Claudio Abbado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Claudio Abbado
Cavaliere di Gran Croce OMRI[1]
Claudio Abbado
Cavaliere di Gran Croce OMRI[1]
Senador vitalício Itália
Período de governo 30 de agosto de 2013
Vida
Nascimento 26 de junho de 1933
Milão, Itália
Morte 20 de janeiro de 2014 (80 anos)
Bolonha
Dados pessoais
Profissão Maestro

Claudio Abbado (Milão, 26 de junho de 1933Bolonha, 20 de janeiro de 2014) foi um maestro italiano. Serviu como diretor musical da casa de ópera La Scala, de Milão, como principal regente da Orquestra Sinfônica de Londres, principal maestro convidado da Orquestra Sinfônica de Chicago, diretor musical da Ópera Estatal de Viena, e maestro principal da Orquestra Filarmônica de Berlim de 1989 a 2002. Tais cargos por ele assumidos o colocam na posição de um dos mais renomados e reconhecidos maestros do século XX.

De 30 de agosto de 2013 até sua morte foi senador vitalício.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Claudio Abbado (AFI[ˈklaudjo abˈbaːdo]) nasceu na capital da Lombardia, no norte da Itália, filho do violinista e compositor Michelangelo Abbado, seu primeiro professor de piano, e irmão do músico Marcello Abbado. Após estudar piano, composição e regência no Conservatório de Milão, com dezesseis anos,[2] [3] em 1955 Claudio Abbado estudou regência com Hans Swarowsky na Academia de Música de Viena. Também estudou na Academia Chigiana, em Siena.[2] Em 1958 conquistou o prêmio de melhor regente na Competição Serge Koussevitsky,[3] no Festival de Música de Tanglewood, o que lhe proporcionou diversos convites para reger óperas na Itália, e em 1963 conquistou o Prêmio Dimitri Mitropoulos para maestros,[3] que proporcionou-lhe cinco meses de trabalho com a Orquestra Filarmônica de Nova York.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Fez sua estreia no La Scala, em sua cidade natal, em 1960 e serviu como seu Diretor Musical entre 1968 e 1986, realizando não só o repertório tradicional italiano, mas também apresentando uma ópera contemporânea por ano, bem como uma série de concertos dedicados à obras de Alban Berg e Modest Mussorgsky. Abbado fundou a Filarmonica della Scala, em 1982, para a apresentação de repertório sinfônico em Milão.

Abbado conduziu a Filarmônica de Viena, pela primeira vez em 1965 em um concerto no Festival de Salzburgo. Ele serviu como Diretor Musical da Ópera Estatal de Viena de 1986 a 1991, com produções notáveis como a partitura original de Boris Godunov de Mussorgsky e sua raramente ouvida ópera Khovanshchina, a primeira audição mundial de Fierrabras de Franz Schubert, e de Gioacchino Rossini Il viaggio a Reims. Em 1988, ele fundou o festival Wien Modern, que desde então tem se expandido para incluir todos os aspectos da arte contemporânea.

Ele foi Maestro Principal da Orquestra Sinfônica de Londres de 1979 a 1987. Nos Estados Unidos, foi Maestro Convidado Principal da Orquestra Sinfônica de Chicago de 1982 a 1986. Com as duas orquestras, Abbado fez uma série de gravações para a Deutsche Grammophon.

Em 1989, a Orquestra Filarmônica de Berlim elege Abbado como seu Regente Principal e Diretor Musical, para suceder Herbert von Karajan, posto que ocupou até 2002, tendo Sir Simon Rattle o sucedido. Em Berlin, Abbado empenhou-se em expandir o repertório da Filarmônica, com relação à música moderna e conteporânea, fez várias turnês e numerósas gravações. Em 2004 ele regeu novamente a Filarmônica de Berlim executando a Sinfonia nº6 de Mahler, concerto que foi gravado. O CD resultante ganhou os premios de Melhor Gravação Orquestral e Gravação do Ano em 2006 da revista Gramophone. A Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim estabeleceu o Claudio Abbado Composition Prize em 2006 em sua homenagem.

Abbado realizou e gravou uma vasta gama de obras românticas, nomeadamente sinfonias de Gustav Mahler, que ele gravou várias vezes. Ele também é conhecido por suas interpretações de obras modernas e conteporâneas, como as de Arnold Schoenberg, Karlheinz Stockhausen, Giacomo Manzoni, Luigi Nono, Bruno Maderna, Thomas Adler, Giovanni Sollima, Roberto Carnevale, Franco Donatoni e George Benjamin.

Abbado também é conhecido por seu trabalho com músicos jovens. Ele é fundador e foi Diretor Musical da Orquestra de Jovens da União Europeia (1978) e da Gustav Mahler Jugendorchester (1986). Ele também é um maestro convidado frequente da Orquestra de Câmara da Europa, com quem gravou um aclamado ciclo das sinfonias de Franz Schubert. Mais recentemente, trabalhou com a Orquesta Sinfónica Simón Bolívar da Venezuela.

Abbado foi diagnosticado com um câncer de estômago em 2000, e o tratamento levou à remoção de uma parte de seu sistema digestivo. Após sua recuperação, ele formou a Lucerne Festival Orchestra, que abre o Festival de Lucerna, em 2003, cujos concertos eram aclamados. Abbado estava programado para permanecer como Diretor Musical da orquestra e Maestro Principal até 2010. Ele também atuava como diretor musical da Orquestra Mozart de Bolonha, Itália.

Em setembro de 2007, ele anunciou que estava cancelando todos os seus próximos compromissos de realização para o "futuro próximo" a conselho de seus médicos, mas em dois meses retornou a suas atividades normais.

Seu filho, Daniele Abbado, é um diretor de ópera. De sua relação com a violinista Viktoria Mullova, nasceu Misha. Seu sobrinho, Roberto Abbado, também é maestro.

Abbado recebeu muitos prêmios e reconhecimentos entre os quais o Prêmio Imperial do Japão, Medalha Mahler, o Bundesverdienstkreuz (a mais alta distinção que um civil pode receber do Governo da Alemanha), Khytera Prize, em 1973, ele ganhou a Medalha Mozart, concedido pela Mozartgemeinde Wien e doutor honoris causa de universidades de Ferrara, Cambridge, Aberdeen, e Havana.

Senador vitalício[editar | editar código-fonte]

Em 30 de agosto de 2013 foi nomeado senador vitalício pelo presidente Giorgio Napolitano. Na mesma ocasião foram nomeados Elena Cattaneo, Renzo Piano e Carlo Rubbia.[4]

Referências

  1. quirinale.it
  2. a b "Abbado, Claudio". Encyclopedia Britannica (15ª) I: A-Ak - Bayes. (2010). Chicago: Encyclopedia Britannica, Inc.. 8. ISBN 978-1-59339-837-8 
  3. a b c Randel, Don Michael. The Harvard biographical dictionary of music. Cambridge, Mass.: Belknap Press of Harvard Univ. Press, 1996. Capítulo Claudio Abbado. p. 1. ISBN 0-674-37299-9.
  4. (em italiano) Nominati Abbado, Cattaneo, Piano e Rubbia senatori a vita

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Guido Cantelli
Diretor musical do Teatro alla Scala de Milão
1968–1986
Sucedido por
Riccardo Muti
Precedido por
André Previn
Regente titular da Orquestra Sinfônica de Londres
1979–1987
Sucedido por
Michael Tilson Thomas
Precedido por
Egon Seefehlner
Diretor musical da Ópera Estatal de Viena
1986–1991
Sucedido por
Eberhard Waechter
Precedido por
Herbert von Karajan
Diretor artístico da Orquestra Filarmônica de Berlim
1989–2002
Sucedido por
Simon Rattle


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Claudio Abbado