David Tennant

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
David Tennant
Tennant na San Diego Comic-Con em 2009.
Nome completo David Tennant
Nascimento 18 de abril de 1971 (45 anos)
Bathgate, West Lothian, Escócia, Reino Unido
Nacionalidade Escócia Escocês
Ocupação Ator
Atividade 1987 - presente
Cônjuge Georgia Moffett (2011 - presente)
(em inglês) Página oficial
IMDb: (inglês)

David Tennant (nascido David John McDonald, Bathgate, West Lothian, 18 de abril de 1971) é um ator escocês. Tennant é conhecido principalmente por ter interpretado o Décimo Doutor, na série televisiva britânica, Doctor Who, e pelo papel do antagonista Kilgrave (alter ego de Kevin Thompson) na série da Netflix, Jessica Jones.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Tennant nasceu em Bathgate, West Lothian a 18 de abril de 1971. Cresceu em Ralston, Renfrewshire, onde o seu pai, Alexander McDonald (Moderador/Reverendo Alexander "Sandy" McDonald) era o ministro da religião da Igreja da Escócia (e moderador da Assembleia Geral da Igreja da Escócia, em 1997). Tennant frequentou a primária de Ralston e a Paisley Grammar School, onde desfrutou de uma boa relação com a professora de inglês Moira Robertson, que foi a primeira pessoa a reparar no seu talento. Frequentou também Royal Scottish Academy of Music and Drama, onde ficou amigo de Louise Delamere.

Aos três anos, Tennant disse aos seus pais que queria ser ator porque era fã da série "Doctor Who".[1]

Apesar de ter sido uma inspiração para qualquer criança nos anos 70, Tennant afirma que estava decidido a atingir o seu objetivo. Adotou assim o nome artístico "Tennant" — inspirado por Neil Tennant, dos Pet Shop Boys[2] — porque já existia outro David McDonald nos livros da British Actor' Equity Association. A sua segunda escolha para o seu nome de palco foi David Brandon, e a terceira Chris McDonald.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

O primeiro papel profissional de David Tennant foi em The Resistible Rise of Arturo Ui, com Ashley Jensen, uma das poucas peças que ele representou como parte da agitprop 7:84|7:84 Theatre Company. Tennant fez também uma aparição na televisão, como um barmain transsexual, em Rab C Nesbitt.

Tennant conheceu a atriz e escritora cômica Arabella Weir durante a rodagem de Takin' Over The Asylum, onde apareciam os dois. Quando ele se mudou para Londres, pouco tempo depois de terem se conhecido, tornou-se padrinho do filho mais novo de Weir. Tennant tem trabalhado frequentemente com Weir em várias produções, como convidado no seu programa de televisão Posh Nosh, no Doctor Who (radio drama/audio drama) Exile e nas palestras de West Wing Ultimate Quiz no More4.

David Tennant desenvolveu a sua carreira no teatro britânico, atuando frequentemente com a Royal Shakespeare Company, especializando-se em papéis cômicos, como é o caso de Touchstone, em As You Like It, Antipholus of Syracuse em The Comedy of Errors (um papel que fez em 1998 Arkangel Complete Shakespeare produção da peça), e Captain Jack Absolute em The Rivals. No entanto representou também papéis dramáticos, como é o caso de Romeo em Romeo and Juliet. Tennant aparece também como Mercúrio, em Romeo and Juliet, e como Launcelot Gobbo em The Merchant of Venice, em ambas as peças com o seu sotaque natural. Em 2007 foi anunciado que Tennant voltaria à Companhia no papel de Hamlet e Berowne.

Em 1995, Tennant interpetou o papel de Nicholas Beckett em What the Butler Saw, na Royal National Theatre, em Londres. O papel obrigava com que David Tennant aparecesse nu em palco, usando apenas um chapéu de polícia.

Durante o Natal de 2002, Tennant entrou também em vários anúncios de televisão para Boots the Chemists..

Ele também participou em vários dramas de alto nível para a BBC, incluindo Takin' Over the Asylum (1994), He Knew He Was Right (2004), Blackpool (2004), Casanova (2005) e The Quatermass Experiment (2005).

Tennant também apareceu no filme Bright Young Things, de Stephen Fry, e interpretou Bartô Crouch Jr. em Harry Potter e o Cálice de Fogo.

Um dos seus maiores papéis de início de carreira foi em Jude (1996), no qual partilhou a cena com o seu antecessor em "Doctor Who", Christopher Eccleston, representando um bêbado que desafia Jude (Eccleston) a provar o seu intelecto.

Doctor Who[editar | editar código-fonte]

Tennant foi considerado um possível candidato para o papel do Nono Doutor em 2004, apesar do papel ter ido para Christopher Eccleston. Com o anúncio, a 31 de março de 2005, de que Eccleston não iria voltar para a 2ª temporada da série, a BBC confirmou que Tennant iria ser o seu sucessor, a partir de 16 de abril de 2005.

Tennant fez a sua primeira aparição como o Décimo Doutor na cena de regeneração no episódio "The Parting of the Ways" (2005). Apareceu também no especial "Doctor Who: Children in Need", a 18 de novembro de 2005.

Tennant começou as filmagens das novas séries do "Doctor Who" no final de julho de 2005. Este expressou o entusiasmo que sentia por realizar o seu sonho de criança. Numa entrevista disse a um jornalista "Quem é que não queria ser O Doutor? Eu até tenho a minha própria TARDIS!"

Em 2006, os leitores da Doctor Who Magazine, votaram em David Tennant como o "Melhor Doutor", destronando o sempre favorito Tom Baker, que havia interpretado o Quarto Doutor.

Em 2007, o Doutor de Tennant foi votado como a "personagem mais fixo" da televisão britânica pela Radio Times. David Tennant também participou como o Décimo Doutor no episódio "The Wedding of Sarah Jane Smith", da série The Sarah Jane Adventures, spin-off de Doctor Who.

Harry Potter[editar | editar código-fonte]

Em 2005, esteve em Harry Potter e o Cálice de Fogo, no papel de Bartolomeu Crouch Jr., um dos Comensais da Morte mais leais a Lord Voldemort o segundo fugitivo de Azkaban.

Fright Night[editar | editar código-fonte]

Em 2011, atuou em Fright Night no papel de Peter Vincent, anteriormente vivido por Roddy McDowall.

Marvel's Jessica Jones[editar | editar código-fonte]

Em 2015, David foi escalado para viver o novo vilão de uma das séries da Marvel em parceria com a Netflix chamada Marvel's Jessica Jones. Tennant é Zebediah Killgrave, o Homem-Púrpura, um dos vilões mais perigosos do Universo Marvel, com poderes psíquicos e telecinésia, ele domina por completo a mente das pessoas. A série de televisão americana foi criada por Melissa Rosenberg para a Netflix, baseada na personagem de mesmo nome da Marvel Comics.

A série completa foi disponibilizada em 20 de novembro de 2015 por streaming na Netflix e está conectada ao Universo Cinematográfico Marvel.

O Kilgrave de Tennant foi muito bem recepcionado pelas críticas:

"Os primeiros capítulos mostram o vilão apenas como uma presença, uma força de pura maldade que faz pessoas cometerem atos bárbaros. Quando David Tennant aparece com seu terno roxo e um sorriso sarcástico, a impressão é de que a magia vilanesca se transformará em algo mais caricato, como a maioria dos bandidos da Marvel. Isso não acontece. Tennant equilibra de forma magistral o humor ácido de Kilgrave com seus acessos de pura loucura. O ator escocês escapa dos diálogos óbvios com um timing perfeito para alternar entre o psicopata apaixonado e o vilão de planos mirabolantes."[3]

Além de muito bem recepcionado pelos fãs, gerou um profundo debate sobre abusadores de mulheres:

"Ao fazer Kilgrave mais encantador do que nos quadrinhos, Jessica Jones sugere uma verdade dura através das lentes de uma série de super heróis: abusadores não são só aqueles que ameaçam fisicamente. Eles cultivam um sentimento de confiança e intimidade com suas vítimas que mantém o ciclo de violência. Como na série, em que ele consegue manipular uma situação para ela enviar selfies e sorrisos diários por mensagem. Esse controle psicológico é tão terrível como a sua capacidade de fazer alguém jogar café escaldante em seu rosto."[4]

"Pensando no hall que já se apresentou, desde homens com poder, querendo reconstruir uma cidade perdida para o caos, até deuses invejosos, que querem subir ao trono de seu pai, o Homem Púrpura quer o quê? Ele quer o que quiser e na hora que quiser, só isso. Tudo pode ser dele e algo que ele quer não é dele, isso o incomoda. Um egoísta em essência, mas todos nós já conhecemos alguém assim."[5] . Oremos para que ele volte na segunda temporada.

Referências

  1. Foss, Roger (July/August 2008). «Partners in Time». What's On Stage [S.l.: s.n.] p. 15. Consultado em 2008-07-06. 
  2. Shannon, Sarah (2005-12-07). «David Tennant: His days of blissful anonymity are numbered». The Independent [S.l.: s.n.] 
  3. «Jessica Jones - 1ª Temporada | Crítica». Omelete. https://plus.google.com/115416604494251056860. Consultado em 2015-12-26.  Ligação externa em |publicado= (Ajuda)
  4. «Precisamos falar sobre Jessica Jones (e Kilgrave!)». Obrigado Pelos Peixes!. Consultado em 2015-12-26. 
  5. «O Kilgrave de cada uma -». www.collantsemdecote.com. Consultado em 2015-12-26. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre David Tennant