Laranjal Paulista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Laranjal Paulista
  Município do Brasil  
Laranjal Paulista.jpg
Símbolos
Bandeira de Laranjal Paulista
Bandeira
Brasão de armas de Laranjal Paulista
[[Brasão|Brasão de armas]]
Hino
Lema Serviendo patriæ, rex
"Servindo a pátria sou rei"
Gentílico laranjalense
Localização
Localização de Laranjal Paulista em São Paulo
Localização de Laranjal Paulista em São Paulo
Laranjal Paulista está localizado em: Brasil
Laranjal Paulista
Localização de Laranjal Paulista no Brasil
Mapa de Laranjal Paulista
Coordenadas 23° 03' S 47° 50' 13" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[1] Campinas
Região imediata[1] Piracicaba
Região metropolitana AU Piracicaba
Municípios limítrofes Tietê, Jumirim, Cerquilho, Conchas, Piracicaba, Pereiras e Cesário Lange
Distância até a capital 173 km
História
Fundação 10 de outubro de 1917 (102 anos)
Aniversário 10 de outubro
Administração
Prefeito(a) Alcides de Moura Campos Junior (PTB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 384,274 km²
População total (Censo IBGE/[[2010][3]) 25 251 hab.
Densidade 65,71 hab./km²
Clima Subtropical (Cfa)
Altitude 536 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,729 alto
PIB (IBGE/2015[5]) R$ 776 305,69 mil
PIB per capita (IBGE/2015[5]) R$ 29 348,88
www.laranjalpaulista.sp.gov.br (Prefeitura)

Laranjal Paulista é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 23º02'59" sul e a uma longitude 47º50'12" oeste, estando a uma altitude de 536 metros. Sua população estimada em 2018 era de 28.240 habitantes. O município é formado pela sede e pelos distritos de Laras e Maristela[6][7].

História[editar | editar código-fonte]

A ocupação do Município se divide em duas fases: urbana e rural. A primeira fase, no início do Século XVII, foi motivada pelos grupos tropeiros que rumavam a Sorocaba. Para os pousos eles se aconchegavam à beira do que chamavam de ribeirão dos laranjais e, por onde passavam, divulgavam que “a partir das suas acanhadas margens vislumbrava-se a existência de alongadas e férteis terras”, atraindo os primeiros pequenos agricultores.

Em 1884, seguindo o traçado da Estrada de Ferro Sorocabana e a ela se antecipando, aqui chegava Delfino de Mello. Como visionário que era adquiriu considerável gleba de terra e, para explorar comercialmente, construiu uma casa de pensão para abrigar os trabalhadores da Ferrovia. Em curto espaço de tempo o local despertou o interesse de famílias da região para outras atividades comerciais dando início ao núcleo urbano.

Ainda em 1884, Delfino de Mello doou terreno para a construção de uma capela na vila que, em 1886, tornar-se-ia o distrito policial de Laranjal e com a primeira escola pública outras benfeitorias se juntariam: agência postal, cartório de registro civil, a paróquia, telefone público, iluminação elétrica.

Em 30 de novembro de 1896, pela Lei Estadual nº 460, cria-se o distrito de Laranjal, pertencendo ao município e comarca de Tietê, no mesmo território do então distrito policial. O povoado é elevado à categoria de vila e sede do distrito por força da Lei Estadual n.º 1.038, de 19 de dezembro de 1906.

Publicada em 10 de outubro de 1917, a Lei Estadual nº 1.555 criou o Município de Laranjal que, pelo Decreto Federal nº 14.334/1944, passou a chamar-se Laranjal Paulista.

Carta dos Excursionistas - 5ª seção (1923) com Laranjal Paulista no canto inferior esquerdo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

  • Área 384,274 km²
  • Localização - Fica na depressão periférica paulista entre o Planalto Atlântico – região da capital – e o Planalto Ocidental – região de Botucatu.
  • Principal Via de Acesso - Rodovia Marechal Rondon
  • Hidrografia - Rios Tietê e Sorocaba e mais seis ribeirões e seis córregos
  • Tipo de solo - Policultura e em algumas partes condicionantes geológicos proporcionam a exploração de recursos minerais como areia, argila, brita, calcário empregados na construção civil.
  • Climatologia:
    • Temperatura média anual - 23,27°C
    • Precipitação pluviométrica - 1.257,0 mm.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010 [8]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Rodovia Marechal Rondon, próximo do trevo do km 174.

Bairros[editar | editar código-fonte]

Capela São Benedito, bairro São Benedito.
Praça Domingos Fuglini, no bairro Pedro Zanella.
Vista para as ribanceiras do Bairro da Ponte.

Bairros urbanos:

  • Bela Vista
  • Colinas do Laranjal
  • Dez de Outubro
  • Europa
  • Jardim das Palmeiras
  • João Roma
  • Matadouro (antigo Dito Padeiro)
  • Nello Parducci
  • Pedro Zanella
  • São Benedito
  • São Roque
  • Vila Conceição
  • Vila Darci
  • Vila Félix
  • Vila São José
  • Vila Toti
  • Vila Zalla (oficialmente Jardim Pedro Zalla)

Bairro rurais:

Capela Santo Antônio, Abóboras.
Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Boa Vista.
  • Abaulado
  • Abóboras
  • Batalheira (Entre Rios)
  • Boa Vista
  • Bom Jardim
  • Itapoá
  • Morro Alto
  • Morro Vermelho
Vista no parque do Conjunto Habitacional Nello Parducci.

Distritos[editar | editar código-fonte]

Letreiro de Maristela.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[10], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[11], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[12] para suas operações de telefonia fixa.

Administração[editar | editar código-fonte]

Prefeitura Municipal.
Câmara Municipal.
  • Prefeito: Alcides de Moura Campos Junior. (2017/2020)
  • Vice-prefeito: Air Pires de Campos
  • Presidente da câmara: Carlos Alberto Rossi (2017/2018) / Nilso Ventris (2015/2016) / Djalma Valdemir Bordignon (2013/2014)
  • Vereadores: Gestão 2013/2016
    • Antonio Valdecir Berto
    • Carlos Alberto Rossi
    • Celso Donizete Barbosa
    • Djalma Valdemir Bordignon
    • Edna Roma (suplente de Fabio José de Oliveira)
    • Ivete Aparecida Migliani
    • José Francisco de Moura Campos
    • Newton Gazonato (suplente de Antonio Rinaldo Martins)
    • Nilso Ventris
    • Regina Maria de Araujo Abdala
    • Vicenti Di Santi Filho
  • Vereadores: Gestão 2017/2020
    • Carlos Alberto Rossi - PSB
    • Claudia Regina Martins Correia Alves - PSDB
    • Fabio Laurenti Gadelha de Almeida - PSDB
    • Ivete Aparecida Migliani - PPS
    • José Francisco de Moura Campos - PTB
    • Jose Roque de Camargo - PSDB
    • Nilso Ventris - PROS
    • Pablo Guilherme Garpelli Arruda - PMDB
    • Regina Maria de Araujo Abdala - SD
    • Rodrigo Marson Marcon - PPS
    • Tiago Roma Zanchetta - PMDB

Turismo[editar | editar código-fonte]

Portal Turístico.

O município é integrante da Região Turística Raízes do Interior Paulista (Mapa do Turismo, Ministério do Turismo) e, pela Lei Estadual nº 16.720 de 2018, passou a ser considerado e certificado como Município de Interesse Turístico.

Os eventos locais que integram o Calendário Turístico do Estado de São Paulo são os seguintes: a "Festa de São João Batista" (em junho), a "Copa Brasil de Futebol Infantil" (em julho) e a "Festa do Peão Boiadeiro" (em outubro).

Festa de São João Batista[editar | editar código-fonte]

Tradicional festa de São João celebrada em louvor ao padroeiro da cidade, que dura de uma semana a dez dias, terminando no dia 24 de junho, dia de São João (feriado municipal).

Neste dia, realiza-se uma procissão pelas ruas centrais do município, reunindo imagens de outros santos que representam as demais paróquias de Laranjal, tais como São Benedito, São Roque, Nossa Senhora Aparecida e vários outros. No fim da procissão é celebrada uma missa em louvor ao padroeiro, com uma grande queima de fogos ao seu encerramento.

Na parte profana, isto é, não religiosa, barracas de entidades municipais são montadas ao redor do Largo São João, onde se situa a Igreja Matriz da cidade, as quais vendem bebidas, comidas tradicionais e artesanato a fim de arrecadar fundos. Também é montado um palco para a apresentação de grupos folclóricos e bandas contratadas pela comissão de festas para entreter os cidadãos e visitantes de outras localidades que sempre comparecem para prestigiar a festa. Todo dia 24 de junho, já pela manhã, tem início atividades que remetem às origens da Festa, tais como leilão de lenha, leitoa ensebada, pau de sebo, leilão de gado e demais prendas.

Todo o entorno do Largo São João (praça central da cidade) é decorado com bandeirinhas coloridas e também ocorre a quadrilha, geralmente formada por estudantes ou integrantes de grupos da terceira idade. A Festa já é realizada há mais de 100 anos e é a principal atração da cidade, sendo considerada um patrimônio cultural por muitos.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Atualmente a economia do município está voltada para avicultura, cerâmica, cultura de cana de açúcar e fabricação de brinquedos.

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. «Área da unidade territorial:Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018» 
  3. «População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010». Consultado em 19 de setembro de 2018 
  4. «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 19 de setembro de 2018 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de setembro de 2018 
  6. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  7. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  8. «IBGE, Censo Demográfico 2010». Consultado em 19 de setembro de 2018 
  9. «Atlas do desenvolvimento humano no Brasil». Consultado em 19 de setembro de 2018 
  10. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  11. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  12. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]