Alexis Sánchez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alexis Sánchez
Alexis Sánchez
Alexis Sánchez Pelo Arsenal
Informações pessoais
Nome completo Alexis Alejandro Sánchez
Data de nasc. 19 de dezembro de 1988 (29 anos)
Local de nasc. Tocopilla, Chile
Nacionalidade chileno
Altura 1,70 m
Destro
Apelido El Niño Maravilla
Informações profissionais
Clube atual Manchester United
Número 7
Posição Atacante
Clubes de juventude
2004–2005 Cobreloa
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2005–2006
2006–2011
2006–2007
2007–2008
2011–2014
2014–2018
2018–
Cobreloa
Udinese
Colo-Colo (emp.)
River Plate (emp.)
Barcelona
Arsenal
Manchester United
0050 000(12)
0112 000(21)
0048 0000(9)
0030 0000(4)
0141 000(47)
0166 000(80)
0029 0000(4)
Seleção nacional3
2007
2006–
Chile Sub-20
Chile
0012 0000(2)
0124 000(41)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 11 de novembro de 2018.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 20 de novembro de 2018.

Alexis Alejandro Sánchez (Tocopilla, 19 de dezembro de 1988) é um futebolista chileno que atua como atacante. Atualmente, joga pelo Manchester United.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Cobreloa[editar | editar código-fonte]

Alexis (dir.) ao lado do seu compatriota Mauricio Isla, quando atuavam juntos na Udinese

Sánchez começou sua carreira profissional no Cobreloa. Estreou profissionalmente em 12 de fevereiro de 2005 ante ao Club de Deportes Temuco com dezesseis anos de idade.[1]

Udinese, Colo-Colo e River Plate[editar | editar código-fonte]

A Udinese o contratou em maio de 2006 por cinco temporadas.[2] Porém, devido a sua pouca idade, logo o emprestou ao Colo-Colo.[3]

Foi novamente emprestado, desta vez ao River Plate, onde estreou em 26 de agosto de 2007 ante ao San Martín.[4] Ainda com poucas partidas no clube sofreu grave lesão em seu tornozelo esquerdo que o tirou dos gramados por meses.[5] Mesmo assim, ainda foi campeão argentino (Clausura) de 2008.

Somente em 22 de julho de 2008 foi apresentado pela Udinese como reforço para a temporada.[6] Pôde jogar com seus companheiros de Campeonato Sul-Americano Sub-20, Mauricio Isla e Nicolás Corvetto. Rapidamente, o jogador tornou-se popular entre os torcedores da Udinese por conta de sua habilidade com a bola. Em 8 de fevereiro, Sánchez marcou um gol no último minuto da partida contra o Bologna.[7]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Em 21 de julho de 2011, foi anunciado como reforço do Barcelona.[8] Em sua primeira temporada no Barça não teve muitas chances como titular devido a ótima fase de David Villa. Apenas após este sofrer uma lesão no final da temporada foi que o chileno passou a jogar como titular. Sua primeira grande oportunidade foi a partida de ida contra o Chelsea em Stamford Bridge pela semifinal da Liga dos Campeões, onde foi bastante elogiado pela boa movimentação, mas também ficou marcado por ter desperdiçando a melhor chance de gol da equipe catalã que foi derrotada pelo placas mínimo (1-0). No jogo de volta teve uma atuação apagada e foi substituído no início da segunda etapa, na partida que acabou empatada em 2-2, resultado que eliminou o clube blaugrana em pleno Camp Nou. Na final da Copa do Rei se destacou dando uma assistência para Fábregas e participando da maioria das jogadas ofensivas da equipe e que acabaram em gol; a partida acabou 6x2 para o Barça diante do Athletic Bilbao. Ao todo ele disputou 14 partidas na temporada, sendo 9 como titular e marcou 3 gols, todos eles quando esteve em campo os noventa minutos.

Na temporada 2012-13 Sánchez ganhou mais espaço no clube e foi peça importante durante a campanha do título do Campeonato Espanhol. Atuando como titular ao lado de Lionel Messi ou substituto de Villa, conseguiu fazer boas partidas e teve a aprovação do torcedor. Encerrou a temporada com 11 gols marcados, todos eles pela Liga, num total de 23 partidas disputadas (15 como titular).

A temporada 2013-14 foi com certeza a melhor de Sánchez no Barcelona. Devido a saída de David Villa, o chileno ganhou a posição de titular e, agora, com a chegada do brasileiro Neymar, tornou-se o atacante mais avançado formando um trio ofensivo de Sul-Americanos com Neymar e Messi. Apesar de não ter conquistado títulos na temporada, foi a que ele mais se destacou individualmente. Encerrou a temporada com 20 gols marcados, sendo 15 pela Liga, 3 na Copa do Rei e mais 2 pela fase de grupos da UEFA Champions League.

Arsenal[editar | editar código-fonte]

Quando surgiu o interesse no Barcelona de contratar o atacante uruguaio Luis Suárez do Liverpool, Sánchez, por saber que poderia novamente perder espaço na equipe, procurou facilitar a sua transferência. Logo surgiram diversos clubes interessados, mas a proposta arrebatadora foi a do Arsenal, que não tinha nenhum nome de destaque para a sua posição.

Em julho de 2014 transferiu-se então para o Arsenal Football Club por 30 milhões de libras (aproximadamente R$ 114 milhões) com o uniforme número 17.[9]

Como era de se esperar Sánchez ganhou rapidamente a condição de principal estrela da equipe, conduzindo os Gunners ao título da Copa da Inglaterra como artilheiro da equipe na competição com seis gols marcados. No Inglês o Arsenal ficou com o vice, atrás apenas do Chelsea, que dominou a competição. Terminou a temporada com 16 gols na Premier League, 6 pela Copa da Inglaterra e mais 2 pela Liga dos Campeões. Na temporada seguinte tornou-se o capitão da equipe e passou a utilizar o uniforme com numeral 7, o mesmo utilizado na Seleção Chilena. Na temporada 2016-17 conquista mais uma vez o título da Copa da Inglaterra, desta vez marcando o primeiro gol da emocionante vitória por 2x1 contra o Chelsea que era candidato favorito ao título, já que havia sido mais uma vez campeão da Premier League dominando a competição.

Manchester United[editar | editar código-fonte]

Em 22 de janeiro de 2018, assinou com o Manchester United, que em troca cedeu Henrikh Mkhitaryan ao Arsenal.[10] Com o acordo, Alexis passou a ser o jogador mais bem pago da história da Premier League, com um salário anual de 23 milhões de libras, recebendo 350 mil por semana. Fez sua estreia em 26 de janeiro, em partida contra o Yeovil Town, válido pela quarta fase da FA Cup de 2017–18. Alexis começou como titular e deu a assistência para o segundo gol do United, marcado por Ander Herrera, na vitória por 4–0.[11]

Seleção Chilena[editar | editar código-fonte]

Com apenas dezessete anos, Sánchez foi convocado e atuou por diversas vezes pela Seleção Chilena. Estreou oficialmente em um amistoso contra a Nova Zelândia em 27 de abril de 2006, entrando aos 13 minutos do segundo tempo no lugar de Juan Lorca.[12] Como ficou fora da Copa do Mundo de 2006, a Seleção Chilena viajou para disputar amistosos na Europa contra a Irlanda, Costa do Marfim e Suécia, as duas últimas em preparação para o torneio. Sánchez teve destacas atuações nas três partidas, despertando o interesse mundial para aquele desconhecido chileno que acabara de subir para o time principal do Cobreloa.

Apesar de marcar apenas um gol no Campeonato Sul-Americano Sub-20, realizado em janeiro do ano seguinte, Sánchez provou ser peça vital para a equipe que se classificou para o Mundial Sub-20, realizado alguns meses depois no Canadá. Durante o torneio, Alexis teve várias chances e deu inúmeras assistências a seus companheiros de equipe.

Dois anos mais tarde, Alexis Sánchez foi titular absoluto da boa campanha chilena nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, tendo destacáveis atuações, como na partida em que marcou dois gols na vitória do Chile sobre a Bolívia por 4-0, em Santiago. A promissora equipe chilena havia garantido sua vaga no Mundial do ano seguinte, realizado na África do Sul. No torneio, porém, o Chile viu suas expectativas irem por água abaixo na partida contra a Seleção Brasileira, uma das favoritas ao título, e acabou eliminado nas oitavas-de-final após um 3x0 a favor dos brasileiros (ficha da partida).

Com a chegada de Jorge Sampaoli no comando, Sánchez se torna a principal estrela da Seleção Chilena e foi destaque durante toda a ótima campanha do Chile na Eliminatórias, onde ficou em 2° colocado.

Foi convocado para a Copa do Mundo FIFA de 2014 realizada no Brasil como principal jogador do Chile. Já na estreia a empolgada torcida chilena festejou a vitória e ótima atuação da equipe contra a Austrália, onde seu principal jogador teve um papel fundamental, marcando um gol e dando uma assistência. A partida acabou 3 a 1 para os chilenos. Nas oitavas de final contra os donos da casa foi dele o gol que levou a partida para a prorrogação e pênaltis, porém não conseguiu evitar a eliminação.

Em 2015 vive seu melhor momento com a camisa do Chile conquistando o título inédito da Copa América, que foi disputada em seu próprio país. Sánchez teve uma papel funamental e inclusive converteu o pênalti que deu o título ao Chile por cobertura na disputa de penalidades contra a Argentina, após empate sem gols no tempo normal e prorrogação no Estádio Nacional em Santiago. No ano seguinte derrota novamente a Argentina nos pênaltis e consegue se sagrar bicampeão da América pelo Chile, conquistando então a Copa América Centenário.

Em 2017 conquistou o vice-campeonato da Copa das Confederações pelo Chile, com um desempenho abaixo do que nas duas conquistas continentais. Também participou do grande fracasso chileno nas eliminatórias para a Copa do Mundo FIFA de 2018, no qual a então bicampeã da América não conseguiu se classificar e terminou apenas em 6° lugar, ficando de fora até mesmo da Repescagem.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Colo-Colo
River Plate
Barcelona
Arsenal
Seleção Chilena

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Desde Cobreloa a Arsenal: 10 años en la carrera de Alexis Sánchez en videos» (em espanhol). El Gráfico. 13 de fevereiro de 2015 
  2. «Udinese se "sudamericaniza" con Alexis Sánchez a la cabeza» (em espanhol). El Mercurio. 18 de maio de 2006 
  3. «Em 2006, a Udinese contratou Sánchez, mas, por conta de sua pouca idade, o emprestou para ganhar mais quilometragem». Placar. 14 de janeiro de 2015 
  4. «Alexis Sánchez debutó en Argentina con derrota de River Plate» (em espanhol). El Mercurio. 26 de agosto de 2007 
  5. «Alexis Sánchez sufre rotura de ligamentos y estará dos meses sin jugar» (em espanhol). El Mercurio. 27 de setembro de 2007 
  6. «Udinese negó irregularidades tras presentar a Alexis Sánchez como refuerzo» (em espanhol). Cooperativa.cl. 22 de julho de 2008 
  7. «Udinese vs. Bologna». Soccerway. 8 de fevereiro de 2009. Consultado em 13 de junho de 2009 
  8. «Barcelona anuncia acordo por Alexis Sánchez». Trivela.com. 21 de julho de 2011. Consultado em 21 de julho de 2011 
  9. «Alexis Sanchez agrees to join Arsenal» (em inglês). Sítio oficial Arsenal FC. 10 de julho de 2014 
  10. «Henrikh Mkhitaryan signs as Alexis leaves club». arsenal.com. 22 de janeiro de 2018 
  11. «Sánchez estreia, United goleia time da Quarta Divisão e avança na Copa da Inglaterra». Globoesporte.com. 26 de janeiro de 2018 
  12. «Chile 1 New Zealand 0». NZ Soccer. 27 de abril de 2006. Consultado em 7 de julho de 2009 
  13. «A bola de ouro fica para Alexis Sanchez». CONMEBOL. 26 de junho de 2016 
  14. «Onze sul-americanos compõem o time ideal da Copa América Centenário». CONMEBOL. 28 de junho de 2016 
  15. «The 100 best footballers in the world 2016 – interactive» (em inglês). The Guardian 
  16. «Alexis Sanchez» (em espanhol). Marca 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexis Sánchez