Tratado sobre a Ressurreição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Tratado sobre a Ressurreição é um dos manuscritos descobertos nos códices da Biblioteca de Nag Hammadi (Códice Jung) encontrados no Egito. A cópia sobrevivente está em Copta e é o penúltimo texto no códice.

Tradição[editar | editar código-fonte]

A crença na Ressurreição está no coração da fé Cristã. Era, portanto, tema central das perguntas e dos discursos entre os adeptos da nova fé. Estas discussões que tratavam da crença na vida após a morte continuaram através dos séculos II e III, como indicam os diferentes tratados dedicados ao assunto. Nesta tradição se situa o Tratado sobre a Ressurreição de Nag Hammadi.

Aspectos literários[editar | editar código-fonte]

O texto se apresenta como um documento redigido por um senhor a seu discípulo, Regino, ainda que falte endereço no início da Epístola. É um tratado pequeno e didático, com oito páginas, que se assemelha a um discurso inflamado.

O tema da Ressurreição[editar | editar código-fonte]

A Ressurreição dos Mortos

A importância desta carta está na sua interpretação particular e pouco ortodoxa da influência dos ensinamentos cristãos sobre a vida após a morte. Antes do final do século II, a data provável em que foi escrito, os Cristãos - Gnósticos ou Ortodoxos - estavam lutando contra certos desafios e dúvidas:

  • Esta vida era demonstrável filosoficamente (como Sócrates havia discutido em Fédon?
  • Que formato teria? (A imortalidade da Alma? A Ressurreição dos corpos? A reencarnação?)
  • Quando se daria esta vida? (Na morte? No retorno de Cristo? Quem dera até mesmo antes da morte?)

Os ensinamentos do Novo Testamento são ambíguos sobre estes pontos, ainda que dentro da Igreja haja um acordo sobre pelo menos dois destes temas: o modelo e a base para a esperança de vida eterna eram a Ressurreição de Jesus e a ressurreição dos indivíduos implicaria na retenção de suas identidades pessoais1

Neste tratado, a ressurreição não pode ser advinda da discussão filosófica, mas apenas na fé na ressurreição do Senhor. Ela aparece primeiro na encarnação, morte e ressurreição do Senhor, que é representada para seus discípulos como o Sol revelando seus raios.2

A forma desta ressurreição é expressada em relação com a separação do homem interior após a morte do corpo físico, para colocar uma vestimenta de luz (raios do Sol). Os seguidores mais fiéis, assim, participam pela fé do dom da ressurreição do Senhor2 , uma doutrina também apresentada explicitamente no Evangelho de Filipe.3

O escritor é certamente Cristão e sua fé está firmemente plantada no Novo Testamento. Porém, o texto revela algumas características típicas do Valentianismo, como a crença de que a ressurreição já havia chegado ou a noção da restauração da alma ao Pleroma depois de uma deficiência. Há ainda a crença de Jesus seria um Aeon2 .

Referências

  1. Tratado sobre a Ressurreição em Early Christian Writings, em inglês
  2. a b c Robinson, James M.. The Nag Hammadi Library, revised edition: The Treatise on the Resurrection (Malcom Peel) (em inglês). São Francisco: Harper Collins, 1990.
  3. Robinson, James M.. The Nag Hammadi Library, revised edition: The Gospel of Philip (trad. Wesley W. Isenberg) (em inglês). São Francisco: Harper Collins, 1990.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]