Marcos Antunes Trigueiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Marcos Antunes Trigueiro, conhecido como o Maníaco do Industrial ou Maníaco de Contagem (Brasília de Minas, 29 de maio de 1978), é um ex-motorista brasileiro acusado de ser um assassino em série de mulheres que agia em Contagem e Belo Horizonte, Minas Gerais. Marcos estuprou e assassinou cinco mulheres entre 17 de abril de 2009 e 26 de fevereiro de 2010, quando foi detido pela Polícia Civil de Minas Gerais no bairro Lindeia, junto ao bairro Industrial em Contagem. Os policiais chegaram até ele rastreando os telefones celulares das vítimas, tendo Marcos confessado a autoria das cinco mortes após a detenção. O delegado Edson Moreira, um dos responsáveis pelo caso, divulgou em 26 de fevereiro que pelo menos três mulheres conseguiram escapar do maníaco.[1]

Em 2 de fevereiro de 2010, a polícia havia divulgado que existia um padrão de comportamento comum em todos esses crimes, e que a perícia concluíra que o sêmen encontrado nas três vítimas de 2009 era do mesmo autor.[2]

O caso relembra outro ocorrido em Belo Horizonte entre 1999 a 2001, quando doze mulheres foram encontradas estupradas e mortas em municípios da Grande Belo Horizonte, chamado de Maníaco da UFMG ou Maníaco da Pampulha, cujo autor nunca foi preso.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Marcos Antunes Trigueiro nasceu em Brasília de Minas, Minas Gerais, mas passou parte da vida nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, mas sempre voltava em Minas Gerais. Marcos foi casado pelo menos duas vezes e é pai de cinco filhos.[carece de fontes?]

Segundo reportagem no programa policial Brasil Urgente, frequentava a igreja de Testemunhas de Jeová.[4]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

  • Ana Carolina Menezes Assunção, comerciante de 27 anos, foi encontrada morta estrangulada dentro do próprio carro no bairro João Pinheiro, região Noroeste, no dia 17 de abril de 2009. O seu filho, um bebê de apenas catorze meses, estava no veículo e foi encontrado dormindo sobre o corpo da mãe, não tendo sido molestado. Ana Carolina foi estrangulada com um cadarço de tênis.[2]
  • Maria Helena Lopes Aguilar, de 49 anos, foi encontrada morta estrangulada dentro do próprio carro na Rua das Trombetas, Conjunto Califórnia, Noroeste de Belo Horizonte, no dia 17 de setembro de 2009. Maria Helena foi estrangulada com o cinto de segurança no banco de trás do carro.[2]
  • Edna Cordeiro de Oliveira Freitas, contadora de 35 anos, foi encontrada morta numa estrada de terra que liga o bairro Jardim Canadá, em Nova Lima, à BR-040, em 12 de novembro de 2009. O seu automóvel havia sido encontrado no dia anterior no bairro Industrial em Contagem com todos os seus pertences no interior, exceto o telefone celular. Edna foi enforcada com o colar que usava.[2]
  • Adina Feitor Porto, estudante de direito de 27 anos, desapareceu em 7 de janeiro de 2010, depois de sair de sua casa no bairro Margarida para ir à faculdade. Seu carro foi encontrado no Barreiro de Baixo no dia seguinte.[2]
  • Natália Cristina de Almeida Paiva, comerciante de 34 anos, desapareceu em 27 de janeiro de 2010 no bairro Lindeia, região do Barreiro. Seu carro foi encontrado na Via Expressa, bairro Camargos, região Noroeste. Foi encontrada morta estrangulada uma semana depois, em Sarzedo.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Latrocínio em Contagem pode aumentar ficha criminal de Marcos Antunes Trigueiro». Globominas.globo.com. 2010-03-01. Consultado em 2 de março de 2010 
  2. a b c d e f Parreiras, Mateus (2010-02-02). «Polícia já tem pistas sobre o maníaco sexual que ataca mulheres na Grande BH». Hojeemdia.com.br. Cópia arquivada desde o original em 5 de fevereiro de 2010. Consultado em 2 de março de 2010 
  3. «Contribuição União Brasileira de Mulheres - UBM/MG» (PDF). Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para Investigar Situações de Violência Contra a Mulher no Brasil. Senado.gov.br. 2012-04-26. Consultado em 20 de maio de 2013 
  4. Brasil Urgente, 1 de março de 2010