Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Monte Alegre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Localização Paraná
Dados
Área 3 852,30 ha
Criação 1998
Gestão Klabin S.A.

A Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Monte Alegre é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) brasileira localizada na Fazenda Monte Alegre, no município de Telêmaco Borba, nos campos gerais do Paraná.[1][2][3][4] Pertence e é gerida pela Klabin S.A..[5][6][7][8][9]

A unidade de conservação estadual foi criada em 1998 pela Portaria 182 do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), abrangendo uma área de 3.852 hectares, estando em média a 875 metros acima do nível do mar, no segundo planalto paranaense.[1][6]

Adotando uma política ambiental que vai de encontro com a conservação da natureza, a Klabin teve a iniciativa de transformar áreas mais preservadas da Fazenda Monte Alegre em reservas que se configuram em uma unidade de conservação perpétua de uso sustentável, se conectando com outras áreas de preservação permanente (APP), formando assim corredores ecológicos que se somam às outras áreas de práticas de manejo florestal e da fauna. [10]

A empresa é responsável pela vigilância e o monitoramento da RPPN, visando à proteção da fauna e da flora contra caça, pesca e extração da vegetação. Possui equipe de funcionários especializados e tecnologia e equipamentos para monitorar e combater incêndios.[6][10]

Além da conservação da biodiversidade, na área da RPPN são desenvolvidas pesquisas científicas,[10][11] ações de proteção dos recursos hídricos, fornecimento de sementes de espécies florestais para a restauração de áreas degradadas, além da proteção de eventuais sítios arqueológicos e culturais.[12][6]

Flora[editar | editar código-fonte]

Os biomas que compreende a reserva, segundo o IBGE, são a Mata Atlântica e o Cerrado. A formação vegetacional original refere-se principalmente à Floresta Ombrófila Mista,[10] caracterizada pela presença da Araucaria angustifolia, intercalada com campos nativos e manchas de cerrado.[13][14] A flora local reúne inúmeras espécies pertencentes à diferentes famílias, sendo muitas espécies ameaçadas de alguma forma.[6] Nos diversos inventários florísticos, foram identificadas aproximadamente 600 espécies de plantas, sendo 15 raras, vulneráveis ou em perigo de extinção.[10]

Fauna[editar | editar código-fonte]

Dentro da Fazenda Monte Alegre já foram identificadas pelo menos 898 espécies de mamíferos, aves, anfíbios, répteis, peixes e crustáceos.[15][6] Destaca-se a presença de pumas, lobos-guará, antas, lontras, macacos-prego, bugios, veados, tamanduás-bandeira e tamanduás-mirim, jaguatirica, gato-mourisco, gato-do-mato, entre outros.[16][6] Levantamentos de aves são feitos desde 1981 e já foram identificadas 405 espécies com ocorrência na reserva, número que representa 60% das aves registradas no Paraná, várias delas ameaçadas de extinção, como a pomba-de-espelho (Claravis godefrida), o socó-boi (Tigrisoma fasciatum) e o gavião-pomba (Leucopternis sp).[10]

Referências

  1. a b «Reconhece e declara RPPN área de 3.852,30 ha, Município de Telêmaco Borba, propriedade da Klabin». Consultado em 22 de agosto de 2019 
  2. «Plano de Manejo - Área de Proteção Ambiental da Escarpa Devoniana» (PDF). Instituto Ambiental do Paraná. Junho de 2004. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  3. «Mapa de Unidades de Conservação» (PDF). IAP - Instituto Ambiental Do Paraná. Setembro de 2003. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  4. «Listagem das RPPN no Estado do Paraná, Reconhecidas pelo IAP - Instituto Ambiental Do Paraná». IAP - Instituto Ambiental Do Paraná. 2009. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  5. «Particulares tomam conta de 9% das áreas de preservação do estado». Rio +10. 30 de julho de 2002. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  6. a b c d e f g «Plano de Manejo Florestal - Resumo Público 2018» (PDF). Klabin. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  7. Klabin. «Serviço Público Federal. CVM - Comissão de Valores Mobiliários. IAM - Informações Anuais» (PDF). Consultado em 22 de agosto de 2019. Arquivado do original (PDF) em 6 de julho de 2016 
  8. «Biodiversidade». Klabin. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  9. Mônica C. Ribeiro (1 de abril de 2019). «Empresa e universidade ampliam conhecimento sobre conservação no Sul». Página 22. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  10. a b c d e f Luci Ayala (2010). «RPPN Mata Atlântica - Empresas Aliadas da Natureza: as reservas particulares como estratégia ambiental corporativa» (PDF). Consultado em 23 de agosto de 2019 
  11. «Klabin atua na conservação de matas nativas». Tissue Online. 23 de setembro de 2014. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  12. Valor Econômico (13 de dezembro de 2014). «O lado conservacionista das empresas». Observatório de Informações Municipais. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  13. Moro, Rosemeri Segecin; Carmo, Marta Regina do (2007). «Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná - A vegetação campestre nos Campos Gerais» (PDF). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  14. «Formações Fitogeográficas - Estado do Paraná» (PDF). Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná - ITCG. Março de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  15. Irina Maria Buss (2007). «Répteis dos Campos Gerais» (PDF). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  16. Reis, Nelio R.; Peracchi, Adriano L.; Fandiño-Mariño, Hernán; Rocha, Vlamir J. (2005). Mamíferos da Fazenda Monte Alegre - Paraná. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina (Eduel). p. 15 
Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.