Stieg Larsson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Stieg Larsson
Karl Stig-Erland Larsson
Nascimento 15 de agosto de 1954
Skelleftehamn, Bótnia Ocidental, Suécia
Morte 9 de novembro de 2004 (50 anos)
Estocolmo, Suécia
Nacionalidade sueco
Cônjuge Eva Gabrielsson
Ocupação escritor e jornalista
Gênero literário ficção e Thriller
Magnum opus Trilogia Millennium (2005-2007)
Página oficial
Stieg Larsson Website

Karl Stig-Erland "Stieg" Larsson ( /stɡ ˈlɑrsən/, (Skelleftehamn, 15 de agosto de 1954Estocolmo, 9 de novembro de 2004), mais conhecido como Stieg Larsson, foi um jornalista e escritor sueco, famoso pela trilogia policial Millennium, livros publicados postumamente, após a morte súbita de Stieg, em 2004. A trilogia foi um sucesso de crítica e de público em todos os países em que foi lançada. No seu país de origem, Suécia, uma em cada quatro pessoas leu pelo menos um exemplar da série.[1]

A trilogia foi adaptada em três filmes na Suécia e um nos Estados Unidos (apenas do primeiro livro). A editora então encomendou uma expansão da trilogia ao escritor David Lagercrantz, totalizando seis livros. Foi o segundo autor mais bem-vendido no mundo em 2008, atrás apenas de Khaled Hosseini, após o sucesso da tradução de seu primeiro livro, The Girl With the Dragon Tattoo.[2] O último livro da trilogia, The Girl Who Kicked the Hornets' Nest, tornou-se um sucesso nos Estados Unidos, em 2010.[3] Em março de 2015, a série vendeu mais de 80 milhões de cópias pelo mundo.[4]

Stieg Larsson foi um dos mais influentes jornalistas e ativistas políticos suecos. Trabalhou na destacada agência de notícias TT. À frente da revista Expo, fundada por ele, denunciou organizações neofascistas e racistas. É co-autor de Extremhögern, livro sobre a extrema direita em seu país.[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Stieg Larsson nasceu em 15 de agosto de 1954, como Karl Stig-Erland Larsson, em Skelleftehamn. Seu pai e seu avô materno trabalhavam na fundição local. Sofrendo de envenenamento por arsênico, seu pai se demitiu e a família se mudou para Estocolmo. A família vivia em condições difíceis e decidiram deixar o Stieg, de apenas um ano para trás. Até os 9 anos, ele morou com seus avós em uma pequena cabana no interior, perto da vila de Bjursele, na comuna de Norsjö. Ele estudou na escola da vila e costumava esquiar até chegar lá durante os longos invernos suecos, época que ele lembrava de ter sido muito boa de se viver.[5][6]

Stieg Larsson não gostava do movimento ambiente urbano da cidade de Umeå, para onde ele se mudou para morar com os pais depois que seu avô, Severin Boström, morreu de infarto aos 50 anos. Larsson se formou na escola secundária em 1972 então se candidatou a uma vaga na Joint Colleges of Journalism, em Estocolmo, mas não passou no exame de admissão. Em 1974, Larsson foi convocado pelo Exército devido à lei de alistamento militar e serviu 16 meses de serviço obrigatório, treinando com morteiros na unidade de infantaria em Kalmar.[5] Sua mãe, Vivianne, morreu em 1991, devido a complicações relacionados a um câncer de mama e a um aneurisma.[7]

Escrita[editar | editar código-fonte]

Em seu aniversário de 12 anos, Larsson ganhou de seus pais uma máquina de escrever.[6] Inicialmente, seus trabalhos não eram thrillers de investigação, mas sim de ficção científica. Ávido leitor desde a infância, ele se tornou ativo no fandom da ficção científica sueco por volta de 1971. Junto de Rune Forsgren, ele editou o fanzine Sfären, em 1972, ano em que participou de sua primeira convencção do gênero, na capital. Foram cerca de 30 fanzines durante a década de 1970. Quando se mudou para Estocolmo, ele se tornou ativo na Scandinavian SF Society, na qual foi membro em 1978, 1979 e presidente em 1980.[7]

Em seus primeiros fanzines, entre 1972-1974, ele publicou vários contos de ficção científica, tendo submetido outros em revistas amadoras e semiprofissionais. Foi co-editor ou editor de vários outros fanzines e presidente do maior fã-clube de ficção científica da Suécia, o Skandinavisk Förening för Science Fiction.[8]

Ativismo e jornalismo[editar | editar código-fonte]

Larsson também trabalhou como fotógrafo e foi quando se envolveu com o ativismo político de esquerda. Tornou-se membro do Socialistiska Partiet (Liga Comunista dos Trabalhadores). Foi também editor do periódico trotskista Fjärde internationalen e escrevia regularmente para o Internationalen, periódico do partido socialista.[9] Em 1977, Larsson passou parte do ano na Eritreia, treinando um esquadrão feminino de guerrilha da Frente de Libertação do Povo Eritreu no uso de morteiros. Foi forçado a abandonar o treinamento depois de sofrer uma doença renal.[10] De volta à Suécia, trabalhou como designer gráfico para uma das maiores agências de propaganda do país, a Tidningarnas Telegrambyrå, entre 1977 e 1999.[9]

Suas convicções políticas, bem como seu trabalho jornalístico, o levou a fundar a Swedish Expo Foundation, semelhante à British Searchlight Foundation, fundada para "reagir ao crescimento da extrema direita e à cultura da supremacia branca em escolas e entre os jovens".[11] Quando não estava em seu trabalho na agência, ele pesquisava de maneira independente o extremismo da extrema-direita na Suécia. Em 1991, o material pesquisado virou seu primeiro livro, Extremhögern (A Extrema Direita). Larsson logo se tornaria fundamental na documentação e exposiç~~ao da extrema direita e de organizações racistas no país.[9]

Justamente por seu posicionamento político e por denunciar a extrema-direita, Larsson se tornou alvo de ameaças de morte ao longo de vários anos, mas Larsson não deixou de palestrar e debater a respeito por causa disso.[11]

Mudança de nome[editar | editar código-fonte]

O primeiro nome de Larsson, originalmente, é Stig, que é a pronúncia comum. Em seus 20 anos, ele mudou a grafia para não confundir com seu amigo Stig Larsson, poeta, escritor, dramaturgo, ator e diretor e que virou um autor de sucesso na Suécia após a morte de Stieg.[6]

Morte[editar | editar código-fonte]

Stieg Larsson morreu em 9 de novembro de 2004, em Estocolmo, após um infarto, aos 50 anos. Larsson resolveu subir sete lances de escada até ao seu escritório na sede da revista Expo, já que o elevador estava quebrado. Apesar de terem existido especulações sobre sua morte ter sido encomendada, a hipótese foi logo descartada. A dieta de Larsson consistia basicamente de café, cigarro e comida processada, sem contar o fato de haver casos de infartos fulminantes na família.[12] Ele foi sepultado no cemitério da Igreja de Högalid, no distrito de Södermalm, na capital sueca.[13]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Trilogia Millennium[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Os homens que não amavam as mulheres». Mundo positivo. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada em 15 de maio de 2012 .
  2. «Bestselling fiction authors in the world for 2008». AbeBooks. 15 de janeiro de 2009. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  3. Daisy Maryles, ed. (3 de setembro de 2011). «The Winning Game: 2010 Hardovers, Facts, Figures». Publishers Weekly. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  4. «Here's the Cover for the New Book in Stieg Larsson's Millennium Series». Time. 21 de março de 2015. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  5. a b c SUSAN DONALDSON JAMES (ed.). «Stieg Larsson Silent as Real-Life Lisbeth Raped». ABC News. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  6. a b c Jenny Petersson (ed.). «Berättelsen om Stieg Larsson». norran.se. Consultado em 15 de junho de 2011. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2011 
  7. a b Gabrielsson, Eva; Colombani, Marie-Françoise; Coverdale, Linda (2011). "There Are Things I Want You to Know" about Stieg Larsson and Me. Nova York: Seven Stories 
  8. Dave Itzkoff, ed. (8 de junho de 2010). «Unpublished Manuscripts by Stieg Larsson Are Found». The New York Times. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  9. a b c «Work». Stieg Larsson Official Website. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  10. Homa Khaleeli, ed. (16 de outubro de 2010). «Stieg Larson 'spent year training Eritrean guerrillas'». The Guardian. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  11. a b «About Expo». Expo.se. 7 de maio de 2010. Consultado em 5 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2010 
  12. Susan Donaldson James, ed. (21 de fevereiro de 2011). «Stieg Larsson's Girlfriend Rages in Memoir». ABC News. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  13. Dare Lasisi Blog (ed.). «Stieg and Me by Eva Gabrielsson (Book Review by Dare Lasisi)». Consultado em 16 de novembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]