Museu de Arte Sacra (São Luís)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Conjunto formado pela Igreja da Sé e Palácio Episcopal, onde fica o Museu de Arte Sacra

O Museu de Arte Sacra é um museu localizado na cidade de São Luís, no Maranhão. Foi instalado no segundo pavimento do Palácio Episcopal de São Luís, na Praça Pedro II, buscando apresentar o processo histórico de colonização e ocupação do território maranhense, iniciado no século XVII, com um acervo de objetos de arte sacra e arte jesuíta.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Com a expulsão dos jesuítas do Maranhão, em 1759, sendo seus bens móveis transferidos para a coroa portuguesa. Alguns anos depois, a antiga Sé da cidade de São Luís foi demolida por ordem do governador Joaquim de Melo e Póvoas que promoveu uma reforma urbanística, dando novos usos aos edifícios jesuítas. O colégio passou a ser o palácio dos bispos (episcopal) e a igreja da companhia tornou-se a catedral da cidade de São Luís, tendo sido dedicada a Nossa Senhora da Vitória.[2]

A catedral tem seu retábulo em talha dourada, um tesouro da arte barroca brasileira, e foi tombada pelo IPHAN em 1954.[2]

Em 2014, foi inaugurado o Museu de Arte Sacra no segundo pavimento do Palácio Episcopal, com 13 salas, recebendo as obras que estavam no antigo museu, contíguo ao Museu Histórico e Artístico do Maranhão.[3]

Acervo[editar | editar código-fonte]

Palácio Episcopal de São Luís

Parte do acervo pertence à Arquidiocese de São Luís, havendo mais de 400 peças, sendo em sua maioria obras e objetos de com peças de imaginárias, ourivesaria e paramentos dos séculos XVII, séculos XVIII e XIX nos estilos maneirista, barroco, rococó e neoclássico , incluindo esculturas, peças e imagens utilizados em celebrações religiosas, destacando-se obras da Escola Maranhense de Imaginária.[1]

Também tem destaque as imagens de santos conhecidos como “santos de roca” ou “de vestir”, tradicionalmente são utilizados em procissões da Semana Santa, sendo típicas do período barroco, mas estendendo-se até meados do século XIX.[4]

Referências