TV Vila Real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de TV Record Cuiabá)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde abril de 2016). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
TV Vila Real
TV Gazeta Ltda.
Cuiabá, Mato Grosso
Brasil
Tipo Comercial
Canais
10 VHF analógico
38 UHF e 10.1 Virtual digital
Sede Bandeira de Cuiabá.svg Cuiabá, MT
Rua Professora Teresa Lobo, 30 - Consil
Slogan É nossa. É daqui
Rede RecordTV
Rede(s) anterior(es) CNT (1993-1995)
Fundador João Dorileo Leal
Pertence a Grupo Gazeta de Comunicação
Proprietário João Dorileo Leal
Presidente João Dorileo Leal
Fundação 26 de novembro de 1993 (24 anos)
CNPJ 21.242.623/0001-40
Prefixo ZYQ 722
Nome(s) anteriore(s) TV Gazeta (1993-2007)
TV Record Cuiabá (2007-2016)
RecordTV Cuiabá (2016-2017)
Emissoras irmãs
Cobertura Cuiabá e partes do estado de Mato Grosso
Coord. do transmissor 15° 34' 56" S 56° 5' O
Potência 15 kW
Página oficial gazetadigital.com.br

TV Vila Real é uma emissora de televisão brasileira sediada em Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso. Opera nos canais 10 VHF e 38 UHF digital, e é afiliada à RecordTV. Pertence ao Grupo Gazeta de Comunicação, criado em 1990 pelo empresário João Dorileo Leal, com a fundação do jornal A Gazeta.

História[editar | editar código-fonte]

A emissora foi fundada como TV Gazeta em 26 de novembro de 1993, transmitindo a programação da CNT. É importante destacar que a emissora foi pioneira ao trazer a proposta de uma programação local e a transmiti-la para todo o Estado. Na época, era uma inovação para o setor de comunicação mato-grossenses, afinal, o espaço para programas locais em outras emissoras eram muito pequenos. Dois anos após a fundação da emissora, em 1995, houve a afiliação com a Rede Record.

Em 1998, a TV Gazeta passou a transmitir o sinal via satélite e levar a programação regional para praticamente todos os municípios do Estado. Em maio de 2007, houve a renovação de contrato com a Rede Record. A partir daí, emissora passa a se chamar TV Record Cuiabá.

Após a renovação, houve mudanças na grade e, a partir de então, foram destinadas cerca de duas horas e meia diárias para a programação local. Em 26 de novembro de 2017, ao completar 24 anos no ar, a emissora passou a se chamar TV Vila Real, mesmo nome utilizado por sua co-irmã Vila Real FM e uma referência ao nome original da cidade de Cuiabá.[1]

Programas[editar | editar código-fonte]

Além de retransmitir a programação nacional da RecordTV, atualmente a TV Vila Real produz e exibe os seguintes programas:

  • A Notícia de Frente: Programa de debates, com Antero Paes de Barros, Lúcio Sorge e Edivaldo Ribeiro;
  • Jornal da Manhã: Telejornal, com Antônio Carlos Silva;
  • Cadeia Neles: Jornalístico policial, com Edivaldo Ribeiro;
  • Jornal do Meio-Dia: Telejornal, com Nahyara Moura e Lúcio Sorge;
  • Vila nos Esportes: Jornalístico esportivo, com Patrícia Rosa;
  • Cidade Alerta MT: Jornalístico policial, com Toninho de Souza;
  • Revista Sertaneja: Programa de variedades, com Arizona

Diversos outros programas compuseram a grade da emissora e foram descontinuados:

  • MT Record: Telejornal do horário noturno, apresentado por Toninho de Souza, e extinto em 24 de novembro de 2017
  • O Povo Reclama: ficou no ar por quase 15 anos, mas foi extinto logo depois da morte de seu criador Clóvis Roberto.
  • Terceiro Mundo: debatedor - passavam pela mediação do programa Antônio Carlos Silva, Lúcio Sorge e Diélcio Moreira.

Telejornais Locais[editar | editar código-fonte]

Revista da Manhã (atual Revista Sertaneja)[editar | editar código-fonte]

O primeiro telejornal lançado pela emissora, Revista da Manhã, ficou no ar até 2006. O telejornal teve como primeira apresentadora a jornalista Lana Motta. Edmilson Maciel também foi apresentador do Revista, mas foi Magno de Paula que comandou por mais tempo. Contratado um mês antes da inauguração da TV Gazeta para apresentar o jornal, ele ancorou o Revista da Manhã por 12 anos. Anos após, voltou apenas como semanal, com Michelle Diehl na apresentação. Logo depois, a jornalista Aline Romio comandava o programa às tardes de sábado até 2014.

Em 7 de março de 2015, o formato se renovou para poder estar mais junto de seu público telespectador. Estreou ali o programa Revista Sertaneja, sendo então voltado para o público que se liga na linguagem do sertanejo raiz. Desde a sua estreia, o programa é apresentado pelo locutor de rodeios e radialista Wanderley Roldão da Silva, conhecido popularmente como "Arizona".

Cadeia Neles[editar | editar código-fonte]

O jornalismo policial ganhou vida no canal 10. Com o programa Cadeia Neles se iniciando nos primórdios do canal, o policial se misturava com humor, pois tinha na apresentação o radialista Lino Rossi e Juvenílio da Silva Lara, conhecido como Tenente Lara Ás de Ouro. Logo, o programa ganhou fama, e se tornou o mais assistido de todo o Estado. Com o tempo, a apresentação ficou por conta do jornalista e radialista Clóvis Roberto, que sempre defendeu os diretos cidadãos e da família. O radialista Edivaldo Ribeiro fez companhia para Clóvis durante alguns anos, tornando o programa mais polêmico e debatedor.

Em 3 de novembro de 2010, Mato Grosso chorou: a sua principal voz tinha se calado. Clóvis Roberto faleceu 63 anos, vítima de um câncer de pulmão, contra o qual vinha lutando desde o ano anterior. Ele estava internado no Hospital São Mateus, em Cuiabá. Ele havia se afastado do trabalho por 9 meses em 2009[2], e depois relutou, trazendo a graça que tinha por um intervalo de tempo. O jornalista Toninho de Souza, até então apresentador provisório do policial, abriu o programa em especial ao colega, que apresentou pesares de todos os amigos e telespectadores.

Em abril de 2011, o Cadeia Neles ganhou uma substituição: o apresentador e político Walter Rabello tornou-se o mais novo âncora do policial. Como disse na estreia, teve sucesso na sua proposta de "honrar o nome de Clóvis Roberto". Em dezembro de 2014, infelizmente, Walter Rabello, aos 48 anos, sofreu um choque hipovolêmico, hemorragia digestiva alta e úlcera gástrica abdominal que o levaram a ter uma parada cardíaca. Daí, ele veio a falecer na manhã do dia 9, uma terça-feira.

O jornalista e radialista Edivaldo Ribeiro, que cobriu parte do velório do colega ao vivo no programa, está apresentando o programa atualmente.

Retransmissoras[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.