Assembleia Legislativa do Paraná

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde abril de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.


Assembleia Legislativa do Estado do Paraná
Brasão do Paraná.svg
Tipo
Tipo Unicameral
Liderança
Valdir Rossoni, PSDB
Estrutura
Membros 54
Sede
Assembléia Legislativa do Paraná.JPG
Curitiba, Paraná
Site
www.alep.pr.gov.br

Assembleia Legislativa do Paraná é o órgão de representação do Poder Legislativo através dos 54 deputados estaduais do estado do Paraná. Fica localizada no bairro do Centro Cívico, na capital Curitiba, em frente ao Palácio Iguaçu, na Praça Nossa Senhora da Salete.

Atribuições[editar | editar código-fonte]

A principal competência da Assembleia é a de fazer, suspender, interpretar e revogar as leis de competência do Estado. Além disso, fiscaliza e controla atos do Poder Executivo, e responde pela organização administrativa de seus próprios serviços. As leis que aprova são sancionadas ou vetadas pelo Governador. Trata das questões relativas à sua organização interna e exerce uma competência judicial quando participa do julgamento do Governador e Secretários de Estado, nos crimes de responsabilidade.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A Mesa Executiva é composta pela presidência, três vices-presidências e cinco secretarias. O atual presidente é o deputado Valdir Rossoni (PSDB).

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Poder Legislativo no Paraná nasceu com a criação da Província do Paraná, pelo Imperador D. Pedro II em 1853 e a instalação da Assembleia Provincial em 1854. Na condição de Comarca, o território não tinha sua própria constituição e regia-se pelas Leis Gerais da Província de S. Paulo.

Era evidente para os paranaenses a necessidade de libertar-se da tutela de São Paulo para que o Paraná trilhasse seu próprio caminho em busca de seu desenvolvimento sócio-cultural e econômico. A Carta outorgada em 1824 por D. Pedro I e elaborada pelo Conselho de Estado, em seu artigo 99, dizia: "A pessoa do Imperador é inviolável e sagrada: ele não está sujeito a responsabilidade alguma".

No capítulo VII, que trata da Administração e Economia das Províncias, diz no primeiro artigo: "Haverá em cada Província, um presidente, nomeado pelo Imperador, que poderá remover, quando entender que assim convém ao bom serviço do Estado". Essa era a Constituição em vigor no Brasil em 1853, quando da criação da Província do Paraná.

Atuais Membros[editar | editar código-fonte]

Deputado Estadual Partido Observações
Adelino Ribeiro
PSL
Ademar Traiano
PSDB
Líder do Governo
Ademir Bier
PMDB
Alexandre Curi
PMDB
Andre Bueno
PDT
Anibelli Neto
PMDB
Artagão Júnior
PMDB
Bernardo Carli
PSDB
Caíto Quintana
PMDB
Cantora Mara Lima
PSDB
Cleiton Kielse
PMDB
Douglas Fabrício
PPS
Dr. Batista
PMN
Duílio Genari
PP
Elio Rusch
DEM
Elton Welter
PT
Líder da Oposição
Enio Verri
PT
Evandro Junior
PSDB
Felipe Lucas
PPS
Fernando Scanavaca
PDT
Francisco Bührer
PSDB
Gilberto Ribeiro
PSB
Gilson de Souza
PSC
Hermas Brandão Jr.
PSB
Jonas Guimarães
PMDB
Luciana Rafagnin
PT
Luiz Accorsi
PSDB
Luiz Claudio Romanelli
PMDB
Luiz Eduardo Cheida
PMDB
Marla Tureck
PSD
Mauro Moraes
PSDB
Nelson Garcia
PSDB
Nelson Justus
DEM
Nelson Luersen
PDT
Nereu Moura
PMDB
Ney Leprevost
PSD
Osmar Bertoldi
DEM
Paranhos
PSC
Pastor Edson Praczyk
PRB
Pedro Lupion
DEM
Péricles de Mello
PT
Plauto Miró
DEM
Professor Lemos
PT
Rasca Rodrigues
PV
Roberto Aciolli
PV
Rose "Litro"
PSDB
Stephanes Junior
PMDB
Tadeu Veneri
PT
Tercílio Turini
PPS
Teruo Kato
PMDB
Toninho Wandscheer
PT
Valdir Rossoni
PSDB
Presidente
Waldyr Pugliesi
PMDB
Wilson Quinteiro
PSB

Escândalos[editar | editar código-fonte]

Durante o primeiro semestre de 2010, ocorreram inúmeros escândalos políticos sobre desvio de dinheiro e nepotismo por parte de 49 dos 54 deputados, o que fez com que a Assembleia fosse considerada a mais corrupta do país [carece de fontes?]. O presidente da Assembleia Nelson Justus foi acusado de enriquecimento ilícito e contratação de funcionários fantasmas. Contudo, mesmo depois de diversas manifestações por parte da população, a situação permaneceu a mesma.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]