Auto Esporte Clube (Paraíba)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estádio Evandro Lélis)
Ir para: navegação, pesquisa
Auto Esporte
Nome Auto Esporte Clube (Paraíba)
Alcunhas O Clube do Povo
Auto
AEC
Alvirrubro
Autinho do Amor
Torcedor/Adepto Automobilista
Torcida Motorizada
Mascote Macaco
Fundação 7 de setembro de 1936 (77 anos)
Estádio Estádio Evandro Lélis
Capacidade 2.000
Localização João Pessoa João Pessoa
Paraíba Paraíba
Brasil Brasil
Presidente Brasil Manuel Democrito
Treinador Brasil Jazon Vieira
Patrocinador João Pessoa Prefeitura Municipal de João Pessoa
Paraíba Governo do Estado da Paraíba
Brasil Transnacional
Brasil Energisa
Brasil Bessa Grill
Material esportivo Pernambuco Rota do Mar
Competição Paraíba Campeonato Paraibano
Website http://www.autoesporteclube.com.br
Kit left arm autoesporte14h.png Kit body autoesporte14h.png Kit right arm autoesporte14h.png
Kit shorts salgueiro14a.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm autoesporte14a.png Kit body autoesporte14a.png Kit right arm autoesporte14a.png
Kit shorts autoesporte13a.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
Kit left arm autoesporte14t.png Kit body autoesporte14t.png Kit right arm autoesporte14t.png
Kit shorts autoesporte14t.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

Auto Esporte Clube é uma agremiação esportiva da cidade de João Pessoa, no estado da Paraíba, fundada a 7 de setembro de 1936.

História[editar | editar código-fonte]

O Auto Esporte Clube foi fundado em 7 de novembro de 1936 por um grupo de taxistas que se concentravam na Praça do Relógio, hoje conhecido como Ponto de Cém Reis, no centro da cidade de João Pessoa, capital da Paraíba. No entanto, por motivos até então desconhecidos, seu aniversário é comemorado no dia 7 de setembro. É conhecido como o Clube do Povo e o seu mascote é o macaco. É o quarto maior vencedor do Campeonato Paraibano de Futebol.

Nos primeiros anos, o Auto treinava nos campos localizados no centro da capital, o que foi lhe dando popularidade, devido a isso, arrastou multidões aos estádios, e pouco a pouco, criando a sua originalidade que até hoje é conhecido como o Clube do Povo.

Dando início a sua galeria de troféus, o Clube do Povo em 1939 conquistou o seu primeiro campeonato paraibano e de maneira invicta.

Em 1959 foi o primeiro clube paraibano a disputar uma competição nacional, a extinta Taça Brasil. Conquistou esse direito depois de ter sido campeão paraibano do ano anterior. Já no ano de 1993 foi o primeiro paraibano a vencer na Copa do Brasil ao derrotar o Paysandu por 2a1 no Estádio Almeidão, em João Pessoa.

No ano de 1951 o Auto Esporte Clube realizou sua primeira partida internacional, contra a tripulação do barco argentino Punta Del Loyola, que estava ancorado no porto de Cabedelo, e venceu por 5 a 1.

Em 1939, o Auto Esporte sagrou-se Campeão Paraibano invicto, pelo campeonato organizado pela LDP (Liga Desportiva Paraibana). No primeiro compromisso, o Auto Esporte venceu ao Treze por 3 a 2; em seguida derrotou o Esporte Clube União por 2 a 1; Palmeiras-PB por 2 a 1, para, 8 dias depois, empatar em 1 a 1 com o Botafogo-PB e, finalmente, encerrar a temporada, aplicando a goleada de 7 a 1 ao Felipeia. Quadro campeão, com os jogadores que revezaram durante a temporada: Terceiro (Lins), Biu (Lucena), Zé Novo, Henrique, Gerson, Aluízio, Neco de Cabedelo e Formiga (Pé de Aço); Pitôta, Pedrinho e Misael.

O Campeonato Estadual de 1956, conquistado pelo Auto Esporte, só foi decidido dois anos depois, numa série em "melhor de três", entre Auto e Botafogo-PB. O alvirrubro venceu o primeiro jogo pelo escore de 2 a 1, no Estádio Olímpico. O placar foi inaugurado aos 21 minutos do primeiro tempo, por intermédio de China, marcando para o Auto Esporte. Pedro Negrinho empatou aos 36 ainda na fase inicial. No segundo tempo coube a Delgado marcar a tento que deu a primeira vitória ao quadro automobilista.

Na semana seguinte, foi decidido o campeonato com o Auto vencendo mais uma vez por 2 a 1, escore que lhe deu o título de Campeão Paraibano de 1956, com a seguinte equipe: Freire, Calado e Lucas; Xavier, Américo e Croinha; Pitada, China, Delgado, Massangana e Alfredinho.

No dia 21 de dezembro de 1958, no Estádio Leonardo da Silveira, Auto Esporte e Íbis se empenharam na luta pelo título estadual, que acabou sendo conquistado pelo quadro automobilista pelo placar de 3 a 1, marcando para os vencedores Piau (2) e Alfredinho, cabendo a Moacir descontar para o Íbis. O time campeão atuou com: Agostinho; Wilson e Américo; Élcio, Joca e Croinha; Tito, China, Macau, Alfredinho e Piau.

Em 2 de novembro de 1987, perante um público de 15 mil espectadores, o Auto Esporte conseguiu, ao empatar com o Botafogo-PB, quebrar um tabu que já vinha durando 29 anos sem conquistas do Campeonato Paraibano. O árbitro deste jogo foi José de Assis Aragão, que pertencia à Federação Paulista de Futebol e deixou de validar um gol do Botafogo-PB, marcado pelo lateral-direito Santana Filho, quando o jogo estava 0 a 0. Os assistentes foram José do Egito e Marcos Nunes Teobaldo, ambos da Paraíba.

Para desespero da torcida motorizada, o Botafogo partiu na frente. Mas o Auto Esporte teve forças para empatar com Bona, aos 44 minutos da etapa final. A equipe esteve formada assim: Adaílton; Walter, Neurilene, Marconi e Carlito; Farias, Dagoberto (Dentinho) e Tola; Zé Carlos, Isaías e Anchieta (Bona). O Auto Esporte na ocasião era treinado por Víctor Hugo e presidido por João Máximo Malheiros.

Durante o Campeonato Paraibano de 1990, era inegável que, mesmo antes de terminar o campeonato, o Auto tinha o melhor time. A confiança excessiva da torcida e da diretoria, acabou provocando um clima de guerra para o jogo contra o seu principal rival. O Botafogo-PB bem que tentou dificultar os passos do quadro volante. Porém, isso nada valeu, pois Neto Surubim recebeu uma bola cruzada e bateu forte para o gol, sem chances de defesa para o goleiro Marola, do Botafogo-PB. O placar de 1 a 0 garantiu o título ao Auto Esporte, sob comando do treinador Mineiro, com a seguinte escalação: Jorge Pinheiro; Santana, Carlinhos Paraíba, Gilvan e Mano; Farias Álvaro e Neto Surubim (Adriano); Cao (Gilmar), Isaías e Betinho.

No Estadual de 1992, os alvirrubros fizeram a festa do título em pleno Estádio Amigão, diante dos torcedores trezeanos, que eram a maioria. Após a derrota no tempo normal de jogo, o Auto esteve impecável taticamente na prorrogação. Mais ativo na partida, indo para o tudo ou nada, haja vista que o empate interessava unicamente ao Treze, o Auto fez o gol da vitória na prorrogação, aos 5 minutos, com Cristiano marcando o tento alvirrubro.

O Auto Esporte jogou com: Zenóbio; Gilmar (Cao), Salerno, Carlinhos Paraíba e Adriano; Deoclécio, Nilo e Betinho; Walber (Everton), Isaías e Cristiano. Técnico: Carlos (Carlão). Ainda neste mesmo ano, o Auto Esporte terminou na terceira colocação do Campeonato Brasileiro da Série C.

O Auto Esporte é o único clube paraibano a fazer excursão à Europa, em 1999. Em 2004, o Auto Esporte foi rebaixado para a Segunda Divisão paraibana, retornando, no ano de 2006 à elite do futebol paraibano. No dia 29 de maio de 2011 o Auto Esporte é campeão da Taça Brasil de Futsal Sub-17 - 2ª Divisão, levando o futsal paraibano para a 1ª Divisão do campeonato. O destaque do time foi o ala Netinho, camisa 10 da equipe.

O Auto Esporte sagrou-se, no dia 29 de outubro de 2011, campeão da Copa Paraíba 2011 em cima do Treze, vencendo por 3 a 1. Em 2012 o Auto Esporte foi eliminado na primeira fase da Copa do Brasil pelo Bahia, ao perder por 3 a 0, no Estádio Almeidão. Ficou em oitavo lugar no Campeonato Paraibano de Futebol de 2012.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

  • Campeonato Brasileiro - Taça de Prata - 3° Lugar em 1992.

Torneios amistosos[editar | editar código-fonte]

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

Futsal[editar | editar código-fonte]

  • Campeonato Paraibano Sub-17: 2010
  • Taça Brasil Futsal de Clubes Sub-17 : 2011

Beach Soccer[editar | editar código-fonte]

  • Campeonato Paraibano: 2009

Partidas históricas[editar | editar código-fonte]

Histórico em competições oficiais[editar | editar código-fonte]

Copa do Brasil[editar | editar código-fonte]

O Auto Esporte Clube participou de três edições da Copa do Brasil: em 1991,1993 e 2012. Em todas edições, a equipe automobilista foi eliminada na primeira fase.

Em 1991, o AEC provocou o jogo da volta contra o Grêmio, após perder por 1 a 0 em casa. Em Porto Alegre, o Auto Esporte foi derrotado por 2 a 0.

No ano de 1993, o Auto Esporte venceu o jogo em casa contra o Paysandu, por 2 a 1, sendo eliminado em Belém, novamente pelo placar de 2 a 0.

Em 2012, pela terceira vez, a equipe participou da competição. Novamente, o clube foi eliminado na 1ª fase. Desta vez, perdeu o primeiro jogo para o Bahia, por 3 a 0. De acordo com o regulamento, não houve jogo de volta.

Ídolos[editar | editar código-fonte]

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 155º
  • Pontuação: 250 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Torcidas Organizadas[editar | editar código-fonte]

  • Gaviões Rubros (extinta)
  • Ultras 1936

Estádio[editar | editar código-fonte]

Seu estádio é o Estádio Evandro Lélis, mais conhecido como Mangabeirão, por ser localizado no bairro de Mangabeira, ou Colosso Alvirrubro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]