Salmanaser V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Salmanaser V
Rei da Assíria
Rei da Babilônia
Rei da Suméria e Acádia
Rei dos Quatro Cantos do Mundo
Rei do Universo
Possível representação de Salmanaser V durante seu tempo como príncipe herdeiro,[1] de um dos relevos de seu pai Tiglate-Pileser III
Rei do Império Neoassírio
Reinado 727 - 722 a.C.
Predecessor Tiglate-Pileser III
Sucessor Sargão II
Rei da Babilônia
Reinado 727 - 722 a.C.
Predecessor Tiglate-Pileser III
Sucessor Merodaque-Baladã II
Cônjuge Banitu (?)
Dinastia Adasida
Nome de nascimento Salmānu-ašarēd
Morte 722 a.C.
Filho(s) Assurdainapli (?)
Outros filhos (?)
Pai Tiglate-Pileser III

Salmanaser V (em acádio: Shalmaneser in Akkadian.png; romaniz.: Salmānu-ašarēd[2][3] , lit. 'Salmanu é o principal')[3] foi o rei do Império Neoassírio após a morte de seu pai Tiglate-Pileser III em 727 a.C. à sua deposição e morte em 722 a.C.. Embora o breve reinado de Salmanaser V seja pouco conhecido de fontes contemporâneas, ele permanece conhecido pela conquista de Samaria e a queda do Reino de Israel, embora a conclusão dessa campanha às vezes seja atribuída a seu sucessor, Sargão II, em vez disso.  

Salmanaser V é conhecido por ter feito campanha extensiva nas terras a oeste do coração da Assíria, guerreando não apenas contra os israelitas, mas também contra as cidades-estado fenícias e contra os reinos da Anatólia. Embora ele tenha anexado com sucesso algumas terras ao Império Assírio, suas campanhas resultaram em cercos longos e prolongados que duraram vários anos, alguns não resolvidos no final de seu reinado. As circunstâncias de seu depoimento e morte não são claras, embora provavelmente tenham sido violentas, e é improvável que Sargão II fosse seu herdeiro legítimo. É possível que Sargão II não tivesse nenhuma relação, o que tornaria Salmanaser V o último rei da dinastia adasida, que governou a Assíria por quase mil anos.

Salmanaser V também é conhecido pelo nome de Ululaia (em acádio: Ulula in Akkadian.png; romaniz.: Ulūlāyu[2][3] , lit. 'aquele que [nasceu] no mês Ululu'),[3] possivelmente seu nome de nascimento, que é usado em vez de seu nome real Salmanaser em algumas fontes não contemporâneas. Documentos oficiais contemporâneos de seu reinado referem-se exclusivamente ao rei como Salmanaser, não Ululaia, o que significa que é improvável que este último tenha sido usado como um nome oficial de reinado.[3]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome Salmanaser, traduzido por contemporâneos como Salmānu-ašarēd na Assíria e Šulmānu-ašarēd na Babilônia, só foi usado por monarcas assírios e nunca foi dado a ninguém além do rei. Isso sugere que era exclusivamente um nome real, assumido por Salmaneser V e pelos quatro reis anteriores que usaram o nome, provavelmente após sua ascensão à posição de príncipe herdeiro e, então, mais publicamente depois de subirem ao próprio trono. O nome significa "Salmanu é o principal", Salmanu (lit. 'amigo') sendo uma divindade popular no médio período assírio e adorada exclusivamente dentro do território assírio, possivelmente sendo uma manifestação amigável da divindade nacional assíria Assur.[4] Outras interpretações do significado de Salmānu-ašarēd também existem; alternativamente, poderia significar "semelhança de Anu" ou possivelmente "adorador do fogo".[5] É improvável que Salmanaser V tenha adotado o nome real devido ao seu significado etimológico real, mas sim devido à sua associação com seus ancestrais gloriosos e predecessores distantes Salmanaser I (r. 1274–1245 a.C.) e Salmanaser III (r. 859–824 a.C.), bem conhecido por suas conquistas nas terras a oeste do coração da Assíria.[6]

A tradução moderna do nome, 'Salmaneser', vem de como o nome é traduzido em hebraico na Bíblia,[5] שלמנאסר[5] (šlmnʾsr).[4] A versão em hebraico tem seu próprio significado, não o mesmo que a versão assíria original: 'Salmanaser' é derivado das palavras shalem (ser inteiro, tornar completo) e 'asar (ligar, amarrar), efetivamente significando algo semelhante a "paz acorrentada" ou "aliança de recompensa".[5]

Salmanaser V também é conhecido pelo nome Ululaia, que significa "aquele que (nasceu) no mês Ululu". Várias fontes não contemporâneas, como o Cânone de Ptolomeu, a Lista de reis da Babilônia e as obras de historiadores greco-romanos posteriores, usam esse nome ou uma variação dele (como o grego Eloulaios) no lugar de seu nome real.[3] Isso tem sido historicamente interpretado como Ululaia tendo sido um segundo nome real de Salmanaser, mas embora o nome também apareça em um punhado de fontes contemporâneas, cartas enviadas por Salmanaser quando ele era o príncipe herdeiro de seu pai Tiglate-Pileser, estas não são formais documentos. Não há evidências de que documentos oficiais contemporâneos se referissem a ele como Ululaia.[7] Também não há evidência de que qualquer outro rei assírio tenha usado mais de um nome de reinado durante sua vida.[8] No entanto, Salmanaser V foi evidentemente lembrado por gerações posteriores pelo nome Ululaia, que, indo pelo contexto em que foi usado, pode ter sido seu nome de nascimento.[3]

Salmanaser como príncipe herdeiro[editar | editar código-fonte]

Salmanaser V era filho e herdeiro de Tiglate-Pileser III (r. 745–727 a.C.).[9] São conhecidas várias cartas enviadas por Salmanaser a seu pai enquanto Salmanaser ainda era o príncipe herdeiro (usando o nome Ululaia), todas começando com a fórmula padrão "Para o rei, meu senhor: seu servo Ululaia. Boa saúde para o rei, meu senhor! A Assíria está bem, os templos estão bem, todos os fortes do rei estão bem. O rei, meu senhor, pode ficar muito contente ". Esta introdução serviu como um relatório de rotina, dizendo ao rei que tudo estava bem nas terras do príncipe herdeiro. O conteúdo adicional das cartas registra várias atividades conduzidas por Salmanaser enquanto ele era príncipe herdeiro, como a detenção de emissários que passaram por certas cidades sem sua permissão e o transporte de mercadorias.[10] A maioria de suas responsabilidades parecem ter sido de natureza diplomática ou relacionadas à família do palácio.[6]

Embora esteja claro pelas cartas que Salmaneser controlava terras em nome de seu pai enquanto era príncipe herdeiro, não está totalmente claro onde ele estava localizado. Embora sua carta sobre a detenção dos emissários especifique que os emissários passaram pela região de Til-Barsipa e Guzana (na Síria moderna), também afirma que eles foram detidos no local mais oriental de Cubanese, o que significa que Salmanaser pode ter sido localizado próximo ao coração da Assíria, em vez de nas províncias do oeste. O fato de suas cartas mencionarem que "a Assíria está bem" pode indicar que sua área de responsabilidade era na Assíria central. Os assiriólogos Keiko Yamada e Shigeo Yamada sugeriram em 2017 que as cartas de Salmaneser foram enviadas em um momento em que Tiglate-Pileser estava fora em campanha e o príncipe herdeiro residia em Ninrude como regente. Yamada e Yamada observaram que isso era especulativo e que Salmaneser, como príncipe herdeiro, provavelmente também participou das campanhas de seu pai.[11]

É possível que uma das inscrições de Tiglate-Pileser registre o príncipe herdeiro pelo nome de Salmanaser (não Ululaia), possivelmente indicando que ele assumiu esse nome já durante o reinado de seu pai, mas o texto é fragmentário e também poderia ser uma referência a a cidade de Til-Barsipa (chamada de Car-Salmanaser pelos assírios).[12]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Fontes, artefatos e atividades[editar | editar código-fonte]

Salmanaser parece ter se tornado rei da Assíria e da Babilônia após a morte de seu pai sem desafios.[6] Poucas fontes contemporâneas sobreviveram do breve reinado de Salmanaser, o que torna muitas de suas atividades como rei pouco conhecidas e obscuras.[13][14] Nas histórias da Assíria, Salmaneser, por esse motivo, geralmente recebe no máximo apenas alguns parágrafos.[13]

Com exceção de algumas inscrições em pesos em forma de leão, não há inscrições comemorativas conhecidas que possam ser atribuídas com segurança a Salmanaser. Há um tijolo não publicado e fragmentado da cidade de Apicu (na Síria moderna) que pode ser referente a Salmanaser, indicando algumas obras de construção naquela cidade. Salmanaser não parece ter conduzido nenhum grande projeto de construção nas grandes cidades do coração da Assíria, como Assur ou Ninrude,[15] e é plausível que ele tenha passado a maior parte de seu curto reinado em guerra.[13][15]

As crônicas babilônicas afirmam que Salmanaser se tornou rei no 25º dia do mês de Tebete, após a morte de Tiglate-Pileser, e que ele morreu no mês de Tebete em seu quinto ano como rei, com seu sucessor Sargão II tornando-se rei no 12º dia de naquele mês. A Lista de reis da Babilônia registra-o pelo nome de Ululaia, confirma-o como reinando na Babilônia por cinco anos e o designa como parte da "dinastia de Baltil"[15] (Baltil sendo uma referência à parte mais antiga da cidade de Assur, essencialmente significando que Salmaneser fazia parte da "dinastia assíria").[16] Há apenas uma única fonte contemporânea preservada para o reinado de Salmanaser na Babilônia, um documento legal relativo a uma disputada venda de um escravo, datado de seu terceiro ano de reinado.[17]

O mês da coroação de Salmanaser, Tebete, foi no final do ano, correspondendo a dezembro-janeiro, o que significa que é improvável que ele tenha empreendido atividades significativas em 727 a.C.. Muito pouca informação é fornecida por qualquer uma das fontes sobreviventes dos eventos de seu reinado. A Crônica Epônima Assíria, que registra eventos significativos para cada ano na Assíria, é fragmentário no período coberto pelo reinado de Salmaneser. É plausível que a entrada fragmentária para o primeiro ano completo de Salmaneser, 726 a.C., afirme que ele permaneceu na capital assíria naquele ano, e a preposição ana(que significa "para"), preservado três vezes na Crônica nos anos subsequentes, sugere que ele estava ausente em campanhas militares em 725, 724 e 723 a.C.. Nenhuma informação sobreviveu de 722 a.C., seu último ano.[18]

Os pesos em forma de leão preservados com inscrições por Salmanaser também contêm a frase "mina da terra" (uma mina sendo uma unidade de peso do antigo Oriente Próximo), possivelmente significando "mina da terra (da Assíria)", o que sugere uma tentativa de estabelecer um padrão nacional unificado de pesos.[19]

Tradicionalmente, os reis assírios ocupavam o cargo de epônimo (nome do ano) em seu segundo ano de reinado, um costume que ocorria regularmente até o reinado de Tiglate-Pileser III, inclusive. Salmanaser desviou-se desse costume, ocupando o cargo em seu quarto ano de reinado. Os reis da dinastia sargônida que sucederam a Salmanaser também assumiram o cargo de epônimo em diferentes pontos de seus reinados, ou não, o que implica que Salmanaser promulgou algumas reformas administrativas que foram continuadas e respeitadas pelos reis que os sucederam.[20]

Governo na Babilônia[editar | editar código-fonte]

Parece que Salmanaser era relativamente sem oposição como rei na Babilônia, embora pareça ter enfrentado alguma resistência das tribos caldeus no sul. Uma carta do século VII a.C. escrita em aramaico registra deportações de cativos de Bite-Amucani por Tiglate-Pileser, de Bite-Dacuri por Salmanaser, de Dur-Sim por Sargão e de kšw (leitura incerta) pelo sucessor de Sargão, Senaqueribe.[21] Em 1925, o assiriólogo Daniel David Luckenbill identificou uma inscrição fragmentária da Babilônia como pertencente a Salmaneser V, identificando o último sinal no nome do rei na inscrição como representando ašarēd, a última parte do nome de Salmaneser (Salmaneser V foi o único rei com esse nome a governar a Babilônia). A inscrição menciona trabalhos de restauração na cidade de Borsipa e a conclusão de alguma campanha dirigida a rebeldes ou inimigos no sul, mas está muito danificada para revelar quem eram esses inimigos. O relato fragmentário nesta inscrição diz:[22]

[...] quem não se curvou em submissão aos seus pés [...] a menção do seu nome [...] a sua palavra (?) [...] trazendo [...] precipitadamente diante dele [...] aqueles que não obedeceram ao meu (?) comando [...] que [...] ele fez cercar, cercando a cidade. [...] o deus em quem ele confiava [...] com a ajuda de seu sepulcro (?) eles destruíram, seu governo [...] eles não puxaram meu (?) jugo. [...] que se levava [...] e foi entregando (eles, isto) a si mesmo (uso próprio) [...] a sua palavra e a menção do seu nome eles não temeram, e eles não pavor que seu governo [...] transbordou de sua terra (?) e a derrubou como um dilúvio. [...] o seu [...] caiu sobre ele e sua vida não existia mais. [...] eu (?) Levei embora e trouxe para a Assíria.[23]

Conquista de Samaria e guerras ocidentais[editar | editar código-fonte]

As ruínas modernas de Samaria (fotografadas em 1925)

A cidade de Samaria, capital do Reino de Israel, foi sitiada e capturada pelos assírios na década de 720 a.C.. A queda da cidade encerrou o Reino de Israel, e quase trinta mil israelitas foram deportados e reassentados no Império Assírio, de acordo com o modo assírio padrão de lidar com povos inimigos derrotados por meio do reassentamento. Este reassentamento específico resultou na famosa perda das Dez Tribos Perdidas de Israel.[24] Existe algum debate se o rei assírio que capturou Samaria foi Salmaneser V ou Sargão II. Tanto a Crônica Babilônica quanto a Bíblia (II Reis 17:3-6 e 18:9-11) claramente atribuem a conquista da cidade a Salmanaser (a Bíblia registra um cerco que durou três anos), mas Sargão afirma em várias de suas inscrições que foi ele quem a conquistou. Várias explicações foram propostas para a contradição.[25]

Mapa do Império Neoassírio na época de Salmanaser V e a deportação dos judeus sob o governo de Tiglate-Pileser III, Salmanaser V e Sargão II

A popular autora de história, Susan Wise Bauer, escreveu em 2007 que Sargão pode ter encerrado o cerco, que havia sido lento, ineficiente e ainda continuava na época da morte de Salmanaser.[24] Keiko Yamada e Shigeo Yamada escreveram em 2017 que a atribuição explícita da captura da cidade a Salmanaser tanto pelos babilônios quanto pela Bíblia significa que é provável que o evento tenha ocorrido em seu reinado. A reconstrução dos eventos coloca o início do cerco em 725 ou 724 a.C., e sua resolução em 722 a.C., perto do final do reinado de Salmanaser, e acredita que as inscrições de Sargão relacionadas a Samaria podem estar fazendo referência a outro incidente em que Sargão foi forçado a derrubar uma grande revolta na Síria, que envolveu a população de Samaria. Se essa hipótese de duas conquistas for aceita, não fica claro qual rei foi o responsável pela maioria dos reassentamentos, embora esteja claro pelas inscrições que sobreviveram que Sargão assumiu a responsabilidade por isso.[26]

Além de sua guerra contra os israelitas, Salmanaser é conhecido por ter empreendido outras campanhas no oeste. O historiador judaico-romano do século I d.C. Josefo registra uma campanha do rei assírio Eloulaios contra as cidades costeiras da Fenícia. O historiador grego do século II a.C. Menandro de Éfeso registra um cerco de cinco anos a Tiro como parte de uma guerra assíria na Fenícia, provavelmente ocorrendo durante o reinado de Salmanaser. Se o cerco durou cinco anos, deve ter sido resolvido na época da morte de Salmaneaer, com Sargão II possivelmente abandonando a política hostil contra a cidade depois de se tornar rei. Salmanasar também é conhecido por ter guerreado contra o reino de Tabal na Anatólia, como Sargão menciona em suas inscrições que seu "predecessor" derrotou e deportou o rei tabálio Huli para a Assíria. É plausível que Salmanaser anexou certos territórios entre Tabal e o coração da Assíria como parte de suas guerras ocidentais. As terras de Samal (no norte da Síria) e Que (na Cilícia) são registradas como estados tributários no reinado de Tiglate-Pileser, mas como províncias assírias integradas no reinado de Sargão.[27]

Deposição e morte[editar | editar código-fonte]

Salmanaser foi deposto em 722 a.C. e substituído como rei por Sargão II. As circunstâncias exatas em torno da luta pelo trono não são claras, mas provavelmente foram violentas. Uma sucessão estranha é claramente indicada pelo fato de que, de todas as numerosas inscrições preservadas de Sargão, apenas uma menciona o destino de Salmaneser em detalhes, registrando-o como um tirano sem Deus que roubou Assur, o centro cerimonial da Assíria, de seus direitos e privilégios tradicionais:[6][28]

Salmanaser, que não temia o rei do mundo, cujas mãos trouxeram o sacrilégio nesta cidade [Assur], impôs ao seu povo, impôs o trabalho obrigatório e uma pesada corveia, pagou-os como uma classe trabalhadora. O Ilil dos deuses,[nota 1] na cólera de seu coração, derrubou seu governo e me nomeou, Sargão, como rei da Assíria. Ele levantou minha cabeça; deixe-me segurar o cetro, o trono e a tiara.[28]

Essa inscrição serve mais para explicar a ascensão de Sargão ao trono do que para explicar a queda de Salmanaser. Conforme atestado em outras inscrições, Sargão não viu as injustiças descritas como realmente impostas por Salmanaser V. Outras inscrições de Sargão afirmam que as isenções fiscais de cidades importantes como Assur e Harã foram revogadas "nos tempos antigos" e o trabalho obrigatório descrito teria sido realizado no reinado de Tiglate-Pileser, não Salmanaser.[28]

A menos que Salmanaser de alguma forma tenha fugido da Assíria e se refugiado em um dos estados inimigos ao redor (do qual não há evidências), pode-se presumir que ele foi morto ao depor.[6] A natureza exata de sua morte não pode ser determinada. A entrada de 722 a.C. na Crônica Epônima é muito fragmentada para ler, e a Crônica Babilônica apenas descreve o fim de Salmanaser como "o destino", uma expressão que se refere à morte, mas não por meio de qualquer meio específico (isto é, natural/violento etc.). Parece claro a partir de fontes sobreviventes que a ascensão de Sargão ao trono foi combatida por uma facção significativa de assírios que apoiava Salmanaser ou seu legítimo herdeiro aparente. Isso é baseado nas inscrições de Sargão que registram o rei em seu reinado inicial como lidando com mais de seis mil "assírios culpados" por meio de reassentamento.[19] O governo de Sargão também foi desafiado na Babilônia, onde o chefe caldeu Merodaque-Baladã II assumiu o trono.[29][30]

Em listas posteriores de reis assírios, Sargão foi designado como filho de Tiglate-Pileser (e, portanto, irmão de Salmanaser), mas essa afirmação não aparece nas próprias inscrições de Sargão, onde ele é descrito como sendo chamado e nomeado pessoalmente como rei por Assur.[31] A ideia de que ele era filho de Tiglate-Pileser é aceita por muitos historiadores modernos, embora tratada com cautela considerável,[32] mas não se acredita que ele tenha sido o herdeiro legítimo e o próximo na linha após Salmanaser.[33] Alguns assiriólogos, como JA Brinkman, acreditam que Sargão, no mínimo, não pertencia à linhagem dinástica direta.[34] Referências até 670 a.C., durante o reinado do neto de Sargão II, Assaradão, a possibilidade de que "descendentes da antiga realeza" tentassem tomar o trono sugere que a dinastia sargônida fundada por Sargão não era necessariamente bem conectada aos monarcas assírios anteriores.[35] O rei da Babilônia lista dinasticamente Sargão e seus descendentes de Tiglate-Pileser e Salmanaser V: Tiglate-Pileser e Salmaneser são registrados como da "dinastia de Baltil", enquanto os sargônidas são registrados como da "dinastia de Ḫanigalbate" possivelmente conectando-os a um antigo ramo júnior da Assíria Média da família real assíria que governava como vice-reis nas partes ocidentais do Império Assírio com o título de "rei de Hanigalbate".[36] Se Sargão não tinha relação com Salmanaser e era um usurpador completamente não dinástico, a deposição e morte de Salmanaser marcou o fim da dinastia adasida, que governou a Assíria por quase mil anos, desde a ascensão de Belbani no século XVII a.C..[37]

Família e filhos[editar | editar código-fonte]

Rainha de Salmanaser[editar | editar código-fonte]

O nome da esposa e rainha de Salmanaser V era Banitu. Seu túmulo foi descoberto em escavações no Palácio do Noroeste em Ninrude em 1988–1989, ao lado de uma placa com uma inscrição funerária. Curiosamente, a tumba continha dois esqueletos femininos, mas os objetos no túmulo são atribuídos a três rainhas: Iaba (rainha de Tiglate-Pileser III), Banitu (rainha de Salmaneser V) e Atalia (rainha de Sargão II). Entre os vários objetos, um recipiente cosmético de bronze e uma tigela de ouro são atribuídos a Banitu. A suposição mais comum dos historiadores é que os dois corpos na sepultura são os de Iaba e Atalia, uma vez que a inscrição funerária registra apenas o nome de Iaba (o dono original da sepultura) e os objetos inscritos mais recentes são atribuídos a Atalia. Uma vez que a inscrição também inclui uma maldição contra qualquer um que perturbou a tumba, mas Atalia foi enterrada lá de qualquer maneira, é possível que Atalia e Iaba fossem parentes próximos, Atalia talvez sendo filha de Iaba. Seria então possível que os objetos inscritos com o nome de Banitu realmente pertencessem a Atalia, que os havia herdado da rainha anterior.[38]

Em 2008, a assirióloga Stephanie Dalley propôs a ideia alternativa de que Iaba e Banitu eram a mesma pessoa, e que o nome Iaba (baseado em atribuir-lhe uma origem semítica ocidental e traduzi-lo para "belo") foi traduzido para o acádio como "Banitu". A proposta de Dalley, já aceita por vários assiriólogos proeminentes, como Eckhart Frahm e Sarah C. Melville, implica que Iaba teria sido relativamente jovem no final do reinado de Tiglate-Pileser (e, portanto, não teria sido a mãe de Salmanaser) e teria sido casado por Salmanaser após a morte de seu pai. Há outro exemplo de dois reis sucessivos compartilhando uma rainha; no século IX a.C., Mulissu-Mucanisateninua é registrada como a rainha de Assurnasirpal II e de seu sucessor Salmanaser III, embora não esteja claro se ela realmente se casou com Salmanaser III ou apenas manteve o título. A equação de Iabâ com Banitu não pode ser provada com certeza, já que a origem etimológica (possivelmente árabe, em vez de semita ocidental) e o significado de "Iabâ" não podem ser provados de forma conclusiva, e o nome Banitu também pode ser derivado da palavra acadiana bānītu (" criadora [divina]") como banītu ("bela"). A hipótese de equiparação dos dois baseia-se apenas na possível semelhança dos nomes, não tendo sido encontrada nenhuma evidência explícita.[39]

Em 2013, o assiriólogo David Kertai questionou a equação de Banitu e Iabâ, de forma cronológica. Os exames dos esqueletos encontrados na tumba revelaram que ambas as mulheres morreram com cerca de 30-35 anos e que suas mortes foram separadas por 20-50 anos. Com base nesses dados e na especulação de que Banitu deve ter morrido durante o curto reinado de Salmanaser, e que Atalia morreu antes de Sargão II construir seu palácio em Dur Sarruquim em 707 a.C. (já que ela não é mencionada nos relevos lá), Kertai concluiu que Banitu e Iabâ eram duas mulheres diferentes e que Iabâ (então possivelmente a mãe de Salmanaser) deve ter morrido durante o reinado de Tiglate-Pileser. O assiriólogo Saana Svärd defendeu a equação em 2015, afirmando que era possível que Atalia morresse durante o reinado do sucessor de Sargão II, Senaqueribe, e fosse enterrado na mesma sepultura de Banitu, 20 a 50 anos após o enterro anterior. Embora as dificuldades cronológicas possam ser explicadas, Keiko Yamada e Shigeo Yamada questionaram em 2017 se era realmente provável que a rainha de Sargão II teria sido enterrada na mesma sepultura que a rainha de Salmanaser V, que foi deposta e morta por Sargão II.[40]

Irmãos e filhos[editar | editar código-fonte]

Se Sargão II também era filho de Tiglate-Pileser III e, portanto, irmão de Salmaneser V, os dois tinham pelo menos mais um irmão, já que as inscrições reais de Sargão falam de um irmão chamado Sinausur, que é atestado durante o reinado de Sargão como um "irmão igual" e o "grande vizir". Sinausur também é conhecido por ter participado de algumas das campanhas militares de Sargão, atestado como presente em uma de suas guerras contra Urartu no norte.[41]

A hipótese comumente aceita de que Sargão II não era o herdeiro legítimo de Salmaneser V implica a existência de mais herdeiros legítimos.[19] Em 2017, Keiko Yamada e Shigeo Yamada sugeriram que o oficial do palácio Assurdainapli fosse um dos filhos de Salmanaser V. Assurdainapli é identificado em uma carta como o "filho de Salmanaser", significando tanto Salmanaser III quanto Salmanaser V (já que o nome só foi usado por reis assírios e Salmanaser IV não tinha filhos). Existem outras referências a um filho de Salmansser III com este nome, mas é improvável que sejam a mesma pessoa que Assurdainapli parece apoiar o rei (enquanto o filho de Salmanaser III com esse nome era um rebelde). Além disso, a correspondência oficial do tipo da carta é rara desde a época de Salmanaser III, mas mais comum na época de reis posteriores.[42] A carta foi encontrada em Nínive, não chegou à capital assíria até o reinado de Senaqueribe, muito depois da morte de Salmanaser III, mas apenas algumas décadas após a morte de Salmanaser V.[43] Se ele era filho de Salmanaser V, Assurdainapli, por alguns meios, sobreviveu à turbulência e ao caos no final do reinado de seu pai e até mesmo conseguiu continuar sua carreira política, ocupando posições proeminentes no palácio possivelmente até o reinado de Assaradão (r. 681–669 a.C.), sucessor de Senaqueribe.[42]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Se a identificação de Luckenbill em 1925 da inscrição fragmentária da Babilônia que representa uma inscrição de Salmaneser V estiver correta, o rei usou a seguinte titulação nessa inscrição:[44]

[Eu sou Salmanaser], o poderoso rei, rei do Universo, rei da Assíria, rei das Quatro Regiões do Mundo, vice-rei da Babilônia, rei da Suméria e Acádia, filho de [...], rei da Assíria; mais precioso rebento da Assíria, semente da realeza, dos dias eternos.[44]

Notas

  1. "Illil dos deuses" é um dos nomes do deus Assur, como pode ser visto em outras inscrições, como Hino de Assurbanípal para Assur.

Referências

  1. Yamada & Yamada 2017, pp. 402–403.
  2. a b Bertin 1891, p. 49.
  3. a b c d e f g Yamada & Yamada 2017, p. 388.
  4. a b Yamada & Yamada 2017, pp. 387–389.
  5. a b c d Abarim.
  6. a b c d e Radner 2012.
  7. Frame 1992, pp. 303–304.
  8. Frame 1992, p. 194.
  9. Yamada & Yamada 2017, p. 389.
  10. Yamada & Yamada 2017, pp. 397–399.
  11. Yamada & Yamada 2017, pp. 399–400.
  12. Yamada & Yamada 2017, pp. 401–402.
  13. a b c Luckenbill 1925, p. 162.
  14. Yamada & Yamada 2017, p. 387.
  15. a b c Yamada & Yamada 2017, pp. 403–404.
  16. Fales 2014, p. 219.
  17. Yamada & Yamada 2017, p. 417.
  18. Yamada & Yamada 2017, pp. 405–406.
  19. a b c Yamada & Yamada 2017, p. 423.
  20. Yamada & Yamada 2017, p. 405.
  21. Yamada & Yamada 2017, pp. 417–418.
  22. Luckenbill 1925, pp. 162–164.
  23. Luckenbill 1925, pp. 163–164.
  24. a b Mark 2014.
  25. Yamada & Yamada 2017, pp. 406–408.
  26. Yamada & Yamada 2017, pp. 408–409.
  27. Yamada & Yamada 2017, pp. 410–416.
  28. a b c Elayi 2017, p. 26.
  29. Chen 2020b, pp. 202–206.
  30. Frahm 2003, p. 129.
  31. Parker 2011.
  32. Chen 2020, p. 201.
  33. Cogan 2017, p. 154.
  34. Garelli 1991, p. 46.
  35. Ahmed 2018, p. 63.
  36. Fales 2014, pp. 204, 227.
  37. Binetti 2016, p. 53.
  38. Yamada & Yamada 2017, pp. 390–392.
  39. Yamada & Yamada 2017, pp. 392–394.
  40. Yamada & Yamada 2017, p. 394.
  41. Yamada & Yamada 2017, p. 395.
  42. a b Yamada & Yamada 2017, p. 426.
  43. Luckenbill 1924, p. 17.
  44. a b Luckenbill 1925, p. 164.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes da internet[editar | editar código-fonte]

Salmanaser V
Morte: 722 a.C.
Precedido por:
Tiglate-Pileser III
Rei da Assíria
727 – 722 a.C.
Sucedido por:
Sargão II
Rei da Babilônia
727 – 722 a.C.
Sucedido por:
Merodaque-Baladã II