GURPS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
GURPS
Autor Steve Jackson, Sean Punch e David Pulver
Editora(s) Steve Jackson Games
Lançamento Nos Estados Unidos:
1986 (1ª ed.)
1987 (2ª ed.)
1988 (3ª ed.)
1994 (3ª ed. rev.)
2004/Ago (4ª ed.)
2008/Fev (4ª ed., 3ª impr.)
No Brasil:
1991 (1ª ed.)
1994 (2ª ed.)
-------- não houve 3ª ed.
2010/Set (4ª ed.)
Sistema próprio
Faixa etária Inadequado para menores de 16 anos i DEJUS (Brasil)[1]
Website Pagina Oficial

GURPS é acrônimo de Generic and Universal Role Playing System (Sistema Genérico e Universal de Interpretação de Papéis) e, como informa o nome, é um sistema de Role Playing Game genérico e universal, o que significa que ele pode ser tão complexo quanto se queira e pode ser usado para jogar em qualquer cenário histórico ou ficcional. Foi criado por Steve Jackson e publicado em 1986 por sua editora, a Steve Jackson Games, sendo traduzido para a língua portuguesa pela Devir Livraria em 1991.[2]

Sua terceira edição é a mais famosa e a que tem mais livros publicados: cerca de 240 títulos que tratam dos assuntos mais variados, da idade da pedra até o futuro distante, passando por quase todo tipo de realidade fantástica imaginável. Todavia os títulos mais presentes são os de ficção científica (Transhuman Space, Lensman, Hellboy, Traveller) e os históricos (World War II, Greece, Japan, Imperial Rome etc). A maioria dos suplementos da 3ª edição são compatíveis com o sistema da 4ª edição. No total GURPS teve mais de 400 títulos publicados[3] .

É considerado o sistema de RPG mais realista e já foi um dos jogos mais vendidos da categoria. Ganhou o prêmio de Melhores Regras de Roleplaying de 1988 (Best Roleplaying Rules of 1988) do Origins Award[4] , e foi incluído no Salão da Fama da Origins em 2000[5] . Muitos de seus suplementos também ganharam prêmios.

Edições[editar | editar código-fonte]

Antecendentes e influências[editar | editar código-fonte]

Antes de GURPS, os jogos de Roleplaying das décadas de 1970 e 1980 eram todos especificamente desenvolvidos para certos cenários e ambientes de jogo, com regras totalmente incompatíveis entre si. Uma mesma editora poderia ter jogos em cenários diferentes com regras diferentes e incompatíveis entre si, foi o caso da Tactical Studies Rules (TSR), que publicava Dungeons & Dragons (fantasia medieval), Gamma World (ficção distópica), Star Frontiers (ficção científica espacial), Top Secrets (espionagem e agentes secretos) e Boot Hill (Velho Oeste). Isso começou a mudar com as publicações de Basic Roleplaying (Chaosium, 1980) e Champions (Hero Games, 1981).

Em fins da década de 1970, Steve Jackson trabalhava para a Metagaming Concepts, e para ela desenvolveu um sistema de jogo chamado The Fantasy Trip publicado em diversos livretos (1977-1980), com os rudimentos do que viria a ser o sistema do jogo GURPS. Ele deixou a companhia em 1980 e passou a desenvolver seu próprio sistema. GURPS seria um título provisório, mas acabou se tornando permanente. GURPS se desenvolveu, evoluindo a partir do The Fantasy Trip, mas também sendo bastante influenciado pelo Champions (já citado), pelo Tunnels & Trolls (Flying Buffalo, 1975) e por Empire of the Petal Throne (TSR, 1975)[6] .

1ª e 2ª edições[editar | editar código-fonte]

Em 1986 foi publicada a primeira edição, e em 1987 a segunda. Essas duas edições eram vendidas em caixa, tinham a mesma capa e incluíam dois livretos de regras chamados Characters (Personagens) e Adventuring (Aventurando), um par de aventuras (uma solo e uma para mestrar), um livreto Charts and Tables (Tabelas e Fichas), imagens de papelão, mapas de combate e dados de seis faces. Na na primeira edição a capa dos livretos era mole, e na segunda eram cartonados. Em tudo o mais (regras, arte e capa) possuíam o mesmo conteúdo. Na prática, a segunda edição era a primeira revisada. Característica destas edições era a modularidade, daí a inscrição Basic Set (Módulo Básico) que acompanha as edições do jogo até hoje. Por modularidade significa que cada cenário ou ambiente tinha um módulo próprio: um módulo básico, um de fantasia, um de viagens espaciais etc. Nem todas as regras para todos os cenários estavam no Módulo Básico[7] .

3ª edição[editar | editar código-fonte]

Em 1988 veio a terceira edição, ganhadora de muitos prêmios, referidos acima. Ela trouxe poucas alterações nas regras, que já estavam muito maduras, pois se desenvolveram desde os idos de 1977 com The Fantasy Trip. As mudanças apenas incluíam mais material e opções aos jogadores. A caixa e os quatro livretos foram substituídos por um único grande manual, o Módulo Básico, que incluía agora as regras básicas para outros cenários (fantasia, super-heróis, viagem espacial etc), sendo verdadeiramente universal e dispensando a necessidade de outros módulos ou suplementos. Em relação às edições anteriores a 3ª ed. quebrou a curva de aprendizado das perícias, aparentemente diferente para cada tipo de cenário, passando a ser mais universal. Foi a 3ª ed. que trouxe a famosa aventura “Caravana para Ein Arris”. No Brasil, essa foi chamada de primeira edição (de capa branca), sendo publicada em 1991[7] .

3ª edição revisada[editar | editar código-fonte]

Em 1994 foi a vez da terceira edição revisada. Ela apenas consolidou algumas perícias, vantagens e desvantagens presentes em outros suplementos esparsos. As regras ainda eram as mesmas. Apenas removeram a aventura “Caravana para Ein Arris” e colocaram o famoso “Apêndice” no lugar, contendo essa consolidação. Como essa foi a única mudança, a Devir Livraria pôde publicar a 3ª ed. rev. no mesmo ano da publicação nos EUA, chamada de segunda edição brasileira (de capa preta)[7] .

4ª edição[editar | editar código-fonte]

Em Agosto de 2004, teve sua quarta edição publicada nos EUA, renovando de forma sutil a mecânica do sistema e de forma intensa a qualidade gráfica das publicações. No Brasil, após longo atraso e renegociações contratuais com a Steve Jackson Games, a Devir Livraria enfim publicou o GURPS Módulo Básico: Personagens em 21 de Setembro de 2010. O planejamento da nova edição incluiu consulta aos fãs do jogo, através de um amplo questionário no site da editora, que ficou online por um longo tempo. Esta edição trouxe mudanças expressivas na: progressão dos atributos, forma de calcular pontos de vida e de fadiga, simplificação da tabela de custos das perícias (agora ainda mais universais e fáceis de manipular), adoção se um sistema de ampliações e limitações às vantagens e desvantagens (presente no GURPS Supers) que permitem na prática criar um número infinito de novas características e, na consolidação de uma série de regras, perícias, vantagens e desvantagens presentes nos GURPS Compendium I, Compendium II e Supers da terceira edição (os dois Compendiuns nunca foram publicados no Brasil). Esta edição também ganhou o prêmio Origins Nominee por Melhor Roleplaying Game de 2004[8] . Agora o Módulo Básico cresceu e foi dividido em dois: GURPS Personagens e GURPS Campanhas. A quarta inovou nas capas, partidas agora em quatro quadrinhos, cada um representando um cenário de jogo, bastante expressivo da universaldade do sistema. Houve um concurso para a nova capa, e quem ganhou foi o brasileiro Victor R. Fernandes. Nos créditos ele aparece apenas como projetista da capa, pois seu desenho inicial foi refeito por outro artista[7] [9] .

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, foi o primeiro sistema de RPG a ser traduzido e publicado em 1991 pela Devir Livraria,[2] e teve diversos títulos lançados, inclusive uma série de livretos inciada em 1999,[10] sob o selo "Mini-GURPS", baseado no GURPS Lite, publicado no ano anterior em pdf,[11] [12] a versão brasileira era ambientada em tempos históricos brasileiros como Quilombo dos Palmares e nas Bandeiras, a maioria adaptada por Luiz Eduardo Ricon,[13] [14] [15] co-autor de O Desafio dos Bandeirantes.[16]

Marcelo Cassaro planejou lançar um suplemento baseado em seu romance de ficção científica Espada da Galáxia, lançado pela Trama em 1995,[17] porém, as negociações com a Devir não foram bem-sucedidas,[18] a adaptação foi distribuída gratuitamente na internet em formato e-book.[19] Um outro suplemento para Mini-GURPS, Intempol,[20] um universo compartilhado de viagem no tempo, com contos escritos por autores brasileiros como Octavio Aragão, Lúcio Manfredi, Jorge Nunes, Osmarco Valladão, Carlos Orsi Martinho, Paulo Elache, Fábio Fernandes e Gerson Lodi-Ribeiro, porém não chegou a ser publicado.

O volume de lançamentos nacionais ficou muito abaixo da quantidade de títulos lançados em inglês, e versões nacionais de muitos livros importantes do sistema nunca foram lançadas. Apesar desses problemas e mesmo com a concorrência de títulos do Mundo das trevas e do Sistema d20, ele ainda conta com um grande número de fãs nos dias de hoje.

Em 2005, foi distribuído gratuitamente, o GURPS Lite Quarta Edição em português, contendo com 36 páginas, durante o Sampa RPG, logo em seguida foi encartado na revista Dragão Brasil #115,[21] em formato e-book nos site oficiais da Steve Jackson Games e da Devir,[22] [23] porém, apenas em Setembro de 2010, a Devir lança o livro GURPS Quarta Edição Módulo Básico: Personagens.[24]

Regras[editar | editar código-fonte]

Dados[editar | editar código-fonte]

A mecânica do sistema GURPS é baseada no uso de três dados de seis faces. O uso dos dados hexaédricos é um ponto forte do jogo, por serem os mais comuns no mercado, podendo reutilizar dados de outros jogos[25] .

Características[editar | editar código-fonte]

As fichas de personagens são divididas em três partes principais, quais sejam, atributos (características básicas dos personagens como força, destreza, inteligência e vitalidade), vantagens e desvantagens (características natas do personagem, como facilidade em certas habilidades, sentidos aguçados, transtornos mentais, vícios, poderes etc.) e perícias (habilidades aprendidas pelo personagem, como manuseio de espadas, escudos, acrobacias, tocar instrumentos etc.)[26] .

Mecânica Básica[editar | editar código-fonte]

Para a realização de algum tipo de ação mais elaborada exige-se um teste no qual são lançados os dados esperando obter um valor menor ou igual ao valor numérico de uma perícia ou atributo modificado por bônus e penalidades decorrentes de vantagens, desvantagens e condições do ambiente onde se desenvolve a ação em questão. Além disso o sistema GURPS oferece a opção de se utilizar um grande número de tabelas (tabela de reações, de empregos etc) onde cada número representa um resultado específico, de uso opcional, dado que o sistema é genérico e pode ser tão complicado quanto os jogadores o queiram[27] .

Combates[editar | editar código-fonte]

O combate, como é de costume nos jogos do gênero, é dividido em rodadas. Em cada rodada, subdividida em turnos, que são a vez de que cada personagem agir. Para efetuar um ataque o jogador ou o GM deve lançar três dados e comparar o resultado com a perícia de combate que estiver usando (como Espadas Curtas ou Armas de Fogo por exemplo), se o resultado for menor ou igual ao número da perícia então ele terá conseguido e seu ataque será bom o bastante para acertar, mas se o resultado for maior então terá errado. Nesse ponto o personagem atacado deve fazer uma jogada de defesa usando uma das três Defesas Ativas (Aparar, Bloqueio ou Esquiva) se houver possibilidade de defesa. Se passar na jogada de defesa, obtendo resultado menor ou igual ao valor de defesa, o personagem consegue se defender do ataque, se falhar nessa jogada o ataque terá acertado[28] .

Publicações em português[editar | editar código-fonte]

GURPS[editar | editar código-fonte]

Mini GURPS[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. GURPS MÓDULO BÁSICO: PERSONAGENS Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação.
  2. a b Marcelo Telles (22/06/2010). EXTRA: A verdade revelada: GURPS 4ª Edição em português! RedeRPG.
  3. GURPS Worldbook Index Steve Jackson Games. Visitado em 29 de Janeiro de 2014.
  4. Origins Award Winners (1988) Academy of Adventure Gaming Arts & Design (5 de Maio de 2009). Visitado em 29 de Janeiro de 2014.
  5. Origins Award Winners (1999) Academy of Adventure Gaming Arts & Design (5 de Maio de 2009). Visitado em 29 de Janeiro de 2014.
  6. Steve Jackson. GURPS: Módulo Básico (em <código de língua não-reconhecido>). 2ª. ed. São Paulo: Devir Livraria, 1994. p. 6.
  7. a b c d Cf. PUNCH, Sean, Observações sobre a quarta edição, in: GURPS Módulo Básico: Personagens (nt 9, infra), pág. 6.
  8. GURPS Basic Set Steve Jackson Games. Visitado em 29 de Janeiro de 2014.
  9. JACKSON, Steve; PUNCH, Sean; e, PULVER, David. GURPS Módulo Básico (em <código de língua não-reconhecido>). 4ª. ed. São Paulo: Devir Livraria, 2010. 2 vols.
  10. Carlos Eduardo Klimick Pereira (Setembro de 2007). TNI (Técnicas para Narrativas Interativas) Senac.
  11. Marcelo Cortimiglia e Pablo Raphael (18/03/2004). Agora é Oficial: GURPS Quarta Edição! RedeRPG.
  12. May 16, 1998: GURPS Lite. Steve Jackson Games
  13. Mini GURPS - O Descobrimento do Brasil Devir.
  14. Mini GURPS - Entradas e Bandeiras Devir.
  15. Mini GURPS - O Quilombo dos Palmares Devir.
  16. Luiz Eduardo Ricon (13/12/2012). Desafio dos Bandeirantes: 20 anos RedeRPG.
  17. Cesar Silva. Todos os Novas. Scarium
  18. Marcelo Cassaro. Dragão Brasil Especial #23, Editora Trama
  19. Talude (03/11/2003). Cassaro Anuncia Novos Títulos D20 RedeRPG.
  20. Talude (11/06/2005). Lançamentos: Bienal, Internacional e o Futuro RedeRPG.
  21. Talude (03/12/2005). Dragão Brasil #115 - Tópico a Tópico. RedeRPG
  22. GURPS Lite Quarta Edição Devir
  23. Marcelo Telles e Marcelo Cortimiglia. (20/11/2006) GURPS Lite 4a Edição em português para download gratuito RedeRPG
  24. Marcelo Telles (12/09/2010)Lançamento do Módulo Básico: Personagens RedeRPG
  25. Cf. pág. 8 do GURPS Módulo Baśico: Personagens (nt. 9, supra).
  26. Cf. págs. 13-14 do GURPS Módulo Baśico: Personagens (nt. 9, supra).
  27. Cf. págs. 343-361 do GURPS Módulo Baśico: Campanhas (nt. 9, supra).
  28. Cf. págs. 324-328 ("Combate Lite") do GURPS Módulo Baśico: Personagens (nt. 9, supra).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]