Artur da Silva Bernardes». Consultado em 21 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  3. UFV Informa, n° 8 - "Universidade de Luto" - 22 de junho de 1972

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Clélia Bernardes



Precedido por
Mary Pessoa
13.ª Primeira-dama do Brasil
19221926
Sucedido por
Sofia Pais de Barros
Precedido por
Francisca Ribeiro
12.ª Primeira-dama do Estado de Minas Gerais
19181922
Sucedido por
Araci Soares de Moura