Frância Oriental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Frância oriental)
Ir para: navegação, pesquisa
Regnum Francorum orientalium
Frância oriental

Reino

Blank.png
843 – 919 Blank.png
Localização de Frância oriental
Frância Oriental (verde) em 843.
Continente Europa
Capital Ratisbona, Frankfurt
Língua oficial Latim
Religião Católica
Governo Monarquia
Rei
 • 843 - 876 Luís o Germânico
 • 911 - 918 Conrad I
História
 • 843 Tratado de Verdum
 • 919 Dissolução
Moeda Soldo, triens, Denário, pfennig

A Frância oriental (Regnum Francorum orientalium), conhecida também como Francia Orientalis ou Reino dos Francos do Leste, foi o reino atribuído a Luís, o Germânico pelo Tratado de Verdun de 843. É o precursor do Sacro Império Romano-Germânico. Após a morte do imperador Luís I, o Piedoso, seus filhos dividiram o Império Carolíngio dos francos pelo Tratado de Verdun em reinos: Oriental, Central e Ocidental. Como todas as partições permaneceram sob o domínio da dinastia carolíngia com o filho mais velho de Luís, Lotário I (795-855), ficando com o título imperial, este acordo não aboliu a entidade da Frância em si.

Luís, o Germânico (843-876)[editar | editar código-fonte]

No decurso da Ordinatio Imperii de 817, Luís, o Germânico já tinha recebido o território do ducado da Baviera de seu pai e, posteriormente, assumiu o título de "rei da Baviera". Depois de sua ascensão ao trono, ele atacou sem sucesso a vizinha Grande Morávia, e lutou contra a pilhagem dos vikings e dos magiares, conseguindo manter unido seu reino localizado entre os rios Reno e o Elba. Quando o filho de seu irmão Lotário, Lotário II da Lotaríngia morreu em 869, ele recebeu também grande parte do seu reino (Lotharii) situado a oeste do Reno, por intermédio do Tratado de Meerssen de 870.

O filho mais velho Lotário, Luís II da Itália, embora nominalmente Imperador após a morte de seu pai, não conseguiu garantir a herança lotaríngia. Quando ele morreu em 875, Luís, o Germânico e seu meio-irmão mais novo, o rei Carlos, o Calvo da Frância ocidental, entraram em disputa com relação ao Reino Itálico, incluindo a Borgonha e a coroa imperial. Com a intervenção do Papa João VIII, os territórios em conflito foram herdados por Carlos encerrando com a existência da Frância central.

Os filhos de Luís (876-887)[editar | editar código-fonte]

No interior da Frância oriental desenvolveram-se quatro ducados: Suábia (Alemânia), Francônia (a parte oriental da antiga Austrásia), Saxônia e Baviera. Em 865, Luís, o Germânico foi forçado por seus filhos a dividir seu reino ao longo das fronteiras destes ducados:

Após a morte de seu pai, os filhos de Luís governaram conjuntamente. Quando Carlos, o Calvo da Frância ocidental morreu em 877, eles mais uma vez reivindicaram a herança de Lotário I, bem como o título imperial herdado pelo filho de Carlos, Luís II de França. Aproveitando-se da fragilidade da Frância ocidental, Carlomano tornou-se rei da Itália, enquanto que Luís, o Jovem, invadiu a lotaríngia ocidental, que em 880, os netos de Carlos, Luís III e Carlomano II tinham-lhe cedido.

Carlomano sofreu um acidente vascular cerebral em 879 e incapacitado, cedeu a Baviera (incluindo a Marca da Carantânia) a Luís, o Jovem, enquanto que Carlos, o Gordo recebeu a coroa italiana. Neste contexto, o sucessor dos imperadores Lotário I e Lotário II da Itália, ficou sendo Carlos, o Gordo e em 881 foi coroado imperador - como Carlos III - pelo Papa João VIII, um ex-adversário de seu pai. Com a morte de Luís, o Jovem, Carlos também tornou-se o único governante de todo o reino franco oriental e em 884 foi nomeado Rei da Frância ocidental pela nobreza local. Suas tentativas de reunir toda a Frância porém, foram cada vez mais afetadas pela sua deterioração mental. Em 887, por ocasião do Reichstag em Trebur, finalmente foi forçado a renunciar.

Arnulfo da Caríntia (887-899)[editar | editar código-fonte]

A força motriz por trás da deposição de Carlos, o Gordo foi Arnulfo da Caríntia (850-899), filho ilegítimo de Carlomano, que havia crescido na Marca da Baviera. Após o reino da Baviera ter passado a seu tio Luís, o Jovem, ele assumiu o título de duque da Caríntia em 880. Em 887, herdou a Baviera e foi eleito Rei da Frância oriental, depois de ter aprovado a nomeação de Odo I de Paris, como rei dos francos ocidentais.

Enquanto isso, Berengário de Friul, teve a oportunidade de ficar com o título de Rei italiano, mas teve que se submeter a Arnulfo, depois que o carolíngio ameaçou invadir o país. Arnulfo, no entanto, foi preso no conflito com os vikings e em 891 o rival de Berengário, o duque Guido III de Espoleto declarou-se Rei da Itália e chegou a forçar o Papa Estêvão V a coroá-lo novo Imperador. O rei Arnulfo, porém não tinha nenhuma intenção de abandonar as suas pretensões, nem de governar a Frância como um todo, nem à coroa imperial. Depois de derrotar os escandinavos na batalha de Leuven, em 891, fez campanha na Itália e em 896 foi coroado imperador pelo Papa Formoso.

Declínio[editar | editar código-fonte]

O filho de Arnulfo, Luís, a Criança (893-911) sucedeu seu pai como Rei da Frância oriental, com a idade de sete anos. Enquanto que Luís, o Cego, Rei da Provença tornava-se Rei da Itália e até mesmo imperador em 901, Luís, a Criança, teve de lidar com a disputa acirrada entre a dinastia de Babenberg e o duque Conrado, o Velho em relação ao ducado da Francônia. O rei, influenciado por seus conselheiros, executou o duque de Babenberg e nomeou o filho de Conrado, Conrado, o Jovem, duque da Francônia em 906. Enquanto isso, a Frância oriental era devastada por diversas vezes pelas tropas do rei Árpád da Hungria.

Com a morte precoce de Luís, a linha masculina dos francos carolíngios orientais tornou-se extinta. A eleição de Conrado, o Jovem, da Francônia, como rei pelos duques da Saxônia, Baviera e Suábia na dieta de Forchheim, em 10 de novembro de 911, foi um passo decisivo da Frância em direção a um reino alemão, em vez de um membro da dinastia carolíngia, os duques franco orientais escolheram um de sua classe. O rei Conrado, no entanto, não prevaleceu como primus inter pares e até mesmo perdeu a Lotaríngia para o reino franco ocidental. Foi seu sucessor, Henrique I da Germânia, que foi capaz de impor sua soberania real contra os duques, cujos ducados foram desaparecendo ao longo dos séculos seguintes, sendo o último deles, a Suábia, ao término da dinastia Hohenstaufen, em 1268.

Sucessão[editar | editar código-fonte]

O surgimento do Sacro Império Romano-Germânico coincide com a ascensão à dinastia Otoniana de Henrique. Em consequência, o Reino da Frância oriental teria durado de 843 até a coroação do duque Henrique I da Saxônia, em 919; embora seja mais comum considerar que o evento que deu origem ao Sacro Império Romano-Germânico seja a coroação do Imperador Oto I em Roma, em 2 de fevereiro de 962 como uma translatio imperii do Império franco.

A partir do início do século X, a Frância oriental tornou-se também conhecida como Regnum Teutonicorum ("reino tedesco" ou "Reino da Germânia") como mencionado nos Annales iuvavenses no curso da eleição de Henrique I. A denotação Rex teutonicorum era usada frequentemente pelo Papado durante a Questão das investiduras, talvez como um instrumento polêmico do Papa Gregório VII contra o imperador Henrique IV no final do século XI.[1] .

Galeria[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Frância Oriental


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Robinson, "Papa Gregório", p. 729.