Estação Parada Santa Dalila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Santa Dalila
Informações
Parada Santa Dalila está localizado em: Baixada Fluminense e parte da cidade do Rio de Janeiro
Parada Santa Dalila
Localização da Parada Santa Dalila
Coordenadas 22° 39' 14.48" S 43° 9' 9.10" O
Administração Logo da SuperVia.svg SuperVia
Uso Atual Estação de trens metropolitanos
Código RJ-1895
Sigla SDL
Linha Linha Guapimirim
Integração Terminal rodoviário
Estrutura Superfície
Níveis 1
Plataformas 1
Serviços Acesso à deficiente físico
Outras Informações
Inauguração 02 de dezembro de 1926 (93 anos)
Fechamento 29 de maio de 2011 (8 anos)
Inauguração da atual edificação 17 de setembro de 2018 (1 anos)
Próxima Estação
Sentido Saracuruna
Sv-vlightorangelinecontshort.svg
Sv-vlightorangestation.svg Parque Estrela
Sv-vlightorangelinecontshort.svg
Sv-vlightorangestationdis.svg Parada Mauá (desativado)
Sv-vlightorangestationdis.svg Parada Santa Dalila
Sv-vlightorangestation.svg Suruí
Sv-vlightorangelinecontshort.svg
Sentido Guapimirim

Parada Santa Dalila[1] é uma estação de trem localizada no Rio de Janeiro. A estação foi reaberta no dia 17 de Setembro de 2018 pela SuperVia, 7 anos depois do seu fechamento após sucessivos protestos feitos por moradores.

Foi operada pela Central e funcionou até 29 maio de 2011, quando o Ramal de Guapimirim foi repassado para SuperVia[2] que desativou a parada como parte do Contrato de Concessão entre à empresa e à Secretaria de Transportes do Estado. Devido ao enorme números de protestos feito por moradores entre 30 de Junho e 03 de Julho de 2018 na altura de Santa Dalila e Barão de Iriri, pedindo a reabertura das paradas[3], as estações passaram por uma reforma de ampliação da plataforma e foram reabertas no dia 17 de Setembro do mesmo ano.[4]

História da Estação[editar | editar código-fonte]

A parada Santa Dalila foi inaugurada no dia 02 de Dezembro de 1926, e assim como a Parada Santa Guilhermina, foi uma cortesia aos grandes fazendeiros da região do Distrito de Suruí, que possuíam gados e enormes plantações de laranja, banana e aipim. A parada, que além de dar acesso aos casarões das fazendas, também era responsável pelo distribuição e abastecimento dessa produção para toda região de Magé e da cidade do Rio de Janeiro.

História do Ramal Guapimirim[editar | editar código-fonte]

A linha ligando Rosário (atual Saracuruna) a Visconde de Itaboraí, projetada desde 1890 pela Leopoldina, somente foi entregue em 1926 devido a inúmeros entraves burocráticos que foram aparecendo pelo caminho durante esses 36 anos. Na prática, foi essa linha que ligou as cidades do Rio de Janeiro e Niterói, contornando a Baía de Guanabara, passando por Magé e dando acesso também do Rio de Janeiro a Teresópolis e a linha do Litoral da Leopoldina. A linha cruzava a antiga ferrovia E.F. Mauá na estação do Entroncamento, hoje Bongaba, estação que também foi desativada em 2011.

A linha atualmente liga a cidade do Rio de Janeiro a Guapimirim. Os trechos entre Saracuruna e Visconde de Itaboraí foi desativado.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Santa Dalila». Estações Ferroviária do Estado do Rio de Janeiro. Consultado em 26 de janeiro de 2012 
  2. «SuperVia inaugura operação do ramal Guapimirim neste domingo». O Globo. 29 de maio de 2011 
  3. «SuperVia suspende circulação no ramal de Guapimirim por questões de segurança». O Globo. 4 de julho de 2018 
  4. «Extensão Guapimirim terá duas novas paradas a partir de 17/09 | SuperVia». SuperVia. 14 de setembro de 2018 


Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.