Mauricio Pinilla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mauricio Pinilla
Informações pessoais
Nome completo Mauricio Ricardo Pinilla Ferrera
Data de nasc. 4 de fevereiro de 1984 (32 anos)
Local de nasc. Santiago,  Chile
Altura 1,87 m
Apelido Pinigol
Informações profissionais
Clube atual Itália Atalanta
Número 9
Posição Atacante
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2002–2003
2003–2004
2003–2004
2004
2004–2007
2006
2006–2007
2007
2007–2008
2008
2009
2009–2010
2010–2012
2012
2012–2014
2014–2015
2015
2015–
Chile Universidad de Chile
Itália Internazionale
Itália Chievo (emp.)
Espanha Celta de Vigo (emp.)
Portugal Sporting
Espanha Racing Santander (emp.)
Escócia Heart of Midlothian (emp.)
Chile Universidad de Chile (emp.)
Escócia Heart of Midlothian
Brasil Vasco da Gama
Chipre Apollon Limassol
Itália Grosseto
Itália Palermo
Itália Cagliari (emp.)
Itália Cagliari
Itália Genoa
Itália Atalanta (emp.)
Itália Atalanta
39 (20)
0 (0)
6 (0)
6 (0)
20 (5)
13 (1)
3 (2)
4 (2)
2 (0)
3 (0)
5 (2)
24 (24)
35 (10)
14 (8)
49 (14)
12 (3)
14 (6)
15 (4)
Seleção nacional3
2001
2003
2003–
Flag of Chile.svg Chile Sub-17
Flag of Chile.svg Chile Sub-20
Flag of Chile.svg Chile
00003 000(5)
00003 000(1)
00038 000(6)


1 Partidas e gols pelo clube profissional
contam apenas partidas das ligas nacionais,
atualizados até 17 de fevereiro de 2015.


3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 24 de março de 2016.

Mauricio Ricardo Pinilla Ferrera (Santiago, 4 de fevereiro de 1984) é um futebolista chileno. Atualmente, defende a Atalanta.

O jogador ficou conhecido por quase eliminar a Seleção Brasileira nas oitavas-de-final da Copa de 2014, em pleno Mineirão, ao acertar um bola na trave aos 120 minutos do 2° tempo da prorrogação.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a jogar na Universidad de Chile, onde logo se destacou como goleador, sendo contratado pela Internazionale, em 2003. Sem se firmar no clube nerazzurro, foi negociado com o Chievo. Pouco aproveitado, foi emprestado ao Celta de Vigo, em 2004. Novamente sem oportunidades, foi vendido ao Sporting, que o emprestou, em sequência, ao Racing Santander, ao Heart of Midlothian e à Universidad de Chile, seu clube de origem, porém não teve sucesso em nenhum desses clubes.

Após ser contratado em definitivo pelo Hearts, Pinilla jogou 3 partidas pelo Vasco da Gama em 2008. No início de 2009, foi contratado pelo Apollon Limassol, do Campeonato Cipriota.[1] Ficou no Apollon apenas durante alguns meses, após isso, acabou passando uma semana de treinamentos no Grosseto, que acabou o contratando.[2] No Grosseto, conseguiu chegar à incrível marca de um gol por jogo, alcançando a vice-artilharia da Serie B, com vinte e quatro gols em vinte e quatro jogos (o artilheiro da competição marcou vinte e seis gols em quarenta jogos). Seu bom desempenho vem chamando a atenção de equipes da Serie A, como a Fiorentina,[3] mas tendo acertado em 11 de junho de 2010 sua transferência para o Palermo, firmando um contrato de quatro temporadas.[4]

Continuando sua boa fase na carreira, Pinilla retornou à Seleção Chilena, tendo sido convocado por Marcelo Bielsa em 20 de agosto de 2010 para o amistoso contra a Ucrânia, disputado em 7 de setembro do mesmo ano.[5]

Deixou o Palermo por empréstimo ao Cagliari em 26 de janeiro de 2012 até o término da temporada, com opçâo de compra por parte da equipe da Sardenha por 3,7 milhões de euros.[6] Na temporada 2014-15, defendeu o Genoa, não repetindo o desempenho que tivera no Cagliari. Em 2015, foi novamente emprestado, desta vez para a Atalanta, contribuindo para evitar o rebaixamento da equipe à Série B.

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Estreou pela Seleção Chilena principal em 29 de março de 2003 em partida amistosa contra o Peru. As boas atuações pelo Grosseto o credenciaram a disputar a Copa de 2010, mas uma lesão impediu o atacante de jogar o torneio.

Na Copa de 2014, disputou 3 jogos, mas seria na partida contra a Seleção Brasileira que ele quase virou protagonista da eliminação dos anfitriões, ao chutar no travessão de Júlio César, no penúltimo minuto da prorrogação. Tendo perdido sua cobrança na decisão por pênaltis, o atacante viu o Chile ser derrotado por 3 a 2.

Pinilla ainda jogou a Copa América de 2015, fazendo parte do elenco que venceu a competição - também nos pênaltis - ao derrotar a Argentina, naquele que veio a ser o primeiro título internacional de La Roja.

Referências

  1. «Mauricio Pinilla Ferrera» (em grego). 2009-01-29. Consultado em 2009-01-30. 
  2. «ESCLUSIVA TMW - Grosseto, arriva Pinilla». Consultado em 2010-01-21. 
  3. «Dg del Grosseto su Pinilla alla Fiorentina». Consultado em 2010-01-21. 
  4. «Palermo acerta contrato de quatro anos com Pinilla». Consultado em 2010-06-11. 
  5. «Pinilla é principal novidade em convocação parcial do Chile». Consultado em 2010-08-20. 
  6. «Pinilla in prestito al Cagliari». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]