Li-Fi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Li-Fi, do inglês "Light Fidelity" (Luz, Fidelidade, tradução individual de cada palavra) refere-se a sistemas de comunicação com luz visível 5G[1] que empregam luz LEDs para transmitir comunicações em alta velocidade, de forma similar como acontece no Wi-Fi. Li-Fi é uma tecnologia que pode servir de base à internet das coisas, onde tudo o que é eletrônico (inclusive implantes postos em seres orgânicos) permanece conectado à internet, sendo que as luzes dos leds serão os pontos de acesso.[2] O mercado Li-Fi recebeu, segundo uma taxa de crescimento anual composta,[3] terá um crescimento de 82% de 2013 para 2018 e valerá mais de 6 bilhões de dólares por ano a partir de 2018.

Os sinais de um sistema de comunicação com luz visível (CLV), ou, em inglês, Visible light communications (VLC), funciona ligando e desligando lâmpadas em um período de nanossegundos,[4] velocidade que torna tais mudanças imperceptíveis ao olho (ouvido) humano. Embora as lâmpadas Li-Fi tenham de ser mantidas ligadas para transmitir os dados, elas podem ser reguladas (com o auxílio de um dimmer) a um ponto que é invisível para humanos, mas que mantêm a funcionalidade.[5] As ondas de luz não podem penetrar paredes, diminuindo assim o seu alcance, embora tornando mais seguro contra hackers, em relação ao Wi-fi.[6][7] Linha direta de visão não é necessária para a Li-Fi transmitir sinal, e luz refletida nas paredes pode alcançar 70 Mbps.[8]

Li-fi possui a vantagem de ser apta para uso em áreas sensíveis às ondas eletromagnéticas, como cabines de aeronaves, hospitais e usinas nucleares, pois não causam interferência eletromagnética.[6][7] Ambas, Li-Fi e Wi-Fi, transmitem dados através do espectro eletromagnético, mas, enquanto que a Wi-Fi utiliza ondas de rádio, a Li-Fi emprega luz visível para esse fim. Enquanto a US Federal Communications Commission tem alertado para uma potencial crise no espectro, pois a Wi-Fi está próximo de atingir o seu limite, a Li-Fi, quanto à sua capacidade, quase não tem limites.[9] O espectro da luz visível é 10 mil vezes maior que todo o espectro da rádio frequência.[10] Pesquisadores alcançaram taxas de transferência de dados maiores do que 100 Gbps[11], valor esse 250 vez mais rápido do que a banda larga de alta velocidade.[12][13] É esperado que a Li-Fi seja 10 vezes mais barata e mais amigável ao meio ambiente do que a Wi-Fi.[5]

Li-1st é o primeiro sistema que emprega essa tecnologia.[14] O primeiro protótipo de smartphone Li-Fi foi apresentado na Consumer Electronics Show 2014, que ocorreu em Las Vegas entre os dias 7 e 10 de janeiro. O smartphone usa SunPartner's Wysips CONNECT, uma técnica que converte ondas de luz em energia útil, tornando-o capaz de receber e decodificar sinais sem ter de extrair energia de sua bateria.[15][16]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. National Instruments and the University of Edinburgh colaboram em um massivo MIMO de redes de comunicação com luz visível para avançar o 5G Arquivado em 16 de dezembro de 2013, no Wayback Machine., Cambridge Wireless, 20 November 2013 (em inglês)
  2. Tech firm sees the light with £3m funding, The Scotsman, Peter Ranscombe, 24 de Dezembro de 2013 (em inglês)
  3. Comunicação por luz visível - Visible Light Communication (VLC)/ Mercado de tecnologia Li-Fi avaliado em 6,138 bilhões de dólares em 2018, New International, 13 November 2013 (em inglês)
  4. LiFi supera Wi-Fi com 1GB de velocidade sem fio usando leds pulsantes, gearburn, 13 January 2013, Jacques Coetzee (em inglês)
  5. a b Condliffe, Jamie (28 de julho de 2011). «Será a Li-Fi a nova Wi-Fi?». New Scientist  (em inglês)
  6. a b Li-Fi – Internet à velocidade da luz, por Ian Lim, the gadgeteer, datado de 29 de agosto de 2011. (em inglês)
  7. a b «Comunicação com luz visível: Viagem fantástico com a luz: Uma versão óptica mais rápida e barata do que a Wi-Fi está chegando». The Economist. 28 de janeiro de 2012. Consultado em 22 de outubro de 2013  (em inglês)
  8. A internet em raios de luz LED, The Science Show, 7 de dezembro de 2013 (em inglês)
  9. O futuro brilhante – O futuro da LI-FI Arquivado em 4 de novembro de 2015, no Wayback Machine., Calendonian Mercury, 29 November 2013 (em inglês)
  10. Redes sem fio de alta velocidade usando luz visível, Spie, Harald Haas, 19 April 2013 (em inglês)
  11. Gomez, A.; Kai Shi; Quintana, C.; Sato, M.; Faulkner, G.; Thomsen, B.C.; O'Brien, D., "Beyond 100-Gb/s Indoor Wide Field-of-View Optical Wireless Communications," Photonics Technology Letters, IEEE , vol.27, no.4, pp.367,370, Feb.15, 15 2015
    doi: 10.1109/LPT.2014.2374995
    keywords: {channel capacity;indoor communication;optical links;FOV;bit rate 112 Gbit/s;bit rate 224 Gbit/s;bit rate 37.4 Gbit/s;field of view;indoor optical bidirectional wireless link;modern cities;optical fiber communication networks;practical wireless systems;room-scale coverage;terabit aggregate capacities;Optical fiber networks;Optical fibers;Optical transmitters;Wavelength division multiplexing;Wireless communication;Beam steering;opti-cal fiber communication;optical fiber communication;optical wireless communication;spatial light modulator;wavelength division multiplexing},
    URL: http://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?tp=&arnumber=6967750&isnumber=7017609
  12. Revolução Li-Fi : conexões de internet usando lâmpadas são 250 vezes mais velozes do que a banda larga, The Independent, James Vincent, 28 de Outubro de 2013 (em inglês)
  13. 'Li-fi' via lâmpadas de LED cria grande avanço na velocidade de transferência de dados , BBC News, Matthew Wall, 28 October 2013 (em inglês)
  14. Li-1st (em inglês)
  15. Breton, Johann (20 de dezembro de 2013). «Smartphone Li-Fi será apresentado na CES 2014». Digital Versus. Consultado em 16 de Janeiro de 2014  (em inglês)
  16. Rigg, Jamie (11 de janeiro de 2014). «Conceito de smartphone incorpora sensor LiFi para receber dados enviados por luz». Engadget. Consultado em 16 de janeiro de 2014  (em inglês)

Rede computação

Ligações externas[editar | editar código-fonte]