Loalwa Braz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 21 de janeiro de 2017.

Loalwa Braz
Informação geral
Nome completo Loalwa Braz Vieira
Nascimento 3 de junho de 1953
Local de nascimento Rio de Janeiro, RJ
Data de morte 19 de janeiro de 2017 (63 anos)
Local de morte Saquarema, RJ
Nacionalidade  Brasileira
Gênero(s) Lambada, zouk
Ocupação(ões) Cantora
Outras ocupações Empresária
Página oficial http://www.loalwabraz.com/

Loalwa Braz Vieira (Rio de Janeiro, 3 de junho de 1953Saquarema, 19 de janeiro de 2017) foi uma cantora e empresária brasileira. Viveu entre a França e o Brasil desde 2001 e na Suíça desde 2010, tendo sido a vocalista do grupo Kaoma.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida e criada em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, em uma família de classe média composta por músicos. Seu pai era chefe de orquestra popular, e a mãe, pianista clássica. A artista sempre foi influenciada pela música e desde a infância decidiu seguir este caminho.[1] Com o piano clássico aos quatro anos, até a canção, onde ela começa sua carreira aos 12 anos de idade. Sofreu preconceito no início de sua carreira, pois apesar de ter formação em música clássica, optou por cantar ritmos mais populares, sua grande marca de sucesso.[2]

Em 1985, decide viver em Paris após o show Brésil en Fête no Palais des Sports. Após um concurso para escolher uma vocalista para um grupo de lambada, Loalwa passou a integrar a banda Kaoma, grupo que durou de 1989 até 1998, quando lançou o seu último álbum na Europa. Loalwa nunca parou e seguiu cantando em português, continuando a levar o ritmo pelo mundo.[3]

Loalwa apresentou-se no Paradis Latin, Méridien (Paris), Olympia (88 e 92), TLP Dejazet, New Morning, Zenith, Madison Square Garden, London Palladium, Waldorf, Astoria e outros.[carece de fontes?]

Loalwa compôs e cantou três músicas para a indústria cinematográfica; duas canções no filme Le Roi Desperados - produzido pelo estúdio de televisão francês Canal+ - e interpretou com a Orquestra Filarmônica de Londres, na trilha sonora do filme Dis-moi oui; dirigido por Alexandre Arcady e com música de Phillipe Sarde.

Seguia a sua carreira solo e dirigia também sua firma Braz Brasil Produções, voltada para a divulgação das artes brasileiras através dos continentes.[4]

Em 2011 lançou novo disco solo, Ensolarado, com participação de artistas da África, Caribe e América Latina.[4]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Quando se mudou para Paris, em 1985, cantava jazz em clubes e casas noturnas, onde conheceu um francês, com quem se casou e teve dois filhos. Antes de morrer, estava casada, mas o marido ficou na França, enquanto ela foi morar em sua pousada na Região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro. A cantora estava tratando um câncer antes de vir a óbito.[2]

Morte[editar | editar código-fonte]

Foi encontrada morta dentro de um carro incendiado em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio, na manhã de 19 de janeiro de 2017.[5]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Solo
  • Brésil (1989)
  • Recomeçar (2003)
  • Ensolarado (2011)
Com Kaoma
  • Worldbeat (1989)
  • Tribal-Pursuit (1991)
  • A La Media Noche (1998)

Referências

  1. Barbara Duffles (7 de junho de 2009). «Por onde anda Loalwa Braz, a voz de 'Chorando se foi'?». Globo.com 
  2. a b Lucas Pasin (19 de janeiro de 2017). «Polícia prende suspeito de matar Loalwa Braz, do Kaoma, nesta quinta». Ego. Globo.com 
  3. Kleber Pinto (24 de fevereiro de 2008). «Ex-líder dp Kaoma quer reconquistar lambadeiros». Ego. Globo.com. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  4. a b «Loalwa Braz». Loalwa Braz. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  5. «Loalwa Braz, do Kaoma, foi ícone da lambada no fim dos anos 1980; veja perfil: Grupo ficou conhecido pela música 'Chorando se foi'. Loalwa foi encontrada morta dentro de um carro incendiado em Saquarema.». Consultado em 19 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]